1. Spirit Fanfics >
  2. Meu amado sensei >
  3. Posses, cerimônias e comemorações

História Meu amado sensei - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Desculpem novamente, achei que postaria antes!!!
Capítulo bem tranquilo, alguns conflitos e pontas soltas, mas espero melhorar os próximos!

Boa leitura!

Capítulo 16 - Posses, cerimônias e comemorações


Fanfic / Fanfiction Meu amado sensei - Capítulo 16 - Posses, cerimônias e comemorações

Lavava o rosto a fim de clarear os pensamentos. 

Ele não podia simplesmente ignorar o que tinha feito. Ou pedir para que Sakura o fizesse. 

Via que tinha sido muito relapso com tudo o que sentia nos últimos tempos. 

Mas reconhecia que todo aquele desejo havia crescido gradativamente dentro de si e o levado até aquele ponto. 

Agora que tinha acontecido, claro que depois de muito resistir aos seus impulsos, deveria lidar com os fatos.

Por isso, saiu do banheiro com os olhos plissados e um sorriso amarelo. 

A típica expressão de desconforto, Sakura concluiu, sentada na beira da cama.

- Quer tomar um chá comigo na sala? - ele lhe perguntou. 

Ela sabia que assim como na noite anterior estava prestes a tomar a decisão errada. 

Não só não deveria ter vindo, como não deveria ter dormido na casa dele e  muito menos estar aceitando um convite como aquele, como se fosse comum esse tipo de intimidade.

Tomavam café da manhã como no dia das torradas, o primeiro dia da série de  incidentes inapropriados. 

Sentados à mesa, um de frente ao outro. 

Kakashi vestia uma calça de moletom e Sakura a mesma camisola transparente.

Assustadoramente pareciam um casal de meia idade. 

Não fossem os 22 anos de Sakura. 

- Você está bem?

Kakashi acenou em concordância, tomando lentamente seu chá de hibisco com gengibre. Um braço levava a xícara de porcelana aos lábios e o outro estava apoiado sobre a mesa. 

Sakura tinha as duas mãos entre seus joelhos, os ombros caídos, os olhos no chão. A xícara intacta a sua frente. 

- Não gostou do chá? - ele perguntou.

- Não é isso… 

Kakashi praguejava por dentro, sabia que o que ela tinha para falar em seguida era incrivelmente indevido e desconfortável. 

Em outras situações talvez pudesse voltar a sentir-se confortável e aberto com ela. 

Mas naquela circunstância apenas piorava tudo. 

- Eu sou uma péssima pessoa. 

Ele dividia da mesma sensação. 

Não que ela o era, mas que ele era baixo e sem escrúpulos. 

Entretanto, Sakura não parecia querer compartilhar a culpa. 

- Realmente acredita nisso? 

Sakura enfim olhou para ele. O olhar dele estava distante, mas ainda assim a arrepiava.

- Olha o que eu fiz você fazer. - ela reforçou. 

Kakashi largou a xícara na mesa e cruzou os braços, a analisando. 

Tentando a todo custo não focar naqueles dois pontos escuros, que eram seus mamilos, em sua camisola. 

Falhou miseravelmente em todas as tentativas. 

- Acha mesmo que conseguiria me convencer, caso precisasse? 

Sakura viu quando os negrumes olhos de Kakashi subiram de seus seios para o seu lábio e depois para seus olhos.

- Não que eu admire nossas atitudes… - acrescentou, estreitando o olhar - Mas entendo o porquê.

Sakura respirava pesadamente, sentindo-se novamente em chamas.

Ele era pecaminosamente sensual. 

Ficou em silêncio não por não ter o que dizer, mas por ainda se sentir muito envergonhada. 

Havia gemido como nunca sobre os lençóis de Kakashi, tido aqueles lábios sobre ela e não o retribuira de forma alguma. 

Acreditava que mesmo com palavras tão doces, no fundo ele se sentia frustrado. Com ela.

