História Maybe A Big Love - Long Imagine Taehyung ( BTS ) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Kim Namjoon (RM), Kim Taehyung (V), Park Jimin (Jimin)
Tags Bts, Sukhee
Visualizações 12
Palavras 1.717
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OI MEUS AMORES, TURU PÃO COM VCS? ESPERO QUE SIM!

Bom, to trazendo pra vcs mais um capítulo de MABL, sério gente, eu espero muito que vcs gostem, pois ta dando um enorme trabalho pra oganizar minhas coisas. Escola, fanfic, é muita coisa.
Bom, sem delongas!

BOA
LEITURA
PRA
VCS
MEUS
NÊNENS

Capítulo 2 - S1E2 The purple hood


Escuto meu celular tocar e eu o atendo, vendo que é um número desconhecido. Estranho.

- Alô?

_ Olá Sukhee. - Uma voz mudada por computador ecoa em meu telefone.

- Quem é e como conseguio este número? - Digo e me sento em uma cadeira ali perto.

_ Não importa muito quem eu sou, agora escuta. Eu quero que você fique longe de Kim Taehyung, ele é muito perigoso para você.

- Como vou saber que você esta apenas fazendo uma brincadeirinha de mau gosto? - Digo e a pessoa do outro lado ri.

_ Então você quer uma prova? *Riso fraco* Vá nesse exato momento lá para o refeitório, mandei uma surpresa para vocês.

E desliga.

O que essa pessoa quer de mim? E por que ela ta falando para eu me afastar de Taehyung? Isso não deveria estar acontecendo, não mesmo.

Apenas corro para o refeitório e encontro um garoto ruivo com uma touca branca, batendo em Taehyung. Ao redor deles tinha uma rodinha de pessoas gritando " Briga " freneticamente.

- HEY, HEY! PAREM COM ISSO AGORA! - Digo gritando para eles e retiro o garoto de cima de Taehyung, que sai correndo após o ato.

- Isso não é coisa pra você  se intrometer Sukhee! - Taehyung diz com dificuldade e eu o ignoro completamente, o levando para o corredor mais próximo.

- Se você acha mesmo que eu vou te deixar brigar com alguém na minha frente, esta muito enganado mocinho. - Digo e ele revira os olhos.

O puxo para a enfermaria que estava completamente vazia, pego algumas coisas para poder melhorar a cituação do rosto de Taehyung em algumas platereiras.

- Porque separou? Podia ter me deixado lá, mas não ... Por que? - Ele pergunta olhando para o chão mas desviando o ophar para mim.

- Não gosto de ver brigas e ver conhecidos brigando. - Digo e pego um algodão com álcool. - Isso vai arder. - Digo e começo a passar em seus ferimentos, arrancando suspiros do mais velho.

- Então você se importa comigo? - Ele pergunta e sorri, me fazendo ficar desconcertada.

Tento falar algo mas parece que euestava  muda, não saia nada de minha boca.

- Você se importa Sukhee, eu sei que se importa. - Ele diz e abaixa a cabeça, ainda rindo.

- Olha, eu não sou de guardar rancor e sim! Eu me importo, agora cala sua boca e deixa eu te ajudar. - Digo e tento disfarçar os rubores em minhas bochechas.

( ... )

Depois que terminei de ajudar Taehyung nós voltamos para a  sala de aula e pegamos nossas mochilas, saindo do colégio e indo em direção de jma lanchonete ao lado.

- Uma coxinha tradicional e um suco de que? - Ele pergunta olhando o pequeno cardápio enquanto sentamos em uma bancada.

- Suco de manga! Adoro suco de manga. - Digo brincando com a cadeira do balcão.

- Moça, traz pra mim uma coxinha tradicional e um suco de manga por favor. - Ele fala para a balconista e me olha fixamente, o que faz com que eu fique um pouco constrangida.

- Por que me olha tanto? Isso irrita, de verdade ... - Digo e o olho também, mas logo desvio o olhar para outra coisa.

- Eu tava pensando em como você fica fofa constrangida ... - Ele fala e sorri, mostrando seus dentes.

- Você é bipolar? No refeitório me tratou como lixo e agora ta  me tratando como se eu fosse o último biscoito do pacote.  - Pergunto e ele coça a cabeça.

- Sana me convenceu a me reconciliar, que na verdade foi você quem reconciliou, mas é só relevar este fato ... Agora coma. - Ele diz e a balconista traz meu pedido que eu logo dou uma mordida.

- Ainda vou descobrir o que você tanto esconde Taehyung, ainda vou descobrir.

( ... ) 

Depois de algum tempo conversando sobre coisas bobas, terminei de comer e saímos do estabelecimento.

- Bom, eu preciso ir, minha tia ta me esperando la em casa, até amanhã! - Ele diz e se retira acenando, faço o mesmo.

Percebo meu celular tocar e eu o atendo. Numero desconhecido. Não, de novo não ...

_ O que eu falei sobre ficar longe do Taehyung Sukhee? É surda ou o que? - A voz grossa ecoa novamente em meu telefone.

Ta, agora eu to ficando assustada. Muito assustada.

- Me desculpe sério! Mas por que eu me afastaria dele se nem sei se você realmente "existe"? - Digo já revoltada.

_ Simples ... Olhe para trás. - O anônimo diz e eu olho, vendo um cara com um capuz roxo. - Esse sou eu queridinha. Ta vendo o que tem na minha outra mão? Se você não me obedecer eu vou usar ela em você!- Ele diz com brutalidade e eu me assusto ao ver uma arma.

- P-Por que esta com isso? O que você pretende fazer com isso? - Digo respirando com dificuldade.

