História Mestre kakarotto - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Dragon Ball
Personagens Androide Nº 17, Androide Nº 18, Bardock, Bra, Brolly, Bulma, Caulifla, Chichi, Freeza, Gine, Gohan, Goku, Goten, Hit, Kakaroto, Kuririn, Mr. Satan, Tights Brief, Trunks, Turles, Vados, Vegeta, Videl, Whis
Tags Bra, Bulma, Chichi, Goku, Goten, Kakarotto, Trunk, Vegeta
Visualizações 133
Palavras 1.931
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


muito obrigada pelos comentários.
boa leitura a todos.

Capítulo 11 - Um copo de café


Fanfic / Fanfiction Mestre kakarotto - Capítulo 11 - Um copo de café

O elevador se abre. Era ele, mas não estava só havia mais alguém. Como conseguia. Mais uma vez estava perfeito. Alinhado preciso.

-bom dia senhorita – a voz soa firme e cordial como toda manhã- acredito que os relatórios já estejam prontos não é mesmo – ele arqueia o cenho a encarando maliciosamente.

- bom dia senhor vegeta. – ‘como ele é maldito... como eu terminei os relatórios? entre as tarefas que fiz ou enquanto você me devorava na noite?” até as 14hrs estarão todos em sua mesa. – Responde de forma fria e precisa.

“isso que dá você dormir com seu chefe” Bulma pensa

Ele dá um leve sorriso de canto. Então vegeta, Gohan e Turles se dirigem até a sala de vegeta.

Antes de entrar ele grita

-Não quero ser interrompido até terminar aqui mulher!

“ótimo agora tenho tempo de terminar!” Bulma pensa consigo

 

Já era 10 horas da manhã e finalmente Kakarotto acorda,

- Estou um lixo!... Preciso de uma droga de café... que horas são? – ele então olha para seu pulso e coça os olhos. - ótimo... 10hrs da manhã e eu num prostíbulo!

Ele então levanta. Na cama dormia as duas jovens ainda da noite anterior... ele olha para jovens nuas sobre a cama e então dá um sorriso malicioso passando a mão sobre queixo.

-Não. você tem assuntos para concluir- murmura. Finalmente se veste, mas diferente de vegeta ele não põe o maldito colete nem seu blazer... olhando agora... realmente estava acabado...Somente de calça e camisa mal abotoada deixando parte de seu tórax exposto... realmente estava parecendo um daqueles playboyzinhos sem preocupações. A grava é coloca envolta de seu pescoço sem dá o nó, parecia como um pedaço de pano apenas pendurado.

Ele sai e não vê mais ninguém ali... então sai e vê que não havia mais nenhum de seus seguranças...realmente todos haviam começado o dia.

 mas uma vez... então ele entra em seu Koenigsegg CCXR . “ainda preciso de um maldito café!” então ele toma uma rota diferente do que faz normalmente. Ele olha em seu celular 20 chamadas perdidas...- puta merda! - fala alto

- Foda-se!... eu preciso do maldito café... onde tem um café descente nessa maldita cidade.! - esbraveja consigo mesmo.

Finalmente ele acha um café. Era pequeno e bem simplório

-puuuft! Tomara que tenha um café descente. – Ele resmunga mais uma vez.

Ele para o carro do outro lado da rua e desce. Ainda estava acabado da noite anterior.

Ele se senta em uma das pequenas mesas daquele lugar...

-Que decadência kakarotto...- fala mais uma vez para si mesmo os olhos ainda forçavam enxergar com exatidão... aquele lugar era claro demais.

Uma jovem de cabelos negros se aproxima da mesa. Era uma simples garçonete com seu uniforme cor de rosa. Lembrava uma Barbie girl se não fosse pelo cabelo negro preso em um coque preciso. Os olhos também eram negros, e apesar de ser uma simples garçonete tinha lá sua beleza. A boca perfeitamente delineada com um lindo batom carmim. Os olhos eram como um filhote de gato pidão.

- bom dia senhor. O que vai querer hoje. - Ela fala gentilmente

- Um café bem forte sem açúcar- ele soa ríspido

- Algo para acompanhar?

“você é surda? Eu só quero um maldito café!”

- Não. Apenas o café

- Olha pela cara que o senhor está diria que precisa bem mais que um café! – a jovem fala com visível deboche.