Sakura, como para piorar tudo, dormira com menos de cinco minutos.

Ficara o admirando, ainda deitada, virada em sua direção e ele, com os olhos serenos e suas mãos calejadas colocando seus cabelos atrás da orelha, era sua última lembrança antes de apagar.

E agora estava ali, a sua frente, sem mais um pingo de coragem para lhe dizer meia palavra sobre o ocorrido. 

Só queria desaparecer. 

Por sua sorte, o universo parecia tentar atender a seu pedido, de certa forma.

Quando começara a bebericar o chá, a fim de esquecer o momento de desconforto, alguém parou a porta do apartamento. 

Ficaram atentos, os ombros tensos.

Sem bater, com a voz firme chamou pelo nome de Kakashi.

O corpo de Sakura estava rígido tal uma pedra. Congelara a xícara a caminho de sua boca, olhando alarmada para Kakashi. 

Como sempre, seu antigo sensei apenas suspirava, olhando cheio de desinteresse para sua porta.

Nada respondeu.

- Não queria ter vindo tão cedo… Mas foi a pedido deles, querem que eu te escolte até a torre… Para evitar imprevistos. 

Ainda sem resposta, ele prosseguiu: - Você sabe, caso um gato preto atravesse seu caminho… Ou uma senhora com sacolas precise de você. 

Sakura tranquilizou-se por uns curtos segundos, não se impedindo de achar graça daquela colocação. 

Sorria com os olhos baixos.

Kakashi bufou e disse: - Entendo... Acredito que não tem como eu ser mais azarado.

- Como é? Não consigo te escutar daqui…

Mas Sakura escutara, inclusive erguera o olhar para certificar de que ele estava a encarando intensamente. 

Viu quando se levantou a contragosto. 

- Eu disse que estou pronto em 10 minutos. 

Sakura podia entender que o estar pronto incluía tê-la longe de seu apartamento.

- Ok, vou te esperar nas escadas. 

Kakashi e Sakura esperaram até que os passos sumissem pelo corredor. 

Sakura soltou todo o ar que prendia.

- Céus, tenho que ir. 

- Imagino que não assim. - ele lhe respondeu, olhando atentamente as suas vestes. 

- Nossa, eu deveria ter trago um casaco.

Kakashi balançou a cabeça, sua mente o traindo. 

Ficou tentando imaginar como Sakura havia chegado até ali de madrugada, tão pouco vestida. 

- Vamos… Eu te arrumo algo. 

Sakura queria lhe dizer que chamá-la para seu quarto não era uma boa ideia, não caso quisesse ajudá-la a continuar sã.

Sem dizer nada o seguiu. 

No quarto, enquanto Kakashi vasculhava seu guarda-roupa, ela não conseguia parar de olhar para aquela cômoda. 

Lembranças a invadiam com um bombardeio de emoções.

Kakashi virou em sua direção e esticou um moletom largo como se fosse vestí-la.

Sakura falou de prontidão: - Pode deixar que eu me visto! 

Ele acharia graça daquela cena se também não estivesse sendo arrebatado por intensas memórias.

Só pensava em como queria tê-la mais uma vez em sua cama e como era repugnante querê-lo depois de quase terem sido pegos. 

O ninja de escolta ainda estava há poucos metros dos dois, ele não deveria achar tentador uma ideia como aquela. 

Sakura, para piorar a sua divagação, virou de costas para se vestir. 

Não conseguiu desviar os olhos enquanto ela erguia seu corpo para passar o moletom por sua cabeça. 

A barra da camisola ergueu até o limite da curva de sua bunda. 

Suspirou. 

Sakura pareceu ter escutado aquele som, pois ainda descendo o moletom pelo seu corpo o olhou sobre o ombro. 

Sentiu seu coração acelerar quando notou como ele a olhava. 

Terminou de se vestir e o encarou parada a sua frente. 

Seus olhos negros, que pareciam olhar dentro de sua alma, estavam quase que implorando para que ficasse.

