História Me descubra se puder - Capítulo 5


Escrita por: e HowYouDare

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Hoseok, Hoseok!bottom, Hoseok!top, Jikook, Jimin, Jungkook, Lemon, Mistério, Namjin, Namjoon, Romance, Seokjin, Stalker, Taehyung, Taehyung!bottom, Taehyung!top, Universo Alternativo, Vhope, Vhope¡au
Visualizações 528
Palavras 2.533
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


@HowYouDare aquiiiii... O capítulo ia sair maior, PORÉM, ou a gente postava aí onde paramos, ou ia demorar mais um mês pra att. Pq, pra quem ñ sabe - mas acho q tds sabem - Yura tá preparando um bocado de shortfics pra postar em comemoração aos 2k de seguidores dela, inclusive 1 é outra parceria nossa, dessa vez Jikook ABO <3 Além de estar preparando a 2ª Temporada de "Remetente". E eu?? eu tô a própria legalmente loira, só que sem o terninho rosa e o cachorrinho de madame, tendo aula de 8h da manhã às 17h30 da tarde... Essa vida de adulta é muito difícil viu? Na minha cabeça eu ainda tenho 16 aninhos - mas no rg são 24 e na fuça, dizem q parece 30, *choro*

DEEM UM BIZU NAS NOTAS FINAIS, QUE TENHO 2 FICS PRA INDICAR <3

Capítulo 5 - Romance gay do Nicholas Sparks


Fanfic / Fanfiction Me descubra se puder - Capítulo 5 - Romance gay do Nicholas Sparks

 

 

- O que foi isso? - Perguntei, um tanto chocado ao encontrar a imagem de Park Jimin e meu primo, Jeon Jungkook, abraçados em cima da cama, completamente nus. O que não era o que eu descreveria como uma visão desagradável, exatamente, trocando o que o diria serem juras de amor, do outro lado da tela acesa do computador.

 

Existe coisa mais bizarra do que ver seu primo super hétero - Ou que você achava ser super hétero até este momento - e o melhor amigo dele - Que se diz hétero mas é mais viado que o Bambi. - transando rude e em seguida trocando carinhos e suspiros de amor? Transando e depois se acariciando com cafunés românticos, enquanto trocavam frases clichês como: “Eu te amo tanto” ou “Isso foi muito gostoso, você fode tão gostoso, amor...”

 

Amor? Eles pareciam um filme do Nicholas Sparks numa versão lgbt.

 

Sério, Jimin é tão gay que eu não duvidaria se alguém me dissessem que ele desfila pela casa com os sutiãs da mãe e olha que nem eu queimo a rosca o bastante para fazer isso. Nada contra. Só acho um pouco bizarro.

 

Pois é… - Falou Hoseok. - O Jungkook vai ficar uma vida inteira sem andar depois dessa.

 

E eu até teria respondido o ruivo, ou rido daquele comentário, se não fosse pela voz do meu primo surgindo no computador e me fazendo engolir em seco, completamente tenso.

 

- Jimin, você é tão bonito... - Ele disse aos sussurros e pude ver o Park sorrir largo naquele eye smile inocente de sempre. Ou enganosamente inocente.

 

Depois de vê-lo metendo daquele jeito na toca do Jungkook, nem acredito em mais nada. Nunca mais julgar alguém pelas aparências, anotado.

 

- Você é mais lindo, Kookie... - O menor respondeu e me fez tossir forte, por causa do timbre manhoso de sua voz. Era como ouvir um gatinho ronronando. Oh, Deus… Aquilo era muito gay.

 

Agora eu tinha uma puta vontade de rir, o choque me tomando por inteiro e um pau duro dentro das calças, este último que já começava a se acalmar com todo aquele melzinho exagerado de romance hétero de fanfic imagine, logo após a cena de hentai com a s/n.

 

- Am… O que fazemos agora? - Perguntei, tentando me distrair, mas estava difícil mesmo tirar os olhos da tela do computador.

 

Não vou mentir, por mais embaraçoso e ridículo que aquilo fosse, eu não tinha coração de pedra. Às vezes eu bem pensava em ter um amorzinho desses, pra dizer umas coisas bem vergonhosas ao pé do ouvido, depois de transar selvagem. Graças ao bom Deus, esse raciocínio não cruzava minha mente com tanta frequência, amém.

 

A voz de Jungkook, seguida de uma risadinha do mesmo, me interrompeu novamente.

 

- Não, você é muito mais bonito. - Jimin riu em resposta, negando com a cabeça enquanto acariciava o rosto do meu primo.

 

- Mais bonito que você? - Perguntou Jungkook, ainda rindo, com uma voz doce e melodiosa - Impossível.

