1. Spirit Fanfics >
  2. Mean Girl >
  3. How buy a boyfriend

História Mean Girl - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Leah: Britt Robertson
Cameron: KJ Apa

Previosly in Mean Girl:

Matt deu um tapa na mesa, cara mafioso o segurou pela camisa e cobrou o dinheiro dele. Tive uma ideia maluca, saí da mesa, eu cheguei perto dos dois e os separei. O cara me olhou de cima a baixo, tirei o dinheiro do bolso e balancei as notas, Matt ficou pálido e o mafioso se aproximou de mim.

- Quanto o idiota está devendo? – Esperava que fosse menos de 300 pratas.
- 300 pratas. – O cara respondeu, entreguei o dinheiro. – Sorte que sua namorada pagou, talvez não tenha sorte da próxima vez.

O homem foi embora, Matt me abraçou fortemente, ele tinha um cheiro tão bom, perfume forte e loção de barbear. Ele me soltou rapidamente, cruzou os braços, fiz o mesmo gesto, nos olhamos um pouco. Ele me rodeou, pois sabia que aquele favor não sairia de graça, não era tão burro quanto pensei.

- O que você quer?
- Eu quero que você volte a namorar a Viola... – Matt pensou um pouco e caiu na gargalhada. – Qual é a graça?
- Por que eu voltaria namorar aquela megera? Tenho amor a minha vida e ao meu pinto. – Matt pegou uma cerveja, abriu e deu um gole longo.
- Porque se você não aceitar conquistar a minha querida irmã, você vai ter 24 horas para me devolver as 300 pratas e se não me pagar vai passar uns dias na cadeia, sendo tão lindo, vai virar mulherzinha da cela 3. – Coloquei as mãos nos quadris e bati meu pé no chão. – Aceita a minha proposta?

Capítulo 3 - How buy a boyfriend


Fanfic / Fanfiction Mean Girl - Capítulo 3 - How buy a boyfriend

- Acho que você já pensou demais, quero uma resposta! – Servi uma dose de tequila para Matt, olhei para trás, Cameron foi embora e Leah sumiu com algum cara.

- Aceito. – Matt virou num shot. – Como eu vou conquistar aquela cobra? – Eu pedi um maço de cigarros Lucky strike, me trouxeram rapidamente, eu acendi o cigarro e dei um trago longo.

- Você a namorou, não deve ser difícil. – Soltei a fumaça pelo nariz, servi mais uma dose de tequila para nós.

- Na época da escola era diferente, ela queria provocar a sua mãe e o padrasto. – Matt virou mais uma vez. – O que aconteceu com seu pai?

- Ele morreu há um ano, atropelado por um motorista bêbado. – Eu virei a garrafa e matei. – Já que não sabe como conquista-la, eu vou fazer a parte difícil. Amanhã vou comprar flores para ela no seu nome, provavelmente ela vai ficar puta e vai te ligar. – Dei mais um trago no cigarro e soltei a fumaça pelo nariz. – Você pede desculpas, fala que queria sair com ela e pensando como minha irmã é, ela não vai aceitar com certeza. Aí você aparece em casa com alguma coisa nas mãos e fala a mesma coisa.

- Ok, só tenho que esperar em casa. – Matt segurou a minha mão. – Isso não vai prestar, nem você aguenta como eu vou suporta-la.

- Eu preciso receber uma grana, mas não posso receber dinheiro enquanto Viola não arrumar um macho. – Dei mais um trago. – Só que ela foi abandonada pelo ex-noivo, então não quer saber de homem e não quer que eu arrume um. Apenas siga o plano e tudo vai dar certo, espero que ela esteja chapada.

- Desde quando ela toma esses negócios?

- Desde que a mamãe morreu, ela não sabe lidar com perdas, acha que ficar chapada vai passar a dor, ela tinha que fazer terapia. – Rimos um pouco.

- Concordo com você, querida. – Matt apertou a minha mão. – Preciso do seu número para ficarmos sempre em contato.

- Anota aí. – Ele pegou o iPhone dentro do bolso da calça. – 555-8903. Sua vez, gostosão. – Cam voltou com a minha mochila e jogou em cima de mim. – Obrigada, Cam.

