1. Spirit Fanfics >
  2. Melodias do coração >
  3. A garota que morava na Coréia do Sul

História Melodias do coração - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá pessoal! aqui estou eu, vocês lembram dessa história? É a antiga Diva, fiz um remake dela, devido ao fato de que eu não estava feliz com a história anterior e seu desenrolar, então decidi refaze-la e deixa-la melhor, mais leve.
Mudei muita coisa, não deletei ela porque eu não queria perder os favoritos que ela já possui, espero que gostem da mudança, deixarei aqui apenas o primeiro capítulo e depois darei continuidade a essa fic e as outras já em andamento, no momento estou sem computador e tive que escrever pelo celular, foi horrível kkk então esperarei ter novamente um computador em mãos para voltar a escrever, espero que entendam.
No mais, boa leitura.

Capítulo 1 - A garota que morava na Coréia do Sul


Fanfic / Fanfiction Melodias do coração - Capítulo 1 - A garota que morava na Coréia do Sul

A noite era bela e magnífica, a lua pairava lindamente no céu, cercada de repletas estrelas reluzentes enfeitando o manto azul escuro da cidade de Tóquio.

Após subir ao palco daquele bar de ar rústico repleto de pessoas, tendo o violão em mãos e cantar aquela música, aquela de que ela tanto gostava, a garota não fazia ideia que a partir daquela noite em diante sua vida como um todo estava prestes a mudar.

- Então está admitindo que gosta da minha voz e de me ver cantar, não é?



Perguntou a garota direcionando suas orbes brilhantes em um tom de chocolate na direção do belíssimo e discreto youkai a sua frente, e sem perder a seriedade o mesmo esboça um risinho de canto, o que lhe dava um certo charme.

- Eu estaria mentindo se dissesse que não, concorda?



 Indagou o dono daquele par de olhos de cor âmbar tão hipnotizantes, tanto quanto sua voz grave e sedutora, fez uma pausa para encará-la e a garota assentiu em concordância, esboçando um pequeno sorriso.


- É, estaria sim. Assim como eu estaria mentindo se eu dissesse que não quero aceitar sua proposta, mas como quero mostrar que estou mais desconfiada que empolgada com a ideia, irei apenas te responder que vou pensar.



Respondeu a moça de beleza estonteante após esboçar um sorriso e apertar os lábios.

- E como quem não quer nada, irei lhe entregar um cartão meu para contato, e você vai me ligar mais cedo ou mais tarde dizendo que aceita.


Disse o youkai entrando no jogo daquela bela e jovem mulher, que soltou uma risada gostosa com a brincadeira dos dois, ao vê-lo tirar o pequeno objeto retangular do bolso e entregando para a mesma, que o pegou em mãos. 

- Sesshoumaru Taishou…



Pronunciou ela com sua melodiosa e doce voz após ler o nome do youkai com o qual ela conversava naquele bar. Em seguida levantou os olhos para encarar o homem novamente.

- Talvez eu te ligue, quem sabe…


Respondeu ela em um tom zombeteiro.

- Fica a seu critério.



Respondeu ele ajeitando o seu sobretudo e sua bolsa masculina de couro no ombro.

- Já está de saída?


Perguntou ela vendo-o chamar o barman e pagar a conta pelas bebidas consumidas.

- Não se preocupe, breve nos veremos, até mais…


Respondeu ele com uma expressão como se quisesse lembrar-se do nome da jovem mulher a sua frente.

- Rin.


Respondeu ela.

- Só Rin?


Perguntou o prateado com ironia referindo-se também ao sobrenome, uma vez que as pessoas costumavam se apresentar usando seu nome completo.


- Meu nome é extenso, Rin já é o suficiente.



Respondeu ela soltando um risinho.


- Certo, até logo então, Rin. 


O Youkai se levantou.


- Até logo, senhor Taishou.


Os dois se despediram e o youkai se retirou deixando uma Rin pensativa a sós. 


Acredito que você, caro leitor, esteja se perguntando como e quando chegamos até aqui, certo? Pois bem, tudo começou dois meses antes…



♡ ♡ ♡



Um pouco longe das redondezas de Tóquio, exatamente em Busan, cidade que se localizava na Coréia do Sul, cidade portuária muito conhecida por suas praias, montanhas e templos, um festival acontecia próximo a praia de Haeundae.