 

Oh, minha nossa. Agora eu estava confuso. Não sabia se vomitava com tanto açúcar, ou se sentia inveja deles.

- Eles parecem se gostar de verdade. - Disse Hoseok, estreitando os olhos e se aproximando da tela. - De qualquer forma... - E foi rápido em fechar aquela janela do navegador - Já temos o que precisamos.

 

Hey! - Protestei alto ao vê-lo desligar a imagem da webcam e recebi um olhar desconfiado do ruivo.

 

- Queria continuar assistindo? - Perguntou ele e meu rosto esquentou tanto que eu posso jurar que achei que acabaria explodindo alí mesmo.

 

- N-Não é isso… - Claro que era bem isso. Cá entre nós, ver aqueles dois transando foi incrível. Jimin comia tão bem que me fez desejar ser comido por ele e Jungkook gemia tão agudo que juro que, se não fosse meu primo, quase acreditei que ele era transgênero, porque aquelas cordas vocais precisavam ter nascido para um corpo feminino, não era possível, eita coisinha agudinha deliciosa. - É… É só que… Ah, enfim. O que você tem em mente para fazermos agora? - Eu estava me saindo um absurdo voyeur.

 

- Bom, você tem menos de um dia, correto? - Hoseok indagou, retoricamente. Deixei que prosseguisse - Nós precisamos confrontar eles dois. Você sabe, contar que temos essa gravação e ameaçar soltá-la caso eles não cooperem e parem de te coagir.

 

- Humn… - murmurei receoso - Mas Hoseok… e se eles ficarem mais putos? E se eles… Eu não sei, me explanarem mesmo assim?

 

- Eles não vão, acredite em mim. - Hoseok garantiu. - Jungkook jamais deixaria alguém saber que ele dá a bunda. Viu como eles pareciam apaixonados? Jimin talvez não ligue tanto, mas ele jamais deixaria o namorado dele ser exposto.

 

- Você tem razão.... - respondi, pensativo.

 

- Então é sua vez de entrar em ação. - Hoseok finalizou.


 

XXXXXXXX

 

No dia seguinte, eu estava perfeitamente nervoso. Já tinha bolado todo um plano pra confrontar e ameaçar meu primo e Jimin, mas os caras ainda eram mais fortes que eu. E é claro que eu teria que fazer aquilo em um local vazio e discreto, caso contrário, nada os impediria de quebrar a minha cara na frente de todos. Mas também nada os impedia de arrebentar o meu nariz se estivéssemos escondidos. Então implorei para que Hoseok esperasse num local próximo.

 

Só que meus planos de encurralar os dois foram por água abaixo, quando percebi que o que eu mais temia tinha acontecido: meu vídeo havia sido exposto. Ou pelo menos parte dele. Enquanto caminhava pelo pátio, via as pessoas cochicharem olhando pra mim, com claro deboche. Algumas pareciam com pena. Outras pareciam indiferentes. Mas a questão é que todas cochichavam.

 

Tentei me convencer de que era pura paranoia, ainda que minhas mãos estivessem tremendo e minha testa suando. Subi as escadas do primeiro andar quase tropeçando, porque minhas pernas nem mesmo conseguiam obedecer meus comandos. Passando por um grupinho de garotas, uma delas disse me fitando risonha:

 

- Bela cueca, Kim. Ficou uma gracinha. Foi sua mamãe que te deu? - Uma morena baixinha falou.

 

- Não fale assim, Jennie. -  A outra mais alta, com cara de criança respondeu, fazendo uma careta repreensiva - Ele precisa guardar o piu-piu dele num lugar divertido.

 

E então todas começaram à rir. Revirei os olhos. Senti o sangue fugir do meu rosto, mais de forma nenhuma eu iria deixar aquilo assim. Se eu deixasse uma piadinha passar, as pessoas assumiriam que poderiam falar qualquer merda que bem entendessem. E eu já não estava com saco pra toda aquela bosta de ensino fundamental.

 

- É uma pena que você pense assim. Nayeon, não é? - disse a encarando sério e com a voz controlada - Ouvi dizer que você pesa bem mais do que fala. Aliás, eu poderia te mostrar o real tamanho do meu “piu-piu”, mas não acho que ele seja capaz de crescer pra você.

 

E quando eu disse aquilo, a menina ficou tão ultrajada, que abriu e fechou a boca umas cinco vezes, sem conseguir responder nada. As amigas tamparam as bocas e começaram À rir descontroladas. Belas amigas, uh?

