História Mestres de Monstros - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Amizade, Batalhas, Estratégias, Misterios, Monstros
Visualizações 43
Palavras 1.335
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Agora vamos ver qual dos dois falam muito! rs

Capítulo 5 - A batalha dos rivais!


Fanfic / Fanfiction Mestres de Monstros - Capítulo 5 - A batalha dos rivais!

A Arqueira atira a flecha, é atingida em seguida pelo Chicote Cortante e volta para o medalhão. Em seguida a Domadora e o Tamus se aproximam para atingir a Tartaruga Antiga.

Eric e os outros ficam desesperados, mas antes de os monstros da Bianca encostarem na Tartaruga, a flecha que a Arqueira havia atirado cai em cima da Bora e a atinge. Todos os monstros da Bianca em campo voltam para o medalhão. Todo mundo fica surpreso e espantado com a reviravolta.

— O protegido foi atingido! A vitória é do Carlos! — decreta o juiz.

Eric, bastante animado com a vitória do amigo, e os outros comemoram nas arquibancadas.

Bianca fica sem reação ao saber que perdeu a batalha no último instante. Carlos também não consegue acreditar que conseguiu vencer. Mesmo assim Bianca vai na direção de Carlos e o parabeniza pela vitória.

— Foi uma grande batalha, Bianca! — elogia ele aliviado.

— É uma pena que eu perdi no último momento. Mas como você sabia da fraqueza da Fada Harpista?

— Fraqueza? Eu não sei de nenhuma fraqueza! — Carlos responde surpreso com a pergunta.

— Então como você soube que o Escudo de Luz não era perfeito em cima?

— Na realidade eu ataquei por cima porque vi que uma das flechas que a Domadora rebateu passou por cima do escudo e caiu próximo a ela, então imaginei que talvez eu conseguisse atingir a Bora.

Bianca fica surpresa e diz que, pelo jeito, bons mestres também contam com sorte. Ela aproveita e afirma que foi muito divertido batalhar com ele. Carlos sorri um pouco sem graça e fala que “divertir” não seria a palavra que ele usaria, mas que aprendeu muito nessa batalha.

Ele volta para a sala onde os outros mestres estão bastante aplaudido e aliviado por ter vencido a disputa. Caio o parabeniza pela vitória e diz que foi uma batalha incrível. Shiro se aproxima de Carlos e fala em tom irônico:

— Você realmente conseguiu vencer! Eu não esperava isso de você!

— Eu tive que contar com um pouco de sorte! — Carlos revela timidamente.

— Um pouco? Você contou com ela durante a batalha toda! Você teve sorte de principiante, mas não pense que isso funcionará se cruzar o meu caminho! Eu serei implacável com aquele que me enfrentar!

O narrador anuncia a próxima batalha: Shiro x Ítalo. Todos na sala olham para eles, que vão em silêncio e com expressões sérias em direção à arena. Os mestres ficam na expectativa de ver o que acontecerá devido ao desentendimento que ambos tiveram.

Shiro e Ítalo chegam à arena, e é possível sentir a tensão entre os dois.

— Grande batalha, Carlos! — elogia o Mascarado.

— Você? — Carlos indaga espantado.

— O que foi? Achou que eu não apareceria?

Carlos sente um pouco de medo, mas ao mesmo tempo alívio por ter a chance de enfrentar o Mascarado e poder recuperar o monstro do Eric.

— Foi uma boa batalha, Carlos! Mas precisará de muito mais que isso para me derrotar!

Carlos o olha um pouco assustado e fica em silêncio.

Na arena Shiro e Ítalo se encaram e se preparam para a batalha.

— Parece que é hora de você me dar uma lição! — Shiro diz em tom de ironia.

— Depois da batalha veremos se você vai continuar com esse sorrisinho no rosto! — Ítalo fala também com ironia.

O juiz ordena que eles liberem seus monstros.

Shiro é o primeiro a liberar: Chau (se parece com um papagaio, mas de cor preta, com as garras cinza, seu corpo tem uma faixa cinzenta que vai de uma asa a outra); Laho (parecido com um pombo, mas sua cor é vermelha); Rufico (um urubu, só que azul e tem 1,5m); Águia Real (é uma águia com o corpo cinza e as garras pretas); e Philos (lembra um pica-pau, só que todo preto, com exceção do topete, que é vermelho).

