1. Spirit Fanfics >
  2. Mensagens do passado >
  3. Capítulo 5 - Irmãs

História Mensagens do passado - Capítulo 5


Escrita por:


Capítulo 5 - Capítulo 5 - Irmãs


Fanfic / Fanfiction Mensagens do passado - Capítulo 5 - Capítulo 5 - Irmãs

A única amiga de verdade que Nicky teve em toda sua vida foi sua irmã Samantha.

Elas passaram por muitas coisas juntas: O fim explosivo do casamento dos pais. O temperamento extremamente difícil de Norma que era uma mulher com tantos problemas para lidar que acabava descontando nas próprias filhas. Então elas criaram um mundo delas. Escreviam histórias juntas e uma lia para a outra. Samantha gostava muito de romances divertidos e Nicky era a sua musa inspiradora. Elas tinham quinze e dezesseis anos.

- Por que eu Sam? - Ela perguntou

- Por que você é uma pimentinha! - A irmã disse com um sorriso típico de uma cúmplice. - Você é a "brava" e eu sou a tonta...

- Não acho você tonta Samantha! - Ela disse parecendo brava. Mas não estava. Era a maneira como ela dizia a irmã, através da aversão que sentia quando a irmã se menospreza, que a amava.

- É disso que tô falando Nicky. Você está brava comigo, me defendendo de mim mesma. Isso é tão divertido!

- Menina, o que é divertido!? Tá vendo essa veia aqui pulsando? - Ela apontou para a própria testa- Esse meu gênio vai me matar. Mas ok. Eu prefiro morrer sendo uma lenda. Por isso que você vai viver mais. Você é perfeita. Meu anjinho. Meu lado bom.

- Anjinho? Eu não sou tão boa assim Nicky- ELA disse em um tom sombrio.

- Se você for psicopata eu vou te defender. Vou nos programas de TV quebrar tudo. Vou dar na cara dos repórteres por que essa sou eu: seu lado negro! - As duas começaram a rir do jeito exagerado com que Nicky mexia os braços, como se estivesse em uma discussão seria.

- Eu lembrei do Natal do ano passado. Você dizendo que nossos primos eram um saco e que passavam o dia se masturbando... NA FRENTE DOS NOSSOS TIOS E DA VOVÓ. A Mamãe ficou sem cor. Daí você foi repreendido pela mamãe na frente de todos e NÃO GOSTOU. Saiu brava batendo os pés, as portas... - Samantha estava rindo de doer a barriga - É quando eu fui te consolar você estava chorando, mas era de raiva. E você disse: " Mas eles ficam fazendo isso o dia inteiro, as pessoas são um saco! Elas deveriam saber disso! Esses moleques ficam espiando a gente, tentaram pegar no seu peito porque sabiam que se fosse comigo eu quebrava o dedo deles! Eu estou abrindo os olhos da família! E quem toma esporro sou eu!?"

- Eu não me arrependo nem um pouco. - Ela disse deitada olhando para o teto - Faria tudo de novo. Não é certo ver coisas erradas e não falar. Para mim quem faz isso...

- É conivente? - Sam completou

- Também. Mas é um filha da puta desgraçado.

- Nicky eu queria ter sua coragem. Mas como não tenho, provavelmente terei de fazer psicologia para encontrar uma maneira clinicamente aprovada para dizer a algumas pessoas que elas são umas filhas das mães.

- Filhas das putas Sam. As pessoas são filhas das PUTAS!

Sam começou a rir e deitou- se ao lado da irmã.

- Um dia vamos morar em Nova York.

- Sim. E moraremos em um apartamento igual ao da Mônica e da Rachel.

- Só que mais ricas né? - Sam brincou

- Claro Sam. Muito mais ricas! Uma repórter premiada e uma psicóloga que vendeu mais de um bilhão de cópias de um livro de auto ajuda.... o Empire state será nosso quintal praticamente.

- E a mamãe?

- Nós vamos pagar uma boa terapia para ela. E também daremos uma boa mesada. A "véia" estando bem por dentro e por fora não vai encher o saco de ninguém.

