1. Spirit Fanfics >
  2. M.e.L >
  3. Capítulo XLIX.

História M.e.L - Capítulo 50


Escrita por: Syatha

Notas do Autor


Eu estou no meio da aula, não deveria estar postando isso agora...

Vocês viram que Como treinar o seu dragão 3 agora está na Netflix? Eu não sei se vocês gostam, mas eu amo. Meu humor melhorou muito assim que eu vi a cara do Soluço na tela do meu celular quando abri o App. Vou passar a tarde assistindo os três filmes •3•

Aproveitem a leitura ♡

Capítulo 50 - Capítulo XLIX.





Faz uma semana desde que conversei com Katsuki sobre ter que voltar para o Japão. No momento eu estou sentado na cama esperando meus pais atenderem minha ligação, Katsuki está dormindo ao meu lado e Aiko no berço.

- Filho? - Olhei para o celular e vi meu pai com uma das sobrancelhas arqueadas.

- Oi pai. - Sorri. - O que está fazendo?

- Assistindo um filme com sua mãe e suas irmãs. - Virou o celular e vi minhas irmãs sentadas em um dos sofás e minha mãe com a cabeça no colo do meu pai.

- É o Eijiro? - Akemi perguntou.

- Sim. - Meu pai respondeu e minha irmã pegou o celular.

- Já falou com Katsuki sobre o tempo que vai ficar longe? - Ela ficou séria.

- Já, faz uns dias. Tivemos mais algumas conversas ao longo da semana, mas já tá tudo resolvido. Vou começar a arrumar as malas hoje. - Expliquei.

- Onde está o loirinho? - Minha mãe pegou o celular e perguntou.

- Aqui. - Apontei a câmera do celular para Katsuki dormindo ao meu lado.

- Ele está agarrando alguma coisa...

- Minha perna. - Ri baixo. - Mais cedo tentei levantar, mas ele me puxava de volta para a cama, então me sentei e fiquei mexendo no celular.

- Grudento. - Ouvi a voz de Saori.

- Não fale assim de Katsuki, filha. Ele só gosta de dormir juntinho do seu irmão, quando você namorar vai saber do que estou falando. - Sakura disse. Olhei para o lado ignorando minha irmã e minha mãe falando quando senti um movimento na cama.

- Bom dia... - Bakugou disse me olhando, sentou e beijou minha bochecha.

- Bom dia. - Falei.

- Dormiu bem? - Deitou a cabeça no meu ombro.

- Uhum. E você? - Passei um dos braços ao redor da sua cintura.

- Dormi muito bem. - Sorriu e olhou para a tela do celular. - Boa noite.

- Bom dia, Katsuki! - Minha mãe falou.

- Vai sentir saudade do meu irmão quando ele for embora? - A testa e os olhos de Saori entraram no campo de visão da câmara.

- Vou... - Levantou me olhando nos olhos, então sorriu. - Mas sei que ele vai voltar pra mim.

- Vou mesmo. - Lhe dei um selinho.

A manhã se passou rápido, arrumei minhas malas com a ajuda de Bakugou – os brinquedinhos do meu cachorro e mais algumas outras coisas dele também – e passei a tarde me divertindo com Aiko, meu namorado e Bob. De noite fiz o jantar para todos, comemos com calma e subi para o quarto mais cedo.

Abri a porta e a fechei logo depois. Tirei a camisa e então a calça, fui até minhas malas e abri uma delas tirando uma calça moletom e uma cueca box dali de dentro. Ouvi a porta do quarto abrir e olhei para trás vendo Katsuki tirar a roupa, ficando seminu.

- Você é lindo. - Coloquei as roupas que peguei da mala na cadeira da escrivaninha e me aproximei do meu namorado.

- Você também. - Levou uma da mãos até minha cintura e me puxou para perto.

Bakugou me olhou nos olhos por alguns segundos antes de desviar o olhar para minha boca. Sorriu de canto se aproximando aos poucos e então nossos lábios se juntaram em um beijo calmo. Levei uma das minhas mãos até o rosto do meu namorado acariciando sua bochecha enquanto a outra apertava levemente sua cintura da mesma forma que ele fazia comigo.

- Kiri... - Sussurrou me empurrando levemente até a cama.

Me deitei e o loiro ficou entre minhas pernas me olhando com um sorriso. Entrelacei meus braços ao redor do seu pescoço e o puxei para perto...

- Espere. - Murmurei. - Onde estão seus pais e nossa filha?

- Saíram, minha mãe... foi para a casa de uma amiga... e meu pai a acompanhou com... Aiko. - Explicou enquanto me dava selinhos demorados.

Nos deitamos de lado, Katsuki me beijou novamente enquanto adentrava uma das mãos na minha cueca e apertava uma das minhas nádegas com força. Pouco tempo depois o loiro dava atenção ao meu pescoço, senti seu dedo indicador rodear minha entrada e pressioná-la levemente antes de me mover até que eu ficasse sentado no seu quadril.

- Que visão... - Mordeu o lábio inferior me observando. - Sabe como ficaria melhor?

- Não. - Me inclinei e lhe dei um selinho rápido.

- Eu te fodendo com força. - Sentou na cama levando as mãos até a minha bunda e me levantando um pouco. - Concorda? - Fez uma trilha de beijos passando pelo meu pescoço, ombro e clavícula até chegar aos meus mamilos.

- Uhum... - Levei uma das mãos até seu cabelo e puxei os fios levemente quando senti Katsuki começar a brincar com um dos meus mamilos. Ele mordiscava, chupava e mordia.

