1. Spirit Fanfics >
  2. Melinda >
  3. Hurt

História Melinda - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Oi lovers como vocês estão??? Voltei com mais um capítulo PESADO para vocês, espero que gostem!!!

obrigada pelos comentários no último capítulo ♥

❣ Comentários e sugestões serão sempre bem-vindos, pois me ajuda e me incentiva a continuar escrevendo a história para vocês. ❣


✵ Perdão por qualquer erro que tiver durante os capítulos, tentarei revisar ao máximo. ✵

Capítulo 14 - Hurt


Fanfic / Fanfiction Melinda - Capítulo 14 - Hurt


Guarde seu conselho, eu não vou ouvir. Você pode estar certo, mas eu não ligo. Há um milhão de motivos para eu te deixar, mas o coração quer o que ele quer. ─  The Heart Wants What It Wants.
Chicago, EUA ─ Emma Jones.

Eu ainda estava P da vida com Ryan, eu vim embora com ele porque acho que eu merecia uma explicação, e ali naquele lugar eu não teria nenhuma, deixar Melinda lá sozinha depois de tudo o que aconteceu não me deixou muito contente, mas ela queria ficar sozinha então eu dei a ela o que ela queria. Quando estávamos chegando na casa de Ryan meu telefone tocou e eu vi que era um número desconhecido.

─ Alô? ─ perguntei.

─ Emma? Aqui é o Henry. ─ arregalei os olhos quando vi que era o pai de Linda.

─ Henry? Por que está me ligando essa hora? ─ perguntei já sentindo meu coração acelerar.

─ Melinda foi atropelada e está no hospital, achei que você deveria saber, peguei seu número no celular dela. ─ ele respondeu.

─ O quê? Qual é o hospital?  Estou indo para ai agora. ─ disse desesperada, Ryan me olhava assustado.

─ Estamos no Mercy. ─ respondeu. 

─ Tá bom. ─ disse e desliguei. ─ Precisamos ir para o Mercy agora. ─ disse tentando conter as lágrimas. 

─ O que aconteceu? ─ ele perguntou correndo com o carro em alta velocidade.

─ Linda foi atropelada e está no hospital, eu sou uma péssima amiga, eu sabia que não deveria ter deixado-a sozinha lá. 

─ Emma calma, a culpa não é sua, foi um acidente. ─ ele disse tentando manter a calma, mas pelos seus olhos eu via que ele estava tão desesperado quanto eu.

Quando chegamos no hospital nós corremos até o andar onde Linda se encontrava, vi Henry com a loira falsa da Brenda, ela forçava um choro e aquilo fez meu sangue ferver, como essa mulher consegue ser tão sonsa? Me aproximei de Henry para obter algumas informações e ele se levantou da cadeira.

─ O que houve? Como ela está? ─ perguntei ofegante.

─ Ainda não temos nenhuma resposta. ─ ele respondeu.

─ Quem foi? Vocês sabem quem foi que atropelou ela? ─ perguntei.

─ Segundo o policial, a pessoa que atropelou a Mel fugiu. ─ respondeu.

Ryan saiu para ligar para Justin o que eu achei que não fazia o menor sentido pois ele havia magoado minha amiga, se ele não tivesse feito aquilo nada disso estaria acontecendo, mas Ryan disse que ele deveria saber pois ele gostava dela. 20 minutos depois Justin saiu do elevador desesperado com Crystal.

─ Ah eu não acredito, virou reunião das cobras isso aqui? ─ perguntei exaltada e todos me olharam.

─ Eu sei que você não gosta de mim mas acho que isso não é hora de nos exaltarmos, acho que estamos todos chocados com o que aconteceu. ─ Crystal disse e eu sabia que uma nota de 3 reais era mais verdadeira que essa frase.

─ Como ela está? Eu quero vê-la. ─ Justin disse com seus olhos perdidos. 

─ Isso é culpa sua, se você não tivesse beijado essa vaca loira nada disso teria acontecido, minha amiga gosta de você seu idiota, como você é capaz de fazer isso? ─ perguntei quase gritando, eu estava quase explodindo.

─ Calma gente, não vai resolver nada ficar discutindo. ─ Henry disse.

─ E você, quem é? ─ Justin perguntou.

─ Prazer, Henry McKenzie, pai da Mel. ─ ele respondeu. 

─ Então você é o famoso milionário com quem Melinda anda saindo? ─ Brenda perguntou finalmente abrindo o bico.

─ Prefiro ser conhecido como Justin Bieber, apenas. ─ ele respondeu e ela apenas deu um sorriso amarelo.

