História Mestre do Gelo (BDSM) - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Camus de Aquário, Kanon de Gêmeos, Miro de Escorpião, Mu de Áries, Saga de Gêmeos, Shaka de Virgem, Shion de Áries
Tags Afrodite De Peixes, Aiolia De Leão, Aiolos De Sagitário, Aldebaran De Touro, Camus De Aquário, Dohko De Libra, Kanon De Gêmeos, Mestre, Milo De Escorpião, Mu De Áries, Saga De Gêmeos, Saint Seiya, Shaka De Virgem, Shion De Áries, Shura De Capricórnio
Visualizações 87
Palavras 3.107
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 10 - Fetiche ou BDSM?


Pov. Milo

Estava tomando café sentado ao lado da cadeira de meu mestre enquanto ele lia jornal, ele não estava brincando mesmo, me usou 3 vezes ontem a noite, comigo preso na castidade como agora, não nego que tenha sido bom, quando ele estava quase gozando pela 3ª vez e prendendo a porra dele dentro com um plug, pela primeira vez eu caí no subespaço, nada mais importava a não ser o prazer do meu mestre, só queria ter o prazer do meu mestre dentro do meu corpo, ter a honra de ser utilizado como um objeto para saciar seus desejos. Nunca em toda minha vida me senti tão relaxado, leve, parecia que eu ainda estava voando, estava me sentindo tão leve, que sentia que poderia voar.

_Escravo, hoje nós vamos ao clube. Disse mestre Camus e eu concordei, não estava mais preocupado em ficar nu, só queria ver os olhos dele brilhando de orgulho, mas eu sei que se não estivesse no subespaço eu ficaria muito nervoso e ansioso, agora não, somente quero agradar meu mestre do jeito que ele deseja.

_Sim senhor. - Disse sem olhá-lo

_Você não irá nu hoje, hoje será a apresentação da escola BDSM, já tem mais de 50 alunos, mas tenho certeza que irá cair essa quantidade de alunos. - Disse mestre

_Mestre, o senhor acha que essas aulas trarão mais segurança? -  Perguntei

_Haverá aulas tanto para submissos quanto para dominantes e para os dois em conjunto também, acho que ajudará meu, meu irmão Dégel é um switch ele vai lecionar, assim como os dois companheiros dele Kárdia que é um dominante e Sthefany que é uma escrava, teremos Asmita, Shion, Saphire, Shaka, Saga e Kanon, vai ser muito importante isso, o interessante é que pode ser utilizado tanto por quem já sabe quanto por quem é novato, pois haverá pessoas que irão lecionar áreas específicas, como Shibari por exemplo. -Disse Camus

_Vai ser divertido mestre. - Disse sorrindo levantando um pouco os olhos, sem ousar trocar olhar com ele.

_Depois que terminar o café tome um banho e eu vou deixar uma roupa em cima da cama que quero que utilize. -  Disse Camus tomando um pouco de café

_Sim senhor. - Disse voltando ao meu café.

Pov. Radamanthys

Perfeito, amanhã a primeira parte do plano será posta em prática, Milo meu querido, você vai ser meu e se arrepender de ter me negado quando estávamos na faculdade, o bom dele não saber quem sou eu de verdade é que posso estar sempre por perto, você será meu, nem que seja a última coisa que farei na minha vida.

_Sr. Radamanthys. – Disse Pandora e eu a olhei na porta do meu escritório, nós temos uma empresa fachada chamada Império Espectral, vendemos semi joias e joias, temos que ter uma cara para mostrar ao mundo e a polícia não nos pegar, dentre todos os chefes da máfia, eu sou conhecido como O Invisível, a polícia nunca conseguiu ligar meu rosto e os rostos do meu círculo mais íntimo aos nomes, podemos andar livremente sem medo de sermos reconhecidos e presos pela polícia.

