História Matt - Is it Love? - Capítulo 32


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Drama, Drogas, Família, Incesto, Love, Romance
Visualizações 268
Palavras 1.907
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Saga
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá amores!
Nesse captl Rose vai sair com seu mais novo amigo que também é o retrasado nela..
As coisas não vão acabar tão bem no final desse noite..
Espero que gostem e boa leitura!

Capítulo 32 - Vingança e Arrependimento


Fanfic / Fanfiction Matt - Is it Love? - Capítulo 32 - Vingança e Arrependimento

Rose

Termino de vestir meu melhor vestido, penteio meu cabelo e faço uma maquiagem básica, capricho apenas em meus olhos passando o lápis preto bem forte. Sorrio pro meu reflexo e digo a mim mesma que também posso sair com outras pessoas.

Hoje eu vou sair, vou me divertir e ter uma conversa agradável com esse homem que é tão bom quanto Matt. Na verdade ele seria perfeito pra mim. Tem as mesmas qualidades que meu tio, com certeza deve ser bom de cama também e a cima de tudo me respeita e vê algo em mim que ninguém a não ser Matt tinha visto antes.

Eles dois acham que eu sou especial.

Solto um sorriso debochado e saio de meu quarto tentando me sentir animada quando na verdade tudo dentro de mim diz para parar com isso. A única tragédia de sair com Jonathan é que eu sei que nunca, nunca ele e nenhum outro vai conseguir substituir ou roubar o lugar de Matt em meu coração. Ele está tão cravado em minha pele, em meu sistema que é impossível colocar outro alguém a cima dele.

Desço as escadas e encontro meu pai perto da porta com seu copo de rum em uma das mãos, na outra uma caixinha pequena. Ando até ele e paro na sua frente. Ele me dá uma boa olhada e sorri.

- Vai sair em um encontro?

- Vou. É o Jonathan, filho da psicóloga louca!

Digo virando o olho, ele solta uma risada e diz.

- Isso é bom. Se ele foi aprovado por você, também é por mim!

Levanto uma sobrancelha achando graça, se fosse com o Matt será que ele também aprovaria?

- Isso não é nada pai, vamos apenas sair, conversar, beber alguma coisa.. mas no final da noite eu vou voltar pra casa. Acho que você sabe o porquê!

Ele encara meus olhos e suspira. Balança a cabeça e estende a caixa pra mim. Pego e dou uma olhada, vejo que é um celular novinho. Sorrio e olho pra ele.

- Isso é pra mim?

- Uhum.. sei que o seu último você jogou contra a parede. Não faça o mesmo com esse, essa porra foi cara!

Abro ainda mais meu sorriso e avanço puxando ele em um abraço caloroso. Ele me abraça e diz se separando de mim.

- Não volta tarde!

Viro o olho e abro a caixa, pego o celular e ligo.

- Obrigada pai!

- De nada querida!

Sorrio e entrego a caixa pra ele, coloco o celular na bolsa e saio de casa animada. Pego um táxi e sigo direto para o clube de sempre. No caminho eu adiciono alguns números em meu celular, quando o táxi para eu logo vejo Jonathan na porta do clube a minha espera.

- Obrigada!

Digo pro motorista pagando a corrida e saindo do carro meio nervosa. Aceno para Jonathan e ando em sua direção me sentindo estranhamente tímida com o olhar que ele lança para mim.

- Hey, você está a muito tempo aqui me esperando?

Digo me aproximando dele e beijando sua bochecha. Ele sorri e diz olhando em meus olhos.

- Não. Mas eu esperaria o tempo que fosse por você!

Sorrio ficando vermelha.

- Vamos entrar?

- Claro!

Ele concorda e eu ando na sua frente, sinto sua mão nas minhas costas, apesar dele não fazer muita pressão eu ainda sinto. Ando com ele até uma mesinha afastada da pista de dança, ele puxa a cadeira pra mim e eu sento.

- Fiquei surpreso com a sua ligação..