Sustentaram o olhar por breves segundos. 

Kakashi pigarreou e olhou para o lado oposto, em direção a janela. 

- Ah. - Sakura disse surpresa - Eu tenho que ir, certo?

Kakashi meneou com a cabeça. Infelizmente, era o que queria dizer, mas apenas esperou que ela tomasse sua decisão. 

- Se puder esperar até que eu saia, seria mais seguro. - foi o máximo que sugeriu.

Sakura concordou, suspirando, deslizando o pé sobre o carpete. 

Kakashi procurava seu uniforme jounin, mas Sakura não parecia entender que deveria dar-lhe alguma privacidade para trocar de roupa. 

Quando ela entendeu o que ele fazia, enrubesceu e deu alguns passos para frente, voltando a ficar de costas. 

Permitiu-se uma pequena espiada, suficiente para notar que as pernas de Kakashi eram quase tão fortes quanto a suas, mas repletas de cicatrizes. 

Aquilo era uma lembrança dura que de ele tinha longos anos de experiência shinobi. 

Anos estes a mais que ela. 

Já vestido, ponderou. 

Aquela era uma situação muito nova para ele também. Travava batalhas internas sobre como se comportar. 

Decidiu que tentaria ser, pelo menos, cuidadoso. 

Andou até ela, alisou seu cabelo e depositou um beijo rápido em sua testa. 

Subiu sua máscara e partiu. 

Sakura, ainda um pouco perplexa, ficou estática esperando os incontáveis minutos passarem.

E aqueles foram os quinze minutos mais longos da sua vida. 

Estava ainda muito impressionada por ter conhecido um Kakashi tão carinhoso e delicado, ela não se achava merecedora de tudo aquilo. 

E ali, de frente a cama espaçosa e amarrotada de Kakashi Hatake, não conseguia impedir os flashes da noite anterior.

Ele tinha se dedicado a lhe dar prazer. E muito. 

Sentiu o corpo frio.

Teria vindo atrás dele, e Kakashi simplesmente a ofereceu o que tanto queria. 

Entrega e dedicação.

Olhou para como estava com sua roupa, o moletom definitivamente era muito maior que ela. 

Sentiu-se um tanto quanto ridícula. 

Avistou a janela e suspirou, partindo.

Kakashi andava tranquilamente, talvez mais do que deveria ao lado de Genma.

Tentava transparecer uma calmaria que não combinava com aquele dia. 

Pensava em Sakura em seu quarto, escondida, aguardando o momento certo para sair sorrateiramente sobre os telhados, como uma fugitiva.

Era tudo o que não queria para sua ex-aluna. 

E ele fazia parte desse complexo de elementos que não desejava para uma garota tão boa quanto Sakura.

Ela teria para sempre o coração ingênuo de uma pessoa que lutava por tudo o que acreditava.

Era ela aquela primeira faísca, que dava início a tudo, e ele a mais tediosa calmaria. 

 

 

~~~~~~~~

 

E era por conta de todas aquelas coisas absurdas que a acontecera, que ela ainda estava com seu vestido vermelho congelado em sua mão. 

- Ok, Sakura, você não tem escapatória… Aceite. - disse para si mesma, em alto e bom som para que não se tomasse em covardia novamente. 

Não poderia se atrasar.

Gastara muito tempo lembrando de seus últimos atos, quase como se considerasse incapaz de ir até a cerimônia sem causar muito alarde.

Como se fosse chegar e falar ao primeiro que lhe parasse “oi, sou eu, a ex-aluna do rokudaime hokage, a que invade seu apartamento com certa frequência, tenta lhe dar banho e depois fica nua em sua cama com ele entre as pernas”. 

Já havia se tranquilizado o suficiente. 

Ela não iria fazer algo assim.

Porque sequer tivera coragem de falar seu nome, sozinha em sua própria casa. 

Decidida a enfrentar tudo de frente, vestiu seu traje completo, alisando algumas vezes seu vestido para certificar que estava tudo em seu devido lugar. 

Pintou seus lábios de rosa, com o único item de maquiagem que tinha. 

Penteou os cabelos pela décima vez e se olhando no espelho virou as costas e partiu. 

Trancando a porta, suspirou, olhando o caminho, que parecia mais longo aquele dia. 

Teria que chegar ao Memorial de Pedra, onde Kakashi havia exigido que fosse sua celebração de posse. 

Era muito simbólico, afinal de contas, e Sakura entendia muito bem porque tinha tanto significado para ele.

Kakashi era um homem íntegro.

E eu um obstáculo à sua frente, lamentou com pesar. 

Seriam mesmo esse clichê?

 

