História Medida Certa -Camren - Capítulo 35


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Tags Camila Cabello, Camren, Fifth Harmony, Lauren Jauregui
Visualizações 764
Palavras 1.858
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Yuri (Lésbica)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 35 - Capítulo 35


Capítulo 35

Passando os dias, Camila ficou enrolada com muitas datas seguidas e no final de semana só chegava em casa quando Lauren já estava dormindo. Por não agendar nada no feriado, alguns clientes anteciparam as datas ou remarcaram só pra terem ela como chef. Então aquela semana ela praticamente não viu a namorada. Ariana bem que tentou falar com ela algumas vezes, mas Dinah sempre barrava. E Camila deixou claro para os seguranças no café que a entrada dela era proibida.

- Se você não falar com a Laur ela vai acabar trombando com essa mulher aqui no café qualquer dia desses.

- Vou esperar uns dias e falo, não é possível que Ariana seja tão cara de pau de me importunar na frente de Lauren.

- Bom, você quem sabe. – advertiu a amiga.

Camila tirou um tempo pra comprar um presente e saiu com Dinah pra que a ajudasse.

- O que tem em mente?

- Nada, tá bom pra você? – Camila riu.

- Ééé... estamos bem arranjadas. Vamos por partes, defina o que quer dar a ela. Algo de vestir, algum acessório, jóia, um eletrônico.

- Outro dia ela disse que precisava trocar de notebook. Sabia que ela desenha? – falou empolgada.

- Não. – a amiga riu. – Por que essa cara?

- Eu acho o máximo a pessoa ter talento pra desenho. Não sei desenhar nem uma flor direito. – o tom era de indignação. Desde criança o que Camila tinha pra talento culinário, tinha de desastre para a arte.

- Que tal o notebook então? Ou você acha caro?

- Não vou economizar com minha mulher.

- Noooossa! Arrasou! Bate aqui! – estendeu a mão.

Camila achou graça da outra. Entraram numa loja especializada em informática. Amanda se animou até em trocar os computadores do escritório.

- Tem tanta novidade que de repente eu troco aqueles pc’s do café e o seu hein.

- Faça um orçamento, nós parcelamos dependendo do valor. – disse um vendedor se aproximando.

- Na verdade primeiro eu quero ver um notebook.

- Pra qual finalidade?

As duas se entreolharam, não entenderam a pergunta. E percebendo o vendedor emendou.

- Sabendo pra qual tipo de uso eu posso indicar um equipamento adequado. Por exemplo, esse aqui vem com uma placa de vídeo melhor, para jogos, animações e programas em flash. Este outro é para usuários mais simples que vão usar apenas para internet e programas de texto.

- Bom, ela é publicitária, usa programas de desenho e edição às vezes, mas também usa para texto e internet.

O vendedor foi andando com as duas em seu encalço. Pegou um notebook e colocou na bancada.

- Este é o que temos de melhor em equipamento atualmente. Além de ser ultrafino por conta da tela de led.

- Que bonito! – Dinah comentou

- Acho que ela vai gostar da cor. – falou do aço escovado com preto.

- Moderno né? – falou a secretária.

- Você tem alguma coisa pra desenho? – a baixinha perguntou. – Pra desenhar e sair direto no computador.

- Claro, um equipamento muito usado é o cintiq. Você pode desenhar direto na tela como se fosse um pintor.

Ele andou pela loja e pediu a um rapaz para buscá-lo, que voltou com dois modelos. Iguais, mas de tamanhos diferentes.

- Quero esse maior e o notebook. – Camila falou decidida.

- A gente costuma perguntar o preço antes. – Dinah cochichou pra ela.

- É o aniversário dela, disse que não ia economizar.

Satisfeito o vendedor pediu para embalar e providenciar a documentação necessária da garantia.

- A senhora quer ver outros computadores?

- Sim, vou fazer um orçamento para meu escritório.

Enquanto o presente de Lauren era embalado, a chef viu outros computadores e saiu da loja com o orçamento na mão pra dar retorno ao vendedor.

- Achei que fosse comprar. – Dinah falou.