Ele diz se sentando ao meu lado. Sorrio pensando que eu também fiquei, mas na hora do impulso de me vingar do Matt eu acabei fazendo.

- Eu sei. Eu não tenho sido tão legal com você, por isso eu resolvi te chamar pra beber algo. Você tem sido um grande amigo pra mim Jonathan.. especialmente esses dias..

- Fico feliz em poder te ajudar.. em ser seu amigo..

Ele diz olhando em meus olhos, sinto o cheiro de seu perfume e percebo o quanto ele está bonito hoje. Com essa roupa mais despojada do que o usual. Quem diria que ele ficaria tão sexy assim só pra me impressionar!

Se eu deixa-se será que ele me levaria pra cama?

Mordo meu lábio e suspiro.

Ele toca minha mão e alisa me despertando de meus pensamentos. Volto a focar minha atenção no que ele está falando.

- No que você está pensando agora Rose?

Pisco algumas vezes e digo.

- Em como você está quente essa noite..

Ele sorri parecendo surpreso com o que eu disse.

- Eu já estava me perguntando quando você ia reparar em mim..

Sorrio fraco e seguro sua mão, acaricio e digo me sentindo emotiva.

- Eu reparei em você desde o dia que veio falar comigo naquela festa chata. Mas eu preciso te dizer uma coisa Jonathan. Eu não sou uma garota boa, nunca fui.. eu fodo com as coisas o tempo todo. E eu amo um cara que.. eu nunca poderei ter. Também não sei se sou boa o suficiente pra ele..

- Você seria maravilhosa pra qualquer um Rose!

Ele diz e eu balanço a cabeça negando. Suspiro e digo puxando minha mão da dele.

- O que vocês vê em mim?!

- Luz. Eu vejo o quanto você é gentil, amigável, bondosa, generosa.. especialmente quando você está com aquelas crianças o dia todo. Dando amor sem pedir nada em troca. Esse cara é um babaca se não perceber o quão especial você é .. e eu sou um infeliz por não ter você, ou metade desse amor todo que você aparenta ter por esse homem!

Fico sem palavras diante dele, olho para minhas mãos e sorrio fraco. Eu queria tanto me sentir assim, sentir que eu sou uma pessoa boa. Talvez meu pai esteja certo, eu preciso me tratar. Eu preciso aprender a me amar em primeiro lugar.

- Se um dia haver algum espaço pra mim em seu coração, me deixe saber Rose. Eu gosto muito de você!

Volto a olhar pra ele e sorrio, estendo minha mão pra ele e digo.

- Vamos dançar!

Ele sorri e segura minha mão. Andamos assim de mãos dadas feito namorados até o meio da pista. Me viro pra ele e passo meus braços ao redor de seu pescoço, ele segura minha cintura e sem receio me puxa um pouquinho, me fazendo ficar bem próxima de seu corpo.

- Você dança bem!

Ele diz acariciando minhas costas, sinto algo dentro de mim se agitar e pedir por algo. Algo perigoso. Encaro seus lábios e começo a me aproximar de sua boca. Ele quebra a distância de nossos lábios e me beija. Com suas mãos ele sobe pela minha espinha até meu pescoço e me segura ali enquanto sua boca brinca com a minha. Ele beija muito bem. Tão bem que me deixa quente por dentro. Me separo dele assustado com esse sentimento. O que eu estou fazendo?

- Desculpa Rose!

Ele diz segurando minha mão, sorrio nervosa e digo engolindo em seco e reprimindo esses sentimentos sem cabimento. O único que eu desejo é o Matt. Balanço minha cabeça negando e digo.

- Não, tudo bem. Eu também queria.. mas eu acho melhor pararmos por aqui hoje.

- Tudo bem..

Ele diz com um pequeno sorriso nos lábios, solto uma risada e pergunto.

- Porque está rindo assim?

- Nada.. melhor deixar meus pensamentos pra mim mesmo, por enquanto!

Viro o olho e digo sorrindo.

- Tudo bem senhor misterioso!