─ Quem é o responsável pela Melinda McKenzie? ─ O médico perguntou saindo da sala.

─ Eu mesmo. ─ Henry disse.

─ Bom pai, sua filha se encontra estável, ela teve alguns cortes pelo corpo, alguns hematomas, torções, mas está bem na medida do possível, ela está tomando soro e está dormindo, se quiserem vê-la, têm apenas 5 minutos de visita. ─ ele disse.

Todos (excetos as cobras) respiraram aliviados, eu queria muito ver minha amiga, abraçá-la, me desculpar por ter a deixado sozinha, mas acabamos cedendo que Henry fosse vê-la, afinal, ele era pai, e sabemos que quando ela acordasse ela não iria querer vê-lo. Crystal estava sentada no banco com cara de cu e Brenda estava puxando assunto com Justin, que mulher interesseira.

─ Emma, você pode ficar aqui com ela? ─ Henry perguntou após voltar da sala.

─ Claro. ─ respondi.

─ Tudo bem, se puder, diga a ela que eu estive aqui. ─ ele disse e eu assenti.

Ele e Brenda foram embora e Justin me olhava com um olhar sugestivo.

─ O que foi? ─ perguntei.

─ Posso passar a noite aqui com ela? ─ ele perguntou.

─ O quê? Endoidou de vez foi? ─ perguntei irritada.

─ Por favor Emma, eu e ela temos muitos assuntos pendentes. ─ ele implorou.

─ Não, eu vou ficar aqui com ela e amanhã, se você quiser, você vem vê-la. ─ eu disse por fim e ele concordou.

─ Tá bom então, amanhã cedo eu estarei aqui. ─ ele disse.

─ Ryan, pode ir para casa descansar, eu vou ficar aqui. ─ disse me virando para ele.

─ Então nossa conversa pode ficar para amanhã? ─ ele perguntou.

─ Tudo bem. ─ respondi. 

Após todos irem embora, eu fui para o quarto e me sentei na poltrona, Linda ainda dormia profundamente, seu corpo estava cheio de curativos, eu me senti péssima ao ver minha amiga daquele jeito, tão indefesa. Me levantei rapidamente para ir ao banheiro, eu me sentia cansada, meu cabelo estava bagunçado, minha maquiagem já estava bem borrada. Eu aproveitei a toalha que havia ali e tomei um banho rápido, para aliviar meu corpo. Terminei o banho e voltei para o quarto, vendo Linda acordada, olhando em volta com uma expressão confusa.

─ Linda? ─ perguntei.

─ Emma? O que aconteceu? ─ ela perguntou.

─ Você foi atropelada. ─ respondi.

─ Ah, acho que eu me lembro disso. ─ ela disse e eu sorri fraco.

─ Como você está? ─ perguntei me sentando na beira da cama.

─ Viva. ─ ela respondeu desanimada. ─ Você acredita que Justin terminou comigo?

─ Oi? ─ perguntei incrédula.

─ Ele terminou comigo minutos antes deu ser atropelada. ─ ela respondeu.

─ Desgraçado. ─ xinguei-o em voz alta.

─ E nem me pediu desculpas por ter beijado Crystal na festa. ─ ela disse cabisbaixa.

─ Filho da mãe, sem vergonha. ─ praguejei. ─ Acredita que ele ainda queria ficar aqui? Passar  a noite com você. 

─ Sério? Ele esteve aqui?─ perguntou.

─ Sim, seu pai também. ─ respondi.

─ Meu pai? ─ ela perguntou surpresa.

─ Sim. ─ respondi e ela permaneceu em silêncio. ─ Como você está se sentindo em relação ao "término" de vocês?

─ Sinceramente? Péssima, eu acho que estou apaixonada de verdade por ele, está sendo difícil. ─ respondeu.

─ Ai amiga, eu te avisei desde o princípio que ele era um babaca. ─ disse.

─ Mas ele disse que gostava de mim, por que ele mentiu? Eu me sinto tão errada agora por não acreditar em você, e agora estou apaixonada por ele. ─ ela disse com a voz embargada.

─ Sentir não é errado Linda. Mas você sabe, intensidade multiplicado por zero sempre será zero. E por mais que você insista em refazer a conta, o resultado será o mesmo.

─ Você tem razão. ─ ela disse.

─ Agora volte a descansar, amanhã teremos o dia todo para conversar. ─ eu disse e ela concordou.

Linda repousou a cabeça no travesseiro e pegou no sono rápido, eu me sentei na poltrona e fiquei observando-a um tempo, até finalmente conseguir dormir também.