- E vou, mas espere até de tarde pra dar retorno a ele.

- Pra que isso se você pode resolver agora?

- Quero ganhar desconto, espere e verá.

À tarde o vendedor ligou dizendo que em cima do orçamento passado à elas, a loja tinha conseguido um desconto promocional reduzindo em quase quarenta por cento o valor.

- Chefinha, que impressionante!

- Não te disse? É a pressão psicológica. Pode fechar com eles. – sorriu.

Dia seis ela acordou no gás. Fez um esforço enorme pra não dar um abraço apertado na namorada. Teria de passar o dia se segurando, então falou para Lauren que não ia trabalhar no café, pois teria uma reunião com Tyler. Assim que a publicitária saiu ela começou a se organizar. Já tinha tudo esquematizado e faria por ordem. Primeiro fez a sobremesa, escolheu preparar um tiramisu, torta que a mais velha gostava pelo forte sabor de café. Depois que a colocou na geladeira, deixou o peixe no tempero, ia fazê-lo a moda oriental. E para a entrada decidiu fazer canapés hotless. Enfeitou a casa toda e em cada ambiente fez uma decoração. Na sala de entrada ela colocou uma faixa de Feliz Aniversário e alguns balões. Na sala de jantar a mesa posta para duas pessoas com as cadeiras enfeitadas com flores bem alegres. Até chegarem lá ela fez um caminho com pétalas de rosas, espalhando pela escada de vidro dando um efeito surpreendente. Dali em diante deixou bolas de gás espalhadas e em cada fita pendurada nelas havia um bilhete amoroso. No quarto apenas incenso e a banheira as esperando para um banho que só de imaginar já ficava arrepiada. Sete da noite Lauren ligou avisando que estava saindo da agência e que passaria no shopping pra falar com um cliente, mas que não demorava.

Por voltas das nove horas ela chegou em casa. Estava tudo escuro, achou estranho.

- Amor, você está...

- Oi! – Camila acendeu a luz da sala.

Lauren olhou em volta toda aquela decoração e fez uma careta meio que esperou por um “surpresa”, mas ele não veio.

- Não chamei ninguém querida. Hoje somos só nós duas. – veio para abraçá-la. – Surpresa! – sorriu e a beijou.

- Por que... quem te... como você soube? Eu nem desconfiei.

- Deveria saber que mineiros comem pelas beiradas.

- Quero aprender essa técnica. – riu.

- Meus parabéns amor! Sei que há anos esse dia não é comemorado como se deve. Gostaria de mudar isso a partir de agora e comemorar todos os anos. Porque você merece e eu faço tudo pra que se sinta feliz.

- Você me faz feliz todos os dias, não só esse. Adorei a surpresa! – beijou-a calorosamente.

- Temos uma programação... – virou de costas e a puxou pela mão.

- Ah sim, estou à disposição.

- Primeiro você senta aqui pra namorarmos, depois o jantar, depois um banho relaxante, depois o presente e depois...

- Calma ainda estou pensando no banho relaxante. – sorriu com malícia.

- Safada! – deu um tapinha nela. – Quer mudar a ordem?

- Não, está tudo ótimo. – Lauren olhava a decoração da sala e se perguntava como Camila tinha conseguido pendurar a faixa de parabéns sozinha.

- Quem te ajudou? Dinah?

- Não, ela não sabe, fiz tudo sozinha.

- E como você...?

- Nem pense em fazer piadinhas sobre minha altura e a faixa pendurada.

- Tudo bem. – conteve o riso. – Ficou lindo! – puxou Camila colando seus corpos. – Quantas vezes vou precisar dizer que te amo e que minha vida é infinitamente melhor com você?

A mulher sorriu franzindo o nariz e ganhou muitos beijinhos no rosto.

- Linda... linda... linda! – Lauren continuava beijando.

- Venha.

Serviu um vinho e deixou os canapés na mesinha de centro.

- Prova, porque é a primeira vez que faço com pão integral.

- Já me conformei em ser sua cobaia. – a morena ria enquanto comia. – Está ótimo!

