História Memórias - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chen, Lu Han, Sehun, Xiumin
Tags Luhan, Memórias, Romance, Xiuhan, Xiumin
Visualizações 43
Palavras 5.974
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente, Fluffy, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, gente!
Essa é a fanfic de inauguração da minha conta aqui no Spirit e a primeira que tenho coragem de postar.
Espero que gostem. E é isso.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Uma curiosidade sobre mim? Eu gosto de tomar café vendo o pôr do sol.

Ali estava eu mais uma vez, observando o pôr do sol, com uma xícara de café na mão. Na sacada do meu apartamento, a qual tinha uma linda visão da cidade. Logo em frente estavam as montanhas e o sol se despedindo para trazer a noite.

Eu estava sozinho em casa, como sempre. Já que moro somente eu aqui, ficar sozinho por longos períodos já era algo normal para mim. O silêncio reinava, ali estava somente o pôr do sol, uma xícara de café e eu.

Eu não gostava muito de ficar sozinho, porque isso me fazia pensar. Pensar me levava a revirar memórias presas em meu coração. Memórias que, apesar de tudo, confesso que me machucavam. Deveria esquecê-las e seguir em frente. Já fazia 3 anos e aquilo continuava grudado em mim e em meu coração.

O amor é algo estranho. Pensava que com o tempo, eu o esqueceria e o sentimento que tenho por ele iria embora com as lembranças. Mas não foi isso que aconteceu.

A primeira vez que o vi ainda estava claramente em minha memória. Era um dia como outro qualquer. A única diferença é que aquele seria nosso primeiro dia do nosso último ano escolar. Cheguei à escola pontualmente, como sempre fazia. Talvez não sempre, mas eu me esforçava para isso. Encontrei meus amigos Jongdae, Baekhyun e Sehun e ficamos conversando até que as aulas começassem.

— Eu não vejo a hora de voltar pra casa e me trancar no quarto pra jogar a tarde toda. — Baekhyun fazia um bico enquanto reclamava e nós rimos de sua tentativa para parecer bravo.

— Mas a aula nem começou ainda e você já está reclamando? — disse Jongdae sorrindo das caretas que Baekhyun fazia.

— Exatamente, nem começou e eu já estou cansado disso. Como é possível? — Baekhyun continuava.

— Tadinho do Baekhyun, ninguém entende ele. O coitado deve estar cansado de ter dormido as férias inteiras. — Sehun provocava também com um sorriso estampado em seu rosto.

Eu só observava, preferia não me pronunciar sobre o assunto já que Baekhyun se mostrava irritado com a descrença de todos sobre sua canseira. Uma óbvia falsa irritação que o deixava com um ar bem fofo. Rimos da colocação de Sehun e logo mudamos de assunto, nos focando em nossas futuras classes.

Jongdae e eu ficamos juntos, como sempre. Sehun, por ser mais novo, ficou sozinho em outra classe. E Baekhyun, acabou por ser separado de nós.

Fomos para nossa sala e nos sentamos no lugar que já estávamos acostumados. Eu na terceira carteira ao lado da janela e ele na fileira ao lado. E ali ficamos conversando.

...

Quando o professor entrou na sala, ficamos em silêncio. Junto dele vieram três pessoas, duas meninas e um menino. O professor nos informou que eles eram alunos chineses que iriam cursar seu último ano em nossa escola, na Coreia do Sul.

— Por favor, apresentem-se para a turma — disse o professor mantendo um tom imponente.

Confesso que não prestei muita atenção no que as meninas disseram, apenas assenti com a cabeça como todos fizeram ao termino de suas apresentações. Meu olhar estava fixo no menino a direta delas. Ele tinha os cabelos em tons de rosa, o que confesso, me chamou bastante atenção, olhos castanhos, um ar infantil e exibia um sorriso carismático no rosto. Logo a vez dele se apresentar chegou.

— Olá, prazer em conhecê-los. Meu nome é Luhan. Espero que cuidem bem de mim. — Ele fez uma reverência de quarenta e cinco graus e exibiu um leve sorriso. O sotaque dele era fofo e me fez sorrir.

E essa foi a primeira vez que o vi. Não foi nada demais, era apenas o garoto novo da nossa sala. Mas alguma coisa me fez prestar atenção nele. Eu não sabia o que era, mas eu não conseguia deixar de olhá-lo.

Assim que terminou sua apresentação, ele passou os olhos pela sala e foi nesse momento que nossos olhares se encontraram. Desviei instantaneamente, pois não queria ser pego o observando. Percebi que ele também desviou continuando sua vistoria pela sala.

Em seguida, o professor os mandou para seus devidos assentos. As duas meninas acabaram sentando lado a lado nas primeiras duas carteiras ao lado da porta. O garoto, Luhan, sentou-se duas carteiras atrás de mim, na fileira ao lado.

