1. Spirit Fanfics >
  2. Me desculpe, mas você está apaixonado >
  3. Eu não esperava por isso

História Me desculpe, mas você está apaixonado - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Algumas coisas são mais difíceis que outras, isso é fato!

Capítulo 2 - Eu não esperava por isso


Fanfic / Fanfiction Me desculpe, mas você está apaixonado - Capítulo 2 - Eu não esperava por isso

Faziam seis meses desde que Ana havia saído da casa dos seus pais e ido morar com uma amiga numa Kitnet no centro de São Paulo. Era pequeno para as duas, composto por um quarto, uma sala e cozinha integradas e um banheiro, mas funcionava muito bem para ambas pois, quase sempre, quando uma não estava em casa seja por causa da faculdade ou trabalho, a outra passava a noite nos barezinhos ou baladas que ocorriam na cidade.

Paula, sua amiga, levava uma vida mais agitada, quase sempre não ficava em casa e por isso, Ana passava a maior parte do tempo sozinha estudando para provas ou trabalhando de Home Office em seu quarto. Entre elas existia a regra de não levar nenhum interesse romântico para o local e essa regra era inviolável, contudo, ela não se aplicava a João, o irmão gêmeo da Paula.

"Um sem teto inconveniente" segundo Ana. Ele se aproveitava da "bondade" de sua irmã para ficar no kitnet aproveitando do Wi-fi, atacando toda a comida da geladeira e para dormir no sofá. Ana não o suportava, mas em respeito a Paula, sempre relevava a permanência dele ali.

Um dia, enquanto trabalhava assiduamente num projeto pessoal, ela escutou um barulho da chave abrindo a porta de entrada da sala. Por um segundo, achou que fosse a Paula, mas lembrou-se que aquele era o dia dela fazer resenha com alguns amigos da faculdade e dificilmente ela voltaria cedo pra casa.

Levantando-se de sua cadeira em seu quarto, ela foi até a sala e viu algumas sacolas em cima da bancada e na cozinha estava ele, o João, distraído enquanto procurando alguma coisa nos armários:

- Ah, é você? - perguntou retoricamente e com visível desânimo.

- Olá pra você também, Aninha, eu estou bem - Respondeu sarcasticamente sem tirar os olhos das prateleiras – que bom que perguntou!

Ana nunca gostou do jeito dele de chamá-la no diminutivo, isso a irritava completamente.

- Você sabe que a sua irmã não vai chegar tão cedo e, TALVEZ, nem venha pra casa, né?

- Sim, ela me contou.

- Beleza, então você pretende passar a noite aqui? - Sorriu desajeitadamente.

- Nope! - e deu e ombros e continuou o que estava fazendo.

Irritada, Ana voltou para o quarto e continuou focada em sua pesquisa. Meia hora depois, ouviu alguém bater em sua porta:

-Aninha! - Chamou.

- O que é?

- Eu vim em paz! - Brincou – eu fiz um lanche, bora  comer?

Por todos os seus vinte e dois anos de vida, havia uma sentença absoluta para Ana e era essa: Nunca, em hipótese alguma, negue comida. Principalmente aquela que é dada de graça.

- Belê!! - Levantou-se logo em seguida.

Ao chegar na sala, ela viu sobre a mesinha, duas latas de refrigerante, alguns petiscos, salgadinhos e sanduíches. As luzes estavam apagadas, somente a TV permanecia ligada iluminando o ambiente. Ela se sentou no sofá e começou a comer em silêncio, enquanto olhava para o que estava passando na televisão. 

Enquanto comia, ela percebeu que o João não parava de olhá-la e ria silenciosamente. Irritada, ela indagou:

- O que você quer, João? - Perguntou chateada.

- Eu? Nada, nada não, desculpa – e emudeceu.

Ela continuou comendo, mas ele insistiu:

- Por que você não gosta de mim? - Soltou espontaneamente.

- O... O que?? Como assim não gosto?

- Sério, todas as vezes que venho aqui, você deixa claro o seu desconforto comigo.

Ela engoliu a seco e suspirou.

- Não é que eu não goste...

- Sei...

- Eu apenas... não sei, privacidade, talvez? - Ri desajeitada.

Realmente, Ana não sabia bem o motivo de tentar repelir e por não suportar a convivência com o João, ele até que era legal. Tirando a toda aquela parte inconveniente dele ao achar que ali era sua casa, de chegar a qualquer hora sem avisar, de comer as coisas da geladeira... Ele estava sempre de bom humor, era um excelente irmão para a Paula, sempre foi respeitoso com ela, mesmo com as suas reações negativas, ele sempre esbanjava um sorriso e a retrucava com alguma de suas piadas sem graça ( que a fazia rir internamente, ela nunca confessaria algo assim) e era sempre gentil, indiferente aos cortes que Ana lhe dava.

- Aff, desculpa, João! Eu tentarei ser melhor daqui pra frente. - Falou cruzando os dedos.

- Obrigada! - Disse esbanjando aquele mesmo sorriso de sempre.

- Mas, por favor, tenha modos aqui, não dá pra você ficar saindo de toalha do banheiro e largando a sua roupa intima em qualquer lugar e diminua um pouco as visitas... - Suplicou – Combinado?

- Eu juro, não farei mais isso – Afirmou estendendo a mão. Combinado!

Ela apertou a mão dele e de imediato, sentiu seu rosto ficar quente. Era estranho como um simples aperto de mãos, poderia gerar alguma coisa dentro dela. O clima tornou-se estranho, Ana logo ficou calada e olhou para baixo, tentando esconder que estava envergonhada. Quando ela se levantou do sofá e foi em direção ao quarto, ele disparou:

- Sabe, Ana? - disse tranquilamente. Eu gosto de você, é por isso que eu sempre venha aqui!

Ao finalizar essa frase, ele olhou pra ela, sorriu e depois se virou para a TV. 

 


Notas Finais


Eu estou tentando, será que houve alguma melhora do conto anterior para esse? Espero que sim, mas agradeço a quem chegou até aqui.

Obrigada


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...