_ Olha ... Se você fazer o que eu mandar irei poupar a sua vida, e a vida do teu pai. Aliás, ele ta na sua casa não é? Cuidado cada descuido seu pode ser um erro. - Ele diz com um tom assustador.

- Por favor, não faça nada conosco, principalmemte meu pai, ele não tem nada a ver com isso tudo ... - Digo assustada, olhando fixamente para a pessoa de capuz roxo, no outro lado da rua, escondido atrás de uma árvore.

Essa pessoa só pode ser um pscopata! Nem acredito que ainda estou conversando com ele!

_ Eu não irei fazer nada com ele se você fazer cada coisa que eu mandar. Olha aqui, se você fizer alguma besteira, como contar para o Taehyung disso, você vai se arrepender de ter visto esse garoto na sua vida.

E desliga.

Quem é essa pessoa e por que quer tanta distância entre mim e Taehyung? Só pode ser brincadeira, uma brincadeira que acaba de ser descoberta. Olho novamente para a árvore e não vejo ninguém.

Corro em desespero na direção de minha casa, chegando lá praticamente arrombando a porta.

- Pai? Pai Você Ta Aqui? - Digo quase com lágrimas nos olhos.

- Filha? Filha o que foi? O que aconteceu? - Ele aparece da cozinha e vem até mim. Eu apenas o abraço forte.

- Não é nada, não é nada, estou apenas preocupada com o senhor, vou subir ta bom? - Digo o soltando e subindo as escadas, logo adentrando meu quarto me jogando na cama.

Eu não vou conseguir dormir direito com tudo isso que ta acontecendo. Primeiro vem Taehyung falando de mim e do meu pai, depois vem esse cara do capuz roxo, o que me resta agora?

Escuto alguém bater na porta, me assustando. Apenas me levanto e vejo que é meu pai.

- Tem uma garota chamada Minatozaki Sana, lá na porta, disse que é sua colega de classe. - Meu pai diz e eu arregalo os olhos.

- Sana? O que ela veio fazer aqui? - Sussurro e logo desço as escadas, atendendo minha colega.

- Oi Suk! Eu vim aqui resolver aquele negócio da escola. - Ela diz sorrindo meiga.

- Ah sim, entre. - Abro espaço para ela passar e logo fecho a porta. - Venha, vamos conversar em meu quarto. - Pego em seu pulso e a puxo para meu quarto.

Sentamos em minha cama e ela coloca uma mecha de seu cavelo para trás da orelha.

- Sua casa é linda Sukhee ! Nunca pensei que entraria aqui, na casa do Sukah ... - Ela diz e eu cruzo os braços.

- O que vocês tanto tem contra o meu pai? Ele já lhe fizeram algo? - Pergunto e ela abaixa um pouco su cabeça.

- É complicado e difícil de explicar, se eu falasse você não acreditaria ... - Ela diz e rio.

- Nem deve ser tão grave assim e vocês estão ai, com rancor. Me poupe né. - Digo e ela me olha incrédula me fazendo mudar a expressão de debochada para séria.

- Você acha que um cara mandar matarem METADE da sua família e de outras pessoas NÃO é grave? Olha Sukhee eu vim aqui falar sobre Taehyung e não sobre seu pai! - Ela diz e eu a olho incrédula.

- Como assim "mandar materem"? Você esta insunuando que o meu pai é simplesmente um homem da máfia, é isso? - Digo e rio fraco novamente.

- Seu pai contrata pessoas para matar outras Sukhee, ingelizmente minha família foi uma delas.- Ela diz e uma lágrima cai de seu rosto.

- Mas ... Não, impossível, meu pai não faria isso ... Mas, e a questão de Taehyung? Por que ele é perigoso? - Eu pergunto e ela paralisa.

- E-Esquece, eu já falei de mais. Agora eu preciso ir! Tchau. - Ela diz e sai do meu quarto, sem me dar a oportunidade de falar.

Essas pessoas são estranhas ou é impressão minha? 

Olho no meu celular e vejo que já são 15:38, me levanto da cama e vou até meu banheiro, me despindo e entrando de baixo de meu chuveiro com água morna.

Depois do banho coloco um moletom beje escrito algo em preto na frente, um shorts branco e um tênis AllStar.

Desço para a sala e ligo a televisão, sendo surpreendida por meu pai se sentando ao meu lado.

- Fui te buscar e você não apareceu, minutos depois te vi conversando com um garoto na lanchonete. Quem é ele? - Meu pai pergunta mechendo em seu celular.

- Ele é só um colega de classe, tava com ele na lanchonete por que fiz um acordo com ele. Por favor não pergunte sobre o maldito acordo. - Digo antes de ele perguntar sobre o acordo.

- Mas ... Fez amizades tão rápido assim? Eu sei que você se socializa rápido mas, não precisa exagerar filha! - Ele diz e eu sorrio.

- Pode deixar. - Digo e me levanto indo em direção da cozinha, sendo interrompida por meu pai.

- Suk querida, o que a garota e você conversavam tanto? - Ele pergunta e eu reviro os olhos continuando a andar.

- Era sobre uma briga que teve na escola ... O irmão dela tava envolvido. Só isso. - Minto e ele confirma voltando para a sala.

Abro a geladeira e pego um copo de suco, lembrando de minha conversa com aquele psicopáta de capuz roxo.

É surreal como as coisas na minha vida estão mudando. Eu devia ter escolhido ficar em Busan, aqui só ta acontecendo coisas estranhas! Será que é o começo de uma nova história na minha vida?



Notas Finais


Bom gente, esse segundo capítulo já ta assim, capuz roxo, revelações, espero que tenham gostado! Fiz ele até um pouco maior que o outro ^^
Desculpem qualquer erro, pliese!
Bom, até outro dia! Fiquem bem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...