- Não vai mesmo! As vezes eu me pergunto porque ela é assim. - Samantha sempre se perguntava sobre tudo. Ela não via apenas o que as pessoas mostravam. Ela vai através de camadas. De sutilezas. Nicky pensou nessa qualidade e sentiu um aperto no coração. Como ela queria que Sam estivesse lá em Duskwood com ela. Ela sentou- se na cama e se abraçou, como se Sam a estivesse abraçando enquanto o choro repleto de saudade a tomava mais uma vez, sozinha, sem ninguém vendo.

Lilly estava olhando pela janela de seu quarto. Havia se passado pouco tempo para os outros de fora, aquela intrometida da Nicky... Mas para ela estava pareciam anos e estava difícil dormir, comer... E se assim como aconteceu com a Jennifer naquela noite após o festival, algo do tipo tivesse acontecido com sua irmã? Como ela sobreviveria? Com quem ela faria planos de um dia deixar Duskwood ? A possibilidade da morte assustava Lilly até os ossos. Ela tinha um sonho de vida, uma visão perfeita de tudo. Ela imaginava que a essas horas Hannah estaria em sua rotina normal. E que poderiam se programar para dali a dois anos fazerem um trip entre irmãs. Mas e se para Hannah... o amanhã não chegasse?

Jessy saiu um pouco mais cedo naquele dia e foi até o café Rainbown. Ela fora algumas vezes com Dan mas ele sempre zombava da decoração que era muito de "mulherzinha" e Jessy sentia falta de poder conversar.
- Aceita companhia para um café e um bolinho?
A voz de Sam a fez virar- se na mesma hora.
- Mas é claro! - Jessy sorriu para ela é entraram juntas no café.
- O que faz por aqui? - Jessy perguntou.
- Eu vim conhecer um pouco melhor a cidade. Esse café é uma gracinha!
- Sim! - Jessy disse com empolgação.
Ela notou então que o chaveiro de Nicky era uma bonequinha daquelas de anime. Ela usava roupinha branca e tinha cabelos roxos.
- Bom gosto para chaveiro! - Jessy mostrou o seu, que era uma bonequinha praticamente igual porém de cabelos rosa clarinho.
- Não acredito! - Nicky tomou o chaveiro entre os dedos- Eu adoro essas coisas!
- Somos duas! - Jessy estava muito empolgada. Será que estava exagerando?  Mas era tão legal ter algo em comum com alguém.
- Minha irmã tinha uma também. Está aqui comigo. - Ela mexeu na bolsa. E bem presa ao bolso interno estava uma bonequinha de cabelos azuis.
- Por que você carrega um chaveiro da sua irmã?
- Bom, ela... - Nicky não queria adicionar drama áquele dia. - Ela mudou de país! Faz uns dez anos.
- Sério? E vocês se falam sempre?
- Sim! Quase todas as noites - Nicky mentiu. Não queria mentir mais para Jessy como já vinha fazendo.
- Isso deve ser muito legal. Sabe, ter uma irmã que converse com você. Eu tenho um irmão que também é daqui de Duskwood.
- Ah sim, o dono do Aurora né?
- Espera, como sabe disso? - Jessy ergueu uma Sobrancelha
- Devo confessar que eu sou um pouco bisbilhoteira. Como você sabe eu estou hospedada no hotel da senhora Walters então ela me contou absolutamente tudo - Nicky usou o trunfo do conhecimento que tinha em mãos. A Sra. Walters tinha fama de ser fofoqueira, como Cléo disse. Richy também fez uma piada do tipo no dia em que se conheceram. Isso fez todo sentido e Jessy saiu do modo "detetive particular"
- Mas me fala, você vem sempre aqui no café? O Jesus Troglodita costuma te trazer? - Nicky perguntou de um jeito tão direto que Jessy não pode deixar de sorrir: poucas pessoas eram tão atrevidas assim sem medo de desagradar. Mas ela não foi inapropriada. Era uma coisa genuína.
- O Jesus Troglodita, Dan no caso,  não gosta de vir aqui pois acha muito "de mulherzinha"
- Imagino. Ele deve adorar um pub lotado, beber como um Viking , comer asinhas apimentadas e espalhar espuma de chop naquela barba ... ew!
Jessy começou a rir e isso agradou Nicky. Quando alguém ria era sinal de que Nicky havia deixado a pessoa a vontade, mesmo sendo tão direta em suas  observações.
- Parece que você leu minha mente! - Ela abriu o cardápio para escolher oque comeria - Ele é exatamente assim. Mas no fundo, apesar da casca dura, ele é um cara muito legal. Você precisa ver o cuidado que ele tem com mãe dele. É algo que acho fofo nele.
- As vezes as pessoas colocam cascas duras para se proteger. Faz sentido.
- Sim. O Richy me disse isso outro dia quando falávamos do Dan. E falando em Richy... o Dan me contou do episódio do mercado! Eu não reconheci o Richy que ele descreveu! Ele realmente te defendeu?
