1. Spirit Fanfics >
  2. Meu amado sensei >
  3. Surpresas em dias de festas planejadas

História Meu amado sensei - Capítulo 37


Escrita por:


Notas do Autor


Eiiiii, amores!!!
Obrigada pelos feedbacks do capítulo anterior! Tem sido muito especial postar essa fic com vcs! ♥️♥️♥️
Hoje é o início da última trama e mesmo que não tenha 6mil palavras dessa vez haha tem muita coisa acontecendo!!

Enfimmm, espero que gostem!
Boa leitura 😘

Capítulo 37 - Surpresas em dias de festas planejadas


Fanfic / Fanfiction Meu amado sensei - Capítulo 37 - Surpresas em dias de festas planejadas

Konoha inteira estava imersa sobre uma atmosfera única, cada aldeão parecia vibrar, estavam eufóricos e ansiosos. Cada canto daquela vila parecia estar enfeitado para festividade que tão logo se iniciaria. 

Sakura suspirava enquanto andava por aquelas ruas, grata por ter tido a oportunidade de comemorar tão intimamente com Kakashi nos dois últimos dias... Tinha que se acostumar com aquela agitação e indisponibilidade. Ele já não era um homem facilmente acessível de toda forma. 

Mas podia assumir-se empolgada, estava até mesmo feliz por ver tantas pessoas empenhadas em felicitá-lo com tanto carinho. Sempre o considerou muito digno daqueles cargo e mais ainda de tamanha afeição.

Algumas ruas encontravam-se interditadas e Sakura precisava ir até o hospital apenas para deixar alguns pertences. Por conta da celebração prontamente pegara o turno da noite, o que há dias não fazia. 

Foi quando teve a infelicidade de cruzar com Anko Mitarashi. Quem direcionava juntamente a Iruka as crianças da academia. 

Parou sua lata de suco de feijão no ar, erguendo uma das sobrancelhas e soltou um riso fraco. 

- Ora essa, Haruno… Está errando o caminho de nossa comemoração? 

Iruka estava agachado para ficar na altura de seus alunos, explicando com notas de euforia como deveriam se comportar, frisando como cada detalhe era importante. 

Anko esperava uma resposta tão logo quanto possível, como se até mesmo estivesse a provocando ou instigando-a a assumir algo que não soubesse. 

A jovem de cabelos rosáceos presos em um penteado alto e delicado, tentou balbuciar algumas vezes até que respirou fundo e olhou profundamente nos olhos de Anko. 

- É… Tenho que deixar essas coisas no hospital antes de ir. - Sakura então sorriu, um sorriso quase sereno, não estivesse alguns poucos metros de Iruka. 

Iruka, como para muitos, era a lembrança vívida de um vínculo precioso e único: os primeiros passos de qualquer ninja. 

E de certa forma era ele quem a tinha colocado sobre os cuidados de Kakashi. 

Anko tinha plena consciência dos fatos e das tradições ali impressas, como tudo era intrinsecamente conectado. 

Decidiu então dar-lhes uma colher de chá. Sakura e Kakashi mais que todos viviam sobre uma constante autovigilância, mereciam um descanso. 

- Aproveite o dia de hoje, criança! - disse repentinamente, como se há pouco não tivesse encurralado-a.

Iruka e as crianças quase tiveram que correr para alcançá-la, já que Anko não parecia se importar com quem ficava para trás, apenas seguia seu caminho muito serena. 

Sakura agradeceu a sutileza e continuou seu trajeto calmamente ainda que os motivos de Anko parecessem confusos em sua mente. 

Kakashi, por sua vez, encontrava-se em sua sala, as mãos agitadas as suas costas, um tanto intimidado com aquela multidão. 

O conselho e seu grupo seleto de administradores de sua vida pública haviam decidido celebrar seu aniversário no alto da torre do hokage, interditando as vias mais próximas, onde os aldeãos poderiam se acomodar. 

Uma equipe terminava de ajeitar tudo no terraço amplo e vistoso acima dele e Kakashi sequer lembrava as cores dos arranjos que escolhera. 

