1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Amado Vizinho- Lutteo (Repostada) >
  3. Primeiro Encontro

História Meu Amado Vizinho- Lutteo (Repostada) - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Olá!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Querem continuação???
Sim???
Bora ler??
Pessoas, postei uma nova One-Hot, fiz uma especie de cap extra contando a primeira vez do Matteo, vou deixar o link nas notas finais

Capítulo 15 - Primeiro Encontro



Hoje é sábado, e haverá um evento de caridade cujo Sharon queira participar, mas ela não quis fazer essa viagem para estar aqui pessoalmente, por isso mandou o dinheiro comigo, para que eu a represente.

Nina e eu demos instruções de como queremos que a mudança seja feita e nos arrumamos, no carro mesmo, para irmos ao evento. Será só uma passada rápida, só para doar, e conversar com o Sr.Martin. Precisamos cuidar da mudança pessoalmente, para que tudo saia bem.

           - Buenos Aires, se prepare porque os dois maiores pegadores de Cancún chegaram- Nina fala num tom brincalhão e a encaro com uma sobrancelha levantada

           - Você fala como se fosse muito pegadora- eu ri e ela me encarou com falsa indignação

           - Não vai me dizer que você acha que eu ainda sou virgem

          - E não é?- agora fiquei curioso, ela está tirando uma da minha cara, ou acabou de confessar que algum fdp...?

          - Maninho, você não é o único ser desejável da família

          - Você tem dezessete anos- a repreendo ainda estupefato. Ela cruza os braços e ri passando seu peso para uma perna

         - Acha que eu não sei o que aconteceu quando você tinha quatorze?- dá enfase na idade- Luisa era minha amiga- era esse o nome dela?

          - Você...- eu nem soube o que responder

          - Ah Matteo, nem acredito que vamos morar juntos- Nina sorri mudando o assunto animada- Só você e eu, sem a minha mãe...- dá um pulinho de alegria- Vai ser tão legal! Vamos arrumar a mudança

Nina me puxou para dentro da casa e continuou fazendo seus planos nada inocentes. Quando veio para Argentina comigo, achei que era porque não queria ficar longe de mim, agora descobri na que verdade, ela queria era transar a vontade.

Acho que na sua cabeça, morando comigo terá liberdade para fazer o que quiser, sem dar satisfações a Sharon. Ai ai não sei não. Não sei se serei um irmão tão liberal, mas vamos ver

Passei um tempo tirando alguns móveis de dentro do caminhão e levando para dentro da casa junto com a Nina e os homens da mudança. Temos que ser multitarefas porque ainda devemos ir no tal evento de caridade

De repente, minha irmã me deu um abraço por trás e um beijo na bochecha quando abriu uma caixa e viu que eu comprei o livro que ela queria

              - Você é o melhor irmão do mundo!- ela diz animada

              - E você é a melhor irmãzinha- eu sorrio também e aperto a ponta de seu nariz a fazendo rir

              - Depois vou te comprar um sorvete- ela fala e bagunça meu cabelo

              - Acho melhor a gente se arrumar, temos que ir prestigiar o evento, já estamos atrasados

Nina assentiu e trocamos de roupa, pegamos outro táxi e fomos até o local. Comemos uns biscoitos no caminho só para não chegarmos com estômago vazio.

Minha irmã costuma ficar bastante entediada nesses eventos sociais. Eu também. Mas é por um boa causa. Durante todo caminho conversamos descontraidamente, tentando não nos entendiar e rindo

Assim que chegamos, eu entrei logo e Nina ficou pagando a corrida. Atravessei o grande portão de vidro e vi as pessoas conversando e socializando. Sorri simpaticamente para me inteirar com todos

Não demorou nada até Nina me alcançar, envolveu seus braços nos meus quadris e disse rindo

         - Ai soltei um pum no táxi!- a encarei e antes que eu pudesse dizer algo o senhor amigo da tia Sharon se aproximou

        - Matteo, Nina, que bom que estão aqui!- diz o senhor Mendonça, amigo da tia Sharon- A quanto tempo não vejo vocês, acho que desde que fui ao México há dois anos... Puxa, vocês cresceram

        - Obrigada- Nina diz- Nos mudamos para cá hoje, então talvez nos veremos mais

        - Que bom! Sharon não veio com vocês?

        - Não, a tia Sharon tinha assuntos no México, foi difícil conseguirmos sua permissão para virmos.

        - Entendo, mas fico feliz em vê-los.

O resto da conversa foi meio entendiante, sobre investimentos e politica. Nina revirava os olhos disfarçadamente quando ele não estava olhando, e murmurava alguma palavrão por estar entediada.

