História Meaning of Life - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Demi Lovato, Henry Cavill
Personagens Demi Lovato, Henry Cavill
Tags Demi Lovato, Romance
Visualizações 32
Palavras 1.419
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi pessoal, mais um capítulo e eu espero que vocês gostem.

Capítulo 3 - You ?


Fanfic / Fanfiction Meaning of Life - Capítulo 3 - You ?

Demi Lovato

– Acorda ! – Sou acordada por Kelsey que grita no meu ouvido.

– Ai, sua vadia. – Esbravejo com a voz ainda sonolenta. Desencosto a cabeça da janela do carro que estava com o meu gigante travesseiro que caiu no piso do carro. – Você cortou meu sono.

Estamos a caminho da fazenda da minha avó, em Woodland, Califórnia , alugamos este carro para nos deixar lá. O caminho estava um pouco esburacado, pelo fato de ser estrada de terra, fazia o mesmo balançar loucamente. Faz anos que não venho aqui, da ultima vez em que pisei neste solo, eu tinha quinze anos e cabelos loiros com mechas rosas, ou seja, à oito anos.

O pasto continuava o mesmo, verde como sempre.

– Não me xinga – Kelsey se joga no banco, pegando seu iphone em mãos e o colocando em frente ao rosto. – Eu me sinto ofendida.

– Talvez, se você não fosse idiota.

– Filha, estamos quase chegando, já estava na hora mesmo. – Minha mãe coloca a cabeça entre os bancos em que eu estava. Aquele óculos escuro a deixava sombria. Apanho o travesseiro, o apertando. – Estou morrendo de saudade da mamãe.

– Eu também. – Digo bocejando.

Hoje fazem três meses que o pior dia da minha vida aconteceu, até agora estou tentando entender o porque do Jesse ter feito aquilo comigo. Por que se manter em uma relação de dois anos se no dia do casamento desistir de tudo ? era só terminar antes de convidar pessoas e pagar uma cara decoração. Não é nem pelo dinheiro gasto, mas, por respeito, se não gostava de mim por que ficou comigo durante tanto tempo ?

Sinto que o carro estava prestes a parar, sim, chegamos, tenho visão da casa da vovó, continuava do mesmo jeitinho, rodeada de plantas, a varanda um pouco espaçosa com pequenas grades em baixo, onde eu costumava brincar muito com a Maddison e a Dallas.

A porta é aberta, descemos de um a um. Coloco os pés calçados pelas botas que minha mãe insistiu que eu usasse, apesar de não gostar. Sinto o vento fresco tocar minha pele, me fazendo inalar o ar puro de lá. Max o labrador que estava com minha avó à anos vem nos receber com suas lambidas.

– Oi, Max – Me abaixo para fazer carinho do mesmo que lambe meu rosto. – Oi garoto.

– Que casa bonitinha. – Scott fala impressionado enquanto puxava sua enorme mala de rodinhas. – Não é como eu pensei.

– E o que você pensou ? – Minha mãe pergunta tirando os óculos escuros do rosto e o colocando no pequeno dexote de sua blusa azul marinho. – Uma casa velha com panelas penduradas no teto ?

– Na verdade sim.

– Chegaram ! – Escuto a voz velha e feminina vir de longe, era familiar e eu já sabia de quem era. Vejo minha avó descer a pequena escadaria da varanda com certa dificuldade, a mesma vestia um vestido vermelho bordo, com uma echarpe de tricô, nude, em volta dos ombros cansados da mesma.

Mas, apesar da certa idade, minha avó é a pessoa mais animada que eu conheço e também a mais guerreira. Assim como eu, ela sofreu uma grande desilusão amorosa, mas diferente de mim, ela resolveu dar uma nova chance para o amor.

Henry Cavill

 Estava a tirar os sacos de semente de girassol traseira da caminhonete. A senhora Lovato pediu para que eu plantasse mais, apesar de já ter muitos em pé. A caminhonete estava estacionada em frente ao celeiro que ficava em uma parte bem aberta, haviam duas arvores, uma em cada lado, o que dava uma brisa maior no local.

– Henry ? – Ouço uma voz feminina. Me viro e vejo Amélia, passando as mãos no avental branco com uns bordados.

– Sim, Amélia ?

– A família da senhora Lovato chegou, ela perguntou se você podia ajudar com as malas ?

– Claro que posso. – Digo tirando as luvas de couro. Ajeito o chapéu na cabeça e sigo Amélia até a entrada da casa.Ao chegarmos lá, vejo muitas pessoas, mais do que Jhonan havia comentado. Vou chegando próximo deles e tiro meu chapéu. – Boa tarde !