“quem ela pensa que é para falar assim comigo? Ela não sabe quem eu sou?”

A jovem se retira e ele a segue com o olhar.  Ela volta com o café e um comprimido

Ela coloca na frente do jovem

- O que é isso? – ele pergunta ríspido

- Um analgésico. pelo que vejo sua noite foi bem longa né? A dor começa após o café. – Ela dá um piscada em meio ao sorriso.

“quanta insolência..., mas tenho que admitir tem um belo sorriso.”

- Ele dá um gole no café “é bom... um café descente!” a jovem sai dali. parecia não se preocupar com quem ele era... nem o que ele fazia.

A cabeça dói “maldita”

 Ele toma o comprimido.

Após findada a xícara ela a chama novamente desça vez pede algo para comer... gostou do café e resolve fazer seu dejejum naquele local simplório.

A jovem anota seu pedido e mais uma vez sai dali o deixando sozinho. Após alguns minutos ela retorna com a bandeja. Então coloca sobre a mesa dele. Quando ela vai sair ele segura a mão da jovem.

-Qual o seu nome mesmo? É falta de educação não se apresentar.- ele soa mandão e controlador

-Come tudinho e eu falo - a jovem fala dando um sorriso.

“como assim? Realmente ela não sabe quem eu sou ou está brincando com a sorte?”

- Você não sabe quem eu sou... sabe? – ele pergunta sério arqueando o cenho

- Eu deveria? – ela responde com um olhar firme e impetuoso arqueando a sobrancelha perfeitamente alinhada.

A voz soa erótica ao seu ouvido.

Ele a olha como se analisasse cada parte de seu corpo até enfim soltar sua mão

Ele se volta a sua mesa e se põe a comer. “definitivamente ela não me conhece... isso me incomoda?” Em um lugar em que todos ao seu redor soavam falsos e bajuladores aquele era a primeira vez que ele não era ninguém... a ultima vez que se sentiu assim era muito pequeno... tão pequeno a ponto de ter vagas lembranças apenas... quase fantasmas de uma vida passada.

Então ele finalmente termina seu café. Então pede a conta. A jovem prontamente a leva. Ele leva a mão nos bolsos. “droga onde está minha carteira?”

Ele passou as mãos em todos os seus bolsos e a garota o olha em cada movimento.

-Esqueceu a carteira? – ela pergunta com um sorriso de deboche-

- Eu vou ligar para alguém- ele responde frio e irritado-

- Vamos fazer o seguinte. você me paga me lanche da próxima vez e ficamos quites – a jovem se aproxima do jovem e com a caneta anota seu número em um guardanapo dando uma piscadinha.

“tá de sacanagem comigo... eu sou m maldito filha da puta dono dessa porra dessa cidade...”

- Mas como sabe se eu voltarei a te procurar? – ele pergunta incrédulo diante da ação da jovem

- Eu não sei..., mas a vida é uma só não é mesmo? Prefiro acreditar que vai voltar...

Então a jovem se vira saindo com a bandeja

- Ei! – ele chama, a jovem se vira novamente- Você não me disse seu nome...

-Chichi... esse é o meu nome – a jovem fala abrindo um sorriso

Ele ainda a olhava estático. Admirado pela simplicidade da jovem. Ela realmente sabia o que queria... e isso era algo que ele realmente admirava em uma mulher.

Seu celular toca mais uma vez

- O que Valery?

- Senhor gostaríamos da presença do senhor para resolver algumas situações hoje.

- Só vou estar depois do almoço, até lá não me perturbe mais.

Ele desliga o celular

Finalmente se levanta e vai até o seu carro. “Ela era realmente real?”

A caminho até sua casa é movido por pensamentos sobre aquela manha~.

Finalmente ele entra em sua casa. Ao chegar no quarto Videl ainda estava amarrada sobre a cama. Ela entra em pânico quando ele entra no cômodo. Ele a olha como se analisasse a situação. O que faria? Queria continuar com aquilo mesmo? Seu olhar era crítico... analítico... distante. Uma neblina estava se aproximando de sua mente.

Ele a solta e vai até o banheiro. Precisava de um bom banho, dessa vez a banheira seria útil depois de muito tempo. Nada é dito. Ela não se mexe na cama, estava estática, Temorosa. seu corpo ainda exibia as marcas da noite anterior.