~~~~~~~~

 

Sakura não conseguia olhá-lo por mais que um quarto de minuto. 

Tentou convencer a si mesma que era por a cerimônia estar tão bonita e ter tanta gente que não havia visto há algum tempo. 

Para completar, estava justo entre Naruto e Hinata, o que era uma completa estupidez a seu ver. 

Por que não ficaram logo lado a lado? Me poupariam bastante! resmungava em pensamento. 

De minuto a minuto Hinata olhava para o Uzumaki e quando ele lhe devolvia o olhar, virava bruscamente. 

Sakura até escutara uns risinhos certa vez. 

Ela mesmo não conseguindo conter um revirar de olhos, soltou um riso curto. 

Estar ali pelo menos a tinha feito melhorar o humor, sentia até mesmo certa empolgação, beirando a ansiedade, em meio aquela multidão de vozes.

Claro que em dado momento perdeu a paciência e foi para o outro lado de Naruto, entrei Sai e ele, dando a desculpa de que o sol estava incomodando. 

Agora Naruto e Hinata conversavam baixinho lado a lado.

Mas assim que a cerimônia deu início e a voz da godaime fez-se ouvir, nenhum shinobi tinha coragem de fazer um barulho que seja. 

O time sete estava na linha de frente, o que para Sakura, era péssimo e torturante. 

Estar acompanhada de Sai, Naruto e Yamato a fazia lembrar de que faltava alguém. Detalhe que tinha ignorado tão bem nos últimos dias.

Sasuke não estar presente a incomodava, mesmo que minimamente.

O que não se comparava ao fato de estar virada em direção a Kakashi, sentado ao lado do monumento sobre uma cadeira de metal antiga.

E ao arrepio que a acometia toda vez que o olhava. 

Era como se pudesse reviver todas as sensações da noite passada. 

Como se ainda sentisse seu toque possessivo em sua pele e o visse mergulhado em si. 

Tinha tido a noite mais incrível da sua vida e agora o ver ali diante todas aquelas pessoas, com todo aquele silêncio, fazia-a sentir novamente suja e ingênua. 

A celebração era solene e sucinta.

Kakashi tinha que ficar o tempo todo de frente à multidão, como para simbolizar que nunca estaria de costas aos desejos da população.

Os primeiros lugares eram reservados aos ninjas que o serviriam e ao redor estavam os moradores, a quem ele seria devoto, transparente e estaria sempre olhando por eles. 

Sakura sabia de cor todos aqueles ritos repletos de simbolismo, devido uma tarde inteira com Naruto e seu exibicionismo exagerado. 

Mas ali agora, infelizmente, só conseguia pensar em como aqueles olhos a encaravam na noite anterior, como faziam com que ela quisesse estar gemendo para ele a sua vida inteira.

Quando Tsunade passou o chapéu de sua cabeça para a de Kakashi Hatake um coro de vozes o ovacionavam. 

Vestiu o manto que Shizune trazia em mãos, ao fundo o coro persistia.

Kakashi então ficou de joelhos, para indicar servidão, aceitando agora o colar cerimonial entregue por Koharu, em nome do Conselho. 

Quando finalmente de pé, fez uma reverência em direção a multidão como todos os hokages anteriores fizeram.

Endireitando-se e estando ereto, Sakura viu quando ele lançou um aviso para Naruto.

