1. Spirit Fanfics >
  2. Mediterrâneo - Byler >
  3. Capítulo XIII

História Mediterrâneo - Byler - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Postando como pedido~

Só queria dizer que essa coisa toda tá muito elmax e na vdd a fic é byler mesmo eu juro kkk

Capítulo 15 - Capítulo XIII


Fanfic / Fanfiction Mediterrâneo - Byler - Capítulo 15 - Capítulo XIII

A correnteza se tornava mais calma quando Maxine conseguiu segurar na margem. A garota ainda tentava entender o que tinha acontecido enquanto finalmente respirava suficientemente depois de tanto engolir água e quase se afogar. Ela e Eleven haviam caído de uma pequena cachoeira, mais uma entre as centenas de quedas d'água que movimentavam aquele rio, mas o mais desesperador daquele momento é que não havia encontrado Eleven, teria ela se afogado?

Maxine se levantou, um pouco tonta, sacudiu o vestido encharcado e tirou a água daquelas botas, vendo que não havia se machucado mas suspirando triste ao tocar sua cabeça e ver que seus grandes fios vermelhos haviam sumido, agora seu cabelo estava acima de seus ombros e a mesma se convenceu e entender que isso acontecera para o seu bem, já que por esse motivo Eight provavelmente havia as perdido de vista ao ficar do lado de cima da cachoeira.

— Eleven! Eleven! — A ruiva chamou enquanto andava à margem, olhando para a água incessamente à procura da outra.

Até que alguns minutos depois pôde ver alguma coisa em volta de um galho, e chegando mais perto confirmou que era quem tanto procurava. Eleven estava apagada, e isso desesperou Max, mas ao mesmo tempo não a impediu de tomar alguma atitude ao levantar o corpo alheio para fora d'agua e pôr deitado em meio a algumas plantas do lado de fora.

"Você desmaiou ou...?"

Maxine pensou nessa possibilidade mesmo sem querer pensar. Não fazia  ideia do que tinha acontecido ao seu companheiro (ou companheira, já que ainda não tinha a verdade sobre isso...) mas tentou não pensar no pior ao acreditar que havia apenas se afogado.


A princesa abaixou-se até o peito alheio e encostou para tentar ouvir as batidas, mas com o barulho da água e de sua própria respiração ofegante não conseguiu deduzir nada. Os cabelos castanho escuro estavam no rosto de Eleven, o qual Maxine afastou com os dedos e tocou a pele gelada, quase chorando sem nem mesmo saber quando havia se apegado tanto à aquela pessoa, que nem mesmo sabia o nome verdadeiro.

" Vou te ajudar... Não se preocupe... "

A garota pensou em meio aos soluços, e assim aproximou seu rosto do de Eleven, aos poucos conduzindo os lábios até os da mais alta enquanto segurava o nariz da mesma com a destra, preparando-se para iniciar uma respiração boca a boca como havia aprendido quando criança, ao que fizeram o mesmo com ela quando se afogou no lago.

Maxine encostou os lábios rosados nos da outra pouco antes que ela desse os primeiros sinais de vida, abrindo os olhos vagarosamente e tremendo as mãos pelo frio.  Não entendeu muito bem o que estava acontecendo de cara, mas corou e sem reagir encarou o rosto molhado de Max tão próximo ao seu. Quando a ruiva se afastou quase caiu pra trás com as íris castanhas de Eleven a a encarar, retrocedendo e com isso rapidamente indo para mais longe de El, que ainda tonta punha a mão na cabeça, justamente no local que estava sangrando há um tempo.

— Você estava vendo isso??! — Max disse pondo a mão em seu próprio peito, assustada e envergonhada. — Estava fingindo?!

— Não..  Eu não estava fingindo... O que estava fazendo era aquela coisa para pessoas afogadas? — Eleven disse ficando sentada e fitando o sangue que veio em seus dedos.

— Sim... Sorte a minha que você conhece. Mas em você não funcionou – Max falou se reaproximando e encarando a mão alheia. — Não se afogou...

— Não.. Eu acho que bati com a cabeça. Isso dói muito — Eleven disse baixo, finalmente encarando Max depois disso. — Seu cabelo.. Me desculpe. — A mais alta disse pondo a outra mão sobre os fios mais curtos da outra.

— Tudo bem, você me salvou. Agora vamos tentar dar um jeito nisso. — A ruiva respondera desamarrando uma faixa de seu vestido, a qual ficava em volta da cintura, e assim a molhando e amarrando em volta da cabeça de El.

— Acha que isso vai mesmo dar um jeito? — A outra respondeu enquanto Max se levantava.