      - Mas agora vamos entrar em assuntos mais pessoais, temos espaço para isso, não?- o senhor Mendonça diz. Ele é amigo da tia Sharon há bastante tempo, é padrinho da Nina, e se considera intimo da da família.

          - Sim, claro, pode falar- eu digo

          - Ouvi dizer que você está namorando, como vai o namoro?

         - Bem, na verdade, acho que vamos terminar logo- eu digo

       - Os namoros do Matteo não duram mais de duas semanas, é um destruidor de corações- Nina completa com uma piscadinha e um risinho. O senhor Martin riu também

- Bom, vocês são jovens, devem aproveitar mesmo!- eu ri de leve e concordei com a cabeça.

Foi quando meu olhar percorreu o resto do salão, só então vi algo que ainda não tinha percebido até então. Meus olhos encontraram uma garota do outro lado do salão. Ela me olhava fixamente, e então percebi que...

É a Luna!

Não posso acredita! É a Luna! A minha Luna!

Assim que a vi meu coração disparou e senti a boca seca. Minhas mãos começaram a suar e senti um nervosismo louco me dominar! É a Luna! É a Luna! Finalmente!

Nem acredito que estou frente a frente com ela depois de tanto tempo! Achei que esse momento nunca iria acontecer... bem, iria sim, eu voltei, mas imaginei nosso reencontro de tantas formas, mesmo assim.

Mas isso não importa agora, o que importa é que Luna está bem aqui! Na minha frente, há menos de um salão de distância! Ela está aqui! Tão perto! Tão linda!

Não pude deixar de notar o quanto está linda, usava um vestido social azul royal, que media até a metade da sua coxa. Havia um leve decote em V ligado por um tecido mais fino e um pouco transparente só no tórax. Um par de sapatos beje com salto pequeno. Cabelos soltos e cacheados.

Tão linda! A reconheci pelo olhar! Ele s são como duas esmeraldas brilhantes me olhando, sempre fez essa expressão para mim. É a Luna!
Nossos olhares estavam fixados um no outro, e pude viajar até ela por dois minutos completos, até que sua atenção se volta para alguém que tocou seu ombro. Quando eu vi quem era... se houvesse alguma duvida em mim, já não havia mais! Eram Luna e seus pais!

Sorri e quis ir até lá, mas meu celular tocou, no identificador de chamadas era claro o nome, arfei sem vontade, mas preciso atender.

- Com licença- eu disse para a Nina e ao senhor Mendonça, para então me afastar e atender

Fui para fora, onde teria mais privacidade, e sem barulhos ao fundo. Então atendi

- Alô

- Matteo, oi benzinho lindo! Já chegou na Argentina?- sua voz ronronou, acho que tentava ser fofa, ou sexy. Mas saiu ridícula

- Sim, Lucy, eu acabei de chegar

- Sabia que já estou com saudades?- sério? Qual é? Nos vimos ontem. As vezes essa garota é tão grudenta!- Queria que você estivesse aqui. Ainda não entendo sua fixação pela Argentina, aqui no México você estava muito bem, não é?

- Lucy, agora não posso falar, preciso resolver umas coisas, a gente se fala depois?

- Claro, lindo! Te ligo mais tarde, então. Beijos

- Até mais tarde- falo e desligo

As vezes me pergunto porquê ainda não terminei com ela, acho que tenho pena, sei que Lucy gosta muito de mim e não quero magoa-la. Mas essa garota me sufoca!

Assim que desliguei recebi quatro mensagens dela, todas dizendo que está com saudades, entre novamente no salão e recebi mais cinco. Em seguida um "porque não responde benzinho?!" Juro que não deu dois minutos que desliguei

Digitei rapidamente, "Estou ocupado", recebi um "Com o quê? Ah Matteo estou com tanta saudade!", "A gente conversa depois, preciso ir agora", ela mandou três emojis tristes e dois corações acompanhados de um "Tudo bem, conversamos quando você puder, te amo"

Preciso terminar com essa garota, mas não quero magoa-la. Estamos juntos há quatro dias, e ela já diz que me ama. Das duas uma: ou já era apaixonada por mim há muito tempo, ou diz só da boca para fora. Não acho que seja possível amar alguém em menos de um mês

Voltei a encontrar Nina e ela reclamou de já estar entediada, então pediu para irmos, só que eu não posso ir agora, não antes de falar com a Luna, estou esperando por esse momento há anos. Disse para Nina ir e depois nos encontramos em casa, ela concordou e foi

Comecei a procurar a pessoa que tanto quero ver, mas não a encontrei, porém vi seus pais sozinhos num canto, me aproximei deles

- Matteo?! Não acredito!- exclama Monica assim que me viu. Miguel virou-se para me ver e também se animou, eu sorri e me aproximei mais

- Tia Monica! Tio Miguel!

