1. Spirit Fanfics >
  2. Memórias de um verdadeiro amor. >
  3. Consolo - (Capítulo 5).

História Memórias de um verdadeiro amor. - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Espero que gostem :)

Boa leitura meus amores!

AVISO PARA QUEM ESTAVA LENDO "ENTRE PINTURAS E CÂMERAS": Estou reescrevendo a história, então é por isso que ela foi apagada. Logo a trago de volta :)

Capítulo 6 - Consolo - (Capítulo 5).


Wei WuXian já não sabia mais quantas vezes havia ouvido seus amigos falarem nos dois últimos dias: “Sai dessa seu filho da puta, esquece a merda do WangJi e segue a porra da tua vida!”. Quando jogou no grupo aquelas informações dos últimos dias: Cheng, HuaiSang, Ning, Yang e GuangYao — que foram avisados pelos três outros — bateram em sua porta cerca de meia hora depois, trazendo com eles varias garrafas de cachaça, licor, cerveja e outras bebidas, além de alguns aperitivos.

Distraíram Wei Ying naquela noite, tentando o máximo não deixá-lo sozinho, estava extremamente proibido falar qualquer coisa que o fizesse chorar. As horas passaram e todos os amigos se divertiram, dançaram, cantaram e principalmente esqueceram dos problemas lá fora, o foco naquele instante era se divertirem.

Mas o que adiantou toda aquela diversão, se na manhã seguinte ele já voltou a estar deprimido? WuXian realmente não conseguia aceitar o fato de Lan Zhan querer ter um bebê com Wen Qing, aquilo era como se prender a uma armadilha pelo resto da vida.

No instante, ele estava sentado no sofá de sua casa, sábado, séria o dia em que se encontraria com WangJi. Sua única regra para esse dia é não beber, de forma alguma ele colocaria qualquer gota de álcool na boca para não acabar fazendo bosta.

Suspirou pela terceira vez, virando em sua boca uma taça de vinho tinto. Toques na porta o levaram a levantar, caminhando em direção a entrada, ele abriu a mesma vendo Jin GuangYao e Xue Yang parados ali naquela porta segurando flores e chocolates.

Pareciam até concorrentes tentando conquistar o coração do amado que ambos almejavam. Wei sorriu, deu espaço para que os homens entrassem e levemente sentiu como se alguém estivesse observando seus movimentos, ignorando isso, ele fechou a porta e foi para a sala onde os dois homens já se encontravam.

— Não precisavam se incomodar — Ele sorriu aceitando os mimos que seus amigos lhe deram.

— Tínhamos que vir aqui, então não podíamos vir de mãos vazias — GuangYao sorriu mostrando suas covas fundas.

— Mas o que é tão importante assim que forçou vocês dois a virem assim — Riu bobo oferecendo a eles os chocolates.

— Bom… — Xue ChengMei começou. — Eu e A-Yao decidimos que queremos te ajudar fora a parte.

— Como assim? — WuXian perguntou, não entendo a proposta feita.

— Nós dois queremos ser seu consolo — Em uníssono. Ambos sorriam.

— Espera — Wei Ying parou. — Meu consolo? — Perguntou vendo os dois afirmarem. — Eu não posso aceitar isso! — Resmungou.

— Por que não? — Xue Yang perguntou inflando as bochechas.

— Não é certo que eu use vocês dois para o meu próprio bem-estar! — Disse atento a reação dos homens.

— Mas queremos — GuangYao se apressou em dizer. — Estamos fazendo isso por vontade própria.

— É só diversão, Wei — Xue sentou-se ao seu lado.

O rapaz iniciou carinhos leves em sua bochecha, dando alguns selinhos ali em seguida. WuXian arrepiou-se, não sabia ao certo se rejeitava as carícias ou se permitia que aquilo acontece-se.

— Será apenas curtição — ChengMei murmurou em seu ouvido.

— É isso mesmo, nós só queremos fazer você se sentir bem. E principalmente esquecer esse tal de Lan Zhan que a temos faz você chorar — Yao se aproximou.

 Nós deixe te fazer sentir bem, A-Xian — Xue Yang o puxou, sem esperar respostas.