— Bom, o jeito é torcer que sim. — Max dissera oferecendo as mãos para puxar Eleven para se levantar, que logo aceitou e ficou de pé ao seu lado. — Obrigado por se arriscar por mim... — A garota contou, mesmo ainda um pouco insegura sobre a pequena possibilidade de Eleven estar a acompanhando para depois entregar à realeza. Preferia não pensar nessa chance, já que em  seu coração já havia se entregado totalmente a amizade dessa pessoa estranha. Pelo menos era o que ela pensava criar, uma amizade.

— Fizemos um acordo, eu fiz o que pude. — Eleven disse com um sorriso fino enquanto encarava a outra, estranhamente constrangida com todo esse clima que envolvia as duas.

Logo voltaram a caminhar, pois mais cedo ou mais tarde Eight daria um jeito de dar a volta na cachoeira para as encontrar, e tudo seria posto em risco novamente então o plano precisava seguir...


[...]



— Quantos dias temos pra chegar até lá? — Will dizia ao se sentar ao lado de Mike, encostando-se na parede da caverna. Os três  haviam achado uma pequena cavena em meio as pedras e rochas daquela floresta montanhosa, onde poderiam proteger-se da noite fria já que não poderiam fazer uma fogueira para não chamar a atenção.

— Talvez três.. Ou quatro... Quanto tempo for necessário, tanto que não sejemos pegos. — Robin respondeu olhando para os dois do outro lado, enquanto ajeitava as armas dos três num canto, enrolados em um pano que ela havia trazido em sua trouxa. — Eu trouxe um cobertor, querem?

— Você realmente está sempre preparada... — Mike disse sorrindo grato ao receber o cobertor dela, jogando por cima de si e de Will, que sentado ao lado resolveu encostar sua cabeça no ombro do cacheado e fechar os olhos.


— Bom eu tenho um pra cada um.. —  A loira disse encarando os mais novos, que pareciam perfeitamente aconchegados abraçados daquele jeito. Michael a encarava sem expressão, aguardando o que a mesma ia dizer, e por sorte foi exatamente o que ele queria — ...Mas deixa pra lá. — Robin sorriu sem jeito, não estava acostumada a ver uma dupla tão unida quanto esses dois, e isso começou a faze-la lembrar de coisas que ouvira alguns anos atrás. Sua cabeça então trabalhava em uma nova hipótese... seria mesmo o caso desses dois?

Algum tempo depois de terminar de arrumar aquelas pequenas utilidades que havia trazido nas costas, Robin se deitou sobre um cobertor, usando esse mesmo para se cobrir. A essa altura William já dormia no ombro de Michael, que se encolhia com o frio depois de  tirar seu casaco para cobrir o outro, julgando que estava com mais frio do que si mesmo.

Robin pensava estar com sono, mas na verdade não estava e as vezes por isso  ficava observando os dois a sua frente e reforçando tal hipótese. Até que resolveu confimar..

— Está dormindo? — Robin falou bem baixinho a ponto de não acordar William que dormia tranquilo, mantendo os olhos meio abertos.

— Quase... Não. — Mike respondeu igualmente baixo, já que não precisava de muita coisa, o trio estava relativamente próximo.

— Porque você está sempre tão próximo... Do nosso William? — A garota perguntou tentando disfarçar, mas percebeu que o cacheado havia notado tudo quando abriu os olhos certeiramente. Houve alguns segundos de silêncio antes de Michael cautelosamente pensar no que responder.

— Eu o amo. — O Wheeler falou baixo, respirando fundo por arriscar.

— O ama? Como? — Robin continou aquela conversa que estava ficando cada vez mais direta.

— De todas as formas. — O garoto disse enquanto encarava a loira, que sem ouvir mais nada já  havia compreendido no olhar o rumo que aquelas palavras deveriam tomar.

A loira sorriu breve, ainda deitada de frente para os dois quando fechou os olhos lentamente. De certa forma se sentiu orgulhosa, podia entender o que acontecia e sentir que era verdadeiro ao mesmo tempo.

— Boa noite Michael. — A garota falou calma, com ainda um pequeno sorriso em seu rosto coberto de sardas.

— Boa noite Robin. — O  garoto respondeu igualmente calmo, uma sensação de alívio o cobria ao presenciar a fidelidade de Robin, sabia agora que podia contar com ela em todas as circunstâncias, sabendo de seu verdadeiro eu... Aquele que amava em todo seu coração o jovem William, e por isso beijou o topo de sua cabeça e ficara acariciando o ombro do mesmo até que caísse também nos braços de Morfeu naquela noite..








Notas Finais


Obs: Braços de morfeu = Sono...
Para quem não sabe ainda e não interprete errado ksksk

Espero que tenham curtido e kissus :^)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...