Aquela aula seria de matemática. Eu quase não piscava prestando atenção na matéria, pelo menos foi o que Jongdae disse. E, assim, nem percebi o tempo passar. Matemática era, e ainda é, minha matéria favorita. Nunca tive grandes dificuldades e sempre adorei aquelas aulas, então prestava muita atenção para não perder nada.

O sinal tocou anunciando que o intervalo havia chego. Descemos para o refeitório em busca de comida. Após pegar a refeição, me sentei com Sehun, Baekhyun e Jongdae em uma mesa mais ao canto, como já era de costume. Nem precisávamos combinar, todos estariam lá na hora certa.

Notei que o garoto de cabelo rosa estava ali a algumas mesas de nós. O observei por um tempo. Ele estava sentado com outros estudantes chineses, e parecia muito entretido com o assunto. Percebi que Luhan tinha um sorriso bonito.

Após alguns segundos, voltei minha atenção para a conversa que estava acontecendo na mesa em que eu estava, tirando minha atenção do garoto.

Enquanto andávamos pelos corredores de volta para nossa classe, Jongdae disse que o garoto novo olhou em nossa direção algumas vezes, mas achei que era coisa da cabeça dele. Afinal, por que ele estaria olhando em nossa direção? Nós nem nos conhecíamos, nem nada.

....

Após mais algumas aulas, o sinal de saída tocou. Apesar de gostar da escola, eu agradeci por isso, porque agora era eu que estava cansado.

Como de costume, Jongdae e eu esperávamos juntos o ônibus. Sempre fomos inseparáveis, desde que nos conhecemos quando ele mudou-se para o meu colégio. Desde então se passaram 8 anos.

O ônibus chegou, e entrei apressado me despedindo de Jongdae, pois ele pegava um diferente do meu. Sentei quase no último banco e estava com a cabeça baixa em direção ao celular procurando uma música que eu desejasse ouvir naquele momento. Assim que levantei minha cabeça, percebi o garoto de cabelos rosa sentado alguns bancos a minha frente. Como eu não havia o visto no ponto de ônibus?

Admito que o observei por um tempo. Estava tentando ser discreto ao fazê-lo, porém acho que não deu muito certo. Ele virou-se como se sentisse que estava sendo observado. Nossos olhos se encontraram por um momento, mas virei meu rosto tentando disfarçar e encarei o mundo fora daquele ônibus. Senti minhas bochechas ficando quentes pela vergonha de ter sido pego o observando. Para minha sorte, eu teria que descer na próxima parada.

....

Cheguei em casa alguns minutos depois. Quando entrei minha mãe estava me esperando para comermos. Sentamos a mesa para ter um almoço decente juntos. Minha mãe e meu pai são muito ocupados com os negócios da família, por isso não os vejo com muita frequência nesses horários. Hoje em especial era o dia que minha mãe tirava como um descanso de toda a correria de seu cargo. Uma oportunidade rara de passarmos algum tempo juntos, somente aproveitando a companhia um do outro.

— Como foi hoje no colégio? — perguntou sorrindo levemente.

— Foi tudo bem. A mesma coisa de sempre, só que em uma série diferente com mais coisas pra estudar — respondi em tom de brincadeira. Ela sorriu passando a mão em meus cabelos acabando por bagunça-los.

Fiz um bico pela bagunça que meu cabelo deveria estar naquele momento, mas logo em seguida retribuí o sorriso.

O dia foi ótimo, assistimos a filmes juntos e conversamos. Não era sempre que isso ocorria, então resolvi aproveitar bastante.

Agora já estava de noite e eu fui direto pro meu quarto. Joguei-me na cama, peguei meu celular e conversei com meus amigos por um tempo. Eu estava realmente cansado agora. Meus olhos começaram a pesar e eu fiz o melhor que podia fazer nessa situação: dormir.

....

No dia seguinte, cheguei à escola, e logo fui ao encontro dos meus amigos que me esperavam perto da entrada. Quando cheguei, eles estavam falando sobre coisas aleatórias e um pouco sem nexo. Eles discutiam a forma de preparo de algum tipo de comida.

— É óbvio que se coloca rabanete — falou Baekhyun em um tom um pouco alto.

— Claro que não. Os que eu comi nunca tiveram rabanete — rebateu Sehun.

— Ah, então, tem algo errado aí, já que é uma sopa de rabanete. — Baekhyun enfatizou a última parte da frase.

— Como se come uma sopa de rabanete, sem rabanete, Sehun? — Chen perguntou rindo.