 

Continuei caminhando rápido e entrei no banheiro masculino mais próximo. Pequenas lágrimas começaram a se formar, aquilo era desesperador. Deus, era tão vergonhoso. Não se deve invadir a santidade da privacidade de um homem, aquilo era tão errado, mas que porra? Por que o mundo me odeia? O que eu fiz, uh? Eu não posso usar uma cuequinha confortável e diferente que metade do país acha que pode fazer piada? Vão se foder.

 

Então peguei meu celular e dei de cara com o grupo da minha turma no kakao talk, onde as pessoas comentavam zombando. Algumas haviam até me mandando mensagens no privado. Algumas delas eram de meninas dizendo que eu tinha corpo gostosinho, perguntando se eu não gostaria de ir até a casa delas depois da aula pra fazer o trabalho de Metodologia da Pesquisa, ou pra tomar um soju. Veja só. Elas até me chamavam de Oppa. Estou certo de que elas querem estudar um pouco de anatomia, isso sim. Pena que essa fruta aí nem entra na minha dieta.

 

Suspirei e abri o vídeo. Havia sido enviado por um número desconhecido, sem foto ou nome no perfil. Fiquei observando o vídeo da minha desgraça e quase dei um grito de alívio, quando ele foi cortado antes da coisa do vômito. Sobre aquilo eu não poderia fazer piada, caso alguém me confrontasse. Mas algo me dizia que o hacker anônimo estava guardando o pior para o final.

 

Digitei nervosamente uma mensagem, para o tal número:

 

[às 8h26]: O que diabos você quer?

 

Em poucos segundos, o celular vibrou com uma resposta:

 

[às 8h26]: Você sabe, Kim Taehyung. Isso foi só pra provar que não estamos brincando.

 

Estamos? No plural? Que porra ele queria dizer?

 

O celular anunciou outra mensagem:

 

[às 8h27]: Seremos bondosos desta vez. Você tem uma semana pra contar o segredo pra sua mãe. Mas primeiro, gostaríamos de pedir encarecidamente, que você remova os bloqueios visuais em suas câmeras. Caso contrário, hoje mesmo Kim Jiyoon receberá este vídeo e mais alguns outros. Pense com seriedade.

 

Seremos? Gostaríamos?

 

Puta merda, era mais de uma pessoa! Era a porra do Jimin e do Jungkook, eu tinha certeza agora. Ah, mas eles estavam brincando com quem não deveriam. Eles podiam ser as próprias cobras, mas eu era ofidioglota.

 

Levantei do vaso sanitário, puto, como nunca estive. Meu rosto estava vermelho como um tomate, pude ver de relance no espelho. Não fui capaz de observar muito, já que meu ódio e sangue fervendo, me fizeram enfiar o celular no bolso do casaco e sair do banheiro batendo os pés a passos rápidos, enquanto cerrava o maxilar.

 

À cada passo que eu dava, ouvia mais piadinhas e mais buchichos. Queria meter um soco na cara de cada criatura viva ali presente, mas eu guardaria toda a minha fúria, pra quebrar o rostinho bonito de Park Jimin e arrebentar o nariz grande de Jeon Jungkook. E eu não estava nem aí se a Tia Jeon fosse bater na minha porta depois.

 

Quando encontrei meu primo, conversando em um dos corredores com um grupinho de amigos atletas, juntamente as líderes de torcida esqueléticas em seus vestidinhos curtos e pompons coloridos, sai metendo a mão na gola de sua camisa e o puxando pra trás. Todos os amigos dele me encararam indignados. Consegui dar apenas três passos com Jungkook a tiracolo, pois logo em seguida ele se soltou e me deu um empurrão nada delicado, que me fez bater de costas na parede do corredor.

 

- Tá comendo merda, seu viado? - Jungkook praticamente rosnou.

 

- Temos um assunto muito sério à tratar, priminho. - Devolvi em mesmo tom.

 

Jungkook olhou em volta e então riu, debochado.

 

- Eu já disse, Taehyung, não estou interessado em comer bunda de macho. Por que você continua tão apaixonado por mim, uh? Eu gosto de boceta! - bradou, aos risos, enquanto seus amigos se amontoavam à nossa volta, rindo como hienas do animal planet.

 

É claro que não gosta de comer bunda de macho, você gosta de dar a sua pra um, não é?

 

- Eu não tô brincando, Jungkook. Ou você vem comigo, ou vai se arrepender. - Respondi em tom de aviso.

 

- E você vai fazer o quê, uh? - Jungkook indagou, me puxando pelos ombros pra frente, apenas pra me empurrar contra a parede de novo - Me converter ao seu culto de bichinhas? - E quando ele disse isso, todos os seus amigos riram, me fitando com caretas engraçadas.