- Por que eu tenho que vestir isso?



Perguntou a menina num resmungo, ao encarar seu reflexo no espelho do quarto, essa era Rin, Rin Yoona Nakamura Lee Kong, um nome bem extenso, não? Como a mesma disse no início da história. 

Isso porque ela era filha de um pai japonês e mãe sul-coreana. A garota trajava uma belíssima Yukata de cores rosa claro e azul ciano, realçando as belas curvas de seu corpo estonteante, possuía pernas grossas, seios medianos e uma fina cintura. Rin era uma jovem mulher muito atraente, além do belo corpo, era dona de uma pele branca macia e longos cabelos negros repicados, a franja desfiada dava um charme a mais ao seu rosto, combinando com seus grandes e redondos olhos castanhos brilhantes, as bochechas naturalmente rosadas, igualmente aos seus lábios carnudos e nariz arrebitado.

Além da Yukata que trajava, seus cabelos estavam presos num coque firme, deixando a testa exposta, era enfeitado com flores e fitas.


- Porque é festival das cerejeiras, e todo ano nós participamos, em memória do seu avô. 



Explicou Nabi, mãe de Rin, sua aparência era semelhante a da filha, porém já possuía as marcas dos anos de vida que tinha e os cabelos eram curtos. Usava uma bela Yukata verde turquesa com flores em branco, lilás e vermelho.


- Esse tipo de coisa só me faz lembrar do Japão...



Respondeu a garota, pensativa, lembrando-se da última vez que pisou os pés no país, quando só tinha cinco anos de idade.


- Nós somos asiáticas, Yoona, isso não tem nada a ver com o Japão!



Nabi respondeu um pouco impaciente desta vez.

- Será que dá para não me chamar de Yoona? A senhora sabe que eu gosto só de Rin!


Bufou irritada.


- Está bem… está bem… que seja, precisamos ir agora, Dong está nos esperando no carro!


Rin revirou os olhos, o homem chamado Dong, ao qual Nabi se referia, era seu padrasto, o qual ela não suportava e não se dava bem.

Os pais de Rin eram separados a muitos anos, desde que ela era uma criancinha. Nabi apressou-se pegando sua bolsa em mãos e saindo do quarto. 


- O que é isso?


Exclamou a matriarca vendo a garota logo atrás dela, olhando com estranheza para o objeto de madeira nas mãos de sua filha.


- Meu violão?


Perguntou Rin arqueando uma sobrancelha, claramente achando a pergunta de sua mãe um tanto quanto estúpida.


- Sabe que não é disso que estou perguntando, não me diga que vai… 


Nabi suspira pesarosa antes de completar a frase.


- Rin, uma vez na vida, será que dá para deixar suas cantorias de lado e focar apenas no festival e na memória de seu avô?


Repreendeu.


- Minha "cantoria" é minha forma de expressão, eu fui convidada para cantar no festival e vou receber por isso, que tal se a senhora respeitasse minha forma de ganhar dinheiro sem precisar pedir a ninguém?


Justificou. E antes que Nabi pudesse responder alguma coisa, provavelmente irritada pela rispidez de sua filha, Dong aparece na porta da casa, chamando a atenção das duas, que se quer viram o homem abrir a porta, notaram a presença dele após ouvir o ranger da madeira.


- Vamos? Estou no carro esperando vocês a dez minutos!


Resmungou.


- Desculpe querido, Rin acabou atrasando, como sempre.


Justificou Nabi indo de encontro a Dong.


- Fala sério…


 Resmungou baixinho a morena ao revirar os olhos, já acostumada com sua mãe sempre culpá-la pelos atrasos toda vez que tinham algum compromisso.

A família saiu da casa, assim que Rin passou por Dong, seu padrasto, ele notou de imediato o instrumento musical nas mãos da garota, enquanto ela o colocava na capa e fechava o zíper. 


- Vejo que vai tocar hoje.


