1. Spirit Fanfics >
  2. Mean Girl >
  3. Sweet dreams are made this

História Mean Girl - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


***ULTIMOS CAPITULOS***

Previosly in Mean Girl:

- Não é ciúmes, ela é insegura e se você avançar o sinal, ela vai terminar tudo. – Eu me levantei e segurei seu rosto. – Ela vai permitir quando quiser, mas enquanto isso você alivia sua tensão sexual com outras mulheres. – Lhe dei um selinho. – Sabemos o quanto a Viola é idiota de perder você.
- Não vai ter ciúmes quando eu e ela transarmos, porque se ela quiser, eu não vou dispensa-la. – Disse na cara de pau. – Afinal eu sou homem.
- Se isso servir para assinar a documentação da minha parte na herança, você pode até engravida-la. – Desci as minhas mãos até seu membro e o toquei por cima da bermuda. – Depois podemos foder, eu não ligo de dividir desde que eu tenha você. – Matt tocou meus lábios.
- Você é o meu tipo de mulher.

Capítulo 12 - Sweet dreams are made this


Fanfic / Fanfiction Mean Girl - Capítulo 12 - Sweet dreams are made this

Huntington Beach, California: Um mês depois

 

            O mês se passou rapidamente, Matt continuava a namorar com Viola, perdendo a paciência porque eles ainda não transavam. Eu comecei a tocar covers em bares da cidade, eu estava trabalhando no Uber eats, fazendo entregas com a minha bicicleta, precisava disfarçar que precisava de grana antes de pegar a minha herança.

            Leah viajou para Nova York passar o verão com seu pai, uma pena que eu não pude ir. Cameron estava totalmente ocupado com o clube de teatro, eles fariam uma peça na escola no primeiro dia de aula, como ele era Romeu de Romeu e Julieta, então ele estava dedicado ao máximo.

Viola continua sendo um pé no saco, ela implicava comigo, fazia cobranças, não estava de bom humor mesmo namorando. Continuava a se drogar, só que com mais intensidade, foi demitida da lavanderia. Na semana seguinte, ela estava trabalhando de motorista de Uber, isso não a deixou mais responsável.

            Eu e Matt continuávamos a nos encontrar entre as minhas entregas, ou encontros dele com Viola, ensaios da banda e shows. O sexo continuava espetacular, saímos mais satisfeitos do antes, apesar do sexo mais prazeroso era quando transávamos no meu quarto com Viola dormindo no quarto ao lado. Sexo perigoso era bem melhor, Viola nem desconfiava de nada, isso tornava ainda mais divertido.

 

XXX

 

            Matt estava por cima de mim, investindo com rapidez, acariciei suas costas suadas, deslizando minhas mãos pelas suas costas. Cravei as minhas unhas à medida que meu prazer aumentava, nossos lábios estavam unidos num beijo intenso, sua língua estava no céu da minha boca. Eu chupei sua língua, enquanto ele ia mais fundo dentro de mim, o celular de Matt começou a tocar, então paramos, resmungamos e ele se esticou para pegar o celular.

 

- Oi, Viola. – Colocou o dedo na garganta e escutou um pouco. – Hoje? Mais é claro, pede um jantar mexicano para gente. – Ele escutou um pouco, comecei a beijar o seu peito tatuado. – Tudo bem, Vivi. Estou com saudades, também. Beijos, amor. – Subi meus beijos até os lábios dele, segurei sua cabeça e ele começou a se movimentar novamente. – Onde estávamos, Gabe? – Voltamos a gemer, foi aí que meu celular começou a tocar, paramos novamente. – Eu desisto por hoje, apesar que eu vou a sua casa, compra umas camisinhas porque hoje eu vou te foder como merece. – Matt saiu de cima de mim, eu saí da cama para pegar a minha bolsa no chão e o meu celular, era Viola.

- Viola, estou trabalhando! – Eu me sentei na cama, Matt pegou uma toalha branca, fiquei olhando para a bunda dele. – O que você quer?

- Preciso de um favor. – Revirei os olhos. – Eu quero passar uma noite agradável com Matt, não quero que você em casa.

- Entendi. – Fiquei com ciúmes. – Sorte a sua que eu posso trabalhar a noite toda, mas você fica me devendo. – Desliguei o telefone na cara dela. Matt apareceu molhado e com a toalha enrolada na cintura.