Antes que Sehun pudesse se pronunciar, o sinal do início das aulas tocou e tivemos que nos apressar. Cheguei na sala e logo meu olhar foi em direção ao garoto novo. Lembrei-me do que ocorreu ontem, abaixei a cabeça de vergonha e fui rapidinho para o meu lugar. Só levantei o olhar quando cheguei a minha carteira. Percebi que ele estava olhando em minha direção e corei. Odiava corar por qualquer coisa.

Aquele dia passou rápido. Logo, uma semana também se passou e outra logo chegou. Graças às lições de casa que tínhamos, eu nem percebi as semanas passarem.

...

Finalmente, depois de duas semanas de aula, chegara o momento que eu estava esperando tanto. Era uma sexta-feira, e nesse dia aconteceriam os testes para o time de futebol da escola.

Mais uma curiosidade sobre mim? Eu amo jogar futebol. Posso dizer que é uma das minhas coisas favoritas no mundo. Eu gosto da sensação de liberdade ao correr com o vento acariciando meu rosto; gosto da sensação de marcar um gol.

Os testes seriam após o termino das aulas. E pontualmente eu estava lá. Alguns garotos já estavam esperando, mas como não sou próximo a nenhum deles, eu resolvi sentar em um canto vazio da arquibancada. Após alguns minutos esperando alguém se aproximou de mim.

— Oi, posso me sentar aqui com você? — perguntou abrindo um leve sorriso.

Confesso que me assustei com a chegada repentina do garoto. Endireitei-me tentando parecer natural ao responder.

— Claro, sem problema. — Minha voz tremeu.

— Desculpa por chegar tão de repente. Prazer, meu nome é Luhan. — Sorriu coçando a cabeça, o que lhe deu um ar muito fofo, me fazendo sorrir também.

— Não tem problema. Eu que estava distraído e não percebi que você se aproximava. — Não achei que minha surpresa tinha sido tão evidente. - Oi, eu sou o Minseok.

Um silêncio constrangedor se instalou entre nós. Eu não sabia o que dizer e, aparentemente, ele também não. Mas, por sorte, ele quebrou o silêncio tirando aquela sensação estranha dali.

— Bom, eu sou novo aqui e não conheço muitas pessoas. Quando te vi aqui sozinho, pensei que poderíamos ser uma boa companhia um pro outro — falou um pouco sem jeito, deixando seu sotaque aparecer.

— Tudo bem — respondi. Meu rosto começou a esquentar e eu tentei ao máximo não deixar transparecer.

— Você joga há muito tempo? — ele perguntou.

— Sim, eu sempre gostei de futebol. Mas só esse ano tive coragem pra tentar entrar no time — respondi.

Sehun, Chen e Baekhyun insistiam há muito tempo para eu tentar entrar no time já que, segundo eles, eu era bom demais e com certeza seria aceito de primeira. Percebi que não tinha nada a perder tentando, e que seria uma boa experiência.

— Que bom que resolveu tentar — falou.

— E você, sempre gostou? — perguntei realmente interessado em saber.

— Desde bem pequeno. Eu sempre jogava com o meu pai e peguei gosto pelo esporte — explicou.

Ficamos ali conversando sobre futebol e mais alguns assuntos que foram surgindo até o treinador aparecer chamando todos. Os testes iriam começar.

Eu comecei a ficar nervoso com a chegada do teste. Parece que meu nervosismo era evidente, porque Luhan virou em minha direção dizendo que daria tudo certo.

Acenei concordando. Tentei me acalmar para que isso não atrapalhasse meu desempenho durante o teste. No fim, tudo realmente correu bem. Eu passei na avaliação e faria parte do time.

Luhan também passou. Ele era excelentemente bom. Eu fiquei impressionado observando enquanto ele corria e passava a bola de um lado pro outro como se aquilo fosse natural para ele.

Luhan veio me parabenizar quando tudo acabou e eu fiz o mesmo. Foi um momento um pouco estranho, mas eu gostei dele estar ali.

....

Como Luhan e eu pegávamos o mesmo ônibus para casa, fomos caminhando até o ponto e nos colocamos a esperar.

— Como você sabia que pegávamos o mesmo ônibus? — perguntei. Fiquei pensando se ele tinha notado que eu o observava.

— Semana passada, no primeiro dia de aula, eu te vi pegando o ônibus. Eu entrei logo em seguida, mas acho que você nem me notou. — Deu um sorriso fraco enquanto falava.

— Na verdade, eu te vi. Esse seu cabelo rosa chama bastante atenção, sabia? — ele sorriu com a minha resposta. Eu sorri de volta corando logo depois.

Eu achava que ele tinha percebido que eu o observava naquele dia, mas parece que não foi o que aconteceu. Respirei em alívio por descobrir que não tinha sido descoberto.

— O que foi? — perguntou confuso.

— O que foi o que? — perguntei igualmente confuso.