Comentou o homem olhando com desdém para Rin, Dong usava um kimono masculino em cor vermelha, era um homem bonito, tinha curtos cabelos negros lisos, alguns já grisalhos pela idade, estatura média e olhos castanhos puxados, mas para a garota era um homem medíocre, machista e as vezes, até assustador.


- É, eu vou…


Respondeu ela, desconfiada, sem esboçar nenhum sorriso.



♡ ♡ ♡ 



Após chegarem ao festival de Busan, Rin foi a primeira a descer do carro e praticamente sair correndo dali.


- Aonde pensa que vai?


Repreendeu Nabi também saindo do carro, Rin parou de correr, bufou e se virou.


- O que foi agora?


Perguntou Rin impaciente. 


- Vamos para o templo rezar pelo seu avô, está esquecida?


Respondeu a mais velha, Rin bufou novamente. 


- Tá bom…


- Não fale desse jeito com sua mãe, Yoona.


Repreendeu Dong, Rin não gostava muito de seu segundo nome, mais ainda quando era ele que a chamava assim.


- Não me chama de Yoona.


- Eu sou o chefe da família, irei chamá-la como bem entender.



Respondeu autoritário, Rin apenas ficou em silêncio.


    - Rin, será que dá para se comportar uma vez na vida? Você já tem dezenove anos!


Repreendeu Nabi, Rin apenas bufou irritada e permaneceu em silêncio. 

E assim, os três seguiram em direção ao templo. 


♡ ♡ ♡


Depois das preces feitas em memória de seu avô, Rin finalmente se via livre de sua mãe e padrasto.


- Eu vou comer alguma coisa no Mc Donald's e depois vou me apresentar no mini palco


Anunciou ela.


- Mas nós vamos almoçar no restaurante local, nada dessas comidas industrializadas estadunidenses! Faz mal.


Repreendeu Dong.


- Eu quero comer sozinha com meu próprio dinheiro, podem ir sem mim.



Respondeu Rin, sempre de forma ríspida e rebelde, Nabi bufou.


- Deixa ela ir, Dong, ao menos me poupa estresse!


Disse a mãe, já impaciente 


- Ótimo, até mais! Encontro vocês na hora de irmos embora.


Disse Rin saindo dali as pressas, deixando um Dong com olhar reprovador para trás. Sentia vontade de bater em Rin toda vez que a garota agia com rebeldia, achava que assim poderia ensinar uma lição à garota, mas não o fazia por conta de Nabi que querendo ou não, protegia sua filha, e isso poderia lhe acarretar problemas, quem sabe até denúncia por agressão. 



♡ ♡ ♡ 


 Na fila do restaurante, Rin sentiu alguém puxar sua yukata de leve, ao se virar, deu de cara com uma criança pequena, era uma garotinha.


- Você é a princesa Mulan?


Perguntou a criança. 


- Não, mas obrigada, a Mulan é muita linda!


Respondeu Rin com um sorriso.


- A Elsa é mais.


Respondeu a garotinha de forma inocente, Rin apenas sorriu e assentiu sem graça, virando-se para frente novamente na fila, e mais uma vez a garotinha chamou por ela tocando em sua yukata novamente, e Rin se virou para ela.


- Cadê o general Shang?


Perguntou a pequena outra vez. 


- Não tem general Shang, porque eu não sou a Mulan, entendeu?



Respondeu Rin já impaciente e se virou para frente, estava quase chegando na sua vez de fazer o pedido, dessa vez alguém tocou no seu ombro.


- O que foi agora?


Perguntou Rin impaciente, após se virar e dar de cara com a possível mãe daquela garota.


- Poderia tirar uma foto com minha filha, por favor? Ela adora as princesas da Disney!


Indagou.


- Eu não sou princesa da…, tá, tudo bem.


Respondeu Rin desistindo de se justificar, fez uma pose ao lado da garotinha e sua mãe tirou a foto, agradecendo logo em seguida, Rin sorriu apenas, quando chegou sua vez fez seu pedido e foi comer em paz.


♡ ♡ ♡



Rin já se encontrava perto do mini palco após terminar sua refeição.


- Muito bem, é a sua vez agora… Yoona Rin, certo?