Um olhar profundo e demorado, e pode escutar o amigo prender a respiração. 

Ele seria o próximo. 

Os olhos rápidos de Kakashi a varreram por poucos instantes, mas suficientemente intensos para sentir sua boca seca.

Ele não deveria olhá-la assim, suas bochechas coraram.

Todos agora reverenciavam de volta.

Sakura quase se atrapalhara, mas inclinou seu tronco a tempo, mesmo que com certo atraso. 

Sai ria a seu lado e ela lhe dera uma cotovelada como punição. 

O suspiro de Kakashi parecia invadir aquele campo, todos ao redor pareciam consumir-se em alívio. 

O silêncio foi interrompido pelo som de um grande tsurigane de bronze, indicando um novo começo.

Em seguida, todos já falavam ao mesmo tempo e uma aglomeração começava a se formar para cumprimentar Kakashi pelo seu novo e oficializado cargo. 

Sakura sentiu-se um tanto deslocada, mas quando viu Yugao segurar por um tempo mais que necessário o seu cumprimento, decidiu dar as costas aquilo tudo e se refrescar tomando distância.

Ver Kakashi e Yugao cara a cara fez embrulhar o estômago. 

Sua mente a traia, com péssimas imagens traiçoeiras.

Ela sabia dos boatos. Antigos, inclusive.

Mas nunca tinha se importado.

Até aquele minuto.

Só conseguia pensar em como Kakashi tivera ao lado de mulheres lindas e fortes e bem mais experientes que ela. 

O que era péssimo sentir. 

Ele teria sido tão carinhoso e tão dedicado com elas? tentava imaginar. 

O pior era pensar que elas não só retribuíram, mas fizeram mais por ele do que ela na noite anterior.

Sem contar a liberdade que ela nunca teria. 

Seria sempre a aluna socialmente proibida de se aproximar demais. 

Foi estando distraída nesses lamentos que, surpreendida por Ino e seus abraços demasiadamente carinhosos, sua bolsa caiu.

Aberta no chão de terra. 

Agachou para pegar, nervosa com o afobamento de Ino e irritada pelos péssimos pensamentos que estava tendo antes do desastre.

Sakura ainda tentava recuperar seus pertences quando Ino se agachou para ajudar.

A amiga loira segurou uma pequena esfera vermelha e dura entre os dedos. 

Olhava fixamente até que arfou ao reconhecer o que tinha em mãos.

- Testa, com quem você está saindo? - perguntou com tom de voz malicioso.

Sakura sentiu seu corpo gelar. 

De todas as pessoas que poderiam ver aquela pequena pílula escondia na sua bolsa, teria que ser justo a mais indiscreta ninja médica que conhecia. 

- Pare de falar essas coisas em voz alta! - repreendeu puxando de sua mão. 

Ino continuava achando graça, tentando pegar de volta.

- Ora essa, se não está usando dê para mim! 

- Você que se vire fazendo as suas!

Ino gargalhava. Agradecendo a si mesma pela ideia fantástica de assustar Sakura com seu abraço de urso.

- Você está escondendo algo grande, não está? Primeiro aquela ligação estranha e agora isso?!

Sakura sentiu suas mãos suarem enquanto tentava desesperadamente fechar sua bolsa e não responder às provocações de Ino Yamanaka.

Ino tentou amenizar, teria tempo suficiente para descobrir mais tarde.

- Olha, a cerimônia já está no final, desculpe pelo susto, mas só vim intima-la a comparecer na comemoração mais tarde… Acredito que vai ser na sala dos jounin, sabe onde? 

Sakura continuava a ignorar a amiga, começando a acreditar que o fecho de sua bolsa tinha estragado por completo.

Escutou o clique do imã se conectando no mesmo instante em que Ino falava: - Não queremos ver você chorando pelos cantos por Sasuke não ter vindo.

Um choque a acometeu. 

Ela estava aparentando tanta tristeza assim?