Sinceramente, não se dava ao trabalho sequer de importar com aquilo tudo. O fazia por mera obrigação por seu cargo.

Sua comemoração tinha sido um dia antes quando ainda sem se preocupar com seu cargo, passou algumas horas com Sakura a sós, passeando pelas redondezas, desfrutando de sua companhia. 

Quando o chamaram para subir, Kakashi esperou que quando chegasse pudesse dar de cara com ela e seus sorrisos tão doces. 

Para seu completo desapontamento, apenas um de seus alunos se encontrava. Naruto estava impecável ao lado dos Hyugas e prontamente sorriu ao vê-lo.

Kakashi cumprimentou todas famílias importantes da vila e aos demais shinobis presentes sem muita demora e antes que pudesse ir até a grade e reverenciar aos aldeões, pode escutar as rodas da cadeira de Gai chiando sobre o piso de ardósia. 

- Yamato apostou com todos os jonnins possíveis que você iria se atrasar… Já eu, confiei em você! Tenho um rival à altura, ora essa.

Kakashi escutou aquela revelação com a expressão vazia e recebeu três leves tapas nos ombros ainda sem nenhuma reação aparente. Continuava a coçar o queixo por sobre a máscara, o pensamento distante. 

- Não me diga que essa multidão te assusta, Kakashi! - a risada de Gai preencheu a distância entre eles - Você está fazendo um bom trabalho, eles vieram até aqui para lhe agradecer…

Kakashi era muito grato a Gai. Imensamente e especialmente grato por tudo que tinha feito por ele. 

Não era muito difícil entender que toda aquela obsessão de Gai em duelos tinha outras motivações que não aquela insistente rivalidade. Era o jeito que Gai Maito havia encontrado de dizer que não queria vê-lo se afundando, que não queria perdê-lo também para aquela guerra.

E de um modo completamente inesperado aquilo o tinha ajudado muito. Ajudado aquele Kakashi tão jovem, mas tão desacreditado e deprimido a se reerguer.

As vezes não acreditava merecer tanto. 

Mas Kakashi sabia que nem mesmo seu tão fiel e comprometido amigo seria capaz de defendê-lo. Não caso soubesse quem era sua maior preocupação naquele minuto.

Devolveu-lhe os tapas nas costas e assentiu a ele.

Foi caminhando lentamente a frente, vendo como toda a vila parecia muito pequena dali. Não evitou sorrir, mesmo que ninguém pudesse vê-lo fazendo. 

Alguns pais carregavam suas crianças em seus ombros, apontando em sua direção. Foi ovassionado com tanta emoção que seu coração parecia prestes a explodir. 

A imagem de Obito lhe veio fortemente a memória, como se ele pudesse estar ali entre todas aquelas pessoas, o admirando ao longe. 

Aqueles mesmos sentimentos traiçoeiros vieram a borda. E foi quando ela surgiu. 

Pode escutar sua voz timidamente sussurrar um pedido de desculpas pelo atraso a alguém às suas costas. 

Foi o suficiente para fazê-lo virar, mirando imediatamente aqueles globos verdes e esplendidamente radiantes. 

Sentiu-se enfim completo.


 

~~~~~~~~

 

Estava trêmula e zonza, completamente desnorteada.

Sakura sequer conseguia pensar. 

Estava letárgica, mas parecia sentir seu sangue bombear por todo seu corpo e podia apostar que o barulho alto e contínuo que ouvia era de seus próprios batimentos no seu ouvido. 

Sentiu dois braços auxiliando seus movimentos e enfim pode sentar, ainda com a visão turva e os espasmos involuntários. 

- Espere aqui, vou lhe trazer um pouco de água. 

A única coisa que Sakura conseguiu fazer foi segurar firme na mão que a guiara, como se fosse capaz de impedir que se afastasse. 

- Céus, Sakura! Você está muito pálida, precisa se hidratar!... Quer vir junto? Lavar o rosto?

Veementemente Sakura Haruno balançou a cabeça para a voz que interrogava.

Molhar o rosto parecia uma ótima ideia. 


 