Os lábios foram colados com pressa, Wei não pode ter a hipótese de impedir aquilo, e talvez, não queria parar com aquele toque que ainda lhe era estranho.

Não demorou muito para que as línguas travassem uma batalha interna a procura de espaço. Alguns outros toques lhe fizeram arrepiar. GuangYao levantou sua blusa, deixando que a barriga redondinha — mas nem tanto — ficasse a mostra e sujeita a alguns amassos.

— Você é tão lindo — Xue Yang sentou-se do beijo, deixando que apenas uma linha fina de saliva os conectasse.

— Vocês… eu… — Murmurou cansado.

— WuXian — GuangYao elevou sua cabeça, sua mão subia sobre os mamilos do rapaz. — Não vamos forçar você, mas… podemos ao mesmo fazer levemente você se sentir bem?

Wei Ying nada disse. Ele abaixou a cabeça fitando às duas mãos — uma que segurava a sua, e a outra que percorria seu corpo. Seus olhos se fecharam momentaneamente, a imagem que viu fora apenas a de Lan Zhan, uma lembrança há muito tempo onde subiam sempre em morros altos do bairro onde moravam para ver as flores que brotavam e murchavam o tempo todo.

— Eu não posso — Suas pálpebras se abriram. — Eu realmente não posso — Sim ele era fiel, fiel a um homem que nem sequer era seu.

— Entendemos — Xue Yang sorriu triste. — É melhor irmos embora.

— É, é melhor irmos — GuangYao retirou sua mão do outro. Ambos levantaram, Wei os acompanhou, assustado com tudo aquilo.

— Eu realmente sinto muito — Sorriu tristonho. — Eu não posso e nem quero outras pessoas que não seja ele.

— Tudo bem — Xue sorriu. — Você deve realmente amar ele ao ponto de estragar sua vida por um amor unilateral, onde apenas você vai sair mais machucado do que já está.

— Xue Yang, GuangYao… sinto muito, mas o meu coração só tem um dono e…

— Você vai acabar se matando por ele — Jin disse baixo. — Esse amor faz mal a você, mas você se nega a aceitar isso — Sem dizer mais nada, ambos saíram deixando Wei sozinho.

Ying sentou no sofá, encarando o nada. Todos estavam certos, o amor que sentia por Lan Zhan, um dia o mataria. E daí? Ele sabia que seu amor era puro e totalmente honesto, e enquanto soubesse disso, nada importava.

Outras batidas na porta lhe chamou a atenção. Os rapazes teriam esquecido algo?

Ao abrir àquela porta, a pessoa que estava ali era WangJi, segurando em suas mãos um pote do que aparentemente parecia ser algum doce.

— Você está bem? — Perguntou rápido analisando as feições de Wei WuXian.

— Estou — Simplista, ele respondeu. — O que é isso? — Apontou para o pote.

— Torta de amora — Sorriu. — Qing fez ontem de noite e guardei um pouco para você.

Wei piscou algumas vezes, teria Lan Zhan pensado nele, mesmo que seja só por um instante?

— HumEu não posso aceitar — Respirou fundo.

— Por quê? — Lan WangJi estranhou pelo fato de ele ter negado algum doce.

— Estou de dieta — Mentiu. — Não posso fugir dela — Sorriu agradável. — Mas obrigado mesmo assim.

— De nada — WangJi puxou seus lábios para cima. — Vamos nos ver sábado?


— Sim, nos vemos sábado — Wei virou-se e entrou em casa deixando o Lan plantado lá fora.

Dentro de sua casa, ele observou pela bolinha de vidro o rapaz se virar e entrar em seu apartamento também. Encostou a cabeça na porta e riu baixo.

— Eles estão certos — Admitiu, mesmo que relutante. — Sábado será a última vez que farei algo por você

A última vez.


Notas Finais


Tomará que tenha ficado bom. Reescrevi esse capítulo três vezes e essa foi a versão que mais me agradou :")

Comentários abertos a surtos pelo Xue Yang e GuangYao KKKK

Quaisquer erros serão corrigidos posteriormente, ok? Ok!

Bye e até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...