Ítalo também solta seus monstros: Octo (semelhante a um polvo, branco e laranja); Sargo (parece um peixe de cor amarela); Rondon (parece um tubarão vermelho e branco); Crucyger (um golfinho completamente branco e com olhos dourados); e Gigas (uma água-viva).

O juiz ordena que escolham o protegido. Shiro decide pôr o Chau como protegido, e o Ítalo prefere colocar o Gigas.

— A batalha termina quando um dos protegidos for atingido. Comecem a batalha!

Carlos fica atento para conhecer as verdadeiras habilidades de Shiro, que decide começar partindo para a ofensiva usando a Águia Real. Ela voa para o alto e fica próxima ao teto do ginásio. Em seguida ele manda o Laho para o ataque. O monstro usa o Ataque de Ventania (bate as asas e cria uma forte rajada de vento). Ninguém entende o que ele pretende com isso, mas Ítalo parece muito atento a cada movimento de Shiro.

Ele manda o Octo usar o Peão Cortante (gira rapidamente de lado com seus tentáculos esticados). O monstro vai cortando tudo em seu caminho. A ventania do Laho atrapalha a visão do Octo, que acaba não enxergando a Águia Real descendo. A mando de Shiro, ela usa as Garras de Aço (as garras brilham e crescem). Ela acerta o Octo em cheio, e ele fica desnorteado. Antes que possa se recuperar do ataque, o Rufico vem e acerta uma cabeçada que lança o Octo num dos lagos da arena. Os espectadores ficam surpresos com as habilidades que Shiro apresenta e a velocidade com que cria estratégias de ataque.

Shiro já começa a zombar de Ítalo quando do lago surge o Sargo e usa o Ataque Atordoante (cria um círculo de energia em volta que atordoa o oponente). Rufico é pego de surpresa e vai caindo, mas o Laho usa a ventania e cria um pequeno tornado embaixo do Rufico que o mantém no ar. Ele vai se recuperando, mas o Rondon surge do lago para mordê-lo. Antes que possa fazer alguma coisa, Philos o acerta em cheio com seu bico e o joga de volta no lago. O Rufico se recupera, e eles voltam para junto dos demais monstros.

Paulo fica impressionado com as habilidades de Shiro e lembra que sua família é conhecida por ter Mestres de Monstros voadores. Ele se pergunta se Shiro seria capaz de derrotar o Mascarado, já que Carlos parece não ter muita confiança em si mesmo.

Carlos observa a tudo surpreso.

Eric, das arquibancadas, fica bravo por ver que Shiro está se mostrando um bom Mestre de Monstros, mas ainda assim alimenta as esperanças de ele ser derrotado.

— Parece que eu te subestimei! — Ítalo abre um leve sorriso. — Mas é hora da reação!

Ele envia o Crucyger, que surge do lago e usa o Terremoto (ele pula, bate as nadadeiras e cria um terremoto). Ítalo sorri, imaginando o que Shiro poderá fazer. O Terremoto vai chegando até os seus monstros. Então Shiro ordena a eles que voem em círculos rapidamente. Ao voarem juntos assim, eles criam um tornado que colide com o Terremoto e ambos se desfazem.

— Até que você não é ruim como eu esperava, Shiro! — Ítalo diz em tom irônico.

— Pena que eu não possa dizer o mesmo! — Shiro fala sério.

— Você não perde esse orgulho mesmo! — Ítalo está indignado.

Shiro manda a Águia Real novamente voar o mais alto que puder.

— Esse truque não vai funcionar duas vezes! — Ítalo avisa, já se preparando para defender o ataque da Águia.

— Um mestre de alto nível não precisa de truques! — retruca Shiro. — Rufico, use a Visão Interior!

Os olhos do Rufico brilham, e ele consegue enxergar a energia que cada monstro possui. Ele percebe que o Octo é o monstro que está mais vulnerável no momento, embora seja o mais poderoso e passa isso a Shiro por modo telepático.

— Águia Real, ataque o Octo com as Garras de Aço!

— Esse foi um grande erro, Shiro! — Ítalo afirma sorrindo.

Continua



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...