Perguntou um homem com uma ficha na mão, responsável por chamar ao palco os artistas que iriam se apresentar naquele dia.


- Sou eu! Mas me chame só de Rin, por favor? Ou senhorita Nakamura!


Exigiu a garota aparecendo ali com seu violão. O homem, que já não estava de bom humor, a encarou sério.

- Tanto faz, você tem seis minutos. Pode ir.


" Mas que grosseria, eu hein! "


Pensou a menina ao subir no palco franzindo o cenho para o homem à sua frente, o olhando reprovadora. A jovem mulher caminhou até o centro do palco, ajustou o microfone e pegou o violão, haviam muitas pessoas ali a assistindo, ela olhou para trás encarando os membros da banda, fez um sinal e eles entenderam, pois já sabiam que música ela cantaria.

Rin virou para frente, encarando o público. 


- Boa tarde à todos, eu vou cantar For you, da Azu.


Anunciou a menina ao finalmente falar ao microfone, respirou fundo e começou a cantar.



Koko ni aruno wa kimi ga ima made eranda michi no

Kotae tachi yo hora jishin motte susumeba ii

Totemo shizen nano ame agari no

Asufaruto ni niji ga kakaru youni


[Lonely... ] kaze ga fuite

[Feeling... ] ki ga tsuita yo

Kotae wa doko nimo nai kedo

[Call me... ] wakaetteru wa

[With you... ] ai wa itsumo

Ataeau mono


For you

Kitto kimi wa itsu no hi ka

Kono sora wo toberu hazu dakara

Nando tzumazuitato shitemo

For you

Taisetsu na koto wa hitotsu

Yume miru koto

Kokoro dake wa tozasanaide ite



Totemo shizen nano ame agari no

Asufaruto ni niji ga kakaru youni


[Lonely... ] kaze ga fuite

[Feeling... ] ki ga tsuita yo

Kotae wa doko nimo nai kedo

[Call me... ] wakaetteru wa

[With you... ] ai wa itsumo

Ataeau mono


For you

Kitto kimi wa itsu no hi ka

Kono sora wo toberu hazu dakara

Nando tzumazuitato shitemo

For you

Taisetsu na koto wa hitotsu

Yume miru koto

Kokoro dake wa tozasanaide ite



Kidzutsuitemo namida korae gaman shitetayo ne

Sonna kimi wo ichiban chikaku de mitekita kara

Nanimo iwanakutemo wakatteruyo

Donna toki mo ganbatteta koto


[ Lonely ... ] mayottanara

[ Try again... ] nandodatte

Yarinaosu koto dekirukara

[ I'm here... ] soba ni iru wa

[ Believe me... ] osorenaide

Shinjiau koto


For you

Kitto kimi mo itsu no hi ka

Kono sora wo toberu hazu dakara

Nando kidzutsuiteta to shitemo

For you

Taisetsu na koto wa hitotsu

Yume miru koto

Hitomi dake wa sorasanaide ite


Kimi ga egaku yuuki ga hora

Kakegae no nai dakara mou noni

Kawaruyo ima ryoute hiroge fly


Kitto kimi wa itsu no hi ka

Kono sora wo toberu hazu dakara

Nando tsumazuita to shitemo

For you

Taisetsu na koto wa hitotsu

Yume miru koto

Kokoro dake wa tozasanaide ite//



O que há aqui são as respostas dos caminhos que você escolheu.

Vamos tenha confiança e siga em frente

O arco-íris irá aparecer sob o asfalto

Como a natural calmaria depois da chuva


Sozinho, o vento irá soprar

Sentimento, quando eu acordar

A resposta não está em lugar algum

Me chame, eu sei

Com você, o amor sempre

É um presente


Para você.

Certamente. um dia você irá

Voar nesse céu, por isso

Não se importe com quantas vezes você tropeçar.

Para você.

Só há uma coisa importante

Poder sonhar

Apenas não feche o seu coração


Mesmo ao machucar-se, guardou suas lágrimas e suportou

Pois estava mais próximo de você e vi

Mesmo que você não diga nada, eu entendo

O quanto você tentou, não importa quando


Sozinho, se você se perder

Tente de novo, de qualquer modo, muitas vezes

Estou aqui, ao seu lado

Acredite em mim,

Não tenha medo de acreditar

Em você mesmo e em outros.


