História Mess in Person - Camren - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Tags Brodrey, Camren, Thomesa
Visualizações 45
Palavras 2.177
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


O Capitulo ficou pronto mais cedo do que eu esperava, então... ta ai.

Capítulo 3 - Queria Te Mostrar... Part 1


Fanfic / Fanfiction Mess in Person - Camren - Capítulo 3 - Queria Te Mostrar... Part 1

Lauren

 

Não, não é tão ruim quanto parece... É PIOR AINDA. Eu não sei como cheguei aqui, so sei que quero sair, e sair AGORA!

—Vamos, Lauren. Nem é tão alto – Diz Camila com um sorriso divertido no rosto. A maldita ta se divertindo com meu sofrimento.

— Vai se fuder Camila! – digo e ela começa a rir. Ela estava quase deitando na grama e rolando de tanto rir, ok sua risada é bonita. Eu estou em cima de um muro, não um muro qualquer, o muro da escola, sim, nossa querida aluna nova me trouxe para o muro da escola e pulou para o outro lado, agora ela esta esperando que eu pule também, o que não vai acontecer nem se porcos voarem.

— OK, ok. Ahm... Já sei! E se eu te pegar?–Diz com um sorriso travesso no rosto, ela não vai me pegar, disso eu tenho certeza.

— Eu não vou cair nessa Camila, eu sei que você não vai me pegar e eu vou me estatelar no chão. –Digo entre dentes, já estou cansada dessa palhaçada. Não confio nas pessoas, a qualquer momento alguém pode me dar uma facada nas costas se eu bobear e abaixar a guarda.

— Eu Juro que vou te segurar, nem que eu quebre as minhas pernas para isso, mas eu vou te segurar. –Diz, agora, seria e com um olhar tão intimidante que me deu vontade de pular e quebrar o pescoço por ter duvidado dela. Não era normal eu sentir isso, mas vendo ela séria, e um pouco decepcionada, fez com que eu me sentisse uma imbecil. Antes que a razão pudesse socar a minha cara e me mandar voltar para a aula eu pulei, e por um segundo eu me arrependi de ter confiado nela. Por um segundo eu achei que ia cair de costas no chão. Por um segundo eu quis que a queda me matasse em vez de aleijar, como era provável que acontecesse se eu metesse as costas no chão. Mas quando eu senti  algo quente e macio embaixo dos meus ombros e dos meus joelhos eu não desejei mais nada, na verdade, eu desejei que eu pudesse ficar ali para sempre, e foi esse desejo que faz com que minhas mãos se agarrarem a sua blusa fina e úmida, eu me agarrei a ela como se minha vida dependesse disso, e eu temia que dependesse. O meu moletom parece uma geleira comparado ao calor do seu corpo, ela parecia magma puro, não, ela irradiava calor como o Sol e eu sou apenas um pequeno planeta me aproveitando desse calor.

—Eu disse que iria te segurar. –Sua, doce, voz interrompeu meu pensamentos em forma de sussurro, ouvi-la falando fez com que eu abrisse meus olhos, que estavam até então fechados, e me deparasse com seus orbes chocolate me fitando calmamente e um –perfeito- sorriso de lado, suas mechas castanhas caiam por seus ombros e iam até o meu moletom, tapando minha visão do que teria atrás dela. Camila me apertava junto a si como se quisesse ter certeza que eu não cairia, o que fazia com que eu sentisse o calor do seu corpo, eu me sentia protegida ali, nos seus braços, e... Isso me assustava, assustava muito.

— Obrigado... – Digo baixo, mas tenho certeza que ela ouviu graças a proximidade, seu nariz estava, literalmente, quase tocando o meu. Eu me mexi um pouco em seus braços para que ela me soltasse, mesmo que eu não quisesse. — Camila? –Digo quando ela não fez nenhum movimento para me colocar no chão. Ela apenas me respondeu com um “hum?”, parecia que ela estava em uma espécie de transe. — Você... Pode me soltar? –Digo e ela parece acordar e me colocar no chão quase que roboticamente. Essa garota é Muito estranha. —Obrigado... De novo. –Ela apenas acenou com a cabeça e começou a andar chutando pedras e com a cabeça abaixada.

Eu comecei a segui-la sem nem ver para onde íamos, sei que vou surtar se começar a pensar em que tipo de lugares nos podemos acabar indo, então é melhor não pensar em nada que possa fazer com que eu tenha um ataque de pânico ou passe vergonha na frente dela, isso é a única coisa que eu quero nesse momento.