_Diga. - Disse

_Hoje vai ter a estreia de uma escola BDSM. - Disse Pandora

_Ele vai estar lá? – Perguntei a olhando e sorrindo

_Camus foi um dos organizadores desse projeto, claro que estará, ele nunca deixaria o escravo em casa assim, principalmente porque o tem a pouco tempo. - Disse Pandora

_Eu deveria me inscrever então, porque assim que fizer ele perder Camus, ele verá que posso ser um dominante para ele. - Disse sorrindo de lado

_Não é uma boa coisa, desculpe Sr. Radamanthys, mas quando se trata de Milo o senhor perde a estribeira, por favor, deixo-nos resolver isso, depois que ele e Camus desfizerem os contratos, podemos introduzi-lo como um mestre experiente, não vamos deixar a falta de paciência estragar todos os nossos planos. - Disse Pandora e eu a olhei friamente

_Tudo bem Pandora, diga exatamente qual o seu plano. – Disse me recostando na cadeira, enquanto ela servia dois copos de bebida para gente.

_O plano é o seguinte ... – Escutei atentamente aquele plano e sorri, ela não era uma das maiores estrategistas à toa, Camus não saberia o que o atingiu.

 

Pov. Dégel

Finalmente conseguimos sair de casa para ir ao evento, vou te contar esses dois demoram muito para conseguirem sair de casa. Meu nome é Dégel, sou irmão mais velho de Camus, sou professor universitário que está de volta à Grécia depois de 15 anos, sou um Switch, tenho um dominante e uma irmã de coleira Sthefany, nosso dominante se chama Kárdia, o pai dele é grego e a mãe é Canadense, Sthefany é Grega e eu sou Francês. Nos conhecemos há 16 anos atrás, no começo Kárdia e Sthefany estavam saindo juntos quando nos conhecemos, não praticávamos BDSM ainda, descobrimos juntos e não paramos, estamos juntos há quase 16 anos. Sthefany é Arquiteta e Kárdia Engenheiro, eles têm um escritório de sucesso juntos, o nome dos dois é bem reconhecido no mercado.

_Até que não era tão longe da nova casa. -  Disse assim que estacionamos na garagem do clube, levou 8 minutos de carro.

_Bem perto mesmo. - Disse Sthefany

_Vamos às regras de hoje, não fale com nenhum dominante sem permissão, apenas com os alunos e submissos, andem sempre atrás de mim, não olhe um dominante nos olhos, se ajoelhem sempre que eu estalar os dedos, não vou tolerar desrespeito, ou tentativa de dominância (seus olhos se viraram para mim), hoje quero os dois submissos, você vai assumir o domínio sobre Sthefany hoje apenas se eu ordenar ou alguém incomodá-la. -  Disse Kárdia

_Sim senhor. - Dissemos e ele colocou as correntes em nossas coleiras, feitas de ouro puro, assim como as coleiras, seguimos em silêncio atrás dele, entramos e a atendente já estava na porta nos recebendo.

_Bom dia Sr. Kárdia, Dégel, Sthefany, quanto tempo não vejo vocês. - Disse Luiza, ela trabalha aqui tem uns 13 anos já, ela é uma submissa.

_Bom dia Luiza, temos muitos alunos hoje? -  Perguntou Kárdia

_Sim, temos 50 ou um pouco mais cadastrados. -  Disse Luiza

_Agora entendo tanta preocupação de Sasha, imagina que bagunça pode transformar pessoas que não sabem nada e são seduzidas por um livro de 58º categoria, podem acabar com um submisso. -  Disse Sthefany

_Tomara que essa ideia dê certo, isso está realmente alarmante. -  Disse Kárdia

_Aqui está onde vão ficar, daqui 20 minutos começa a primeira aula de introdução, em seguida será a sua Sthefany, Camus, Shaka, Shion e os submissos deles já estão lá. Disse Luiza

_Obrigado Luiza. - Disse sorrindo e Kárdia nos guiou até o lugar, era um camarote que fizeram para quem iria lecionar, automaticamente nossos olhos caíram para o chão, para não correr o risco de olharmos para um dominante, assim que entramos onde havia os sofás colocados em formato meia lua Kárdia estalou os dedos e nos ajoelhamos ao seu lado.