Justin Bieber.

Eu estava me sentindo péssimo, saber que Linda sofreu um acidente me deixou muito tenso, ainda mais após ter terminado com ela, eu nem imagino como ela deve estar se sentindo, amanhã eu com certeza irei visitá-la, precisamos ter uma conversa, esclarecer as coisas.
Eu gosto dela, mas também sei que faço mal à ela, então eu preferi me afastar, terminar o que a gente tem, pelo menos assim ela não irá sofrer mais com as merdas que eu faço. Após chegar em casa eu fui direto para o banheiro tomar um banho, liguei a ducha enquanto a água morna caía sobre meus músculos, me fazendo relaxar por completo. 

Minha mente não parava de pensar em Linda, nem sequer por um segundo, eu só lembrava da expressão dela após eu terminar o que a gente tinha, seus olhos marejados, sua feição chorosa, aquilo doeu mais em mim do que nela, eu me sentia um completo idiota, espero que algum dia eu consiga abrir mão dessas besteiras e dar valor a ela. 

Terminei o banho e me enrolei na toalha, passei um desodorante e vesti uma cueca box preta, sai do banheiro e me deitei na cama, na tentativa falha de pegar no sono, memórias vinham a minha cabeça e não me deixavam dormir em paz, eu não via a hora de poder vê-la.


{...}

Abri os olhos com a claridade invadindo as janelas do meu quarto, olhei para o relógio e vi que o mesmo marcava 08:10 da manhã, levantei correndo e fui até o banheiro fazer minhas higienes e tomar um banho rápido para me arrumar, eu tinha pressa de chegar no hospital e ver Linda, queria saber como ela estava. Borrifei um perfume no pescoço e passei a mão no cabelo, ajeitando o mesmo. Vesti uma calça jeans escura, uma camisa branca do Guns N' Roses e um tênis preto. Peguei meu celular e desci as escadas.

Parei no starbucks para tomar um cappuccino e comer um donuts, logo voltando o caminho para o hospital novamente, cheguei lá e dei o nome de Linda na recepção para poder visitá-la. 

─ Décimo oitavo andar, sala 14. ─ a moça me informou e eu agradeci antes de seguir para o elevador.

Cheguei no décimo oitavo andar e fui procurando pela sala 14, quando eu finalmente achei, vi que Emma ia entrar no quarto.

─ Emma. ─ a chamei, trazendo sua atenção para mim.

─ Justin? ─ ela perguntou me olhando.

─ Eu vim ver a Linda. ─ falo.

─ Ah, eu não tenho certeza que ela quer te ver. ─ ela disse.

─ Por favor, diz a ela que eu quero conversar com ela. ─ pedi.

─ Tá bom Justin, eu vou entrar para levar o café dela e quando eu sair eu te dou a resposta, ok? ─ ela perguntou.

─ Tudo bem. ─ respondi e me sentei na cadeira de espera que havia ali no corredor.

10 minutos se passaram e Emma saiu do quarto, com sua bolsa na mão. 

─ Eu vou em casa tomar um banho e comer alguma coisa, pode ficar aqui até eu voltar. ─ ela disse.

─ Tá bom, muito obrigado. ─ disse.

─ Agradeça a Linda, por mim você não entraria. ─ ela disse e eu suspirei.

Entrei no quarto e vi Linda deitada na cama, ela estava com alguns tubos em seu braço, seu cabelo meio bagunçado, seu rosto cansado, além dos curativos em diversas partes do seu corpo. Senti meu coração apertar ao ver aquilo.

─ Linda? ─ chamei e ela me olhou.

─ Justin. ─ ela disse, tão tensa quanto eu.

─ Como você está? ─ perguntei me aproximando.

─ Melhor do que eu mereço. ─ respondeu.

─ Eu sinto muito por isso. ─ disse.

─ Não sinta. ─ ela disse. ─ Eu estou viva, isso que importa.

─ Eu quero me desculpar por ontem, beijar a Crystal na sua frente, terminar com você, foi tudo um impacto atrás do outro, eu não imagino nem como esteja sua cabeça nesse momento. ─ disse me sentando na beira da cama.

─ Eu estou surpresa e magoada. ─ ela disse. ─ Não imaginei que você iria terminar comigo por ter beijado a Crystal, acho que pelo menos isso era eu quem deveria ter feito. ─ eu podia notar a dor dela em suas palavras.

─ Eu sei, mas eu terminei porque eu sei que eu te faço mal, não acho que você mereça ficar com alguém que só sabe vacilar. ─ digo.