- O que sua doce irmã queria? – Foi irônico, ele me puxou e colou seu corpo molhado no meu corpo nu.

- Acho que você vai se dar bem hoje, ela quer que eu não apareça em casa hoje. – Tirei a toalha dele. – Por um lado, isso pode ser ótimo para o meu plano e por outro lado, vou ficar com ciúmes de você estar transando com aquela vaca. – Eu o abracei pelo pescoço e ele agarrou a minha bunda. – Só que a minha herança é mais importante.

- Conhecendo a egocêntrica da sua irmã, ela pode querer conversar sobre si mesma, falar mal de você, dar uns beijos e nada. – Apertou a minha bunda novamente. – Bunda gostosa! Será que dá para darmos mais uma transa?

- Vou para Chinatown daqui a uma hora, então tem que ser bem rápido mesmo. – Matt me jogou na cama. – Você sabe como fazer.

 

XXX

 

            Mais tarde, não consegui me concentrar no meu trabalho pensando no que Matt e Viola estavam fazendo, contudo trabalhei a noite toda e parei somente quando amanheceu. Cheguei em casa, estacionei a minha bicicleta na garagem, estava ficando de saco cheio. Entrei pela porta dos fundos, estava tudo tão silencioso, subi as escadas, meu corpo estava moído de tanto cansaço.

            Ouvi alguns ruídos vindo do quarto de Viola, fechei a minha mão em punho, resolvi espiar atrás da porta. Matt estava em cima dela, se movimentando rapidamente, Viola estava nua rindo e eles inverteram as posições, ela ficou por cima se movimentando no colo dele. Fiquei puta, mas me controlei, afinal ele não gostava dela, apenas estava fazendo o que eu mandava.

Entrei no meu quarto, me joguei na cama, agarrei meu travesseiro, coloquei no rosto e comecei a gritar de ódio. Tentei ver pelo lado positivo, se Viola estava apaixonada por Matt, ela assinaria o papel da autorização da minha herança sem ler. Não demoraria tanto para poder me livrar daquela cobra, com dinheiro na mão, pediria a minha emancipação.

            Liguei meu MacBook, a impressora. Entrei no meu e-mail rapidamente, salvei o arquivo da autorização para receber a minha herança. Respirei fundo, imprimi tudo, procurei uma folha de abaixo-assinado para a proibição de produtos cosméticos serem testados em animais, uma autorização de escola para um passeio em Washington D.C. Coloquei tudo junto para Viola não percebesse, caso não desse certo, eu teria copias no meu computador.

            Ouvi risadas no corredor, respirei fundo mais uma vez para não surtar, senti raiva, Viola não poderia ser melhor na cama do que eu. Eu só tinha dormido com Matt, talvez esse era o problema, então bateram na minha porta, desliguei o MacBook e escondi a papelada dentro da minha mochila. Continuaram a bater, me levantei praticamente me arrastando, eu estava morrendo de sono. Abri a porta, era Viola vestida somente com uma toalha branca no corpo e com um sorriso enorme.

 

- A noite foi boa? – Fui sarcástica.

- Foi excitante. – Fingi vomitar. – Engraçadinha, Matt está fazendo nosso café da manhã, tome um banho, dê seu melhor sorriso e coma com a gente, ele pediu.

- Claro, vamos fingir que somos uma família feliz. – Bati a porta dela. – Vadia desgraçada, transou com meu homem. – Respirei fundo mais uma vez. – Pensa no dinheiro, pensa no dinheiro. Já me sinto bem melhor!

 

            Eu tirei a minha roupa, coloquei minha camisola preta de seda, Matt adorava, queria testar o juízo dele. Deixei em cima da cama, me enrolei na toalha preta e fui ao banheiro, tomar banho. Depois do banho, sequei meus cabelos e meu corpo, vesti a toalha e voltei ao meu quarto. Vesti somente a camisola sem nada por baixo, queria ver se Matt resistiria a tentação.

            Me olhei no espelho, joguei meu cabelo para o lado e amarrei para ficar mais sexy. Andei lentamente até a cozinha, assim que cheguei lá, vi Matt e Viola juntos, senti nojo ao vê-la sentada em cima da pia, Matt a beijando e com as mãos nos peitos dela. Fingi uma tosse, no entanto fingiram que não me ouviram, ou não escutaram. Achei um prato em cima da mesa, joguei com força no chão, ele se espatifou em vários pedaços e eles me olharam, riram um pouco, enquanto eu estava morrendo de ciúmes.