- Que tal tirarmos isso? - Piscou o elástico da minha cueca e o soltou fazendo o som de um estalo ecoar pelo quarto.

- Uma ótima ideia. - Sentei na cama e tirei a cueca vendo meu namorado fazer o mesmo.

Ele sorriu e levantou, andou até o guarda roupa, o abriu e tirou de lá uma corda vermelha. O olhei confuso enquanto se aproximava cada vez mais.

- Posso te prender? - Me olhou com um sorriso inocente.

- O quê...?

- Se não quiser tudo bem, só queria tentar algo novo. - Fez biquinho. - É uma corda de algodão, não vai te machucar.

- Tudo bem... - Sorri de canto. - Mas vai ter volta. - Lhe dei um selinho.

- Claro. - Riu. - Fica de joelhos aqui. - Bateu no final da cama. - De costas para mim. - Fiz o que o menor pediu e vi a corda ser colocada na cama ao meu lado.

Uma das mãos de Katsuki foi até a minha cintura enquanto a outra ficava apoiada no meu ombro. O loiro puxou minha cintura para trás enquanto me fazia abaixar até que meu rosto batesse no lençol da cama.

- Katsuki! - Repreendi.

- Desculpe. - Riu massageando minha nádega direita. - Vou prender suas mãos para trás, okay? Caso se sinta desconfortável, me avise. - Falou beijando minhas costas com carinho.

Quando minhas mãos estavam presas ouvi os passos de Bakugou, vi ele pegando um dos travesseiros e colocando na minha frente com um sorriso, apoiei minha cabeça ali e ele beijou minha bochecha.

- Merda, isso é excitante. - O ouvi dizer antes de sentir um tapa ser desferido na minha bunda. Mordi o lábio inferior e gemi quando senti Katsuki inserir dois dedos úmidos na minha entrada, ele os movimentava lentamente enquanto beijava minhas costas e usava a mão livre para beliscar meu mamilo esquerdo.

Bakugou tirou os dedos de dentro de mim e gemi alto quando o loiro começou um beijo grego. Merda, ele faz isso tão bem!  Um tempo se passou quando meu namorado se afastou novamente, se ajoelhou na minha frente e me fez erguer o rosto.

- O que você quer, Eijiro? - Perguntou baixinho com um sorriso malicioso estampado no rosto.

- Chupar você.

O menor foi ágio, logo eu tinha seu membro na minha boca. Chupava e lambia com vontade, Katsuki tinha uma das mãos no meu cabelo guiando meus movimentos e fanzendo-os ficarem mais rápido a cada instante. Enquanto movimentava minha cabeça para cima e para baixo tentava me soltar da corda, meu membro estava duro a um tempo e eu queria me aliviar.

- Você não vai conseguir se soltar, amor. - O menor saiu da cama e ficou atrás de mim. Senti seu membro pressionar minha entrada e então ser afastado, o loiro dava pinceladas e às vezes fingia que iria me penetrar me frustrando cada vez mais.

- Filho da puta... - Sussurrei. Senti um tapa ser desferido na minha bunda com mais força que o normal e soltei um grito abafado pelo travesseiro.

- Cuidado com suas palavras, querido.

E então ele entrou com tudo. Arfei sentindo minha próstata ser acertada e apertei os punhos quando as estocadas rápidas começaram. As mãos de Katsuki estavam na minha cintura e me puxavam para trás, eu já revirava os olhos de prazer.

- Você gosta, não é? - Senti o hálito quente de Bakugou na minha orelha e gemi mais alto sentindo as estocadas indo cada vez mais fundo e com mais força. - Me responde!

- S-SIM! - Gritei.

- Isso mesmo... - Mordeu a ponta da minha orelha e a soltou logo depois.

As mãos do loiro foram até meu membro iniciando uma masturbação, os gemidos ficaram mais altos e ecoavam pelo quarto junto ao som dos nossos corpos se chocando com força. Pouco tempo depois eu gozei, Katsuki continuou a se movimentar e então me sentei cheio por dentro.

O loiro saiu de dentro de mim enquanto ofegava, desamarrou a corda e a jogou no chão, nos deitamos na cama e ele me puxou para perto, deitei a cabeça no seu peito sentindo o menor fazer carinho no meu cabelo.

- Precisamos tomar banho. - Murmurou depois de alguns minutos.

- Depois... - Falei com uma voz manhosa e arrastada e ele riu.

- Tudo bem. - Puxou o cobertor e nos cobriu, me virei e o loiro rodeou minha cintura com os braços deixando um beijo na minha nuca.

Então finalmente fechei os olhos e dormi.

. . .

Ah sim... É disso que ela realmente gosta. Talvez se envolvesse algumas algemas e mais alguns brinquedos fosse melhor, infelizmente ela não pode dar sua modesta opinião.

Apesar de gostar muito de ver dois homens transando, Cremilda ainda queria vingança por quase ser morta, caso não conseguisse, seus filhos um dia conseguiriam...

Ela espera que algum dia esses dois, principalmente o ruivo, pense bem antes de tacar uma chinela em uma barata novamente. Famílias podem ser destruídas! Urgh, esses humanos só pensam neles mesmo, deveriam ser igual a garotinha loira, ela a tratou bem algumas horas atrás.

A menininha até a fez carinho, tão gentil...

Um dia Cremilda irá retornar, se não, algum de seus filhos ou parentes. A comunidade das baratas é unida, uma por todas, todas por uma!





Notas Finais


Espero que tenham gostado :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...