Olho ao redor e digo.

- Vamos embora.. talvez a gente possa jantar em algum lugar!

- Claro, ótima idéia!

Sorrio e ando com ele ainda de mãos dadas pra fora do clube. Saindo eu olho para seu rosto de perfil e sorrio, suspiro e volto a olhar pra frente. Fico paralisada quando vejo Matt com Caleb parados bem aqui, na minha frente. Ele olha em meus olhos e depois desvia pra minha mão que ainda está unida a de Jonathan, meu sorriso começa a se desfazer. Ele volta a olhar em meus olhos e eu morro, morro mil vezes porque seus olhos estão cheios de lágrimas. Ele se vira e anda na direção contraria a minha.

- Matt!

Eu grito soltando a mão de Jonathan e correndo até ele que não para nem por um minuto pra me ouvir. Agarro sua jaqueta de couro fazendo ele parar e se virar pra mim. Encaro seus olhos azuis tristes e tento, mas não sai nada de minha boca.

- Ele parece ser um cara legal.. da sua idade.. e decente!

- Não..

Sussurro sentindo meu peito arder porque eu não suporto magoar ele. Eu sei que ele já foi traído muitas vezes no passado e tudo que eu não quero é fazer o mesmo com ele.

Ele suspira e começa a andar novamente, eu ando atrás dele e seguro sua mão. Ele tenta puxar mais eu cravo minhas unhas na palma de sua mão.

- Precisamos conversar. Me leva pro seu hotel!

Ele suspira e para dando sinal pro táxi. Entramos juntos no carro, não solto sua mão por nada até chegarmos em um hotel diferente do que ele ficou da última vez. Esse parece ser bem mais caro. Subimos até seu andar e entramos em seu quarto. Olho ao redor e vejo suas malas perto do sofá.

- Você trouxe tudo?

Pergunto olhando pras malas.

- Sim..

Fecho meus olhos e me xingo mentalmente. Me viro pra ele e o encaro.

- Jonathan. O nome dele é Jonathan e eu trabalho com ele em uma casa de apoio a crianças com deficiência.

Matt balança a cabeça e olha pra rua através de sua janela.

- Nós não temos nada, eu apenas convidei ele pra sair.. eu estava me sentindo sozinha, traída, humilhada..

- Humilhada?!

- Sim! Por aquela mulher, ela disse que você merecia coisa melhor, ela me chamou de criança mimada e drogada Matt!

Ele suspira e diz olhando em meus olhos.

- Você sabe que não é nada disso..

- Eu sou. Você sabe disso..

Ele solta uma risada e balança a cabeça negando.

- Ela dormiu com você..

- Não! Ela estava comigo no escritório quando eu fechei.. eu sai e esqueci meu celular na mesa. Ela deve ter atendido quando você ligou.. mas eu não trai você, eu nunca faria isso com ninguém Rose. Eu já fui traído uma vez pela sua mãe e eu posso dizer com todas as palavras, dói.. muito. E por isso eu não faria com ninguém, muito menos com você!

Sinto meu sangue gelar e suspiro.

- Ver você de mãos dadas com aquele cara doeu pra caralho..

- Me desculpa. Eu não queria te magoar..

- Será?

Sorrio fraco e esfrego meus olhos me sentindo uma completa idiota.

- Melhor você ir embora..

- Você vai ficar aqui?

Ele afirma com um aceno de cabeça e eu digo olhando para minhas mãos.

- Eu ganhei um celular hoje. Você pode ter meu número..

Ele não diz nada e eu resolvo ir, mas antes eu anoto meu número e deixo em cima de sua mesinha de centro. Dou uma última olhada pra ele que ainda encara a rua, ele parece tão triste.

Suspiro e bato a porta atrás de mim. Me encosto ali e deixo minhas lágrimas rolarem pelo meu rosto.

Eu mereço isso, mereço ser desprezada!


Notas Finais


O que vocês acham do Jonathan?
Próximo capítulo está Mara, não percam!

Beijinhos ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...