1. Spirit Fanfics >
  2. Mean Girl >
  3. Money, money

História Mean Girl - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Previosly in Mean Girl:

- Eu queria pedir desculpas por ontem, estava muito nervoso pelo show de ontem. – Ele passou a mão no rosto. – Você bate forte para uma garota.
- Você ficou olhando para os peitos daquela garota! Vocês, homens, são todos iguais mesmo. – Cruzou os braços.
- Desculpa, Vivi. Você não colabora mesmo, parecia que estava saindo por obrigação comigo. – Matt começou a se irritar. – Gabrielle mesmo bêbada parece ser mais madura do que você. – Viola ficou puta.
- O que você disse? – Ela ficou vermelha.
- Você quer se enterrar, ótimo. Sua irmã parece ter a mente mais aberta do que a sua, não acha que todos os homens do planeta são iguais. – Matt foi sincero. – Vamos sair mais uma vez, se você não gostar novamente, eu nunca mais te procuro.
- Aceito. – Ele entregou as rosas e lhe deu um beijo no canto da boca dela.
- Se não quiser as flores, dá para Gabe. – Ela agarrou as flores da mão dele com força.
Fiz um ok com as mãos, ele piscou discretamente enquanto Viola dava as costas para ele. O plano estava indo de vento e polpa, eu receberia meu dinheiro rapidamente.

Capítulo 5 - Money, money


Fanfic / Fanfiction Mean Girl - Capítulo 5 - Money, money

Huntington Beach, California – Quatro dias depois

 

            Viola me deixou na porta da escola, desci do carro com um copo de café nas mãos, ela buzinou bem alto para me provocar, apertei o copo de café quente em minhas mãos. Respirei fundo, atirei o copo de café no vidro do carro dela, fazendo com que todos rissem dela, consequentemente, de mim também. Meus amigos estavam me evitando, Leah e a namorada tinham terminado, afinal a popularidade era mais importante do que o amor, Leah ficou em casa chorando. Cam só estudava, os professores mandaram se afastar de mim, caso ele quisesse ter algum sucesso na vida.

Assim que o carro de Viola saiu, Matt apareceu com sua Harley, eu dei um sorriso de lado e ele conseguiu chamar mais atenção do que a minha adorável irmã. Matt tirou o capacete, as meninas começaram a quase a ter orgasmos somente de olhar para ele, eu precisava saber todos os detalhes do segundo encontro com Viola. Foi melhor porque Viola aceitou sair com ele mais uma e estava um pouquinho menos desagradável.

            Matt deu um enorme sorriso, jogou um capacete para mim, coloquei na cabeça, subi na garupa da moto e todos fizeram uau em uníssono. Eu o abracei pela cintura, ele acelerou aquela moto e me levou até o seu apartamento.

            Chegando lá, abriu a porta, entramos, vi várias bolsas de supermercado no chão. Eu me joguei no sofá e ele me ofereceu uma cerveja, como sempre. Tirei as minhas botas, Matt tirou a camiseta porque estava com calor, o problema que ele era forte e musculoso, todo tatuado, eu sentia calor. Mordi o lábio inferior quando ele voltou com a lata Budweiser gelada nas mãos, tentei me concentrar e peguei a cerveja.

 

- Como foi o encontro com a Viola? – Eu abri a lata e dei um gole. – Não foi tão desagradável, afinal ela aceitou sair novamente com você.

- Para mim foi extremamente desagradável, ela é chata, egocêntrica e só fala dela. – Matt voltou a cozinha e abriu a geladeira. – Que tedio, quando uma garota começa uma conversa tediante, eu dou um jeito de beija-la ou começo a beber. Eu gastei cerca de duzentos dólares só de bebida, o pior tive que prestar atenção no que ela falava, não é a toa que o noivo a largou.

- O plano está indo bem, eu só preciso pegar meu dinheiro. – Eu me sentei e Matt voltou com um sanduiche de frango do Subway. – Eu quero uma mordida.

- Justamente isso que eu quero falar com você, Gabe. – Ele sentou ao meu lado e mordeu aquele sanduiche de 30 cm. – Eu não vou sair mais com a Viola, juro que vou pagar as 300 pratas que você me emprestou, mas aquela mulher é um saco.

- Por favor, se você não namorar a Viola, nunca vou pegar meu dinheiro, não seja mau comigo. – Eu me ajoelhei aos pés dele e implorei. – Eu te dou o que quiser, eu te pago a metade do meu dinheiro, mas não me condene a ser amarga como a Viola. Preciso comprar meu carro, ela me leva na escola e buzina para todo mundo me ver, além de ser uma péssima irmã e não me deixar sair, nem para namorar e nem para sair com os amigos. Eu já quebrei a perna, pulando da janela. – Abracei as pernas dele e fingi que estava chorando.

