1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Amigo (Bob) Plagg >
  3. Reuniões (mais que) pesadas

História Meu Amigo (Bob) Plagg - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


É eu sei. Muito atrasada, Extremamente atrasada. Mas, EAD é uma merda mas é necessário. E agora que eu estou de recesso, vou ver se consigo postar. Realmente, me perdoem.

Capítulo 12 - Reuniões (mais que) pesadas


– Quem chamou a atenção de vocês?

– Félix. Com toda a certeza! – Adrien falou encostado na parede.

– Por quê? Quando eu passei lá ele não estava fazendo nada a não ser encarar o chão. – Plagg disse com a voz entediada.

– Félix pode ser um pouco recluso e quieto, mas é um ótimo observador. E tem sentidos fantásticos.

– Concordo com o Adrien. Félix tem ótimos sentidos e reflexos, sem contar que fez algo que muitos poucos fizeram ao chegar à sala.

– Que seria? – Trixx falou com um toque de cinismo.

– Analisou. Ele olhou cada canto, como se estivesse procurando uma armadilha. –Jhonny foi quem respondeu entrando na sala.

– Um pouco atrasado não?

– Foi mau mestre... Estava revisando umas provas e me esqueci da reunião. Perdi muita coisa?

– Nha, só falamos de como os novos alunos, em maioria, parecem ter bom potencial, e do Félix, como você percebeu. – Marinette disse bebericando um pouco do seu café.

– Não sabia que gostava de café Marinette. – Wayzz diz tomando seu chá.

– Não gosto. Mas quando se estuda aqui tem que começar a tomar, inclusive pras suas aulas, professor Wayzz. – A fala da azulada sai carregada de cinismo.

– Eu concordo. – Adrien fala levantando sua xícara.

– Podemos voltar a falar dos novos alunos? – Sass* fala alongando seus braços.

– Uhum. Qual foi o próximo aluno? – Mestre fu diz olhando a lista de novos alunos.

– Manon. Mesmo sendo uma garota mimada, tagarela e pergunteira, é atenta e bem energética. E claro, uma ótima observadora, por mais que não pareça.

– Ela não parece tudo isso.

– Eu sei Mullo. Mas... Ela conseguiu enxergar o Crooked Man*, então...

– Pera aí Adrien... Poucas pessoas conseguem ver esse cara, só demônios e pessoas que chegaram perto da morte ver ele. Deve ter algum engano.

– Eu vi quando o Ked entrou na quadra. E pela expressão da Manon, ela viu também. Ela e outra garota. Se não me engano, a Emma.

– Mas, Marinette, elas tem dez, onze anos, já terem visto a morte com tão pouca idade...

– Sei que é difícil de acreditar Ziggy, mas eu perguntei pra elas.

A sala caiu em um silêncio depois da fala da azulada. Nem os demônios ou anjos possuíam algo pra dizer.

– E a resposta?

Mestre Fu quebrou o silêncio. Sua voz meio quebrada e o rosto demonstrando o quanto queria que a resposta fosse negativa.

– Manon sofreu um acidente de carro com o pai quando tinha seis anos. Ela ficou em coma por três meses. E durante esse período, ela disse que aquele moço, sempre a visitava.

– O pai dela? – Sass pergunta agora mais interessado no assunto.

– Morreu por perda de sangue. Um carro desgovernado bateu no lado do motorista. Nenhum ferimento muito grave na cabeça. Mas, ele teve um ferimento na veia femoral e por estar desacordado pela batida perdeu muito sangue. O pior vem agora.

– Não tem como piorar Marinette.

– Não deveria falar isso Nooroo. Sempre tem como piorar. – Adrien fala se sentando no chão.

– Isso aconteceu no aniversário dela. Eles tinham ido comprar o presente dela. Já que Manon mesma insistiu pra ir junto.

– O motorista? – Mullo apertava as mãos em punhos.

– Morreu na hora. ‘Tava bêbado e sem cinto. Voltava de uma festa que teve no dia anterior.

– Meus Deuses... Isso com uma garotinha de dez anos...

– É Ziggy... Aparências enganam.

– E a Emma? – Fu pergunta com a cabeça apoiada nas mãos.

– Eu tive que falar com a mãe dela.

– Tão extremo assim? – Wayzz fala desacreditado.

Mari assente.

– Então?

– Pais divorciados. O pai da Emma pediu o divórcio quando ela tinha quatro anos e sumiu. A mãe se casou de novo um ano depois do divórcio. De acordo com ela, ele sempre foi carinhoso com a Emma, mas a menina nunca gostou muito dele. E foi quando ela tinha oito anos, ao levar ela pra um exame médico de rotina, que foram encontrados sinais de violência sexual. Um detalhe. Pra fazer esse exame eles tiveram que pedir permissão da mãe pra sedar a menina, já que quando uma médica foi encostar nela, a Emma entrou em desespero e começou a espernear e se debater. O cara foi preso e admitiu violenta-la desde que ela completou seis anos.

As expressões variavam. Algumas de ódio, outras de pena, e algumas mais de repudio.

– A guarda da menina foi tomada da mãe e ela cresceu em lares provisórios. Em um desses lares, tinha uma piscina e, aos nove anos, ela caiu e se afogou. Nesse ano, foi mandada pra cá.

– O homem... Padrasto dela? – Plagg se pronuncia pela primeira vez desde o início daquela reunião.

– Nem adianta Plagg. O cara foi morto na penitenciária, duas semanas depois de entrar.

A atmosfera naquela sala era tensa.

– Mais alguém? – Tikki diz com a voz embargada.

– Ben. Ele é demonstrou ter uma ótima memória pelo que testamos. – Adrien fala levantando a cabeça.

– Ok... Podemos continuar depois?

Mestre Fu sabia que aquilo era o ideal. Todos estavam cansados. Aquela já era há quarta reunião em menos de uma semana.

Alguns poucos assentem e se despedem.

– Marinette e Adrien. Fiquem mais um pouco.

Depois de todos saírem, e como ordenado, a dupla permaneceu na sala juntamente de Fu.

– Vocês podem voltar à ativa segunda. Vou reduzir o período de afastamento.

Ambos assentem.

– Espero que o mesmo não se repita. Ouviu Adrien?

– Sim mestre.

– Podem ir. Durmam bem.

Os dois saem da sala e logo Adrien já esta pulando pelos corredores.

– Não creio que depois de duas semanas afastados trabalhando nos arquivos vamos poder voltar pro campo.

– Desde que você não apronte mais nada, não iremos mais ter que ir pros arquivos.

Ironia e um toque de repreensão eram encontrados na voz da azulada.

– Chloé já voltou da missão?

– Volta amanhã. Tchau Adrien.

Marinette vira um corredor diferente do loiro sem nem ouvir o retorno do mesmo. Entrando no seu quarto, a azulada tira as roupas conforme ia pro banheiro, nem se importando nos lugares que caiam. Afinal, era muito mais importante um banho quente pra relaxar depois daquela reunião super pesada. E tudo o que ela mais queria, era cair em sua cama e esquecer o que ouviu da mãe de Emma e sua expressão.

O banho, mais demorado do que o normal, relaxou todos os músculos de Marinette, que, com um blusão de alguma banda favorita de rock do Plagg, simplesmente caiu na cama, esperando que os pesadelos não voltassem naquela noite.


Notas Finais


* Crooked Man = Homem torto
Ked = Apelido que a Marinette deu pra ele.
*Sass = kwami da cobra, meu bb


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...