História Mermaid - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Colina Escarlate, Mia Wasikowska, Mitologia Grega, Tom Hiddleston
Personagens Doutor Alan McMichael, Edith Cushing, Lady Lucille Sharpe, Personagens Originais, Sir Thomas Sharpe
Tags Deuses, Ficção, Mia Wasikowska, Mitologia, Romance, Sereias, Sexo, Tom Hiddleston, Traição
Visualizações 53
Palavras 1.177
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Voltei!
Música de hoje e "Sweater Weather", do The neighbourhood.

Na foto, colar da Meredith.

Por favor, comentem e opinem.
A fanfic não vive de comentários, mas eles me incentivam muito.
Aliás, também não gostaria de ter leitores fantasmas...

Boa leitura... ❤

Capítulo 2 - A real mermaid.


Fanfic / Fanfiction Mermaid - Capítulo 2 - A real mermaid.

"Porque está muito frio

Para você aqui e agora.

Então me deixe segurar

Suas duas mãos nos bolsos do meu suéter."


Meredith permanecia fitando o homem a sua frente confusa. Ele piscou algumas vezes. Realmente não estava acreditando que ela estava mesmo nua. Para aquela época, não era muito agradável e nem "digno" andar por aí nua, ainda mais na frente de um homem.

-Vamos, me diga apenas seu nome. - sorriu amigável. 

-M-Meredith. - falou devagar. 

-Prazer, Meredith. - sorriu. - Thomas. - estendeu sua mão, para cumprimentá-la. 

Ela encarou curiosamente sua mão por alguns segundos, e devagar, aproximou a sua. Ela a apertou fracamente, e ele deu um sorriso bobo. 

-O que fazes aqui na praia, sozinha, e... Nua? 

-Eu não pertenço a esse mundo. - suspirou. - mas você não pode contar a ninguém. - colocou o dedo indicador na boca, fazendo shhh e estreitando os olhos para ele, que riu. 

-De onde tu és, então? 

Ela fitou o mar e sorriu. Ele ficou confuso, e a olhou com um olhar que expressasse isso. 

-De lá. - apontou-lhe o mar. - 

-O mar? 

-Sim! - sorriu. 

-Como podes ser do mar? 

Ela chamou-o com o dedo, tomando um semblante sapeca e infantil. Ele riu, e se aproximou para que ela pudesse dizer algo em seu ouvido.

-Eu sou uma sereia. - sussurrou. 

-C-como é!? - ele riu. - moça, acho que estás bêbada. 

Ela revirou os olhos e se levantou, pronta para sair da praia. 

-Humanos. - bufou. - tão tolos. - balançou a cabeça. 

-Ei, aonde vais assim, nua? - perguntou. 

-Andar por ai, ué. - sorriu. 

-A senhorita está nua. Precisa se cobrir. - ele desesperou-se, tirando seu casaco, e colocando sobre os ombros da moça. 

-Ah, meu Deus, por favor, deixe de besteira! - revirou os olhos novamente. - eu não tenho tempo para roupas! Papai deu-me apenas uma hora hoje para ficar na superfície. 

Ela tirou o casaco e saiu correndo pela praia, sendo seguida por Thomas, que correu atrás dela, para cobri-la. Ele não se importava tanto de ela estar nua, mas o resto da cidade sim. Ela seria julgada, e Tom, por algum motivo, não queria que isso acontecesse. Havia simpatizado com a  "sereiazinha". 

Assim que conseguiu encontrá-la, jogou seu corpo contra o dela, prendendo-a no chão. 

-Agora te peguei, sereia. - riu. 

-Não! Você quer me levar para os  outros humanos, que vão me colocar em um aquário grande, para ser exposta como uma de suas santas! Solte-me! Solte-me, humano! 

-Aquário? Exposta? De onde tirou isso? 

-Papai me alertou sobre vocês. - mostrou-lhe a língua. - eu não vou ser um de seus troféus de caça. - emburrou-se. 

-És mesmo uma sereia? - riu. - queres mesmo que eu acredite nisso? 

-Não importo-me se acreditas ou não. Agora me solte! 

Num movimento rápido, ela inverteu as posições, ficando em cima do humano, com suas pernas uma de cada lado do corpo dele. 

Ela inclinou-se para fitar seu rosto, e principalmente, seus olhos azuis. Tão intensos, da cor do mar. 

-Seus olhos são da cor do mar... - sorriu. - que lindo. 