— Você suspirou um pouco alto, achei que algo tinha acontecido — explicou-se.

— Não, não, não foi nada — Me repreendi por ser tão descuidado.

— Ah, ok, então. Vamos, o ônibus já está chegando.

Assim que o ônibus chegou, entramos e nos sentamos em dois bancos no fundo. Luhan pegou o celular e o fone de ouvido, deu um dos lados para mim e o outro colocou em seu ouvido. Hesitei por um instante olhando ele escolher a música, mas logo coloquei o fone em meu ouvido. Agora estávamos lado a lado sem dizer uma palavra, simplesmente aproveitando a música.

Nós havíamos trocado nossas primeiras palavras naquele dia e eu já me sentia confortável ao lado dele. Porém, ao mesmo tempo, eu estava muito ansioso com a sua presença, o que fazia meu coração bater um pouco mais rápido.

Minha hora de descer havia chego. Despedi-me dele e agradeci pela companhia. Ele sorriu e agradeceu de volta.

Tive ainda que caminhar por um pequeno percurso até minha casa. No caminho, estava pensando como em apenas um dia, tudo aquilo tinha acontecido. Eu entrei para o time de futebol, e ainda conversei com o garoto que eu observava há algumas semanas.

Tentei tirar isso da minha cabeça e deixar o Luhan de lado. Ao chegar em casa me apressei em pegar o celular para contar aos meus amigos que eu tinha conseguido e agora fazia parte do time da escola. Eles ficaram muito felizes por mim, e eu também estava. Mas logo o cansaço me dominou e eu peguei no sono, só acordando algumas horas depois.

Eu estava bem cansado, a semana de aula acabou comigo. Acordei e fui fazer meus deveres, voltando a dormir em seguida. O dia seguinte era sábado e eu queria dormir o máximo possível para aproveitar.

...

Dormi muito e pretendia continuar daquele jeito, dormindo. Mas a luz que entrava pela janela do meu quarto não me permitia. Fiquei sentado na cama olhando pro nada por um tempo para tomar coragem de sair dali.

Aos sábados, eu costumava treinar futebol na quadra localizada perto de casa. Meu momento sozinho, eu e o futebol. Fazer isso era bem relaxante pra mim.

Ao chegar lá, percebi que não havia ninguém, assim como eu gostava. Comecei a treinar, chutando a bola diversas vezes em direção ao gol tentando melhorar minha mira na hora do chute. Acho que fiquei treinando por aproximadamente duas horas antes de parar. Levei um susto quando olhei em volta dando de encontro com o garoto de cabelo rosa. Luhan estava ali.

— Desculpa se eu te assustei. Se você quiser, eu vou embora — falou com um tom calmo.

— Não, tudo bem, pode ficar — falei e ele abriu um sorriso contido. — Faz tempo que está aí?

— Na verdade, não muito. Eu estava passando, voltando para casa, quando vi esse lugar e resolvi entrar — começou a se explicar. — Foi aí que te vi e não quis te atrapalhar. Você parecia tão focado que eu fiquei sem graça de te incomodar. Então, fiquei observando.

Confesso que achei fofinho o modo que ele ficou envergonhado tentando me explicar o porquê de estar ali parado, me observando.

— Já falei que não tem problema. Não precisa se preocupar. — Sentei ao seu lado enquanto falava.

— Você já terminou de treinar? — perguntou um pouco apreensivo.

— Sim, por quê? — falei de maneira simples.

— É que... — Olhou para o próprio pé com as bochechas vermelhas. — Bom, eu tinha combinado com um amigo de ir a uma cafeteria que eu tenho muita vontade de visitar, e, bem, ele desistiu e disse que não poderia. E, é... você gostaria de ir comigo? — Me olhou enquanto esperava minha resposta.

— Não sei se você sabe, mas eu adoro café e nunca recusaria um convite desses — respondi tentando amenizar o clima.

— Então, nós encontramos lá seis horas?

— Pode ser. Me envia o endereço por mensagem e eu estarei lá. — Passei meu número para que ele pudesse mandar o endereço para mim.

— Pronto, mandei. — Foi caminhando até a saída do local. — A gente se encontra lá. — Sorriu enquanto acenava se despedindo.

....

Fui para casa me arrumar. Apesar de ainda faltar algumas horas, eu subi as escadas correndo e fui tomar um banho. Escolhi minhas roupas e em uma hora, eu já estava pronto. Estava usando uma calça jeans, uma camiseta preta e um casaco xadrez. Meu cabelo estava levemente bagunçado com a franja cobrindo a testa.

A hora passou realmente devagar aquela tarde. Eu estava ansioso para ir ao encontro de Luhan no café onde combinamos. Mas eu não sabia o motivo de estar tão ansioso. Eu só iria para uma cafeteria com um colega de classe, que nem mesmo meu amigo era ainda.