- Seu namorado não está gostando do seu comportamento. – Matt deu um sorriso enquanto pegava meu celular dentro da mochila.

- Cameron não é meu namorado, ele é meu melhor amigo, nunca vimos como nada além disso. – Segurei o meu celular nas mãos.

- Pareceu bem enciumado, mas enfim... 555-2711. – Anotei e salvei o contato no meu celular.

 

XXX

 

            Matt me deu uma carona até em casa de moto, achei bem legal porque fazia meses que não andava de moto. Viola tinha vendido todas as coisas do meu pai enquanto estava no reformatório e gastado em remédio, bebidas e na maconha dela. Meu pai tinha uma Harley novinha que deixaria para mim de herança, mas ela simplesmente trocou por remédios controlados ou algo do tipo.

Chegando em casa, desci da moto de Matt, era uma Harley velha, tirei o capacete, agradeci com um sorriso e lhe dei o capacete. Pedi para ele seguir o plano, ele acelerou com a moto, vi que a vizinha da frente estava varrendo as folhas secas, apelidei de dona Smurf, por causa de uma touca branca que ela usava na cabeça. Sabia que ela contaria para Viola que me viu de moto com rapaz, mas não me importei porque ele seria namorado de Viola e não meu.

Entrei rapidamente, tirei a minha mochila das costas, pensei e resolvi deixar aquela porcaria na escola, a partir de amanhã. Subi as escadas, entrei no quarto, tirei a minha roupa, me enrolei na minha toalha preta e fui tomar banho. Depois do banho, fui até o meu quarto, tranquei a minha porta. Percebi que tinha ficado com pouco dinheiro, minha mesada era 700 pratas semanais.

Peguei meu celular, procurei uma floricultura perto de casa no Google. Pedi o mais simples buque de rosas vermelhas e o mais barato, Viola não merecia que eu gastasse dinheiro com ela. Marquei para hora do jantar, antes dela ficar dopada e não entendesse nada. Pensei em cozinhar, mas ela desconfiaria. Pediria comida ou uma pizza, apenas para parecer que não tinha nada de estranho rolando.

Tinha uma caixinha para dedicatória se quisesse um bilhete para quando entregasse as flores. Então eu escrevi “Cara, Vivi. Quando eu te vi novamente, percebi o quanto fui tolo em te perder”. Resolvi apagar tudo que digitei, ela não cairia nesse papo romântico, eu teria que escrever algo mais realista ou algo que deixaria enfurecida. Escrevi “Querida Viola, você está mais linda do que pelas suas fotos do Instagram. Resolvi te dar rosas para poder te convencer a me dar mais uma chance. Sábado à noite, te pego às nove”. Perfeito! Isso com certeza, a deixaria furiosa.

Fiz o pedido do buque, dei uma risada, peguei um pote de tinta verde e coloquei uma camiseta velha para pintar o cabelo que ficava pendurada na cama. Vesti apenas aquilo, abri o pote e pintei as mechas descoloridas do meu cabelo, em frente ao meu enorme espelho com moldura de madeira. Fui ao banheiro, lavei as mãos manchadas com a tinta verde. Voltei ao quarto, sentei no chão, cruzei as pernas, esperando o tempo passar para lavar a cabeça.

 

- Ok, Google. – O celular apitou. – Ligar para Matt gostoso, viva voz. – O celular ligou no modo viva voz.

- Oi, Gabe.

- Já comprei as flores, vão chegar mais ou menos às oito. – Falei. – Quando ela te ligar, você tem de falar mais ou menos que sair com ela sábado à noite, às nove.

- Sábado? – Ele resmungou. – Eu tenho show em Los Angeles e depois marquei com uma groupie depois do show. – Deu vontade de ir.

- Ela não vai aceitar, pode ficar tranquilo, é só para ela pensar que você realmente quer sair com ela, não precisa ser verdade. – Eu me aproximei da cama. – Ninguém quer sair com aquela bruxa.

- Isso é verdade. – Riu um pouco. – Vou ter que desligar porque vou ensaiar com a minha banda.

- Boa noite, tchau. – Ele desligou a ligação.