_Como vai Kárdia, Dégel, Sthefany, eles têm permissão para falar? – Ouvi Camus perguntando a Kárdia.

_Não, mas pode cumprimentá-lo Dégel, depois vocês conversam. - Disse Kárdia

_Estou bem irmão. - Disse olhando-o sorrindo.

_Kárdia, esse é meu escravo novo Milo. - Disse Camus

_Kárdia? - Perguntou Milo e ouvi meu mestre rir, ele tinha uma risada tão bonita.

_Se conhecem? – Perguntou Camus, senti um pouco de possessão na voz dele

_Ele é meu primo Camus, meu pai é irmão mais velho da mãe dele. - Disse Kárdia

_As aulas vão começar, vai ser transmitido aqui para a televisão do camarote, vamos ver. - Disse Shion entrando com Shaka e ligando a TV.

_Bom dia a todos, espero que estejam animados para as aulas que vamos ter e que nossa escola prospere, quero que saibam que se caso não se identificarem ou não conseguirem compreender o que é realmente um estilo de vida BDSM, vocês não tenham vergonha de se retirarem, tenho certeza que muitos aqui estão baseando que BDSM é o que está nos filmes ou livros, vocês irão perceber que a verdade está passando bem longe do que se mostra naquela triologia de 50 tons de cinza, eu categorizo aquele relacionamento como abusivo com algum fetiche praticado de forma não muito correta e segura. - Disse Sasha e ouvimos um burburinho lá fora.

_Você realmente sabe o que é BDSM? - Perguntou uma voz masculina na plateia e eu olhei Sthefany que estava segurando o riso.

_Tem que rir para não chorar. - Disse ela

_Eu sou uma dominatrix há mais de 14 anos, tenho meu nome como um dos mais seguros para praticantes BDSM, é óbvio que sei o que é, é o meu estilo de vida, a pergunta é, você sabe o que é BDSM? - Perguntou Sasha

_Ora, tem um dominante e uma submissa, elas têm que fazer o que a gente quer e quando não fizerem tem que apanhar por não saber obedecer e fazer as coisas direito. - Disse o cara

_Como assim? - Perguntou Sthefany um pouco assustada assim como todos nós naquela sala

_Primeiro de tudo, isso é relacionamento abusivo, você é apenas um cara que não sabe de nada e acha que sabe tudo, se alguma pessoa estando no BDSM ou não estiver vivendo a vida desse jeito pode denunciar que está errado, você quer espancar uma pessoa por não fazer o que você quer e como você quer, BDSM não se trata apenas de punições, tem que haver respeito, consensualidade entre os participante envolvidos, saiba que um submisso ou escravo só criam respeito por seu dominante quando eles sabem se impor da forma certa e os respeitam, bater não resolve a situação, principalmente quando isso deixa de ser erótico, você tem que aprender muito as coisas antes de vir posar de machão dominante, fique sabendo que muitos aqui podem ter chego como dominantes, submissos, mas isso pode trocar ao descobrir que realmente é um dominante ou submisso, você não tem uma atitude dominante, está tentando se manter no controle, mas você realmente quer isso, parece que está querendo extravasar sua raiva por não ser controlado e ter que controlar, você me parece ter o que a sociedade impõe como homem tem que ser dominante e não se deixa ser feliz. - Disse Sasha

_Você não sabe o que diz. - Disse ele frio

_Quem escolhe o estilo de vida BDSM, vai entender que não há preconceito de nenhum tipo, a pessoa pode ser gorda, magra, pobre, rica, dominante, switch, escrava, submissa, sádica, masoquista, gay ou não, não há preconceito ou diminuição de pessoas por homem ou mulher estar posicionado atrás ou na frente de um chicote, desde que haja consensualidade, tudo vale, mas é importante sempre lembrar, consensualidade é muito importante, enquanto dois querem, dois se divertem e não vira abuso, então tomem cuidado. Hoje pela manhã teremos aula com a professora Sthefany, ela é uma escrava há 16 anos, ela tem um irmão de coleira que é um Switch que também lecionará e o dominante dos dois Kárdia, eles irão lecionar começando por ela, venha Sthefany. - Disse Sasha

_Vamos lá então Sthefany. - Disse Kárdia pegando a coleira dela e a guiando até a porta e ela entrou, Kárdia voltou e se sentou ao meu lado novamente.

