História Maybe, you are my love - Capítulo 33


Escrita por:

Visualizações 37
Palavras 1.348
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem❤

Capítulo 33 - Nosso amor pode ser trágico


Fanfic / Fanfiction Maybe, you are my love - Capítulo 33 - Nosso amor pode ser trágico

- Te ter na minha vida novamente pode ser uma tragédia. - eu disse deitada em seu peitoral. - Pode ser um erro que eu vou me arrepender de ter cometido. Eu devo estar mentindo pra mim mesma dizendo que você ainda me ama como antes. - eu disse cobrindo minha nudez com o lençol. - Mas talvez eu queira tentar de novo.

- Dessa vez sem cometer erros, dos dois lados. - ele disse passando a mão em meu rosto. - Você não sabe como eu senti sua falta, todos os dias.

- Só se passou um mês. - eu disse dando um sorriso rápido. - Eu já estava voltando ao Brasil sabia, eu ia desistir de tudo por aqui, tentar recomeçar de outra forma. - eu disse e ele se ajeitou na cama se sentando a minha frente. - Eu ia desistir, por sua causa.

- Eu fui um idiota, eu tentei procurar em outra mulher tudo o que me lembrava você, mas não consegui. Você é única e eu agradeço muito por isso. - ele disse puxando meu queixo, selando nossos lábios.

Estar com ele de novo fazia eu me sentir uma adolescente com o primeiro namorado, sentimentos a flor da pele, desejo de tê-lo a toda hora. Talvez ele seja uma droga que me viciei e não consigo mais me livrar sem passar por uma abstinência, já sabendo que teria de voltar para seus braços. 

Era uma madrugada fria, nos já tínhamos nos reconciliado e meu flat não parecia mais tão vazio. Vê-lo na minha cama, despido, do que jeito que o deixei me fazia pensar e repensar se eu estava fazendo o certo, mas eu queria mesmo ser a certa? Eu só queria viver, ter desilusões amorosas é parte da vida, saber perdoar também. Eu ainda não estava pronta para retornarmos de onde paramos, estamos novamente ficando,como no início. 

Eu o observava dormir, sei que parece meio estranho mas eu não conseguia pegar no sono, resolvi me levantar e colocar a camisa dele e comecei a desenha-lo enquanto me sentava na janela, minhas inspirações eram assim, iam e vinham a qualquer momento. Eu nunca tinha o desenhado, seria a primeira vez e ele estava dormindo. Desenhei não um mas vários desenhos antes dele abrir os olhos e dar um sorriso sincero para mim, sincero já não é algo que eu posso descreve-lo, então ele apenas sorriu me deixando sem graça. 

- Fazendo o que? - ele disse vindo na minha direção, colocando a cueca de volta.

- Te desenhando, insônia me pegou de jeito hoje. - eu disse antes dele se encaixar no meio das minhas pernas. - Olha só. - eu mostrei o desenho e ele pareceu gostar.

- Por Deus, você me desenha muito mais bonito do que eu pareço. - rimos e logo baixou aquela dúvida. - Vamos continuar assim?

- Até nos acostumarmos com a idéia de estarmos juntos novamente. Eu quero ir com calma agora, nada de querer casamento e filhos. Eu quero ir passo por passo. - eu disse o olhando nos olhos. 

- Está bem. Eu concordo totalmente. - ele disse e eu coloquei a mão em seu rosto. 

- É tão estranho, até ontem eu estava sozinha pensando em você. Andando pra lá e pra cá, pensando em te ligar e agora nós estamos conversando sobre o nosso futuro depois de ter sexo quase a noite inteira. - eu disse enquanto ria de nervoso. - Talvez a gente não tenha noção de tempo, só vamos no nosso ritmo que não é nada lento. - dei uma pausa para tentar impedir algumas lágrimas de caírem. - Somos só adolescente que cresceram demais, só pensamos no presente em tudo que pode acontecer aqui e agora, sem consequências.

- É o nosso jeito. Infelizmente. - ele disse em tom baixo. - Mas eu amo acordar e te ver do meu lado, eu não trocaria essa sensação por nada nesse mundo, nem por Shakespeare. - eu ri com isso. - E eu quero te ter daqui em diante sempre, seja na nossa cama, seja na rua, seja em qualquer lugar, eu quero você, eu quero o seu jeito maluco e problemático de ser, eu quero você nua ou vestida, bêbada ou sóbria, eu só quero você. - ele deixou uma lágrima escorrer e eu a limpei.