 

XXXX

 

            Lavei meus cabelos, peguei a toalha de Viola pendurada na parede, sequei meus cabelos, ficou manchada, dei de ombros, ela merecia por me foder. Peguei o secador, uma escova de cabelo e fiz uma escova. Voltei ao meu quarto, troquei de roupa, coloquei um shortinho soltinho, uma calcinha preta, uma camiseta preta larga.

Fui para cozinha, fui até a geladeira, peguei o número da pizzaria que ficava próxima da minha casa, liguei e pedi duas pizzas de muçarela mesmo. Viola chegou em casa, reclamando como sempre, revirei meus olhos, ela nem falou comigo e foi tomar banho.

            As pizzas chegaram, fui ao meu quarto, peguei o cartão de debito, fui até a porta da frente, paguei as pizzas com cartão e o entregador ficou me secando, mas ele era tão feio. Bati a porta na cara dele, tranquei com chave, levei as pizzas até a mesa da cozinha, abri uma delas e peguei um pedaço. Tocou a campainha novamente, dei um sorriso malicioso e Viola estava descendo as escadas com uma toalha na cabeça, ela atendeu a porta.

            Eu espiei, ela recebeu o buquê de rosas, ficou surpresa quando descobriu que era para ela, ficou pálida com o choque. Fiquei me controlando para não cair na gargalhada, acabei me engasgando com um pedaço de pizza, fiquei tossindo, fui a geladeira, achei uma garrafa de suco de laranja, bebi direto da garrafa. Respirei fundo e desengasguei.

            Viola jogou o buque em cima da mesa, pegou o bilhete, leu e ficou vermelha de raiva. Peguei outro pedaço de pizza, fingindo que não sabia de nada, dei uma mordida, ela amassou o bilhete quando terminou de ler, pegou o buque de rosas e jogou no triturador de lixo, pensei nos meus 40 dólares jogados literalmente pelo ralo.

 

- O que deu em você, Viola? – Eu me fiz de desentendida.

- Matt me deu flores. – Fingi que não sabia quem era. – O que trouxe arrastada daquela festa no final de semana, estava tão bêbada que nem lembra.

- Isso é bom, alguém interessado em você depois de tanto tempo. – Ela abriu a geladeira e tirou uma garrafa de vodca aberta.

- Até parece que vou sair com ele, conheço tipo dele, ele só quer transar comigo. – Virou a garrafa de vodca como fosse água.

- Você fala como isso fosse algo ruim. – Falei de boca cheia.

- Quando você sofrer a sua primeira decepção amorosa, vai entender alguém que só quer transar com você é algo ruim. – Viola era muito dramática.

- Enquanto você for meu cão de guarda, isso vai ser impossível. – Eu peguei mais um pedaço. – Que tal, você ligar agradecendo pelas flores e o chamar para sair?

- Eu vou ligar para aquele cretino. – Ela pegou um pedaço de pizza, deixou a garrafa de vodca em cima da pia. Saiu do meu campo de visão, continuei comendo pizza até que ouvi os gritos. – QUEM VOCÊ PENSA QUE É PARA FICAR ME MANDANDO ROSAS? – Ri um pouco. – EU NÃO VOU SAIR COM VOCÊ!

- Deu certo.

 

            Depois que terminamos de comer pizzas, Viola foi tomar seus remédios, revirei os olhos e tocaram a maldita campainha mais uma vez. Eu fui atender, abri a porta e era Matt com uma caixa de bombons nas mãos, era daquelas que vendiam em lojas de bebidas. Fiz ok com uma das mãos, o deixei entrar, ele sentou no sofá da sala.

            Subi as escadas correndo, entrei no quarto de Viola que estava cheirando um pó branco, ela ficou puta por ter entrado sem bater. Cruzei os braços, ela limpou o rosto, mexeu nos seus cabelos loiros e me olhou de cima a baixo.

 

- O que você quer, Gabrielle? – Sentou na cama.

- O tal Matt apareceu e quer falar com você, como sei que você não quer nada dele, eu já vou pegar os bombons que ele trouxe. – Coloquei as mãos nos quadris. – Seja educada, pelo menos.

- Já estou indo.