Sentaram bem próximas pra namorarem. Lauren não podia querer festa melhor. - Há anos não sei o que é comemorar meu aniversário. Ia a tantos outros, cheguei a ir num aniversário no dia do meu uma vez.

- E não comemorou junto?

- Ah não. A festa não era pra mim. Depois que meu pai morreu, minha mãe fazia questão de esquecer meu aniversário e todo ano ela inventava uma viagem. Do lugar onde estava me ligava pra dar os parabéns e a desculpa de que tinha esquecido.

“Que cretina!” – pensou Camila.

- Na realidade nunca gostei de festão, muita gente e baladas. Acho que essa data a gente comemora com os mais próximos de verdade. Fazer festa para os outros é bobeira. Ainda mais que a maioria vem com aquela hipocrisia do: Parabéns, muitas felicidades, desejo tudo de bom. Que é só da boca pra fora.

- Não vou esquecer nunca. Você tem direito de passar esse dia do que jeito que gosta, então todo ano vai ter festinha, a duas. – sorriu.

- Hum, gostei disso.

Lauren pegou Camila e a colocou em seu colo. Estava tão cheirosa, vestia uma calça leging preta com uma blusa cumprida e um cinto marcando a cintura. Botas cano longo, mas sem salto. A blusa caía pelo ombro e a morena o mordeu levemente.

- Obrigada por mudar a minha rotina nesse dia. Normalmente eu ficaria em casa vendo TV ou até mesmo trabalhando pro tempo passar rápido.

- Quando acordamos hoje cedo eu quase não me aguentei. Se não soubesse que era seu aniversário, nem desconfiaria. Você não fez nem uma piadinha sobre ficar mais velha.

Ela riu do comentário

- Achei estranho você não ir trabalhar, mas tudo bem. Quando cheguei à agência Derek me abraçou como sempre faz todo ano, mas sem presentes e aquelas coisas todas que todo mundo diz que eu já mencionei.

- Eu também queria te parabenizar. – falou suavemente. - Dizer que desejo todas as coisas boas do mundo, muita paz, saúde e que Deus esteja sempre caminhando ao seu lado. Que seu sucesso perdure e que você seja muito feliz. – deu um sorriso tímido. – Não estou dizendo por dizer...

Lauren ficou emocionada, porque há muito não ouvia tais coisas no dia do aniversário, podia parecer bobeira, mas pra ela significava muito.

- Ah lindinha! Eu te amo muito. – puxou a para um beijo mais que apaixonado, era de agradecimento.

Depois da entrada, foram jantar. E na sala outra surpresa.

- Que flores lindas! Agora sei por que não trabalhou.

- Fiquei por sua conta hoje.

- Ainda está?

- Sempre. – a cara foi de total malícia.

- Eita que hoje é o dia! – comentou empolgada.

Camila serviu o jantar, com direito a velas e música. Num clima romântico depois de jantaram, comeram a sobremesa que Lauren adorou.

- Amor, eu quero isso todo dia. – se delíciava.

- Isso, é tiramisu. – falou olhando sério pra ela.

- Ah sim, eu não sou muito boa em saber nome de comida. – envergonhou-se, fazendo a outra achar graça.

- Tá bom, eu faço sempre que quiser. Imaginei que fosse gostar porque é mais amargo.

- A única coisa doce que gosto é você. – sorriu piscando os olhos num gesto meigo.

- Oh que bonitinha. Merece um beijo!

O que seria um simples beijo virou uma verdadeira cena romântica. Lauren a segurou pela cintura e fez subir em seu colo, envolvendo as pernas nela mesma. Largaram tudo pra trás e subiram para o quarto. Os balões pendurados foram notados no primeiro degrau da escada. Lauren viu os bilhetinhos e foi lendo um a um com a esposa no colo. Cada um era uma declaração diferente.

- Você não existe! – Lauren falou lendo o último bilhete.

Dali para o quarto e do quarto direto para a banheira. Colocaram pra encher enquanto aguardavam ansiosas. Camila tirou a própria blusa e Lauren pode ver que ela usava um corpete branco com uma calcinha totalmente transparente e de abertura na frente.

- Sem dúvida o melhor presente da noite.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...