...

Cheguei à cafeteria 5 minutos antes do horário marcado com Luhan. O lugar era realmente muito legal. Não era muito grande, nem muito pequeno. Lá haviam várias mesinhas espalhadas pelo lugar e um balcão mais ao fundo. O cheiro que o lugar exalava era maravilhoso. Sempre amei café e aquele lugar era perfeito para uma pessoa como eu. O lugar estava relativamente cheio, não ao ponto de estar lotado, mas também não estava vazio.

Sentei em uma das mesas e me coloquei a esperar. Luhan chegou alguns minutos depois. Entrou e logo veio ao meu encontro. Ele vestia uma calça jeans e uma camisa branca com uma jaqueta azul por cima.

— Oi, Minseok. Chegou faz muito tempo? Desculpa se te fiz esperar — disse, sentando-se na cadeira de frente para minha.

— Não muito. Como cheguei um pouco mais cedo resolvi entrar e procurar um lugar pra sentar — expliquei.

— Ah, que bom. Eu estava louco para vir aqui e esse lugar não me decepcionou nem um pouco. É tão aconchegante. — Admirou o lugar prestando atenção em cada detalhe.

— Estava me perguntando como não sabia da existência desse lugar. Mas acho que foi até bom eu não saber antes, porque eu viveria aqui. — Sorri enquanto falava.

— Você gosta tanto assim de cafeterias? — perguntou me olhando.

— Sabia que um dos meus sonhos é ter uma cafeteria? Sempre me imaginei trabalhando com isso e espero que um dia eu consiga. Vou me esforçar bastante para um dia abrir meu próprio café — disse muito animado enquanto contava para ele.

— Aposto que você consegue. E quando você tiver seu próprio café, me convida para visitar. Assim eu vou poder experimentar as bebidas que você fizer. — Sorriu para mim.

Fizemos o nosso pedido, e ficamos ali conversando por horas. Descobri muitas coisas sobre a vida dele e ele sobre a minha. Descobri que ele gosta de cantar e pedi para que ele cantasse um dia para mim. Ele concordou, mas disse que tinha vergonha e precisaria tomar coragem antes de fazer isso.

Passamos horas conversando sobre todo o tipo de coisas e eu me encantava por ele cada vez mais. Era estranho o sentimento que ele me causava, mas eu adorava. Passar aquele tempo com ele foi incrível e a partir dali nos tornamos amigos.

Assim que cheguei em casa, subi correndo para o meu quarto. Me joguei na cama e fiquei olhando pro teto. Nesse dia fazia, aproximadamente, duas semanas que o vi pela primeira vez. E desde então, eu o observo todos os dias. Aos meus olhos, ele sempre pareceu uma pessoa alegre e que iluminava tudo ao seu redor, e eu realmente tinha razão. Nunca falaria com ele se isso dependesse de mim, mas por alguma força do destino ele veio até mim.

Começamos a ficar os dias na escola juntos. Apresentei Luhan para Baekhyun, Sehun e Jongdae, e em instantes eles já começaram a se conhecer. Luhan começou a passar todo o seu tempo com a gente e nos tornamos bons amigos.

Os meses foram se passando com a nossa amizade se tornando cada vez mais forte. Todos nos tornamos inseparáveis. Riamos pelos cantos da escola, conversando e falando coisas sem sentindo.

Apesar de tudo, das batidas mais rápidas do meu coração quando estava perto do Luhan, eu tentava me controlar. Afinal, ele era só meu amigo e tenho certeza que é desse jeito que ele me enxerga, apenas um amigo.

Baekhyun arrumou um novo hobbie, me perturbar. Ele aparentemente percebeu que eu sentia algo mais pelo Luhan e enfiou na cabeça que éramos um casal perfeito e que tínhamos que ficar juntos. Baekhyun era doido.

Meus amigos enfiaram na cabeça que o Luhan também gostava de mim, mas eu claro que não acreditava. Luhan nunca demonstrou nada.

Era sexta-feira e como não teria ninguém em casa, resolvi convidar meus amigos para irem para lá. Meus pais iriam viajar esse final de semana e eu queria companhia.

Após o treino de futebol, eu e Luhan fomos ao encontro dos outros meninos. Os chamei para minha casa e Jongdae disse que não poderia porque já tinha combinado de que iria com sua mãe visitar sua avó hoje. Baekhyun e Sehun disseram que já tinham marcado de fazer outras coisas. Só tinha sobrado o Luhan

— Vão você e Luhan hoje. Amanhã, eu e os meninos vamos — disse Jongdae.

— Eai, Luhan? O que acha? Vamos? Não vai me deixar como esses desalmados fizeram, né? — falei olhando com cara de bravo para os outros.