~~~~~~~~

 

Assim que a celebração foi finalizada, com as fortes palavras de Kakashi sobre rendição do passado e comprometimento com a paz, uma aglomeração começou a se formar naquele terraço. 

Sakura prontamente os avistou, mesmo que antes não tivesse notado quando chegara. 

Estavam na outra ponta, dando as costas para os outros ali no telhado. 

Como dois bons homens de natureza reservada, gesticulavam pouco, mas quando se entreolharam a tensão era quase palpável. Não precisava de muito para entender que travavam uma séria conversa.

Até a capa esvoaçante de Sasuke parecia entender quão conflitante era aquela cena, pontuando rispidamente no ar a cada lufada.

- Sabe, eu também queria ser qualquer inseto minúsculo para estar ali, escutando esses dois. 

Mesmo se a voz de Ino não fosse tão inconfundível, Sakura nunca se daria ao trabalho de se certificar. Sua amiga tinha um gosto peculiar por aparições inesperadas e dramáticas. Só que dessa vez não a havia assustado, estava muito mais atenta. 

- Mas acho, sinceramente, que pega muito mal para você ficar parada aqui toda tensa os encarado sem piscar. 

Sakura bufou e foi quando desviou o olhar deles e a encarou, aqueles olhos azuis tão grandes e cristalinos a olhavam como uma verdadeira cúmplice.

- Ninguém sabe a minha real preocupação. 

- Acho que nem você. 

 Ino estava certa. Em partes. 

Sakura estava voltando a se sentir confusa com muitas questões. Queria mesmo saber do que se tratava aquela conversa, mas não era por Sasuke e suas idas e vindas. 

Era Kakashi quem a deixava preocupada. 

Só não sabia ao certo o porquê. 

Por que Kakashi estar conversando com Sasuke poderia ser tão alarmante? Por que a fazia sentir com o coração a mão, a boca seca e ter aquelas ondas de arrepio pelo corpo? 

Foi quando Naruto surgiu, com seu jeito gentil e animado de sempre. Não o via desde a festa surpresa afinal. 

- Ino, Sakura-chan! - cumprimentou quando se aproximou, parando em frente à Sakura para perguntar: - Como você está? Sente-se melhor?

- Estou sim, aquilo era só cansaço mesmo. - deu-lhe um sorriso fraco. 

Era sempre bom e nostálgico rever Naruto, mas estava tão envergonhada por ter passado mal naquele dia e acabado com a festa de Kakashi que o que mais desejava era que pudesse sumir. 

Como para facilitar sua vida, viu de canto de olho Sasuke se afastar de seu antigo sensei, partindo, e a chance lhe brilhou os olhos. 

Antes que pudessem contestar, Sakura colocou Ino para dialogar com Naruto em seu lugar e sorrateiramente procurou um trajeto sem muito alarde até Kakashi. 

Facilmente encontrou, todos de certo modo pareciam muito absortos para notarem Sakura e seu kimono vermelho dando a volta entre as grades. 

Sakura segurou firme naquela construção metálica e gélida e respirou fundo, contendo o riso calmo. 

- Ei. 

Kakashi ergueu ambas as sobrancelhas, deveria estar envergonhado por não tê-la visto de aproximar. 

- Dessa vez não precisou me lembrar dos bons costumes... Vim parabenizar por conta própria. 

Kakashi plissou os olhos, balançando suavemente a cabeça. Quando abriu os olhos novamente encarava-a tão profundamente que Sakura sentiu-se sem ar.  

O homem à sua frente parecia encantado com como aquele tecido escarlate fazia com que a pele alva de Sakura brilhasse sob o sol. 

Mas mais que isso, havia certa urgência em seu olhar, algo que parecia o consumir como brasa. 

Um forte arrepio desceu por sobre a coluna da jovem. 

- Como está o hospital? 

Sakura não precisava de um aviso também para entender o que ele sugeria e por breves segundos seu próprio corpo parecia queimar. 

Esqueceu todos os questionamentos e neuras quanto a Sasuke, ele e as conversas a sós. 

Só tinha algo em mente. 

- Está tudo bem, vou ter um plantão no fim da tarde. 

- Está pegando plantões noturnos agora? 