Para você

Certamente. um dia você irá

Voar nesse céu, por isso

Não se importe com quantas vezes você tropeçar.

Para você

Só há uma coisa importante

Poder sonhar

Apenas não desvie seu olhar


Admiro a coragem que você desenhou

Para o tesouro mais precioso

Fale, abra seus braços e voe


Certamente. um dia você irá

Voar nesse céu, por isso

Não se importe com quantas vezes você tropeçar.

Para você.

Só há uma coisa importante

Poder sonhar

Apenas não feche o seu coração.






Ao terminar aquela música com sua melodiosa e doce voz, Rin foi aplaudida por muitas pessoas, a paz que ela sentia dentro do peito parecia querer escapar e saltar para fora, estava feliz.

Cantar era sua maior alegria e ela se sentia viva quando o fazia, sorriu largamente e agradeceu a todos, ao descer do palco deu de cara com algumas ex colegas do tempo de escola.

- Oi meninas!



Rin as cumprimentou simpaticamente. 


- Ah, e aí Rin? Vimos você catando.


Respondeu uma delas.


- É mesmo? Que ótimo, espero que tenham gostado, eu ensaiei bastante!


Respondeu Rin toda orgulhosa.


- É, mas já vimos melhores.


Respondeu, arrancando risadinhas das outras garotas, Rin apenas se viu sem graça. 


- Entendi… tudo bem! Não dá para agradar a todos.


Respondeu sorrindo, ela sabia que precisava aceitar as críticas, ao invés de brigar e discutir com qualquer um que não gostasse de sua música e sua voz.


- Pois é...bom, vamos meninas?


E assim o grupo de garotas foi se retirando dali.

- A propósito, k-pop é melhor!


Disse a última garota ao passar por Rin, saíram rindo deixando ela a sós. A garota abaixou a cabeça e suspirou. Mas logo a ergueu novamente, não podia desanimar, o que aquelas três sabiam sobre música afinal? Nada, assim Rin pensava, e saiu dali de cabeça erguida. 

Recebeu seu pagamento, ficou mais um tempo no festival, depois decidiu encontrar sua mãe e padrasto para voltarem para casa.


♡ ♡ ♡



Que tal agora irmos um pouco mais longe, caro leitor? Especificamente Tóquio, no Japão. 


- O que é isso?


Perguntou confuso o homem, sentado em sua cadeira giratória, vendo seu colega de trabalho jogar alguns CD's no cesto de lixo que havia ali no escritório. 


- Isso sou eu jogando lixo fora.


Respondeu no seu tom costumeiro, sempre com o típico humor ácido, o homem revirou os olhos e bufou.


- O que foi agora, Sesshoumaru?


Questionou vendo o outro se afastar, aquele sentado era Bankotsu Sasaki, alto, musculoso, bronzeado, longos cabelos negros presos numa trança e olhos escuros, trajava seu habitual terno de trabalho. Ele se levantou e foi até o cesto de lixo ver os CD's que haviam sido jogados lá dentro, arregalou os olhos quando viu, franziu o cenho, e saiu pisando forte atrás do homem ao qual ele acabara de chamar.


- Por que fez isso?


Questionou Bankotsu ao se aproximar do sócio, Sesshoumaru virou-se para encará-lo, com sua expressão séria de sempre.

Este era Sesshoumaru Taishou, um youkai muito respeitado na alta sociedade, empresário, milionário, dono de uma das maiores gravadoras do país e de brinde, era caça talentos, conhecido por revelar diversos artistas talentosos e de muito sucesso.

Na atual sociedade, foi-se descoberto que youkais ainda existiam, e um tratado de paz foi assinado entre as duas raças, assim, humanos e youkais viviam juntos em harmonia, ao menos...tentavam, uma vez que os youkais eram mais discretos e reservados, em sua maioria, não se misturavam muito entre os humanos.