 

            Saí do quarto, Viola foi atrás de mim, seus olhos estavam com as pupilas dilatadas, comecei a ficar preocupada. Fiquei no alto da escada, ela desceu tropeçando pelo efeito das porcarias que ela usava. Fingi que estava indo para o meu quarto, quando finalmente chegou à sala, eu fiquei espiando pela escada. Matt a abraçou forte, ela o empurrou, como aquela mulher deixava tudo mais difícil.

 

- Por que você veio aqui, Matt? – Cruzou os braços, ele deu a caixa de bombons e ela jogou no chão. – Eu já te disse que não quero saber de você.

- Quero que você diga isso na minha cara! – Ele estava indo muito bem. – Porra, eu gostei de te ver depois de tanto tempo e você me trata como lixo.

- Todos os homens são lixos. – Revirei os olhos. – Não quero que você chegue perto de mim, ou da minha casa, senão...

- Você chama a polícia, eu não vou desistir de você, Vivi. – Ele tocou o rosto dela, ela ficou sem reação, se aproximou e achei que eles fossem se beijar, mas Matt se afastou. – Até logo. – Ele foi embora, quase bati palmas pela interpretação. Desci as escadas e peguei a caixa de bombons, comi uma trufa de limão.

- Você é muito burra, se tivesse um gato desse, eu sairia com ele. – Falei de boca cheia.

 

XXX

 

            Durante aquela maldita semana, me senti obrigada ir à escola. Cameron teria que assistir as aulas e tirar boas notas, afinal se quisesse participar do grupo de teatro. Já Leah, ela começou a se envolver com uma animadora de torcida chamada Brittany Smithers, a tal Brittany realmente queria ficar com ela para algo sério. Acabei ficando sozinha, afastava a minha solidão ligando para Matt para continuar o plano, mesmo com os insultos de Viola.

Eu continuava mandando trecos para Viola em nome de Matt, isso estava irritando, mas alguma hora ela iria desistir e aceitaria sair com ele. Então Matt estaria por conta própria, porque eu não poderia dizer o que ele tinha que fazer no encontro também.

            No domingo à noite, eu estava vendo um filme qualquer na Netflix, Viola desligou a TV, ela era muito desagradável, estava sozinha em casa e ainda queria me perturbar. Cruzei os braços, Viola estava arrumada, seria ótimo se ela arrumasse outro namorado e poderia liberar Matt daquele sacrifício.

 

- Arrumou um encontro? – Perguntei ironicamente.

- Não, eu vou beber com umas amigas e já volto. – Fiquei surpresa por Viola ter amigas.

- Elas poderiam colocar juízo na sua cabeça e você poderia aceitar sair com Matt, não aguento mais esses trecos que ele manda. – Peguei o controle das mãos dela.

- Não quero saber de homens, eles não prestam. – Revirei meus olhos. – Enfim, nada de sair.

- Como se tivesse um lugar para ir. – Viola me deu uma nota de vinte e saiu.

 

            Bateram na porta, um pouco depois que Viola saiu, achei que ela tinha ficado chapada e esqueceu algo em casa. Abri a porta, era Matt e o deixei entrar. Ele me acompanhou até a sala, sentou no sofá, fui a cozinha, peguei duas cervejas, abri com abridor que ficava na pia, voltei com as cervejas e entreguei uma a ele.

 

- Viola não está. – Ele deu um gole na cerveja. – Vamos ter que pensar algo diferente.

- Vai ter show na sexta-feira, leva Viola e vou fazer ciúmes naquela egocêntrica. – Eu me aproximei dele, ele colocou seu braço em volta dos meus ombros. – Tinha uma impressão errada de você, não é uma garota mimada.

- Ah é? – Olhei em seus olhos verdes, arranquei o boné da cabeça dele e coloquei na minha. – O que acha de mim agora?

- Uma garota má, quer saber um segredo. – Balancei a cabeça positivamente. – Adoro garotas malvadas. – Sorrimos juntos.

 

            Eu me aproximei de Matt, ele ficou apenas me olhando confuso, eu resolvi me afastar um pouco. Ele colocou o braço ao redor dos meus ombros, Matt olhou para mim, olhei para seus lábios rosados, não sabia se ele me queria. A porta fez barulho, Viola chegou antes do previsto.


Notas Finais


Será que a Gabe está afim de Matt?
Ele a corresponde?
Será que a Viola vai descobrir o plano da irmã?
Beijos e ate a proxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...