-Mas os seus são negros como a noite. 

-Eu e minha irmã gêmea, Edith, somos as únicas com os olhos escuros em todo o mar. Apesar de todos acharem bonito e diferente, eu sempre quis ter olhos azuis. - sorriu. 

A respiração de ambos estava descompassada. Thomas não sentia nenhum cheiro de álcool na moça, mesmo eles estando tão próximos, o que o fez duvidar de que ela estivesse realmente bêbada. 

-Seus olhos são lindos, acredite. - sorriu. 

Ela sorriu de volta para ele, e se levantou de cima de seu corpo, correndo em direção ao mar. 

Ele levantou-se e fez o mesmo, correndo em direção a ela. 

-Ei, aonde está indo? 

-Pra casa. - sorriu. - infelizmente, perdi meu tempo com você e não pude ir a cidade. Gosto de caminhar por lá. 

-Moça, vais afogar-se. - insistiu com um pouco de desespero na voz, em meio a um suspiro. 

-Deixe de asneiras. - riu. 

Ela se sentou na areia molhada. Aquela que ficava perto da entrada do mar. 

E então, assim que a primeira onda atingiu suas pernas, ela sentiu aquela dor típica, e fechou os olhos. 

Thomas observou extasiado e impressionado, as pernas dela começarem a brilhar como jóias, e começarem a tomar formas estranhas, como a de uma calda. 

Logo a transformação estava completa, e a sua calda cor de ametista com algumas nuances de azul turquesa apareceu. 

Ela era totalmente escamada, e tinha um efeito metalizado leve, o que fazia com que, quando a luz da lua a tocasse, a fizesse brilhar. 

Meredith balançou sua calda, tirando Thomas de seus devaneios. Ele olhou pra ela, que o fitava com um sorriso. 

-Então é verdade... - sorriu. 

-Prometeu não contar a ninguém? 

-Prometo. - foi sincero. - quando nos veremos de novo? 

-Eu não sei. - suspirou. - não é sempre que sereias podem vir a superfície. 

-Peça a seu pai para vir amanhã, por favor. - sorriu. - farei um baile em minha casa, e quero muito que vás, como minha convidada especial. 

-Baile!? Convidada especial!? - disse animada. 

-Sim! Nunca foi a um baile? 

-Sim, mas nunca aqui na superfície. Deve ser muito diferente. 

-É provável. - sorriu. 

-Eu estarei te esperando aqui ao pôr do sol, com um belo vestido. Sabe, não seria bem visto se fosses nua. 

-Entendo. - sorriu. - até mais, humano. 

Ela se arrastou até uma parte um pouco mais funda do mar, acenou para Thomas, e sumiu entre as ondas. Thomas sorriu. 

Ao olhar para o chão, percebeu algo. Um colar, em forma de concha. Provavelmente pertencia a Meredith. Ele pegou o objeto, sorriu, e guardou-o no bolso. 

Thomas sentou-se na beira do mar, e ficou por alguns longos minutos observando o mar, antes de decidir voltar para casa. 



Oceano Atlântico



Meredith entrou no castelo sorrateiramente. Ela observava todos os corredores, para ter certeza de que não estava sendo observada. 

Ao entrar no corredor de seu quarto, foi surpreendida por sua irmã, Edith, que apareceu em sua frente em milésimos, a fitando com um olhar interrogativo.

-Onde estavas, irmã? 

-Nadando por aí. - sorriu fraco. - dei uma passada no naufrágio, mas não fiquei lá muito tempo. 

-Engraçado... Não lhe vi no naufrágio quando passei por lá. - olhou-a, estreitando os olhos. 

-Como disse, apenas passei por lá. Não fiquei muito tempo. 

-Ah, claro... - sorriu falsamente. - papai está na sala do trono, e quer falar com você.

-Sobre o quê? 

-Ele não me disse. Apenas falou que quando chegasse deveria ir vê-lo. 

-Tudo bem. - surpirou. 

Ela nadou rápido até a sala do trono, e ao entrar, encarou o pai, sentado no grande trono, mantendo sua postura impecável. 

-Edith disse-me que o senhor queria falar comigo. O que houve? 

Ele a fitou por alguns segundos, e o silêncio se instaurou no lugar. Antes de começar a falar, o deus deu um suspiro. 

-Meredith, serei direto com você. Apolo, o Deus do sol, pediu sua mão em casamento, e eu o concedi. 


Notas Finais


Até mais ❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...