Sesshoumaru por sua vez, conhecia vários, mesmo não gostando de quase nenhum deles. Era um youkai de muitos anos de vida, atraia olhares por onde passava, era charmoso e elegante, dono de uma beleza de dar inveja e causar espasmos em qualquer mulher, sua pele era alva, tinha lindos e longos cabelos prateados lisos, orelhas pontudas como as de um elfo, os olhos indecifráveis de cor âmbar realçavam um brilho dourado sem igual, os lábios perfeitamente escupidos, assim como seu nariz fino e arrebitado, tinha marquinhas em cada lado do rosto, e na sua testa, uma discreta meia lua azul, era alto e possuía um belo corpo, musculoso, braços fortes e peitoral definido, e para completar, possuía uma voz grave, firme e até autoritária. Era famoso também por sua frieza e inteligência, sendo muito calculista.


- Fiz o quê?


Perguntou sem esboçar reação. 


- Como assim, fez o quê? Jogou fora o meu trabalho! Sabe o duro que nós demos para gravar os CD's do Makizeen? Para gravar as músicas?


Sesshoumaru soltou um riso sarcástico.


- Chama aquilo de música? Eu chamo de poluição sonora!


Respondeu com sarcasmo.


- Lá vem você de novo… o garoto tem talento, Sesshoumaru.


Justificou Bankotsu, Sesshoumaru apenas balançou a cabeça em negativo, soltando um risinho sarcástico e saiu andando deixando Bankotsu para trás, mas o moreno não se conteve e seguiu o youkai, indo para onde haviam mais alguns funcionários.


- Então é isso? Vai jogar no lixo todos os CD's e discos sempre que não gostar de um cantor? 


Dessa vez o prateado virou-se para seu colega.


- A voz daquele garoto é horrível, nem mesmo você gosta daquilo Bankotsu, por isso editou tanto a voz dele para deixar menos desagradável. 


Respondeu. 


- Não é bem assim… você não…


- Eu infelizmente tive a oportunidade de ouvi-lo sem suas edições baratas, e é péssima, era como um veneno corrosivo derretendo meu cérebro e indo até os meus tímpanos! Uma gravadora que é famosa por descobrir novos talentos dando oportunidade a quem não tem? Que tipo de legado é esse? Não quero isso na Taishou Media Music.


Respondeu o inuyoukai, Bankotsu suspirou.


- E o que quer que eu faça? Você já não mais "caça talentos", eu faço isso sozinho, se não gosta do que faço, procure alguém que saiba cantar, Sesshoumaru, você mesmo! Assim vai saber o que é estar na minha pele!


Disse o moreno irritado, todos por perto assistiram a cena, esperando pelo pior, uma vez que Sesshoumaru fora desafiado e tudo indicava uma possível briga entre os dois.


- Muito bem… está demitido.


Disse o youkai calmemente, alguns funcionários ali presentes ficaram surpresos, nunca acharam que Bankotsu pudesse ser mandado embora assim. 


- Como é que é? Está de brincadeira! 


- Quer  que eu repita? Falei que está demitido, se não consegue fazer seu trabalho direito, não tenho motivos para mante-lo aqui.


- Então é isso, eu discordo de você e você quer me demitir? Inacreditável…


Agora foi a vez de Bankotsu esboçar um riso irônico.


- Me sugeriu que fizesse seu trabalho, buscar novos artistas, ótimo, farei, contudo, não tens mais nenhum serviço a me oferecer. Pegue suas coisas e vá embora, eu vou assumir o seu cargo, não há mais lugar para você aqui. 


- Mas eu…


- E isso é tudo.



Respondeu o prateado o interrompendo, em seguida saindo dali para ir a algum lugar tranqüilamente, Bankotsu ficou possesso, foi até sua sala, pegou suas coisas e saiu da empresa, queimando em ódio, nunca esperou ser demitido daquele jeito na frente de todos.


- Filho da puta desgraçado...você me paga. 


Disse o moreno para si mesmo, dentro de seu veículo, deu a partida e saiu circulando pelas ruas da cidade.

Com Bankotsu fora da Taishou Media Music, agora era função de Sesshoumaru descobrir novos artistas e mostra-los ao mundo.















Notas Finais


Espero que tenham gostado, não deixem de comentar!
Beijinhos e até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...