─ Não Justin, você não pode tomar as minhas decisões por mim, eu escolhi estar com você e se eu quisesse terminar eu teria terminado, você me fez mal terminando comigo, você sabe que eu gosto de você, você não tinha o direito de mentir para mim, fingir que gosta de mim. ─ ela disse com a voz embargada.

─ Eu não fingi que gostava de você Linda... ─ disse.

─ Ah não? Então porque beijou ela Justin? Por que tudo o que você faz acaba incluindo outras mulheres? Eu não te satisfaço? Eu não sou boa o suficiente? O que eu tenho de errado? ─ ela perguntou já em prantos.

─ Linda, não fala isso, não é culpa sua. ─ eu disse tentando confortá-la.

─ Eu não consigo entender Justin, por quê? ─ ela perguntou chorando. ─ Eu tentei de tudo, fiz de tudo, ignorei todo mundo que me alertou sobre você, a troco de que?

─ Linda, entenda que ficar comigo só vai te trazer mais sofrimento. ─ eu disse.

─ Não Justin, se você gostasse de mim, você não iria querer ficar com outras pessoas, eu acho que eu seria o suficiente para você, mas você não gosta de mim, você gostava apenas do conforto que eu te dava, afinal, comigo a sua fama de mulherengo passou, não era isso que sua mãe queria? Que você precisava limpar sua imagem? Então você conseguiu Bieber, me usou para limpar sua imagem e agora que já está limpa, pode fazer o que quiser. ─ ela desabafou.

─ Me desculpa Linda, eu não sei nem o que dizer, eu só quero que você saiba que eu não me aproximei de você por interesse. ─ eu disse.

─ Você foi a mentira que eu mais acreditei Justin, eu realmente acreditava que você era diferente, mas todos tinham razão, você não gosta de ninguém além de si mesmo. ─ ela disse.

─ Não fala isso, por favor. ─ eu pedi, entendo que ela esteja magoada, mas está me magoando também.

─ Justin, me deixa sozinha por favor. ─ ela pediu chorando, sem me olhar.

─ Linda..─ tentei conversar mas ela me interrompeu.

─ Por favor Justin, eu quero ficar sozinha. ─ ela pediu novamente e eu respirei fundo.

Me levantei e olhei para ela antes de fechar a porta, eu me sentia um merda naquele momento, eu nunca tivesse a intenção de magoá-la, se eu soubesse que isso aconteceria, não teria me aproximado dela, me sinto culpado por quebrar o coração dela. 

Sai do hospital e fui direto para casa, abri uma garrafa de Bourbon e bebi na garrafa mesmo, eu me sentia péssimo, furioso, sempre que as coisas começavam a se acertar na minha vida algo acontecia, eu peguei um copo de vidro e taquei na parede, fazendo o mesmo espatifar. Abaixei minha cabeça e passei a mão no meu cabelo.

Melinda McKenzie.

Dois dias se passaram e eu finalmente tive alta do hospital, Emma e Ryan vieram me buscar, eu confesso que eu estou bem feliz que eles se entenderam e fizeram as pazes, fomos embora no carro de Ryan. Durante todo o caminho eles conversaram sobre coisas aleatórias e minha mente estava bem longe, eu só lembrava da conversa que eu tive com Justin, na verdade, eu não parei de pensar nisso desde quando ele veio me visitar.

Eu estava bem triste, está sendo bem difícil lidar com isso, eu me sinto usada, tenho vontade de chorar o tempo todo, e eu já chorei bastante nesses dois dias, eu não demonstrava na frente de Emma e Ryan para não preocupá-los, e eu também não sentia vontade de falar sobre isso com ninguém.

Quando chegamos em casa Emma fez um almoço rápido e nós comemos, eu me despedi dos dois e disse que iria subir para descansar, pois eu estava sentindo um pouco de dor nos machucados. Entrei em meu quarto e respirei fundo, eu senti tanta falta desse lugar. Peguei um short de pano e uma blusa de manga longa, estava frio, daqui a pouco tempo começaria o inverno. 

Tomei um banho morno e fiquei uns 30 minutos no banheiro, pensando em diversas coisas, desde o acidente, até Justin. Quando terminei meu banho eu escovei os dentes e voltei para meu quarto. Vi que havia uma carta em cima da minha cama, eu peguei a mesma e abri. 

Teve sorte de sobreviver ao atropelamento, será que vai ter tanta sorte da próxima vez? Ahaha. Xx
 
 


Notas Finais


Ai gente, preocupada com essa pessoa ameaçado Linda, vocês desconfiam de quem seja??


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...