– Viaaado ! – O cara de olhos azuis fala colocando a mão no peito, não entendi o por que daquilo. – Kelsey olha isso. – Ele cutuca a mulher loira do seu lado, que se vira arregalando os olhos.

– Esse é o Henry, o peão da casa, mas eu o considero como um filho.– A senhora Lovato me apresenta.

– Posso ajudar com as malas ? – Pergunto apontando para as mesmas que estavam sendo postas no chão pelo o que parecia o motorista da van.

– Sim, por favor. – A moça do meu lado fala se levantando. Ela é encantadora, desde os cabelos negros compridos, o rosto em formato de coração até curto sorriso perfeito. A mesma para e fica a encarar junto comigo. 

– Prazer senhorita, me chamo Henry. – Digo limpando a mão e estendendo para cumprimentá-la. Fico com a mão estendida, ainda olhando em seus olhos castanhos, sentindo a mesma pegar na minha mão.

– Demi. – Ela fala um pouco insegura.


Demi lovato

 Puta que Pariu, isso nem é um homem, é um Deus grego. Eu tentei me.mamter forte para não amolecer no momento, mas, missão falha com sucesso. Era impossível.

Vejo o mesmo soltar minha mão e pegar minhas malas no chão, virar as costas e andar em direção a casa da minha avó em passos rápidos, apesar daquela calça dele estar super justa. Meus olhos automaticamente se desviam para a bunda dele que era enorme.

– O que foi isso que aconteceu aqui ?! – Maddison chegou junto com Scott e Kelsey, impolgados.

– Não aconteceu nada. – Coloco a cabelo a trás da orelha. Franzo o cenho.

– Demi, o peão gostoso ficou te encarando e você encarando ele. – Kelsey arqueia a sobrancelha, com um grande sorriso no rosto.

– E ele ainda se apresentou... só pra você e ainda pegou as suas malas. – Scott bate palmas e pula.

– Gente, para ! – Digo de forma grosseira.– Vocês sabem que eu não gosto desse tipo de coisa.

...

Já estava no quarto em que eu costumava ficar quando eu era criança. O cheiro de rosas do perfume que minha avó espalhava por toda a casa. Já estava a anoitecer, Scott e Kelsey estão querendo ir a cidade, já faz meia hora que eles estão me enchendo saco para eu ir.

Alí estava eu, esparramada na cama, deitada de lado, apoiando a cabeça na minha mão, o livro Pretty Little Liars estava aberto  na Página cento e vinte, estava tentando me conventrar, coisa que era impossível por causa do emaranhado de vozes dos dois falando sem parar.

– Anda, Demi, vai ser legal. – Kelsey puxava meus pés descalços para fora da cama. O que estava a me irritar.

– Para, Eu já disse que eu não quero ir, o que eu vou fazer lá ?

– A gente vai em um bar que é muito famoso aqui na cidade. – Scott diz.

– Eu estou sóbria a seis anos.– Dou um sorriso irônico, na tentativa de que eles me dixem em paz. – Gente pelo amor de Deus.

– Mas lá também tem tipo uma boate. – Kelsey fala ainda tentando me convencer.

– Primeiro, eu estou cansada e segundo, com que roupa eu iria ? Não trouxe nada tão arrumado.– Pego o cabelo e jogo para o lado.

– Trouxe sim – Scott levanta três cabides, um com uma calça, um com um croped e um com uma Camisa xadrez. – Vai vestir logo ! – Esle joga em cima de mim.

– Vai se fuder ! – Dou uma curta risada e me levanto.

...

Ao chegarmos no bar, vi que realmente estava lotado, parecia mesmo ser famoso, o que me dava menos vontade de ficar lá. As mesas eram de madeira, assim como  as cadeiras, as pessoas tomavam grande copos de cerveja com espuma e havia uma grande pista de dança, onde as pessoas dançavam as musicas que pareciam ter estilo Country e era o que os habitantes desta cidade do interior gostavam, era como se fosse um bar de rodeio ou coisa do tipo com uma ponta de boate da cidade.

Meus passos eram cautelosos, aquelas botas estavam a machucar meu pé, o que me me faz andar dessa forma.

– Estou começando a me arrepender de ter vindo. – Digo jogando meus cabelos cacheados pela prancha modeladora para trás. Fazendo as argolas prateadas balançarem.

– Cala a boca e aproveita a festa Demi ! – Kelsey me  emburra de leve pro lado, o que me faz esbarrar em alguém, tento me equilibrar devido ao impacto, me segurando no braço da mesma. – Desculpa ! – Digo levantando a visão.

– Você aqui ? – Era o Henry, o mesmo olhava fixamente pra mim.








Notas Finais


Espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...