Nicky sentiu um frio na barriga quando Jessy mencionou Richy.
- Sim. Não que eu não estivesse indo bem antes dele chegar.
- Ah eu nao duvido! O Dan disse que você empurrou o carrinho com pé para cima dele! Eu imaginei a cena e me desculpe... nao tinha como nao rir! O Dan levando um desaforo desses!
- Pois é! - Disse Nicky fazendo uma pose orgulhosa de vencedora.
- Dez a zero para Sam - Ela se gabou. Ela então recebeu uma mensagem anônima. Como iria ver sem dar bandeira para Jessy? Teria de usar a velha desculpa do banheiro? Ou deveria abrir a mensagem e fingir que não era nada ligado ao desaparecimento de Hannah? E se Jessy visse?  Ela arriscou.
- Um minutinho Jessy - Ela sacou o telefone e era de um remetente desconhecido.
- Ótimo - Ela virou os olhos fingindo estar indiferente mas na realidade ela estava começando a se assustar. Era um vídeo de alguém filmando Cléo na floresta.  Ela respirou fundo e mandou uma mensagem para Jake falando do que acabara de receber.
- Algum problema? - Jessy perguntou.
- Ah não. Apenas aquelas burocracias chatas para mudança de operadora do meu telefone. Enfim... - Ela guardou o telefone na bolsa novamente e também pegou o café. Por dentro estava desesperada, ansiosa, e se Cléo estivesse em perigo? Ela precisou se manter fria. Escolheu uma torta de maçã e um chá gelado. Elas fizeram o pedido. Nicky sabia que a pressa só era vantajosa para obter uma informação. Mas e se fosse para salvar uma vida? Ela teria de usar todo seu profissionalismo agora para não estragar sua investigação.
- Ah, você conhece uma tal de Cléo?
- Temos uma Cléo na turma... Ela é a melhor amiga da Hannah. Por Que?
- Era ela mesma - Nicky colocou o panfleto na mesa - Encontrei ela por acaso no hotel e ela me entregou.
- Ah sim... Ela está muito empenhada em realmente achar a Hannah - Jessy pareceu triste
- Está tudo bem? - Nicky perguntou preocupada
- Sim está. Só fico chateada de não ter ajudado tanto assim. A Cléo me pediu para deixar esses panfletos no bar do meu irmão. Na realidade ela me pediu para entrar no bar e distribuir para os clientes. Mas eu me recusei e disse que não queria me envolver... na realidade eu não queria dar oportunidade para ele falar besteiras sobre minhas amigas. E a Cleo  ficou puta comigo... - Ela apertou os lábios
- Na realidade eu sempre me senti meio de fora. Não sei se é por que não nasci aqui mas, elas as vezes me deixavam de fora.
- Quem, a  Cleo e a Hannah?
- sim. Mas acho que mais a Cleo sabe. Eu acho que ela tem uma queda pelo Richy e tem raiva de mim por ser amiga dele. Mas a real é que as meninas sempre me excluem... A Hannah não excluia mas como sempre estava com a Cleo não era sempre que eu me sentia a vontade. A Nossa turma costumava acampar juntas, fazer trilhas numa cidade vizinha a Duskwood... nessas ocasiões eu pude conversar melhor e ter amizade com a Hannah. Mas é que eu gostava mais de conversar com os meninos na rodinha.
- Entendo bem isso!
- O Richy dizia que eu era o único menino bonito da turma. Quando ele disse isso a Cleo me assassinou com os olhos!
- Nossa deve ter sido horrível! - Nicky estava muito preocupada com Cléo. Precisava ir mas não queria cortar Jessy abruptamente. Não queria chatea-la.
- Jessy eu preciso ir mas antes tenho uma proposta: Você gosta de filmes de terror?- Ela ergueu uma sobrancelha e fez um ar misterioso
- Ah que pena... Mas sim, eu adoro filmes de terror!
- Então eu vou te dar a missão de escolher uma sessão para assistirmos amanhã! O que você acha?
- Sério? Eu acho demais!  Terror psicológico ou carnificina!? - Jessy estava realmente empolgada!
- Sabe o óbvio? Mansão isolada, preço baixo, casal idiota compra e temos um show de pratos voando, crucifixos virando de cabeça pra baixo, chuva, possessão....
- Pode deixar comigo! Como nos encontraremos?
- Eu te pego na oficina ! Pode ser?
- Sim! Ah... tudo bem se eu chamar o Richy?
- Ele é legal. Claro. Chame- o!  Agora eu preciso ir mesmo! Até amanhã Jessy! - Sam saiu em passos apressados em direção ao seu jeep estacionado próximo as mesas na entrada do café.
- Até Sam! - Jessy ficou muito feliz com aquela tarde gostosa. Ela sentiu que ela é Sam seriam boas amigas. Imagina se Nicky entrasse para a turma também? Ou será que ela já fazia? - Ela pensou ao ver Sam de afastando - Seriam a mesma pessoa?

