História "Me assume." (Lucas inutilismo; Matheus Canella) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Notas finais;

Capítulo 1 - "Me assume."



Voltando no tempo; (Lucas)
Parecia ir tudo bem, trabalhamos no canal Coisa Nosso, voltamos bem tarde, e era de costume nao termos tanto diálogo no fim do dia. Até aqui, nada de estanho, o cansaço nos deixa com ar de mortos mesmo.
Estava bem silêncio no apartamento, ate o som dos chuveiros ocupar tudo.
Fui o primeiro, terminei e sai de toalha em minha cintura. Matheus mal olhou pra mim, e entrou no banheiro.
Foi com certeza estranho, ele quase nunca bate a porta e menos ainda, aje com tanta frieza.
Me troquei e esperei sua saida sentado na cama. Como nao seria tao rápido, gastei o tempo olhando publicações no twitter.
Enfim, seu corpo surgiu a porta.
Seu rosto nao era o de sempre, era perceptível que algo estava errado. Pensei um pouco se havia o magoado com alguma brincadeira ou algo do tipo. E, não. Nao havia motivos para tal comportamento, deixei meu celular no criado mudo, me levantei e o observei terminar de se vestir.

-O que eu fiz?-

Ele me ignorou como se apenas houvesse ele no quarto. Terminou de deixar sua toalha pendurada em uma cadeira, e veio em direção a seu lado na cama, o contrário de onde estava parado.

-Eu te magoei com algum ato?-

Matheus nao me respondeu mais uma vez, esse ato ja me irritava, manti a calma, se ja estava pagando por algo, melhor nao almentar a conta. Me sentei na ponta da cama, e permaneci a encaralo.

-Eu nao sei o que eu fiz. Mas, eu pesso desculpa.-

Sem me olhar nos olhos uma unica vez sequer, se cobriu e pegou seu celular. A luz do mesmo refletia em seus olhos, os mesmo aparentavam ter uma linha de água. De joelhos fui a seu encontro, me sentei ao seu lado ainda de frente, elevei minha mão a seu queixo e o acariciei.

-Fala comigo? Por favor.-

Ele olhou em meus olhos, desligando seu celular o deixando a seu lado.

-Como voce quer que eu me sinta?-

Pronunciou com sua voz mais seria.

-Quero que se sinta bem. Por que iria querer o contrario?-

Deixei minha mao escorregar e tocar a pele macia de seu pescoço, contemplando a beleza de seus olhos.

-Nao é o que tem feito.-

Sua sobrancelha se arqueou de um só lado, normalmente isso acontece quando ele esta extremamente com raiva.

-E o que eu tenho feito?-

Aquela linha em seus olhos, crescia com o estender do diálogo, segui sem demonstrar perceber.

-Quando tudo isso começou, eu lembro bem do seu juramento. Disse que quando tudo se ajeitasse, seríamos públicos. Isso faz meses, Lucas. O tempo esta sempre passando, e voce parece esquecer cada vez mais. Quer que eu fique feliz, nesse relacionamento escondido? Me fazendo esperar por nada. É dessa forma que voce me imagina feliz? Acobertando algo que poderia muito bem ser público. Nao consigo entender o seu jeito de ser "feliz".-

Vi suas lagrimas escorrerem de seus olhos, ele as cecou segurando sua vontade de continuar.

-Eu lhe disse, só preciso de tempo. E talvez demore, mas nao significa que nao vai acontecer.-

Precionei um pouco meus dedos em seu pescoço, seu corpo se moveu bruscamente com sua respiração pesada vinda de suas lágrimas e soluço. Desci mais minha mao, acomodando-a em sua cintura, lugar esse gordinho e quente. Suas maos paravam suas lágrimas, com movimentos rápidos.

-Parece que eu te preciono, te deixo sob pressão.-

Aproximei mais meu rosto do dele, encarando seus olhos tentando deixar ao máximo transparecer que falo a verdade.

-Voce nao faz isso, nunca fez, e nao esta fazendo. Eu sei que assumir publicamente quem somos e o que nos tornamos juntos, é necessário. Isso é importante para nós dois. Admito nao ter feito por medo...mas, jamais seria por nao te amar profundamente e verdadeiramente.-

-Eu quero poder te amar, Lucas...nao pedi uma casa em Paris.-

Segurei sua mao, encarando seus labios rosados. Jamais me imaginei em tal situação, é muito novo pra mim, talvez só agora eu esteja me tornando um homem.

-Eu te prometo, se for pra ver voce sorrir...juro, que seremos públicos. Eu sei que parece que tenho vergonha de assumir, ou qualquer outra idiotice. Mas, eu nao quero te prejudicar, de nenhuma forma, nao quero ver voce ser atacado. Quero poder te amar também, é o que todo mundo quer, amar a pessoa que seu coração escolheu. Se o meu escolheu voce, eu prometo nao te perder. Quero fazer voce feliz, Matheus. Fazer da sua vida uma historia feliz.-

Dizer todas essas palavras, foi libertador pra mim. Senti nao ter mais tanto medo de ser quem sou, afinal nao ha problemas nisso, nunca houve.

-E nao seria tao ruim uma casa em Paris.-

Disse cortando um pouco o clima pesado. De olhos fechados, toquei meus lábios nos dele, precionando levemente. Repeti mais algumas vezes.

-Eu amo voce de verdade, Matheus.-

Segurou meu pescoço firme, me trazendo para beijar seus lábios.

-Nao insistiria tanto, se nao o amasse.-

Nos abraçamos apertado, é um grande marco na nosso vida. Me arrependo de nao ter feito antes, nao machucou dizer a verdade, nao machucou ser verdadeiro.

-...-

Como havia dito Lucas no inicio, estavam cansados, dormir era mais uma coisa necessária.
Um beijo de boa noite, e assim as luzes foram desligadas, o cobertor cobriu os dois homens que se abraçavam de concha.
Podemos dizer que nao foi apenas uma noite ao lado de uma outra pessoa.
E sim, uma noite na companhia do amor da dua vida.
De narrador para leitor;


PUTA CASAL FODA.







*The And*



Notas Finais


Aaaaaah morrendo com esse casal ^-^)

foi curto, porem é Lutheus <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...