1. Spirit Fanfics >
  2. Mentiras convincentes (Snames) >
  3. Prólogo

História Mentiras convincentes (Snames) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Se você ler, agradeceria se me dissesse se tiver algum erro ortográfico...
Talvez não termine, mas estou animada para escrever.
Bjs de Luz de uma autora não tão boa assim...

Capítulo 1 - Prólogo


Uma pequena mão me agarrava pela ponta dos dedos. O rosto da criança coberta de neve da queda que teve perto do parquinho da Rua dos Alfeneiros número 4, começava a avermelhar pelo frio de dezembro. Em nenhum momento ela chorou, pelo menos isso. Em alguma coisa aquela criança estúpida de Potter merecia crédito.

“O que está olhando, Sangrenta Grifinória?”

Por mais estranho que parecesse, a versão menor de Potter começou a sorrir ainda mais com o tratamento rude do mais velho. Só podia ser um maldito Grifinório mesmo. Agachando para olhar o filho de seu maior algoz nos olhos percebia a falta de ar que a criança tinha de continuar o perseguindo desde uma rua abaixo do que deveria ser a sua casa, as pequenas pernas não ajudavam pelo jeito. Com um sorriso afetado que só Sonserinos eram capazes, perguntou de forma mansa:

“Por que você está perdido Potter?”

Eca como soava enjoativo. Se repreendeu mentalmente com um calafrio que percorreu a coluna o deixando mais reto que podia, quase como se tivesse uma vassoura prensada nas costas. Risinhos logo foram ouvidos na rua vazia de noite até que braços agarraram os joelhos do vestido do homem a sua frente. Na imaginação fértil de Potter o senhor rabugento a sua frente se assemelhava a um morcego gigante.

 “Tio Severuuus”

Ok, Severus Tobias Snape já tinha sido chamado de várias coisas no decorrer dos anos. Sev, Ranhoso, cobra, oleosa ou cobra oleosa, simplificando as coisas. Mas, nunca tinha sido chamado de tio. Pelas barbas de Merlin nem mesmo seus alunos mais jovens tinham ousado uma vez sequer o chamar assim.

“Repugnante”

Parece que as palavras tinham sido mesmas pronunciadas em voz alta com a expressão estática que a criança adquiriu. Parecendo que tinha sido petrificado em pouco tempo, o pequeno Potter começou a chorar de forma silenciosa. Outra coisa da qual surpreendeu o mais velho. Crianças não são mais escandalosas por natureza?

Mesmo com uma sacola na mão se aproximou do pequeno Potter o segurando nos braços com um pouco de dificuldade. Um virar de quadra e chegaria em casa. Sem força de vontade em encontrar onde os Potters vivia o que daria uma baita de discussão, decidiu levar o Grifinória consigo. Será apenas uma noite. Tentou barganhar com sua voz interna que dizia não ter nada a ver com isso. Mesmo que não conhecesse Potter pequeno ele era de longe filho de James com toda a cabeleira que possuía. Pensando nisso, como ele sabia o meu nome?

Ainda sentindo a criança chorando pelo casaco que usava, sem perceber, começou a dar tapinhas reconfortantes nas costas diminutas. Sem seu consentimento um cheiro suave do que deveria ser limão suavizou o aperto do pequeno em seu casaco. Perguntou antes que dormisse:

“Qual seu nome?”

“Harry”

Respondeu com a voz embargada de choro.

“Harry...”

Testou o nome desconhecido até então em voz alta. O que fez a garoto respirar de forma mais uniforme e parar o fluxo de lágrimas. 

“É um bom nome”

Elogiou baixinho.


Notas Finais


Obrigada se você leu até aqui.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...