_Bom dia a todos. - Disse Sthefany, ela sempre falava em um tom doce e baixo.

_Bom dia. - Dissemos

_Meu nome é Sthefany, sou escrava há 16 anos do mestre Kárdia e às vezes do meu irmão de coleira Dégel que é um Switch. - Disse Sthefany

_Ela não mudou com o tempo Dégel, continua a mesma fofa de sempre. - Disse Saga

_Tem que ver quando ela resolve fazer olho de cachorrinho para convencer Mestre Kárdia do que ela quer. - Disse baixo para Saga e ele riu

 

Pov. Kanon

Estava assistindo as aulas sentado aos pés do mestre Shaka junto com meu irmão Saga que estava no lado direito do nosso mestre, um garçom chegou e entregou o pedido de Shaka e ele nos entregou, um copo de suco para gente.

_Primeiro de tudo, vocês tem que saber o que é fetiche e o que é BDSM, o fetiche é aquela fantasia muitas vezes de ser amarrado ou usar um chicote para apimentar as coisas, sair da rotina, onde tudo começa quando se faz o sexo e acaba, muita das vezes não há um dominante real e está se seguindo o papel, depois volta tudo como antes, agora o BDSM não, o BDSM é um estilo de vida, onde há troca total de poder, mesmo que seja um Switch, um Switch é uma pessoa que se identifica quando dominando quanto sendo um submisso, naquele momento que ele está jogando ele está 100% naquele papel, no meu caso eu sou 100% escrava, não uma submissa e sim uma escrava. Há vários tipos de intensidade no BDSM e em todas elas há troca total de poder e não se resume apenas na hora do sexo, meu mestre sempre costuma dizer que a verdadeira submissão está fora do quarto e é verdade isso, quando está praticando o ato sexual pode colocar o fetiche, mas quando não está no ato, você sente prazer obedecendo ou não? Essa é uma pergunta que devem se fazer, no dia-a-dia eu ficarei feliz de comer ajoelhada aos pés do meu mestre ou senhor se esse for o seu desejo, ou irei reclamar e achar ruim? - Perguntou Sthefany e silêncio se fez no local por um tempo.

_Ela pegou no ponto ali, muita gente realmente pensando sobre isso. - Disse Shaka

_Meu nome é Liana, por que não podem se sentar à mesa não é mais fácil? - Perguntou Liana

_Liana, quando uma pessoa é submissa, pode haver um desconforto quanto a se sentar na mesa com o mestre principalmente quando já está a um tempo com o dominante, quando a pessoa é escrava, definitivamente é ruim, não é bom, os instintos fazem o escravo ou escrava se sentirem mal, porém se ele ordenar sentaremos onde ele quiser até numa cama de pregos, mas isso acontece apenas quando ele está presente, se meu mestre estivesse aqui nessa sala eu estaria mais confortável ajoelhada ou sentada aos seus pés, porém se ele ordenasse que eu sentasse aqui onde estou eu faria, a profundidade de um escravo no BDSM é muito mais forte, o meu prazer está no prazer dele. - Disse Sthefany

_Desculpe a pergunta, mas, seu mestre não acha ruim você estar muito fora do peso? - Perguntou outro cara e Kárdia se levantou furioso estava prontinho para entrar

_Mestre, Sthefany dá conta. - Disse Dégel segurando o braço dele.

