1. Spirit Fanfics >
  2. Messy Memories >
  3. Descobri o que exatamente...?

História Messy Memories - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


2° capítulo galeraaaa, desculpe a qualquer erro ortográfico =^-^=

Capítulo 2 - Descobri o que exatamente...?


Fanfic / Fanfiction Messy Memories - Capítulo 2 - Descobri o que exatamente...?


Pov Harry


Eu estava dormindo tranquilamente quando ouço batidas na porta.

Uma hora dessas...? Mas quem... - Harry abre a porta e como reação, quase cai no chão por ver, simplesmente, Draco Malfoy.

- Finalmente você acordou!

Malfoy parecia impaciente. Por que diabos ele estava fazendo ali? Logo pela manhã?

- O que você está esperando? Se arrume logo para a gente ir tomar café.

Eu tomo um banho rápido, coloco meu uniforme e saio para fora do quarto.

- O que você está fazendo aqui? - perguntei bastante confuso.

- Eu já disse, para tomar café com você! Vem!

Ele levanta a mão, o que faz eu pegar na minha varinha, preparando para me defender de que ele lance algum feitiço ou algo do tipo.

Mas não, ele apenas pega meu pulso e me arrasta para o Salão comunial.

Eu estava surpreso demais para ter qualquer reação.

O caminho foi silencioso. Eu não parava de pensar em mil e uma possibilidades do por quê disso estar acontecendo. 

Quando eu menos percebi, já estávamos em frente ao salão comunal, com algumas pessoas olhando (porque ainda era muito cedo)


As pessoas não paravam de encarar a gente, afinal, era muito estranho a gente está junto sem brigar ou trocar insultos.

Então ele me levou até a mesa da sonserina, onde tinha poucos sonserinos.

Ok… que porra tá acontecendo aqui? 

A gente se senta e começamos a comer, mas era quase impossível comer normalmente com os cochichos do pessoal desconfiado.

Eu não parava de pensar no que está acontecendo.

- Malfoy…? - perguntei preocupado.

- Sim, Harry? - perguntou Malfoy desconfiado pelo fato de Harry ter dito seu segundo nome.

- Por que você está me tratando legal? Por que me arrastou para comer aqui com você? E Por que você está me chamando pelo primeiro nome!? - perguntei com as sobrancelhas franzidas.

- Porque somos amigos… - respondeu Malfoy confuso

- QUÊ!? - gritou Harry se levantando bruscamente da cadeira.

Isso não pode estar acontecendo. Por que comigo? Talvez… ele esteja apenas brincando com minha cara! É, é isso, ele sempre vai ser meu rival, Malfoy não perderia nenhuma chance de brincar com minha cara.

- O que foi Harry…? - perguntou Malfoy preocupado.

- Eu cansei dos seus joguinhos Malfoy! Fique longe de mim! - falei com raiva.

Saio andando rapidamente do Salão Comunial com todos me olhando.

Até que eu percebo que estou sendo seguido. 

- Pare agora mesmo, Harry James Potter! - Falou Malfoy irritado.

Diminuo a velocidade, dando mais alguns passos cautelosos. 

Então eu me viro com a varinha puxada e apontada.

- Você não confia em mim? - perguntou Malfoy.

- Por que eu deveria?

Seu olhar cortou o loiro. O sonserino suspirou impaciente, enfiando algo em suas vestes. Os lábios de Malfoy ergueram-se.

 - Acalme-se. Você está muito nervoso. - disse Malfoy se aproximando lentamente.

Harry abaixou o braço relutantemente.         - Você nunca me deu uma razão para confiar.

Antes que ele percebesse, suas costas atingiram a parede. Sem fôlego, Harry se viu apertando os olhos em pânico para o Sonserino, e suas mãos estavam presas acima dele. Malfoy se inclinou contra a fútil surra de Harry, a meros centímetros do rosto furioso do moreno, - Não sei por que você não confia em mim Harry, depois de tudo que passamos…

Harry só podia cair frouxamente contra a parede, olhar desafiadoramente e notar vagamente que o loiro cheirava a hortelã.

Era óbvio que Malfoy viu sua ação. Eles estavam, ao que parecia, escondidos da vista, e o garoto estava à sua mercê. Ele sorriu em triunfo, aninhando-se no pescoço de Harry. - Acho que você entende a situação.

Harry apenas olhou, raiva e confusão subitamente enfeitando suas bochechas cheias de vento, - Por que você está fazendo isso...?

Malfoy se afastou, - O quê?

O moreno olhou para o lado: - Tudo isso. 

Ele respirou lentamente: - O que você quer de mim?

Malfoy fez uma pausa, um sorriso endurecido esculpiu suas feições. Harry arriscou um olhar por baixo da franja escura e vislumbrou alguma emoção indefinível no rosto de porcelana do loiro.