Kakashi era impecavelmente discreto, Sakura tinha muito ao que admirar e a aprender com suas sutilezas.

- Na verdade não, mas… Hoje foi por um motivo especial. 

Kakashi balançou a cabeça, escorando o corpo na grade e dando as costas às pessoas ao redor deles. 

Sem olhá-la anunciou: -  Hoje parece um daqueles dias em que perco o sono… Devo passar a noite acordado. 

Sakura prontamente entendeu. 

Tinham um compromisso mais tarde, um pequeno encontro furtivo naquela noite silenciosa e gélida. 

Um compromisso terrivelmente íntimo, qual  esperaria ansiosamente, com todas suas forças. 

 

~~~~~~~~

 

Impressionantemente, tudo naquele fim de tarde parecia a afastar de confusão. 

Estava tudo muito pacífico e o pôr do sol parecia o mais lindo em dias! Além disso, os poucos pacientes que atendera estavam muito receptivos e gentis. 

E ela mesma parecia estar envolta de uma atmosfera muito agradável e serena. 

Diferentemente dos outros dias que estava tão tensa e estressada, a ideia de um encontro a deixava radiante e tremendamente empolgada para o fim de seu plantão. 

Estava indo encontrar Karin no andar de cima, a fim de conversarem sobre alguns resultados do seus exames. Em uma feliz coincidência era justo no dia em que a Uzumaki estava hospital naquele horário, fazendo trabalho voluntário. 

Foi quando tudo pareceu ruir. 

Um pequeno apagão. Leves segundos em que seus olhos se fecharam contra sua vontade, depois de tudo a sua volta parecia diminuir de tamanho, saindo subitamente de foco e os ruídos desaparecendo. 

Quando abriu de novo os olhos estava sobre um leito macio, em uma sala branca e que cheirava a éter.

Ainda encarando o teto, dois rostos surgiram em seu campo de visão, os cabelos castanhos e reluzentes de Hana emolduravam seu rosto e os fios vermelho vibrantes de Karin atraíram toda sua atenção. 

Foi quando lembrou. Era a última pessoa que tinha visto antes de ficar desacordada, estavam indo até sua sala quando desmaiou.   

Um constrangimento inexplicável a atingiu, como quando sua pressão caiu na casa de Kakashi. 

Não gostava nem um pouco daquela sensação. 

- Sakura-san, você ingeriu algo que possa ter lhe provocado tontura?... Ou deixou de se alimentar?

Era a voz de Hana, quem carregava uma prancheta e lhe olhava com demasiada preocupação. 

Ela entendeu que o que a enfermeira queria saber era se o desmaio tinha sido devido abuso de alguma pílula médica. Era comum que isso acontecesse no hospital. 

Sakura tinha um histórico considerável de quedas de pressão, uma consequência de seu intenso e disciplinado acúmulo de chakra ao longos dos anos. Mas nunca havia sido recorrente ou tão abrupto. 

Sua mente encontrava-se muito distante daquela bateria de perguntas que estava sendo exposta. Sakura acenava a quase todos aqueles sintomas de cansaço excessivo. 

Seu maior receio era estar enfrentando uma estafa. 

Até Karin se exaltar, agitando os braços enquanto sua voz se elevava.

- Por Kami sama, você não vai fazer aquela pergunta a ela? 

Hana piscou os olhos fortemente e ergueu uma de suas sobrancelhas: - Que pergunta? 

- Ora, não tenho a mesma formação de vocês aqui em Konoha, mas meu conhecimento médico é suficiente para dizer que a sua maior suspeita não é uma virose ou estresse acumulado!

Sakura então captou. 

Seus olhos não conseguiram fixar em nada, sentiu o mundo girando, mas dessa vez não era um desmaio. 

- Pegue-o, Hana. 

- Sakura-san, você tem cer-... 

- Hana, pegue o teste. 

 

~~~~~~~~

 

Sakura ainda sentia-se inebriada com sua pequena declaração. Conseguia ver como o que ele lhe revelara era profundo e único, mas ainda não sabia como responder. 

Queria estar com o pergaminho que escrevera outro dia em mãos, seria a melhor forma de dizer algo. 