_Estou com eles há 16 anos, acho que se isso fosse um problema ele teria pedido que eu emagrecesse ou algo do tipo, vocês precisam entender que padrões estabelecidos pela sociedade não contam aqui, cada um é do jeito que deseja ser, eu gosto de ser assim, meu mestre gosta assim como meu irmão de coleira, o maior mal da sociedade é ficar julgando as pessoas, deveriam tratar todas com carinho, respeito e pronto, sem ficar rotulando o que é certo ou errado. Qual é o problema de um homem ser submisso? Qual o problema de uma mulher dominar? Ter um corpo diferente? Gostar de servir, mandar ou receber ordens? Nenhum, exatamente apenas a gente tem que saber da nossa vida e pronto. - Disse Sthefany

_Eu vou ter uma conversinha com esse rapaz depois das aulas. – Disse Kárdia

_Sthefany sou Carla, você falou de submissão fora da cama, como você vive isso e como se sabe que poderá gostar disso? – Perguntou Carla e Sthefany a olhou.

_Tem um exemplo simples que posso dar, uma pessoa que tem um relacionamento normal, se um homem pede a uma mulher, pega uma cerveja pra mim, ela provavelmente vai xingar um pouco por que ele está com preguiça e pode levantar e ir ou ela pode manda-lo ir buscar, isso não aconteceria entre submissos, eles parariam imediatamente o que estavam fazendo e iriam buscar a cerveja do mestre se ajoelhariam e entregaria a cerveja que ele pediu, o dominante irá agradecer ou fazer um carinho no submisso. Para quem escolhe o lado de servir é inconcebível, é feio e horrível, pode até machucar emocionalmente se ofender um dominante, a gente se culpa muito, uma das piores coisas que pode acontecer é ver o olhar de decepção do mestre pra gente, não há dor pior que essa, por isso há castigos, não apenas corporais, há castigos com vários tipos de intensidade, cada um deve ser aplicado à cada falta e assim que terminar, o dominante tem que mostrar ao submisso que o perdoou, porque acredite isso não vai passar enquanto não for corrigido, ele vai se martirizar até que tenha certeza que o dominante o perdoou, isso não é brincadeira, se um dominante finge saber das coisas, toma um submisso, ele pode acabar com a mente do submisso, em casos graves, se um submisso cai em subespaço o que pode acontecer em cenas e o dominante não sabe como lhe dar, pode acabar em depressão forte, porque estamos propensos a acreditar naquilo que ouvimos ali e assimilar aquilo com mais certeza, se um submisso cai em subespaço e o dominante diz que ele não serve para nada, que ele só faz coisas erradas, ele vai acreditar nisso, mesmo depois que saia do subespaço, então isso não é brincadeira gente, o dever do dominante é cuidar, fisicamente e emocionalmente do submisso, então tomem muito cuidado com isso, foi divertido falar com vocês, porém meu tempo está acabando, espero que divirtam com as outras aulas, meu mestre vai ministrar a próxima aula. - Disse Sthefany se levantando e Kárdia pegou Dégel pela coleira e se levantou.

_Quero os dois comigo no palco. - Disse Kárdia indo até lá e vimos a surpresa de todos quando ele entrou segurando a coleira de Dégel e estalou os dedos onde os dois se ajoelharam um de cada lado dele.

_Muita gente está desanimando, olhe só, Sthefany deu muitas perguntas que eles pararam muito para pensar. – Disse

_Mestre Shion, posso ir ao banheiro? – Perguntou Mú

_Vou com você. - Disse Shion e os dois saíram.

_Kanon, Saga como estão o planejamento do resort? - Perguntou Camus

_Terminamos as plantas baixas, estamos trabalhando nas arquitetônicas agora. - Disse

_Está ficando incrível Sr. Camus. - Disse Saga

_Imagino, precisando de qualquer ajuda para papeis na justiça, falem comigo que eu dou um jeito. - Disse Camus

_Obrigado senhor. - Disse sorrindo, mal podia esperar para poder inaugurar o resort, ele ficaria maravilhoso.

 

 


Notas Finais


Espero que gostem, esse capítulo ficou mais longo. Caso gostem deixem reviews incentiva muito para escrever, tenho muitas ideias para essa fanfic ainda, não tenho dia fixo para escrita, porém faço meu melhor para sempre mantê-los atualizados.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...