Tinha medo de falar algo e provocar a fúria dele mais uma vez. Então apenas ficou encolhida naquela cama.

Kakarotto se perde em seus pensamentos.

FLASHBACK ON

-Cala a boca... ele já tem tamanho suficiente para entender como a vida funciona... – um homem grita com uma mulher, um tapa ecoa no ar – você quer respeito? Então tem que merece-lo! Seja pela força... seja pelo medo... me entendeu seu bastartinho?

-Sim senhor- a criança fala.

A pequena criança de cabelos bagunçados estava no chão com um corte no lábio superior ele encarava seu pai com os olhos cheio de lágrimas e o sangue descendo se misturando as lagrimas no chão.

- Limpe essa cara e seque essas lágrimas... você é uma decepção... uma vergonha. Um homem de verdade não mostra suas fraquezas. – O homem fala de forma fria enquanto se retira do local

FLASHBACK OFF

Então as palavras da jovem ecoavam em sua mente

“eu deveria?”

ela realmente não fazia ideia de quem ele era... de tudo que ele faz na vida... de todo o seu mal... ela era a única ponta de luz que ele viu a anos em todo mundo sujo que vivia.

Ele permanece nesse pensamento.

 

 

Valery estava no aeroporto juntamente com alguns seguranças. Enfim os gêmeos haviam chegado.

O jato particular abre sua porta e os passageiros começam a desembarcar. Toda uma comitiva. E finalmente o primeiro aparece seguido do outro gêmeo.

Ambos eram bem característicos russo. Os cabelos loiros beiravam branco. a pele era extremamente branca. eles pareceriam demasiadamente jovens..., mas quem era ela para julgar... seu chefe era tão jovem quanto eles.

A jovem se aproxima, era bela e fria. A boca perfeitamente delineada em um batom vermelho que realçava ainda mais o branco da sua pele e o negro da maquiagem de seus olhos se contrastava com o lilás dos seus olhos. O irmão também tinha o mesmo aspecto da jovem tinha cabelos espetados mais perfeitamente alinhados em um topete quase branco, e os olhos assim como a irmã eram lilás. Ambos andavam em uma sincronia perfeita. Definidamente eram gêmeos apesar de não serem do mesmo sexo, poderiam facilmente dizer que eram idênticos

- Olá. Eu Wiss e essa é minha irmã Vados. – Ele fala com um sorriso gentil

- Olá eu Valery, a assistente pessoal do senhor kakarotto eu vou acompanhe-los por um tour em nossa cidade e finalizar no hotel que ficaram

- Excelente! – exclama os dois ao mesmo tempo.

Eles então começam sua excursão ao lado de Valery.

 

As 14hr vegeta estava de volta à sua sala. Então Bulma entra com os relatórios.

- hummf! é você mulher! - rosna vegeta, estava estressado “ela não tem culpa, se controle”

- Os seus relatórios estão prontos – ela fala de forma fria

-Vamos logo com isso então.- a voz soa aspera

Bulma então repassa todos os relatórios de forma precisa. Colocando vegeta a par de tudo. Então quando ela finalmente finaliza o telefone de vegeta toca

- Oi Valery

-Os gêmeos já estão no hotel. Deixei-os à vontade com livre acesso aos nossos cassinos. Tudo ficou acertado ara amanha as 18hr no clube do sr yancha.

- O kakarotto já está ciente de tudo?

- Desculpe senhor, mas não consegui contato com ele. Ele desligou seu telefone e disse que não queria ser incomodado hoje, então preciso de alguém respondendo por ele. Tem uma papelada enorme no escritório... desculpe incomoda-lo senhor vegeta, mas ele está tendo um daqueles surtos.

- Tudo bem Valery vou ver o que faço – vegeta fala massageando a têmpora de forma firme.

Bulma o olhava, ele realmente estava tenso, estava preocupado.

“ele tinha que surtar perto de um encontro tão importante assim? Maldito Kakarotto, vai sobrar tudo para mim mais uma vez!” vegeta estava pensando consigo quando sentiu duas mãos leves sobre seus ombros.


Notas Finais


espero que tenham gostado do capitulo. mas tarde teremos mais um. ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...