Mas ali eram só os dois naquela sala, entreolhando-se enquanto as bochechas rosadas de Sakura pouco a pouco retomavam a sua cor natural. 

Kakashi não esperava uma resposta imediata, estava tudo bem. Só queria se certificar que ela não levantaria novamente para recolher o aperelho de jantar.

- Eu lhe arrumo alguma roupa confortável e você vai se deitar no meu quarto… Precisa de descanso. 

- Ainda não acredito que quase desmaiei no meio do seu aniversário. 

- E eu nunca imaginei ter que explicar para uma médica como se alimentar direito é importante. 

- Meses que minha pressão não despencava assim… Não preocupei.

- Quer que eu lhe ajude no banho? - ele perguntou, ignorando a sua colocação. 

- Que tipo de ajuda? - Sakura provocou, não perdendo o duplo sentido daquela frase. 

Kakashi pareceu constranger-se brevemente, dando-lhe seu melhor sorriso torto. Sentia saudade de tocar aquela pele, de cada parte daquele corpo, mas entendia que aquele não era o momento. Sakura precisava de cuidados e poder relaxar.

- Hoje apenas uma companhia solicita e atenta. 

Sakura bufou e certamente relutaria, não fosse a mão esticada de Kakashi que a convidava para se levantar. 

E assim ela fez, seguindo-o até sua suíte, preparada para tomar um banho demorado e sem sua presença. 

Estranhou quando Kakashi continuou ali, de pé, os braços cruzados, olhando-a. 

- O que foi? - ela questionou enfim. 

- Disse que iria lhe fazer companhia, certo? 

Sakura revirou os olhos, mas por dentro estava deixando sentimentos traiçoeiros a preencherem. 

Era fácil se acostumar com seus cuidados e afetos. 

Ela então se aproximou com exagerada lentidão e o beijou, preguiçosamente. Seu corpo ainda não havia recobrindo suas forças. Suas pernas estavam bambas e a pressão precisava normalizar.

Mas precisava daquele contato. Sentia sua falta.

Kakashi respondeu ao beijo com igual ternura, sem pressa e sem deixar que saísse de controle. Se separaram com incrível demora e assim deixou um beijo em sua testa.

Nenhum dos dois conseguia afugentar por completo as imagens do que tinham feito naquele banheiro meses antes. E isso tornava tudo mais íntimo e singelo.

- Se quiser, amanhã tire um folga, gostaria de passear com você.

A Haruno sentiu seu coração preenchido por tantas sensações que só consegui ficar encarando-o, enchaguando suas pernas, deitada na sua banheira.

Kakashi parecia hipnotizado com aquela cena.

Sakura, após ter recebido todos os cuidados necessários, agora dormia com uma camisa larga de algodão, direto de seu guarda-roupas.

Voltavam aos poucos ao relacionamento costumeiro.

Só que algo absurdamente havia mudado entre eles e uma notícia mudaria o ralacionamento tímido que criaram para sempre. 