Ficou minimamente aliviada por entender, através de Ino, que as pessoas concluíram que era pelo Uchiha não ter estado em um dia tão importante.

Bem como em todos os outros.

Concordou sem entender direito em que se enfiava, enquanto Ino dizia um “até logo, na torre”.

Ino estava certa, estavam aproximando do final, poucas pessoas ainda estavam por lá, e foi quando sentiu alguém encostar em seu ombro. 

Kakashi esbarrava nela sutilmente com seu ombro esquerdo.

Ele tinha os olhos brincalhões e um sorriso de lado. 

- Acho que você foi a única a não me parabenizar. 

Sakura revirou os olhos. Queria desesperadamente que ele sumisse para que não percebe seu coração errando uns compassos. 

- As pessoas reparam nisso, você sabe. 

Sentiu suas entranhas reviraram, acessando as mesmas memórias indecentes. 

Na cama de Kakashi, agora nomeado rokudaime hokage.

Gemendo sem roupa. 

- E por que reparariam? 

- A memória parece distante, mas você costumava ser minha aluna…

Um silêncio pendurou entre eles, Sakura o olhava de canto. Perguntando se parecia tão estranho quanto era pra ela aquela frase e se ele já teria lido todos seus pergaminhos. 

- As pessoas esperam um comportamento diferente de você. 

Sakura bufou. 

- Parece estar falando sobre outras coisas. 

Kakashi amaldiçoou a língua afiada de Sakura. Ela deveria tentar se comportar melhor. 

Ele, pelo menos, estava tentando lidar com naturalidade, já que havia perdido a cabeça. 

Passara o dia ocupado, mas não deixava de pensar nela e nem em como fora incrível senti-la tão entregue. 

Abriu a boca para repreendê-la, mas desistiu em seguida, deixando escapar apenas um suspiro. Ele seria muito hipócrita se continuasse passando sermões vazios. 

Sakura cedeu. 

Fez uma reverência um pouco desajeitada, mas rápida e direta. Com seu corpo erguido ela lhe sorria, um sorriso sincero com a mão esticada em sua direção. 

Sentia-se realmente feliz por ele.

Ele segurou-a devolva.

Sakura sentiu-se desfalecer apenas com seu toque de mão. 

Ela estava completamente cedida aos seus encantos. 

Kakashi sorria, os olhos acompanhando seu sorriso calmo. Era sincero dessa vez. 

- Parabéns, Kakashi-sensei. - disse, querendo provocá-lo por ter pedido para ser mais bem comportada. 

Sustentaram o olhar um do outro, Kakashi agora estava a condenando com suas órbitas escuras. 

Quando Naruto chegou, tremendo de tão agitado.

- A oba-chan liberou a sala dos jounins para a comemoração, mas disse que temos que ser breves - Naruto informou, segurando o ombro de Kakashi e Sakura ao mesmo tempo, para então sussurrar: - Mas ela já está levando sozinha quatro garrafas de sakê.

Sakura então notou que ele estava preocupado. 

Afastou rapidamente sua mão da de Kakashi e olhou alarmada para Naruto. 

- Por Kami-sama, Tsunade-sama está querendo é comemorar a sua saída!

- Foi o que eu disse para Lee e ele não acreditou em mim! 

- Céus… - Sakura soltou, com a mão sobre a cabeça. 

Naruto insistia que deviam chegar antes de godaime para que impedissem o desastre que estava por vir. 

Quando Kakashi pediu para que não se preocupassem com algo assim, já que Shizune era ótima para lidar com esses assuntos.

Sakura então entendeu que Kakashi tentava contornar a situação.

Provavelmente para não ter que ir, concluiu. 

Ao ser arrastada por um Naruto enfático, que não aceitaria opiniões contrárias, perguntou-se se também se não deveria ter encontrado um jeito de esquivar. 

Seu pressentimentos quanto aquela comemoração não era dos melhores.


Notas Finais


Obrigada por ler até aqui!

Será que essa noite promete?
Bjsssss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...