Nicky subiu as escadas rapidamente e assim que entrou no quarto trancou a porta e falou com Jake.
Ele achava melhor não contar aos outros pois acreditava que isso iria desencoraja-los a procurar por Hannah. Ele acreditava que era apenas um susto.

Nicky descriptografou mais um arquivo da nuvem de Hannah. Era um arquivo borrado mas parecia uma receita médica. Ela enviou para Jake dar uma olhada.

Jake está online
  Jake :  Descobri o que era. Era realmente uma prescrição médica. Mas você sabe que remédio é esse?
Ele enviou a prescrição, agora legível, para Nicky.
Nicky :  Sei sim - Ela disse - Isso é um antidepressivo.
Jake : Sim! Você acertou!  Isso foi realmente impressionante Nicky.
Nicky:  Formamos uma equipe e tanto não acha?
Jake: Sim :)
Jake: Bom já que somos uma equipe preciso te perguntar... Você está pronta para quebrar a lei?
Nicky: Oh meu Deus. Sempre. Fala.
Jake: Certo. Eu quero que invada as redes sociais do psiquiatra dela.
Nicky: Mas o hacker aqui é você!
Jake: Eu vou te explicar....

Em alguns minutos Nicky já estava dentro do perfil doDr.Ulrich. Ela era oficialmente cúmplice de Jake e isso não seria favorável para ser colocado futuramente em seu currículo.

- Você fez o que NICOLE!? - A voz de Harold estava beirando ao de um ditador enfurecido.
- Harold, você precisa entender que eu preciso ganhar a confiança do Hacker!
- Se expondo tanto assim? Isso não era apenas uma investigação "sem grandes ambições "? Agora temos: falsidade ideológica, invasão a redes sociais... o que mais falta? Você andar com um fuzil dando tiros pra cima para chamar mais atenção ainda nessa cidade!?
- Bom, quanto ao fuzil... - Ela começou  mas logo foi interrompida pelo chefe
- Não comece Nicole! Não é o melhor momento para você fazer uma piada! Você está sem nenhuma vantagem por aqui comigo! Você sabe o que você pode estar colocando em jogo por alguém que nem ao menos conhece?  Você está apaixonada por esse rapaz? Esse Hacker?
- Não Harold! Não fala besteira! Claro que não! - Ela negou prontamente mas sabia que estava omitindo uma parte confusa da verdade. Ela não sabia dizer  como se sentia em relação a Jake. E também a Richy.
- É bom mesmo que não esteja! Pq isso pode custar muito a mim e esse jornal!!! Pense que não estaria se prejudicando, mas NOS prejudicando. Não seja leviana com o seu trabalho! Se você aprontar mais uma, uma única que seja, eu vou pessoalmente a Duskwood te buscar!
- Eu entendi Harold. Pode deixar que não vai acontecer. Mas eu preciso me envolver nem que seja um pouco com isso... Eu preciso de informações!
Harold desligou o telefone e Nicky teve vontade de arremessar o celular na parede de tanta raiva. Não dele, não da bronca, mas sim do quanto estava envolvida com Jake, Hannah e o resto daquelas pessoas estranhas. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...