- Para Gabe, por favor. – Ele me segurou e me colocou no sofá. – Você vai ter que me pagar alguma grana para suportar a maldita da Viola. – Dei um gole longo na cerveja, peguei minha bolsa de camurça que estava jogada no chão, abri e peguei a minha carteira de caveira. – Eu vou te fazer pagamentos por cada vez que sair com a minha irmã, quando você tiver coragem para beija-la ou pedir em namoro, vai ganhar um bônus. – Eu tirei 200 dólares em notas de cinquenta e entreguei a ele.

- Ela fede a maconha e álcool. Beija-la vai ser um sacrifício, um dia vou virar musico famoso e vou te devolver o dinheiro. – Dei de ombros, aproveitei e peguei meu maço de cigarros.

- Quando você virar um musico famoso, também terei a minha própria banda, talvez eu realmente precise do dinheiro. – Coloquei um cigarro na boca, procurei meu isqueiro, achei no meio da bagunça e acendi o cigarro.

- Qual o próximo passo, senhorita Young? – Matt deu mais uma mordida no seu sanduiche e comeu praticamente de boca aberta.

- Mais um encontro, só que você tem que começar a quebrar o gelo dela. – Dei um trago no cigarro, Matt bebeu o resto da minha cerveja. – Dizer que sentiu saudades, minta dizendo que ela o está deixando louco.

- Isso é verdade, mentir que estou gostando dela. Se ela não acreditar? – Matt mordeu o sanduiche mais um pouco. – Quer uma mordida?

- Achei que não fosse oferecer. – Eu mordi o sanduiche e estava bem apimentado. – No começo ela não vai acreditar, só não ser meloso. Apenas dizer que “ah lembrei de você e resolvi te ligar, ou mandar mensagem”. – Eu me sentei no sofá e dei um trago no cigarro. – Liga para ela agora, ela deve estar em casa se lamentando da vida, está chapada.

- Ok.

 

            Eu terminei de fumar meu cigarro, joguei a guimba de cigarro pela janela da sala. Fui até a cozinha, abri a geladeira e peguei um pão doce com creme. Matt estava com o celular nas mãos, fazendo careta porque não queria falar com Viola, eu tentei me controlar para não rir, ele ligou para ela e colocou no viva-voz para que eu ouvisse a conversa. Então me sentei ao seu lado, comecei a comer o pão doce e Viola atendeu.

 

- Oi, quem é? – Estava chapada de remédios.

- Sou eu, Matt. Ainda não salvou meu número? – Revirou os olhos.

- Ah, sim. O que você quer?

- Bem, eu queria marcar um encontro com você na quinta-feira à noite. Pode ser? – Matt estava ficando entediado, segurei meu riso.

- Que horas?

- As sete, não quero que você chegue tarde em casa. – Fiz um ok com as mãos.

- Por que você me ligou a essa hora? – Estava sendo grossa.

- Ah, eu... – Começou a gaguejar, fiz sinal de sono para que ele entendesse que era para dizer que havia sonhado com ela. – Você não acreditaria. – Matt não entendeu, fiz mimica para sono.

- Pode tentar.

- Sonho. – Sussurrei.

- Bem, eu sonhei com você, foi isso. – Ele deu uma risada e Viola resmungou. – Foi estranho, porque você estava sendo legal comigo e estávamos no show do Iron Maiden.

- Eu odeio rock, só fui aquele show porque era sua banda. – Coloquei o dedo na garganta.

- Eu sei, eu sei... Por isso foi estranho, eu queria compartilhar com você e... eu, bem... queria uma desculpa para falar com você... – Matt tentou ser legal.

- Que bom, então até quinta. – Ela desligou na cara de Matt.

- Mal educada!

 

            Matt e eu caímos na gargalhada, percebi que Viola estava começando a amolecer, esse era o momento perfeito para Matt tentar abraça-la. Eu tinha que ver como estava o termômetro do relacionamento dos dois estava quente o suficiente e se Matt estava fazendo seu serviço corretamente.

 

- Você vai tentar abraça-la de novo. – Matt olhou para mim. – Se ela aceitar, você começa a segurar a mão dela, chama-la para dançar e quem sabe no final do encontro, um beijo na boca.

- Credo. – Matt ficou todo arrepiado. – Tipo, ela é linda, mas toda a personalidade dela estraga a beleza.

- Cuidado para não se apaixonar. – Fiz uma piada e ele fez o sinal da cruz.

- Eu prefiro morrer comido por um urso. – Respondeu.

 

XXX

 

            Na quinta-feira à noite, eu estava de pijama comendo comida tailandesa quando tocaram a campainha. Imaginei que fosse Matt, eu estava toda largada, mas não seria eu que ia sair com ele mesmo. Saí correndo, Viola ainda estava se arrumando, Matt estava mais de uma hora atrasado.