 

- Por favor, vão para o quarto! – Reclamei, sentei à mesa.

- Não sinta ciúmes, irmãzinha. Agora você pode arrumar um namorado. – Viola abraçou Matt que não gostou nada da piada. – O que foi?

- Ela é muito criança para namorar. – Matt começou a virar panqueca na frigideira.

- Já tenho quase 17. Tenho carteira de motorista, trabalho e não sou mais virgem. – Viola se engasgou com a saliva.

- Quando isso aconteceu? – Viola ficou nervosa, ri dela.

- Ah, irmãzinha... você sabe tão pouco sobre mim, foi ótimo e ele era bem mais velho, uns 25 talvez. – Matt começou a suar. – Enfim, vamos mudar de assunto. Leah me chamou de novo para ir à Nova York. Posso, pelo menos, passar o final de semana com ela? – Matt colocou uma panqueca para mim, jogou calda de chocolate. – Obrigada, cunhadinho. – Pisquei para ele.

- Você não está merecendo. – Viola pegou uma garrafa de vodca barata dentro da geladeira, bebeu tudo. Depois acendeu um baseado, ela não tinha jeito.

- Pensa positivo, se eu viajar, vai ter a casa toda só para vocês dois. Que tal? – Sugeri.

- Não quero ver você no noticiário ou no Xvideos. – Dei um sorriso falso.

- Pode deixar.

 

            Comemos nosso café da manhã, Matt sem camisa, tentei me controlar, entretanto era difícil. Larguei a minha panqueca na metade, fingi um bocejo para poder me trancar no meu quarto. Chegando ao meu quarto, arrumei um envelope pardo que tinha dentro da minha gaveta de meias. Abri a minha mochila, coloquei todos os papeis que seria para Viola assinar.

Eu me sentei na cama com o envelope nas mãos e depois coloquei em cima da cama. Pensei sobre tantas coisas, precisava me afastar um pouco, encontrar outras pessoas, ficar com outros caras, tirar Matt da minha mente, senão eu surtaria de ciúmes, eu estava me apaixonando por ele, com certeza, ele não sentia o mesmo por mim.

Tinha que focar no que era importante, então bateram na porta e bateram com força, me levantei com força e me encaminhei até a porta. Abri e era Matt com cara de poucos amigos, imaginar Viola tomando o café distraída, fumando baseado, era o momento ideal para uma rapidinha.

 

- Está com ciúmes, Gabe! Se controle! – Cruzei os braços. – Não gosto dessa situação tanto quanto você. Você precisa de mim e eu preciso dos dois mil.

- Será que não gostou de transar com a Viola? Seja sincero, por favor. – Ele olhou para o meu corpo. – Estou falando sério.

- O que? Eu adorei, Viola é boa de cama, assim como você. – Dei um tapa no rosto dele. – Ela está ficando chapada, dá para a gente se divertir na sua cama, ou aqui na porta, adoro me arriscar. – Ele colocou o membro ereto para fora.

- Chega, ok. – Eu me virei de costas, andei para meu quarto, peguei o envelope nas mãos e depois joguei em cima dele. – Esse envelope é uma das copias da autorização para eu receber minha herança. Aproveita esse final de semana para faze-la assinar, não interessa como vai fazer.

- Não é fácil, eu vou querer um agrado. – Ele me agarrou contra a parede. – Daqueles, um sexo bem gostoso nos fundos da van. – Estava difícil para resistir, estava ficando tão molhada, mas eu o empurrei.

- Você tem uma semana e sem agrado, a única irmã com quem você vai transar a partir de hoje é a Viola. – Me aproximei da orelha dele. – Espero que ela te chupe gostoso como eu fazia, pense em mim enquanto transa com ela, pois é só isso que terá de mim, apenas lembranças.

- Eu te digo, Gabrielle Young. Não vai ser a ultima vez que a gente vai transar, por enquanto aceito o seu pedido.


Notas Finais


Gabrielle deu o ultimato!
Será que Matt vai cumprir o prometido?
Será que esses dois vão conseguir o que querem?
E Viola?
PENULTIMO CAPITULO
Beijos e até a proxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...