Monica não esperou nada para me abraçar, logo em seguida Miguel. Ambos ficaram feliz em me ver. Eu estava vibrante de emoção, nem posso acreditar que depois de tanto tempo, finalmente nos reencontramos

- Matteo, há quanto tempo! Que bom te ver- diz Miguel

- Ah como você cresceu! Está tão lindo!- diz a tia Monica, eu sorri sem graça- Quando chegou? Por que não avisou que estava voltando?

- Eu não sabia como entrar em contato com vocês, desde que eu fui para o México perdemos contato

- É verdade, mas que bom que você voltou!

- E a Luna? Cadê ela?

- Luna veio, ela estava aqui agora a pouco- diz a tia Monica olhando ao redor tentando encontrar sua filha, assim como o tio Miguel

- Sim, eu a vi de longe- eles voltam a me olhar- Ela está muito linda

- Vocês já se encontraram?

- Ainda não conversamos, só nos vimos de longe, eu ainda não tive a oportunidade de falar com ela, mas farei isso logo. Senti tanta saudade

- Luna também sentiu, ela sofreu bastante longe de você

Eu abaixei a cabeça e concordei, tanto tempo afastados nos fez sofrer. Eu sentia tanta falta dela. Mas confesso que gostei de saber que Luna também sentiu, acho que eu não gostaria de ouvir que ela superou e continuou sua vida como se não tivesse acontecido, afinal, eu não passei um só dia sem pensar nela

- Eu vou procura-la, quero muito reencontrar a Luna- eu digo e suspiro- Se vocês a encontraram primeiro, não digam que me viram, quero fazer uma surpresa

- Claro, pode contar com isso.- diz a tia Monica

Eu assenti e saí a procura de Luna. Mal posso esperar para reencontra-la. Será que está com tanta saudade quanto eu? Quero abraça-la e não soltar nunca mais!

Caminhei por várias partes tentando encontrar a Luh, mas não a vi e isso estava me deixando cada vez mais nervoso. Me sentia há um passo de realizar um sonho antigo, e isso me enche de ansiedade! Me dá bastante adrenalina... deve ser por isso que sinto meu coração tão acelerado. Porque sinto sua falta, apenas por isso

De repente, a música ambiente que tocava termina, logo em seguida começa outra, conheço isso, se não me engano é "My Only One" de Sebastian Yatra e Isabela Moner.

Foi então que finalmente vejo quem tanto procuro! Dou um passo em sua direção e travo. Ela não estava sozinha. Havia um garoto conversando com ela, e estavam bem perto. Imagino que deve ser seu namorado.

Não sei porquê, mas isso me incomodou. Muito!

Enquanto estive no México, eu sempre tive a duvida se Luna encontraria um namorado. Ela é linda e perfeita, qual cara não ia querer ficar com ela? Essa ideia aparecia na minha mente todas as vezes que eu me envolvia com outra garota

Quando eu me interessava por alguma menina, ou quando beijava, quando dormia com alguma garota por um minuto eu me perguntava onde e com quem Luna estaria naquele instante, e eu imaginava que talvez ela estivesse com o novo namorado

Nunca gostei da ideia, mas isso nunca me incomodou tanto quando agora. É bem diferente imaginar algo, e ver pessoalmente.

Acho que como seu melhor amigo, minha função é ajuda-la e protege-la. Não estive presente durante muito tempo, mas agora estou aqui e preciso compençar. Por esse motivo continuei olhando.

O garoto leva uma mão até o rosto dela, e Luna fica parada, permitindo que ele lhe tocasse. Isso me deu a certeza que são namorados, e me senti incomodado com essa conclusão. Por um minuto desejei que eu estivesse errado

Fechei o punho, senti muita raiva do infeliz, travei o maxilar percebendo minha respiração mais pesada. O idiota se aproximou mais, ficando com sua boca a um dedo de distância de a dela. Iria beija-la!

Numa fração de segundos seu olhar me alcançou e mais uma vez nos olhamos fixamente. Se me olha assim é porque me reconheceu e sabe quem sou, o que mais seria?

Foi então que Luna deu um passo para trás e empurrou o garoto. Eu não pude ouvir pela distancia, mas vi seus lábios se dizendo "Já chega!" o outro faou alguma coisa, e ela voltou a dizer "Para! Me solta!"

Sem esperar mais nada, ou pensar duas vezes, andei a passos largos, firmes e irritados até eles. Parei entre os dois e empurrei o garoto.

- Você não ouviu ela?!- eu pergunto sentindo raiva e satisfação ao mesmo tempo. Raiva por esse idiota ter estado tão perto da Luna, e satisfação por interromper

- E quem é você?!- o garoto pergunta levemente alterado. Pensei em dizer meu nome, mas duvido que o sujeito saiba quem sou, se eu descobrir que Luna não falou de mim para o seu namorado provavelmente me sentirei mal.