 

 

 

Nós andamos por mais alguns minutos até ela parar e eu acabar dando de cara com suas costas, eu estava pronta para reclamar quando Camila se virou e tapou minha boca com a sua mão e se agachou ao lado de um tronco caído... UM TRONCO? Onde nos estamos?!
Olho em volta e vejo varias arvores, muito mato, terra, mais árvores, galhos, pedras, lama, muito mais árvores... O.K acho que nos não estamos na cidade. Não surte, não surte, não... SURTE, SURTE MUITO LAUREN! POR QUE DIABOS NÓS ESTAMOS NA FLORESTA?

— Shiii, se acalme Lauren. Eu consigo ouvir seu coração acelerando. –Sussurra Camila no meu ouvido. Ainda tem essa louca falando no meu ouvido, PORQUE EU VIM AQUI EM PRIMEIRO LUGAR? Eu não preciso que ela fique falando que meu coração esta acelerado, eu posso sentir isso. Eu posso sentir minhas mãos começarem a suar e tremer. —Lauren! Eu quero que você se acalme e olhe para mim. –Sussurra Camila com uma voz autoritária e eu a obedeci. — Respira fundo, e se concentre em mim, você precisa se acalmar. – Diz olhando no fundo dos meus olhos, eu observei seus olhos castanhos, agora, escuros analisarem todo o meu rosto e ela soltar um suspiro aliviado quando me viu fazer o que ela pediu. Eu repeti mais algumas vezes e acabei ficando, estranhamente, mais calma. Observei meu estado e vi que minhas mãos ainda tremiam um pouco e que minha testa estava suada, eu estava tendo um ataque de pânico e Camila me ajudou. Analisei nossa posição e meu rosto ficou imediatamente fervendo. Eu estava no meio de suas pernas e ela estava sentada e encostada no tronco caído, meu rosto estava próximo do seu e ela me olhava com preocupação. — Esta se sentindo mal de novo? Seu coração está acelerado e seu rosto está vermelho. –Sussurra colocando sua testa na minha testa ainda suada. A proximidade maior fez com que eu ficasse ainda mais nervosa, o que essa garota está fazendo?! Eu me afastei um pouco e NÃO senti falta do calor do seu corpo.

— O que nos estamos fazendo na floresta? –Digo com a voz falha me controlando para não surtar de novo. Camila mesmo com um olhar preocupado deu um sorriso de lado e me puxou para perto colocando o dedo indicado nos meus lábios em um sinal de silencio e apontando para o outro lado do tronco.

— Isso... –Diz e eu, desconfiada, olho por cima do tronco. Atrás do tronco caído tinha um pequeno lugar mais abaixo com um lago onde em sua margem aviam alguns animais com um focinho e orelhas medianos, corpos grandes e fortes e pelos das cores cinza, castanhos e um preto.

Lobos...

Eu nunca imaginei que veria uma dessas criaturas tão perto e tão longe ao mesmo tempo. Para chegar a esses lobos eu teria que enfrentar uma queda de, no mínimo, 4 metros. Eles estavam na beira do lago, alguns tomando água, filhotes brincando e um preto encima de uma pedra vigiando todos os outros, parecia procurar qualquer sinal de perigo, ele deve ser o Alfa. Quando eu menos esperava o Alfa virou seu rosto para nossa direção, seus olhos azuis pareciam nos analisar. Eu estava tão encantada com o que estava vendo que nem percebi quando outro lobo saiu da floresta, esse diferente dos outros era branco com uma mancha preta que cobria a orelha esquerda e a metade do seu focinho, fazendo com que ele parecesse ter dois rostos diferentes. Esse lobo vinha de mancinho por trás do lobo Preto e quando eu percebi que ele iria atacar a única coisa que eu consegui fazer foi gritar:

— Cuidado! –E aponta para o lobo diferente. O preto parece ter me entendido e olhou para trás quando o lobo diferente o atacou os dois lobos rolaram pelo chão em uma violenta briga com mordidas e arranhões, eles com certeza estavam tentando matar um ao outro. O preto estava perdendo e provavelmente seria morto, mas do nada os dois lobos se separaram e um lobo Castanho saiu da floresta rosnando para os dois, esse lobo era um pouco menor que os outros dois, mas parecia que o preto tinha medo dele já que o mesmo faz algo como uma reverencia para o mesmo, eu com certeza estou ficando louca. Acho que eu estava errada, esse é o verdadeiro Alfa. O lobo castanho estava no meio dos dois, mas se concentrava apenas no lobo diferente, parecia que os dois estavam tendo uma discussão até o lobo branco rosnou e pulou no castanho que recuou para o lado e deu uma patada no branco que foi jogado para o lado, mas se recuperou novamente e voltou para cima do castanho que também avançou dessa vez. Os  dois se atacavam sem dó mas era clara a vantagem do castanho que era mais habilidoso e veloz, no final o lobo branco deu um arranhão no focinho do castanho o que parece ter enfurecido-o já que o mesmo derrubou o lobo branco, que caiu de lado, e pisou no pescoço do mesmo rosnando em sua cara, o rosnado foi tão potente que fez com que eu me encolhesse, o lobo branco parece ter ficado com medo já que seu choro era audível. O lobo castanho estava prestes a matar o branco quando parou e olhou em minha direção e saiu de cima do outro lobo que levantou e começou a mancar para a floresta, quando o mesmo desapareceu o lobo castanho moveu a cabeça e o preto que estava quieto até agora foi na direção do branco e o castanho sumiu em alta velocidade para dentro da floresta e em fim eu soltei o ar que nem percebi estar segurando.

— Você viu isso? –Olhei para o lado procurando a Camila e percebi que ela não estava. — Camila? – Pergunto olhando em volta. Eu estava prestes a gritar seu nome quando ela apareceu correndo.

— Eu... Estou aqui. –Diz ofegante e com a mão na bochecha, parece que ela correu uma maratona fugindo de javalis. Ela estava suada e com os cabelos mais bagunçados que normalmente, seus coturnos táticos sujos de lama, sua calça cargo estava com alguns respingos de lama, mas só isso, porem sua blusa cinza estava completamente destruída com vários rasgos e suja de lama, era possível ver seu sutiã preto por um dos rasgos, mas ela nem se ligou nisso. Procurei por seu casaco de exercido, mas ele tinha desaparecido. Ela estava literalmente destruída.

— O que ouve com você? – Pergunto preocupada. Ela foi brigar com um tigre para ficar com a blusa toda rasgada? Cheguei mais perto e pude ver alguns arranhões superficiais em seus braços e rosto, e um filete de sangue saindo de sua bochecha, ok ela realmente brigou com um tigre ou um gato nervoso. — Onde estava? – Perguntei tirando sua mão da bochecha, mesmo com protestos, e observando o pequeno corte em sua bochecha esquerda, acho que eu não tenho nenhum band aid aqui.

— Esta tudo bem. Eu fui... Procurar um lugar melhor para ver os lobos e... E acabei caindo... –Diz com um sorriso culposo e eu arqueei a sobrancelha. Que desculpa mais esfarrapada — De um barranco... Isso de um barranco e rolei rasgando a blusa e perdendo o meu casaco. –Diz tentando melhorar a desculpa. Ok é obvio que isso é mentira, mas eu não vou pressionar porque as pessoas fazem isso comigo e eu odeio, ela também deve ter um motivo para não contar a verdade. — Tem um kit de primeiros socorros na minha mochila. –Diz apontando para sua mochila. Eu a olho com um olhar questionador. — O que? Nunca se sabe quando vai precisar. –Diz dando de ombros e eu apenas reviro os olhos abrindo sua mochila e procurando o kit. Dentro da sua mochila tinha apenas um caderno preto com dois olhos como capa, o interessante é que os dois olhos são verdes... ok ignorando. Também tinha um estojo preto com varias bananas estampadas o que chega a ser fofo e engraçado. Seu celular, que tem uma capa azul com nuvens e com a frase “Eu sou de Homeword” escrita e com vários minérios como diamante, ametista, perola, quartzo e ruby, ela assiste desenhos infantis? Ela também tem um caderno menor com a capa toda preta e um elástico prendendo as duas capas, deve ser um diário... Uma caixinha com vários broches de series como Friends e Orange Is The New Black, de desenhos como Finel Space e Como Treinar seu Dragão, filmes como Simplesmente Acontece e Minions, emots e de um da bandeira de Cuba. Tinha alguns doces e por fim um saco lacrado com uma cruz vermelha e as palavras “Primeiros Socorros” escritas em vermelho. Peguei a sacola e mandei que ela sentasse ao meu lado no tronco caído, com cuidado para não cair.


Notas Finais


Por favor comentem o que acharam


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...