— Desalmados? Você deveria nos agradecer — Baekhyun disse entrando na conversa.

— Fica quieto, Baekhyun! — Jongdae elevou a voz.

— Pode ser. Nós podemos jogar aquele jogo novo que você comprou — Luhan falou, tentando convencer aos outros de irem também.

— Jogo novo? Quer... — Sehun tampou a boca de Baekhyun antes que ele pudesse terminar a frase. Luhan e eu nos olhamos sem entender nada. Só assentimos e os deixamos para trás.

Eu adorava passar um tempo com o Luhan, mas meu coração acelerava toda vez que ele se aproximava, o que me incomodava bastante por me deixar com vergonha. Tentava me manter normal, porém ficar sozinho com ele às vezes era um desafio pro meu coração.

Chegamos e fomos direto para o sofá jogar todos os jogos que encontrávamos pela frente. Rimos e gritamos a tarde inteira por causa dos jogos de ação. Eu já até estava esperando os vizinhos virem reclamar.

Depois de cansar de jogar, nós fomos nos sentar na varanda da minha casa para passar o tempo e conversar. Conversar com o Luhan era uma coisa ótima, nós podíamos fazer isso por horas e nunca nos cansaríamos.

Estávamos sentados ali há alguns minutos quando Luhan se pronunciou novamente.

— O pôr do sol daqui é tão lindo. Eu gosto do jeito que a luz alaranjada do fim de tarde ilumina tudo. Deixa tudo tão lindo — falou. E quando virei, meus olhos foram de encontro aos deles e percebi que ele me observava.

Minhas bochechas esquentaram e eu sabia que estava vermelho. Pude ouvir um sorriso escapar dele quando percebeu o estado em que eu me encontrava. Logo, ele voltou a observar o fim de tarde.

Foi a minha vez de observa-lo. Agora, eu entendia o que ele havia dito. Ele estava tão bonito com o sol batendo em seu rosto. Cada detalhe dele parecia perfeito. Inconscientemente eu sorri ao ver aquela cena. Ele, ao meu lado, com os olhos fechados aproveitando a brisa de fim de tarde que batia em seu rosto.

Foi nesse momento que ele pôs sua mão sobre a minha e acolheu-a entre a dele. Sem abrir os olhos ele fez isso, me deixando sem ação, mas feliz por aquele contato.

Um sorriso brotou nos lábios dele quando eu entrelacei minha mão na dele, retribuindo o contato. Eu fechei meus olhos e também sorri, aproveitando cada segundo daquele momento.

Outra curiosidade sobre mim? Eu estava apaixonado por aquele garoto de cabelo rosa.

Eu nunca tinha me apaixonado por ninguém. Mas de alguma forma aquele garoto de sorriso fácil me conquistou. Eu o conhecia há 3 meses e já amava tudo nele. Foi naquele momento que tive certeza do que sentia. Eu gostava de passar os dias com ele, não importa o que estivéssemos fazendo, se fosse com ele, eu estaria feliz. Acho que me apeguei a ele muito rápido e talvez esse tenha sido meu erro. Mas estava feliz com aquele sentimento que explodia em meu peito.

Com aquele gesto de Luhan, eu pude perceber que ele sentia o mesmo. Foi quando ele quebrou o silêncio.

— Sinto que meu coração vai sair pela boca nesse exato momento. — Abriu os olhos e me encarou.

— Por que diz isso? — perguntei.

— Desde a primeira vez que eu te vi, assim que eu entrei na classe, eu venho te observando — começou a falar. — Você tem um sorriso tão lindo que me chamou atenção desde o primeiro instante. Quando te vi esperando o teste para o time de futebol, eu vi naquele momento uma oportunidade de me aproximar. E, sério, eu agradeço muito por ter tido coragem aquele dia. — Sorriu para mim tímido.

— Eu, eu... eu nem sei o que dizer. Esse seu cabelo rosa me chamou bastante atenção também — disse brincando.

— Você só gosta do meu cabelo, é? — falou fingindo estar bravo.

— Eu gosto do seu cabelo, mas gosto ainda mais de você. — Desviei o olhar envergonhado pela coragem de dizer aquilo.

— Ah, é? Quer saber de uma coisa? — perguntou.

— Sim, fala. — Ele me puxou me deixando sentado em frente a ele. Os dois com as pernas cruzadas.

— Eu também gosto muito de você. — Ele segurou meu rosto e encostou os nossos lábios.

Foi tão bom. Meu coração acelerou tamanha era a felicidade que eu estava sentindo. Eu sentia como se fosse explodir. Foi uma sensação maravilhosa.

...