- Eu guardei nossa aliança esse tempo todo. - eu disse corando de vergonha. - Eu pensava que era só um pesadelo que ia acabar logo, mas não era, nunca foi. Eu tentei achar o seu sabor em tantos beijos, mas nunca achei. Você me faz tão bem. - eu disse e finalmente ele me beijou.

Passamos a noite relembrando nossos momentos juntos, transamos, conversamos, pensamos no futuro provável e improvável. Eu finalmente percebi que sentia falta dele, mesmo tentando esconder ao máximo.

Acordamos no outro dia bem tarde, comemos o café da manhã e ele foi arrumar a cozinha enquanto eu ia terminar de arrumar minhas malas, nem parecia que já era novembro, parecia que já havia passado um ano desde a nossa viagem a Londres. Íamos para a conferência de vingadores em três países diferentes, logo depois iríamos a primeira reunião de atores de Thor 2 e finalmente as gravações de The Night Manager, ia ser um mês agitado, quase não ficaríamos em casa. Resolvi colocar as roupas das conferências em uma mala separada já que ram vestidos de gala e as outras roupas "normais" em outras malas. Nós não íamos ir como casal nas conferências, apareceriamos como amigos apenas. Fui tomar meu banho e lavar meu cabelo que estava na altura das orelhas, cortei um dia antes de voltar para Tom. Quando saí coloquei uma blusa longa de super heróis e uma calça jeans preta. Thomas foi se arrumr e eu o esperei na sala, já que não íamos para o aeroporto sozinhos, Hemsworth e Elsa iriam conosco. 

Passei um creme no rosto enquanto ligava para minha mãe.

Mãe? Tá me ouvindo?

Estou sim, seu irmão que está fazendo graça aqui do lado.  Como vai?

Bem e você?

Ótima, seu irmão está indo para a Coreia também, ele vai te acompanhar.

E eu sei, eu que fiz o convite. Tô indo pro aeroporto agora, se eu não atender é por isso. 

Tudo bem, cuidado e se cuida. Manda beijo pro meu genro.

Mando sim, te amo.

Thomas ia ser o genro favorito da minha mãe por um bom tempo, não importa se eu ainda estou com ele ou não. Passou alguns minutos e ele apareceu pronto na sala, era estranho não ver o cabelo dele tão claro como antes, ele havia pintado para fazer a série The Night Manager, eu achei que ficou mais sexy mas ainda prefiro o loiro.  Descemos com as malas e Hemsworth ja me enchia de ligações no celular.

- Meu Deus se acalma, já estamos aqui. - eu disse antes mesmo de chegar no carro. 

- Estão cinco minutos atrasados. - ele disse vindo me abraçar. - Vamos logo, não quero que minha esposa brigue comigo porque perdemos o vôo.

- Culpa minha, me atrasei cinco minutos. - eu disse irônica e entrei no carro. - Elsa, como você aguenta?

- Eu finjo que não escuto. - ela disse me puxando para um abraço. - Aproveitem esse e o último mês que eu posso viajar estando grávida.

- Como assim? Tem isso? - eu sou leiga quando se trata de gravidez, mas se me perguntarem de matemática eu sei de tudo.

- Tem ué, a partir do sexto mês eu não posso mais fazer viagens de avião, como eu estou com cinco, está tudo bem eu ir. - ela disse e logo sorriu, sorri de volta. 

- Já está enorme para ser só cinco meses. - Tom disse a olhando. 

- São gêmeos Thomas. Aliás vocês dois são os padrinhos, tratem de aprender como se cuida de uma criança. - ela disse e eu ri de nervosismo. 

A caminho do aeroporto eu me sentia mais leve, aquele peso de separação saiu das minhas costas, eu estava em um novo tipo de zen, quase um Buda. 

- Partiu Coréia. - Hemsworth disse quando estacionamos. 

Realmente, vamos para a Coréia.




Notas Finais


Sem muito hot pq foi meio melancólico esse capítulo. Mas o próximo vai ter um belo hot.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...