 

~~~~~~~~

 

Karin a encarava de braços cruzados e até ela mesma parecia tensa. 

Sakura estava do outro lado do banheiro, sentada debaixo de uma clarabóia aberta, as costas apoiadas nos azulejos frios, o rosto e cabelos molhados. 

Tinha conseguido por sorte uma chave com o porteiro do prédio e as trancafiado ali até que Sakura se recuperasse. O que, de algum modo, parecia estar acontecendo. 

Já tinha lavado o rosto repetidamente e bebido da água que Karin trouxera, respirado fundo uma dezena de vezes, agora descansava ao chão. 

Os batimentos não estavam mais ao ouvido e Sakura começava a acreditar que tudo tinha sido muito distante, difícil demais de mentalizar.

Karin suspirou e Sakura entendeu que ela falaria alguma coisa que não lhe agradaria nem um pouco. 

- Sakura… Por Kami! - Karin foi pouco a pouco se aproximando e abaixando seu tom de voz aflito - Como isso foi acontecer? 

O corpo de Sakura voltou a estremecer e Karin se amaldiçoou por tê-la feito regredir, mas precisava saber. Precisava entender se carregaria também o peso daquele segredo. 

Não era difícil imaginar o que tinha acontecido depois daquela missão. Temia profundamente o que estava por vir. 

E podia apostar que Sakura a envolveria de cabeça naquela confusão. Maldita hora que aceitou estar naquele maldito hospital. 

- Karin… Você poderia recolher minhas coisas e fechar minha sala?

Suspirou pesadamente ainda de braços cruzados, apenas para demonstrar sua insatisfação. 

Aquela atitude já era quase que uma confirmação do que imaginava. E ainda assim Sakura queria favores dela. A tarefa não era simplesmente fechar sua sala, precisava anunciar a ausência da chefe adjunta a todo o hospital. 

Trabalho voluntário nunca havia sido tão difícil.

Sakura conhecia mesmo Tsunade aquela altura? 

- Vá logo antes que eu me arrependa. 

Sakura levantou aos poucos e tirou seu jaleco com as mãos ainda tremendo deu a Karin e forçou um sorriso sem humor algum. 

- Eu lhe devo uma. 

Antes que Sakura pudesse desaparecer, Karin gritou: - Com essa já são várias! 

E ficou ali, segurando o jaleco da Haruno nos braços, sozinha naquele banheiro, sabendo muito bem para aonde Sakura iria.

Sakura corria pelas ruas, tentando desesperadamente chegar ao apartamento, mal sentia seus pés encostando no chão, sua boca estava seca e sentia uma vontade súbita de chorar. 

Estava tão desesperada, sentia-se desamparada e como quem não poderia dividir aquela notícia com outra pessoa. 

Não se importou em avisar, mas sabia que ele a escutara. Suas mãos escorregaram ao tentar puxar a janela e um soluço quase a acometeu. 

Pulou no mesmo momento em que  conseguiu abrir-la, parecia se sentir reconfortada só por pisar ali dentro, mesmo se sentindo ridícula no meio do seu quarto, ofegante. 

Kakashi estava com um de seus livros repousado sobre sua barriga, a cabeça inclinada em sua direção, um olho fechado enquanto o outro a analisava. 

O quarto tinha seu cheiro de banho recém tomado e ele próprio estava impecavelmente arrumado, mas muito sereno, a respiração leve.

Talvez ela o tivesse acordado ou ele só estava refletindo sobre algumas coisas misteriosas madrugada a dentro. Sua postura a deixava confusa, mas certamente ele a esperava. 

Aquilo a deixou ainda mais aflita. 

Sakura respirava com dificuldade, suas mãos não conseguiam ficar quietas, seu próprio corpo balançava para frente e para trás, como se isso fosse tranquilizá-la. 

- Kakashi... - ela chamou, mas o homem à sua frente continuava imóvel, parecia até mesmo tenso diante ela, agora com os dois olhos fixos naquele corpo desesperado.

Esperava o pior. 

Sakura engoliu outro soluço e o Hatake acompanhou sua expressão suplicante, sentindo a boca do seu estômago se apertar. 

Foi sentando lentamente, de costas a ela, olhando fixamente para o teto. Quando escutou um pequeno choramingar, repousou a palma de sua mão no espaço ao seu lado, indicando que deveria se juntar a ele.

Sakura foi logo engatinhando por sua cama até parar ao seu lado, sentada sobre os joelhos, olhando para as suas mãos em seu colo. 

- Kakashi… - seu nome saia difícil de seus lábios e mesmo que trêmulos, insistiu até conseguir dizer: - E-eu… Estou grávida. 

Como que para pontuar sua frase um vento frio entrou pela janela entreaberta.

Kakashi não esperava uma notícia como aquela.


Notas Finais


AAAAAAA TO NERVOUSER QUERO POSTAR O PRÓXIMO LOGOOO
como tá o coraçãozinho de vcs????? 😱😱😱 acho que muita gente já esperava por essa!

Enfimmmmm
Se tudo der certo eu posto o próximo (que já está pronto) daqui umas 12h! Ou seja amanhã cedo ♥️🤞🏼 torçam comigoooo

Bjsss e obrigada por ter lido até aqui!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...