- Eu realmente pensei que você teria descoberto.

Isso era ...  amargura?

O grifinório olhou para ele, tentando mascarar sua curiosidade. - Descobrir o  que exatamente ...?

Malfoy balançou a cabeça levemente, mas para Harry ou para si mesmo, o moreno não tinha certeza. Harry suspirou derrotado, balançando a cabeça em suas mãos, - Olha, você vai me deixar ir?

Parecia que ele estava deixando. Mas, depois de um momento, parecendo um gato com um brinquedo, Malfoy sorriu maliciosamente: - Ainda não, Potter.

Harry não gostou do brilho predatório nos olhos do loiro. Ele estava se sentindo extremamente inquieto novamente, procurando possíveis rotas de fuga. Seus olhos voltaram para Malfoy, e sua pele formigou, - Malfoy, eu-

O loiro o interrompeu, apertando seus quadris pesadamente nos de Harry. O moreno soltou um pequeno suspiro, assustado pelo atrito repentino. Malfoy entrou, pressionando os lábios gelados na curva do pescoço do Grifinório. Harry podia senti-lo sorrindo contra sua pele enquanto ele girava a cabeça, lutando para fazer suas pernas repentinamente gelatinosas trabalharem. Ele estava congelado no lugar.

Preso.

Sua varinha estava aninhada no chão branco a seus pés, inacessível. Ele estremeceu quando a mão livre de Malfoy viajou para baixo, explorando novos territórios. Um 'Accio' morreu na garganta de Harry, estranhamente, junto com o impulso de fugir.

A febre repentina em seu corpo, a sensação das mãos enluvadas do loiro percorrendo-o, não se tornou tão indesejável.

As calças macias de Harry encheram o ar silencioso entre elas, confusas e zangadas por serem pegas de surpresa, por serem vulneráveis.

A mão restritiva de Malfoy afrouxou, mas Harry não tentou correr. Os membros enfraquecidos caíram frouxamente ao redor do pescoço da Sonserina, depois se contraíram quando Malfoy descobriu um  problema muito mais premente .

- Aah-!

Harry sentiu os lábios se curvarem contra a clavícula. Quando a camisa dele foi desabotoada?

Seus dedos se moveram para cima, enredando-se nos fios loiros. Por que ele estava gostando disso?

Ele gemeu um pouco, depois mordeu o lábio, se cortando. Não, ele não podia deixar Malfoy vencer.

Ele-

- Harry!

- Harry, onde você está!?

Gritou seu amigo Ron, e sentiu Malfoy libertá-lo instantaneamente. Harry quase caiu no bunda no chão.

Os gritos distantes de Ron e Hermione cortaram sua névoa. - Droga! -  ele rapidamente puxou a capa de volta no lugar, consertando o botão superior. Ele lançou um olhar penetrante para o loiro ao lado dele, que passava a mão pelo cabelo, parecendo irritado, mas imperturbável.

Harry deu um passo, tropeçou e depois partiu na direção das vozes de seus amigos. O que diabos é isso tudo?

Ele apertou os joelhos, dobrou-se, os pulmões ardendo. Ele olhou, frustrado, para o chão branco.

- Aí está você!

A trituração chegou aos ouvidos do Grifinório e uma sombra caiu sobre ele. Ele olhou para cima.

- Mione, aqui está ele!

Harry viu a garota de cabelos espessos se libertar da multidão atrás de Ron. Alívio inundou seu rosto rosado, - Oh, graças a Deus, Harry, por que você não me acor-

Pelo olhar que cruzou o rosto de Ron naquele momento, ele só podia assumir que Malfoy finalmente surgira atrás dele.

Ele quase podia sentir a presença zombeteira do sonserino, - Granger, Weasley.

Ron se aproximou de Hermione, que tentou parecer o mais digna possível sob seus cachos esvoaçantes pelo vento, - Cai fora, Malfoy!

- Protege sua namorada de sangue ruim, como sempre - o loiro cuspiu. Harry ainda não tinha ousado se virar.

Os rostos de seus amigos coraram.

Ron parecia pronto para explodir, mas Harry ouviu Malfoy se mover, e o loiro passou por ele, parando entre ele e os outros. - Bem, por mais fascinante que eu ache a sua braveza, eu realmente devo  ir.

E o bastardo teve a audácia de piscar para ele.

Harry ficou furioso. Malfoy acenou zombeteiro para seus amigos, zombando ironicamente, depois desapareceu no caminho.

Os três permaneceram em silêncio por um momento, cada um ecoando as respectivas ondas de aversão. Finalmente, Hermione relaxou os ombros, suspirando, - Vamos embora.





Notas Finais


Espero que tenham aproveitado a pequena internação quente entre o Harry e o Draco ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...