Fomos para o sofá e colocamos um filme. Eu deitei no colo dele, que ficou acariciando meus cabelos. Aquele sentimento era novo para mim. Nem prestar atenção no filme eu consegui, confesso. Só pensava na pessoa que estava ali ao meu lado.

— Minseok? — Luhan chamou.

— Oi? — respondi.

— Acho que eu estou apaixonado por você — disse passando a mão mais uma vez em meus cabelos.

— Quer saber de uma coisa? Eu também acho que estou apaixonado por você. — Meu coração palpitou. Eu o olhei e ficamos nos olhando por um tempo.

Se me perguntarem o que aconteceu no filme, eu não saberia dizer (Acho que o Luhan também não). Acabamos por passar aquela noite juntos.

Acordei com o Luhan ao meu lado. Nós dormimos no sofá, esquecendo até de desligar a televisão, coisa que eu fiz assim que despertei. Acariciei o rosto dele até que ele acordasse, sorrindo pra mim.

...

Mais tarde naquele dia, os nossos amigos chegaram em minha casa. Conversamos por um tempo e descobri que eles tinham aprontado para que Luhan e eu ficássemos sozinhos.

— Foi bem difícil resistir a um jogo novo, viu? Vocês têm de serem gratos pelo meu controle em não aceitar — Baekhyun disse brincando.

— Baekhyun, para de falar besteira — Jongdae disse, jogando uma almofada no mesmo. — Vocês dois são muito lerdos. Todo mundo notava que vocês se gostavam, menos vocês.

— Já estava ficando chato, sabia? — Sehun se pronunciou. — Nem escutar a gente, vocês escutavam. Tivemos que tomar medidas drásticas — Sehun concluiu.

— Nem foi nada drástico, deixa de ser dramático — Baekhyun disse.

— Acho que se dependesse de mim, eu não teria coragem de falar nada — eu disse rindo das palhaçadas dos dois.

— Luhan, eu esperava mais de você. Achei que você tivesse mais coragem — Baekhyun provocou.

— Não se tratando do Minseok. Minha coragem morria toda vez que eu pensava em falar algo por medo dele não gostar de mim desse jeito. — Luhan coçou a cabeça se explicando. — Mas tomei coragem pensando que seria agora ou nunca.

— Bom que você resolveu falar. Como eu poderia não gostar de você? Esse cabelo é sensacional. — O abracei pelo pescoço e dei um beijo em sua bochecha.

— Ah, para de graça vocês dois. Nós não somos obrigados a ver essas coisas, somos crianças ainda — Sehun brincou e todos jogaram almofadas em nós.

Rimos de toda a situação. Aquele momento não poderia ser melhor, estava tudo perfeito.

...

Os meses se passaram bem rápido. Em um piscar de olhos o ano já estava acabando. Meu namoro com o Luhan seguia firme e forte. Tudo corria tão bem. Mas nada é perfeito, né? Luhan precisaria voltar para a China em poucas semanas. Nossas aulas estavam acabando, finalmente nos formaríamos e uma nova fase em nossas vidas começaria. Confesso que estava preocupado com o nosso futuro. Como seria com o Luhan morando em outro país, sem podermos nos contatar direito?

Depois de uma longa conversa com ele, nós decidimos que deveríamos manter nosso relacionamento como estava. Luhan acreditava que era possível mantermos nosso relacionamento à distância. Mas confesso que eu não tinha certeza de que isso funcionaria. 

As semanas se passaram e o dia do Luhan voltar para o seu país chegou. O acompanhei ao aeroporto para que pudesse passar mais tempo com ele.

— Por que você está com essa carinha triste? — Luhan perguntou segurando meu queixo, me fazendo encara-lo.

— Porque você está indo embora e eu vou ter que ficar aqui sem você — falei sentindo as lágrimas se formarem. — Eu vou sentir sua falta.

— Eu também vou, meu amor. Mas não se preocupe, eu vou fazer de tudo para mantermos contato — falou com um sorriso terno nos lábios.

Virei-me para frente encarando meus sapatos. Não queria olhar para o Luhan. Eu não queria que ele me visse triste. Sabia que era necessário que ele voltasse para o país dele, mas meu coração continuava triste. Eu ia sentir muito a falta dele.

Me recompus e coloquei um sorriso no rosto. Decidi que não iria me mostrar triste para o Luhan. Não queria que nossos últimos momentos juntos fossem cercados por esse clima estranho. E foi o que eu fiz, eu sorri para ele e ele retribuiu.

Aquele sorriso me deixava indefeso, eu não era capaz de me controlar diante daquele garoto. Com o tempo, ele se tornou tudo pra mim. E eu sentiria falta de acordar e ver aquele sorriso, dos filmes que assistimos juntos enquanto ele acariciava meus cabelos. Eu também sentiria falta do calor dos abraços e do cheiro dele. Em resumo, eu sentiria falta dele por completo.