Eu abri a porta, Matt me entregou uma caixa de bombons baratos, dei um sorriso e o deixei entrar. Viola apareceu no alto da escada de saltos, vestido decotado vermelho, maquiada e de cabelo arrumado. Ela desceu lentamente para não cair de salto, chegou perto de Matt que ficou literalmente de boca aberta, ela o abraçou. Eu fiquei chocada, cocei meus olhos e não acreditei. Ela tirou a caixa de bombons das minhas mãos e colocou em cima do móvel da sala.

Matt estava de calça jeans, camiseta xadrez vermelha e preta, uma camiseta branca por baixo, além de uma jaqueta da mesma cor. Ele estendeu o braço, ela se enroscou e saíram os dois. Depois do choque, fiquei feliz, comemorei, esperava que o encontro desse certo e quem sabe, Matt se empolgasse com Viola.

Terminei o meu jantar, então tocaram notificações, achei que fosse Matt mudando de ideia. Quando peguei meu celular em cima da pia, era mensagem do grupo do circuito de festas, avisando que teria uma outra festa incrível em Anaheim Hills no dia seguinte. Eu teria que dopar Viola, já que Matt não poderia sair com ela novamente no dia seguinte.

Comemorei, saí correndo até o quarto de Viola, estava tudo aberto. Abri a gaveta de remédios dela, tirei vários compridos de xanax e coloquei dentro do bolso do pijama. Vi em cima da penteada, vários saquinhos com pó branco que achei ser cocaína, ela não tinha jeito. Vi o celular dela jogado na penteadeira, ela tinha esquecido em casa, esperava que ela não voltasse para buscar. Então eu ouvi um barulho na porta, não daria tempo de arrumar a bagunça, saí correndo e me tranquei no banheiro.

Viola estava rindo, abri a porta para ver quando ela saia, ela entrou no quarto, ficou alguns minutos lá e depois saiu com o telefone. O nariz coçando, balancei a cabeça negativamente, assim que ela saiu. Voltei ao quarto dela para pegar mais comprimidos, porém ela havia trancado a porta do seu quarto.

Algumas horas depois, eu estava na janela do meu quarto, espiando quando os dois voltariam do encontro. Vi estacionando uma van preta na minha entrada, perto da caixa do correio. Matt saiu primeiro, abriu a porta para Viola sair, eles estavam rindo, pareciam que haviam se divertido bastante. Não conseguia ouvi-los, Matt segurou as duas mãos dela, a olhando de uma forma diferente, depois tocou seu rosto, senti uma coisa estranha.

Ela o abraçou forte, deu um enorme sorriso, os seus corpos se aproximaram, Matt a agarrou pela cintura e lhe deu um beijo na boca. Eu arregalei os olhos, me senti confusa. Eu queria que ele a beijasse, no entanto quando ele fez o que eu queria, não queria que ele a beijasse mais. Senti ciúmes, vendo os dois se beijando, Viola estava gostando do beijo dele, o pior ele parecia estar gostando também. O beijo foi mais rápido do que deveria, mas longo do que eu gostaria, esperei que Viola o batesse, contudo ela o beijou novamente com mais intensidade.

Eu fechei a janela, fechei as cortinas, eu não poderia sentir ciúmes, Matt era bem mais velho do que eu e também, nossos assuntos deveriam ser estritamente profissionais. Respirei fundo para não chorar, deitei na cama, abracei o meu travesseiro, tentei pensar no meu dinheiro que era mais importante do que eu sentia pelo meu futuro cunhado.

No dia seguinte, acordei com Viola socando a minha porta, ela poderia ter beijado na boca, mas continuava a mesmo insuportável de sempre. Levantei da cama, abri as cortinas, peguei meu vestido preto do chão, cheirei e não estava fedorenta. Peguei uma lingerie qualquer dentro da gaveta, tirei meu pijama e me enrolei na toalha preta.

Depois do banho, eu fiz uma maquiagem forte, coloquei meus colares, pulseiras e meus anéis. Prendi meu cabelo num rabo de cavalo, meu celular estava tocando, vi que era Matt e resolvi não atender. Não queria ouvi-lo e nem ve-lo, decidi que ia me divertir na festa e beber até cair.

Peguei a minha bolsa de camurça, joguei meu celular lá dentro, fui até a cozinha. Viola estava animada e sorrindo, imaginei o que seria, contudo não estava afim de saber. Peguei uma caixa de cereal dentro do armário, coloquei numa tigela, abri a geladeira, peguei uma garrafa de leite e joguei dentro.

 

- Pode comemorar, não vou te levar para escola. – Revirei meus olhos. – Eu tenho uma entrevista de emprego em LA daqui a duas horas. – Ela pegou sua bolsa chique e se mandou.

- Comemore por enquanto, sua vaca.

 


Notas Finais


Gabrielle ficou com ciúmes de Viola e Matt juntos.
Será que Viola está gostando de Matt?
Matt está gostando dela também?
Gabe vai fazer alguma coisa para separa-los?
Beijos e até a proxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...