- Não importa quem sou, o que importa é que a garota te mandou parar!- mesmo sendo namorados, se a Luna mandou parar, ele vai parar!

- Quer saber? Você é uma gata, mas não vale o esforço.- o garoto diz e vai embora, me fazendo perceber que os dois deveriam estar brigados.

Viro de frente para Luna morrendo de ansiedade. Eu estava a ponto de explodir. Não podia acreditar que finalmente nos reencontramos! Eu esperava ouvir várias coisas, menos o que ela disse

- Por quê?- ela parecia bastante atordoada- Por que fez isso.

Sério que não sabe? Deve estar confusa, então respondi o que sempre disse

- Porque é o meu dever- achei que com isso ela entenderia, e se não houver me reconhecido, lembraria

- Não entendi

- Você realmente não sabe?- eu imaginei esse momento de muitas formas, só nunca imaginei que Luna não lembraria de mim. Levei muitos fatores em consideração, menos o mais obvio: o tempo

- Eu...? Quem é você? Por que me defendeu?- senti o desanimo me dominar e meus olhos arderem. Idealizei demais, e me decepcionei. Num tentativa de me concentrar, puxei o ar olhando para cima, em seguida voltei meu olhar para Luna

- Você preferia que eu deixasse o cara te assediar?

- Não!

- Olha, se eu vejo algum babaca, como aquele cara, perturbando uma garota, e vejo que ela não está gostando, o certo a fazer é impedir- foi tudo que consegui dizer, ela apenas concordou com a cabeça, concentrada em minhas palavras

- Obrigada- ela disse depois de uns instantes em silêncio

- Não foi nada.- nossos olhares se encontraram. Exatamente naquele momento Sebastián Yatra e Isabela Moner cantavam juntos o refrão

Promise I'll stay here 'till the morning
And pick you up when you're falling
When the rain gets rough, when you've had enough
I'll just sweep you off your feet and fix you with my love
My only one... My only one


Pareceu coisa de filme! Como se essa música fosse nossa trilha sonora

Mesmo estando um pouco decepcionado, senti meu coração bater mais forte e minhas mãos suarem como nunca. Ou pelo menos, como não acontece há muito tempo

Pode parecer loucura, mas pude jurar que havia um clima entre a gente e me senti feliz... O que estou pensando?! Luna é minha amiga, ela não lembra, mas eu lembro e muito bem!

Foi então que duas crianças passaram correndo entre a gente, nos tirando do transe. Eram um menino e uma menina de uns sete ou oito anos de idade. Eles corriam pelo salão. Pareciam muito amigos

- Isso não te traz lembranças?- eu pergunto desviando meu olhar para as crianças, viajando em lembranças

- O que disse?- Luna pergunta confusa. Volto meu olhar para ela, tentando entender suas reações. Esperando uma desviada de olhar, um suspiro, um nervosismo repentino... qualquer coisa que indicasse que ela pode estar lembrando

- Perguntei se aquilo- aponto para as crianças- não te traz lembranças

- Essa parte eu entendi, só não sei como... er... Sim.- por fim admite

Fiquei bastante decepcionado. Eu esperança que me reconhecesse com mais facilidade. Talvez eu não tenha significado para Luna, o mesmo que ela significou para mim

- Onde quer chegar com isso?

- Você não faz ideia?- eu pergunto e ela nega com a cabeça- Tenha um bom dia, eu já vou- dou um passo querendo sair dali, mas Luna coloca um braço em minha frente, me parando

Estava difícil controlar as lagrimas, passei anos imaginando esse momento, e foi um total fracasso.

- Espera. Quem é você?- Luna pergunta

- Você não faz ideia?- ela não responde- Eu preciso ir, estou atrasado, mas foi bom te ver. Você está muito linda

Não menti, estou mesmo atrasado, Nina está me esperando em casa, temos uma mudança inteira para arrumar. Eu só passei aqui rapidamente porque a tia Sharon pediu.

Caminhei entre as pessoas, me afastando, e Luna não voltou a tentar impedir. Assim que estava fora, distante de todos, senti algumas lagrimas escorrerem. O momento que mais sonhei não foi em nada o que imaginei


 


Notas Finais


E ai??? Oq acharam???? Mereço comentários????
Matteo ainda vai narrar + um pouco gente, calma kk

Pessoas aki a One-Hot q é um cap extra dessa fic https://www.spiritfanfiction.com/historia/one-hot-primeira-vez-de-matteo-balsano-18482990 só lembrando q esse momento aconteceu antes do Matteo voltar para a Argentina, logo a primeira vez dele NÃO foi com a Luna

Mereço comentários????


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...