O voo do Luhan foi anunciado e a hora de partir chegou. Meu coração se acelerou com a saudade já me sufocando. Abracei-o por longos minutos querendo guardar na memória o cheiro dele. Eu não saberia quando poderia o ver de novo.

Luhan não era rico e não tinha como ficar vindo para a Coreia do Sul quando quisesse. E eu também não poderia ir pra China. Nós éramos estudantes que acabaram de sair da escola e ainda moravam com os pais, não tínhamos dinheiro para ir de lá pra cá quando bem entendêssemos.

...

Passaram-se 4 meses, e meu relacionamento com o Luhan estava estagnado. Não nos falávamos com frequência por ser difícil de nos comunicarmos. Eu estava ocupado com o começo do ano letivo na faculdade e ele também, só dificultando cada vez mais nossa situação.

Não poder o ver me machucava, eu não aguentava de saudade. E em um momento de não muita lucidez resolvi acabar com aquilo. Talvez eu estivesse sendo precipitado, mas não percebi isso na hora. Liguei para o Luhan para conversar e resolvermos tudo de uma vez.

“Oi, tudo bem? Aconteceu alguma coisa?” Luhan perguntou estranhando a ligação naquele momento.

“Oi, acho que está, mas não sei muito bem.” Minha voz saiu mais triste do que eu esperava. “Nós precisamos conversar.”

“O que aconteceu? Você parece triste” Luhan falou alarmado.

“Acho que não vai dar mais certo isso que está acontecendo” comecei contendo as lágrimas. “Eu sinto que estou atrapalhando os rumos que sua vida poderia tomar...”

“Nem comece com isso de novo, por favor.” Luhan me interrompeu.

“Por favor, me deixe terminar. Já está sendo bem difícil pra mim.” Funguei uma vez com a sensação de que as lágrimas já caiam pelo meu rosto. “Nós quase não nos falamos mais. Você está na China e eu aqui, e não está sendo nada fácil ficar longe de você. E eu sei que não está sendo pra você também. E é por isso que eu tomei essa decisão, Luhan.” Fiz uma pausa para controlar as lágrimas. “Você tem que se concentrar no seu futuro e em tudo que quer conquistar, e será bem mais fácil sem ter que se preocupar em me ver de novo.”

“Minseok, eu não me importo com nada disso. Eu só quero continuar com você.” A voz dele também vacilava.

“Me desculpe se eu estou te machucando, mas é o que eu acho melhor. Posso estar sendo muito egoísta agora e me arrepender mais tarde. Porém, isso é o que parece certo na minha cabeça.” Não aguentei e outra lágrima desceu pelo meu rosto.

Luhan permaneceu calado por alguns segundos que pareceram anos. Meu coração apertou, eu estava chorando e meu coração doendo. Talvez os meus motivos para terminar com ele não fizessem sentido nenhum, mas eu achava que aquilo seria melhor pros dois. Achei que seria melhor esquecer e seguir em frente do que continuar nessa situação.

“Se é o que você quer, eu não posso fazer muita coisa. Eu vou aceitar sua decisão e espero que seja feliz de agora em diante” falou mantendo um tom sério. “Eu também preciso me desculpar por ter te feito aguentar por todo esse tempo. Sei que foi difícil. Conquiste tudo que deseja e seja feliz.” Sua voz vacilou e senti que ele chorava do outro lado da linha. “Eu te amo.”

Aquilo partiu meu coração em mil pedaços que eu não saberia como recolher de volta. As lágrimas desciam sem parar deixando minha visão embaçada. Estava pronto para responder que o amava também, mas ele desligou. Essas foram às últimas palavras que escutei dele, a última vez que escutei sua voz. Naquele momento, eu me arrependi.

Nas semanas seguintes me grudei ao telefone esperando qualquer coisa que fosse vinda dele. Mas nada veio, nem uma mensagem, muito menos ligação. Sabia que eu tomara aquela decisão, mas doía muito não escutar mais a voz dele.

Com o tempo me acostumei com a ideia de não ter mais ele. Eu acabara com tudo e sabia disso. Luhan só estava aceitando minha decisão e seguindo em diante, coisa que eu também deveria fazer. E com o tempo fiz.

Despertei das minhas lembranças, percebendo que o sol já havia ido embora, me deixando no escuro.

Eu sinto muito a falta do Luhan e dos momentos que passamos juntos. Minha esperança de um dia nossos caminhos se cruzarem de novo permanece viva. Eu não sabia como seria possível que isso acontecesse, já que não nos falávamos há 3 anos. Mas eu ainda me sinto conectado a ele e as lembranças. Eu ainda o amo.


Notas Finais


Então, foi isso. Eu espero que tenham gostado *-*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...