 

Uma garota alta e muito, muito magra, que tinha um sotaque engraçado, disse em tom de ironia:

 

- Uma beleza dessas desperdiçada… tsc... - A menina disse, estalando a língua no céu da boca, enquanto olhava pra mim de cima a baixo, como um maldito animal faminto. Já disse que nessa universidade, eu me sinto como num documentário do animal planet?

 

A única certeza que eu tinha era de que já tinha visto essa garota grudada no pescoço de Jungkook, atrás da quadra de basquete do campus. E que a amiga dela, uma morena de franjinha reta e cara de entediada, uma expressão muito parecida com a de Yoongi, na verdade, já havia se atracado com o Jimin, embaixo da arquibancada.

 

Então Jungkook riu novamente, cruzando os braços na frente do peito e arqueando uma das sobrancelhas pra mim, como se me desafiasse à fazer algo com aquilo. E foi o que fiz:

 

- Oh, você fode tão bem, Jimin-ah… - imitei seu tom de voz grave, porém sussurrado.

 

O sorrisinho na cara de Jungkook foi se desmanchando à cada palavra. Continuei:

 

- Oh, Jungkook-ah, você é tão lindo, amor… - Falei zombeteiro, mal contendo o sorriso maldoso em meu rosto ao fitá-lo, enquanto fazia minha melhor imitação de uma vozinha manhosa.

 

O rosto de Jeon havia perdido toda a coloração e seu lábio inferior parecia tremer. Sua expressão era de total desespero. Então levei uma mão ao peito, e a outra bati na testa, como se encenasse uma peça ruim de O Morro dos Ventos Uivantes:

 

- Oh, mais bonito que você? Impossível, Jimin-ssi… - terminei rindo falsamente como a Regina George em Meninas Malvadas.

 

Jungkook então, voou pra cima de mim, com a fúria mesclada ao pavor, estampados na cara. Me puxou pelo colarinho da camisa e bateu minhas costas contra a parede outra vez. Doeu, mas eu não daria esse gostinho à ele, então pisquei e continuei o encarando zombeteiro.

 

- Quer que eu entre em mais detalhes? - perguntei.

 

- Que merda você pensa que está dizendo? - ele disse em voz baixa. Percebi que alguns de seus amigos franziam o cenho, tentando ouvir o que nós diziamos.

 

- Eu já disse, Jungkook. Vamos conversar em algum local mais reservado. Agora.

 

- Eu não vou à lugar nenhum com você, sua bicha. - Ele disse, com os olhos em chamas.

 

- Tudo bem. O funeral é seu, você sabe… - sussurrei - Ou talvez você vire uma estrela da internet, depois que eu vazar sua sextape com o seu namoradinho. Você realmente é um cara guerreiro, primo. Eu jamais conseguiria andar numa boa, depois de ter o rabo arrombado por uma pica enorme daquelas… Aliás… será que você deixa o Jimin ir lá em casa hoje? - provoquei.

 

Foi aí que Jungkook tremeu na base. Não sei se pela menção à sex tape, ou se porque ele ficou bem ciente de que eu poderia roubar seu namoradinho, mas ele rapidamente me soltou e endireitou a postura.Olhando para todos os lados, meio que para conferir se algum de seus amiguinhos haviam escutado as particularidades de nossa conversa, Jungkook exclamou, coçando a nuca, num típico movimento constrangido seu:

 

- Ah, mas é claro que posso ajudar minha tia com isso, Taehyung-ah. - Inventou - Deveria ter me dito antes. Vamos. - Ele disse sorrindo amarelo.

 

Então foi andando pra frente e eu o segui, com um sorriso matreiro brotando na face.

 

Ah, eu foderia Jeon Jungkook, e nem ia ser da forma que ele gostava.

 


Notas Finais


@HowYouDare: Essa é minha primeiríssima YoonMin, rolando um Jikook abusivão e obsessivo - mas o casal "certo" será YoonMin. Ela é toda inspirada na letra de FAKE LOVE, e fala sobre vc mudar quem vc é para agradar alguém q ama, mas desta forma, acaba por deixar de ser vc mesmo. É um triângulo amoroso bem angst, e vai quebrar um pouco essa ilusão de relação perfeita das histórias, além de "desromantizar" essa coisa de q uma relação abusiva pode dar certo no final. É uma temática bem adulta e profunda, com todo um drama psicológico: https://www.spiritfanfiction.com/historia/fake-love-13931629

Essa outra aqui, é puramente JIKOOK, é uma ONE SHOT da @NochuBastard q conheci ontem e achei UMA DELÍCIA, com aquele Jimin TOP maroto e molha calcinha: https://www.spiritfanfiction.com/historia/rain--jikook-13091060 (quem ler, comenta lá que vc foi por indicação da amante de jimin top @HowYouDare hehehehe)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...