1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Amigo Lou (Larry Stylinson) >
  3. Capítulo 8

História Meu Amigo Lou (Larry Stylinson) - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura, xuxu <3 (Tenho um recadinho nas notas finais)

Capítulo 8 - Capítulo 8


O despertador toca com o som de um galo berrando, como sempre. Nunca gostei desse toque mas também não pretendo mudar.

- Bom dia, filhão.- meu pai me dá um tapinha no ombro enquanto me sento do seu lado na mesa. Ele sempre é bem animado de manhã, igual a Lou. Lou... Desde que cheguei em casa ontem penso no que ocorreu nas árvores. Sinto um frio na barriga e tento o ignorar imediatamente.

- Bom dia, pai.

- Harry, eu queria te pedir um favor- ele diz me olhando- hoje à noite, a empresa vai fazer um jantar beneficente em prol de uma ONG. E bom, eu sei que você não gosta desses eventos chiques e com bastante gente, mas seria legal irmos em família, entende?

Ah não. Deus, por que me castigas? 

- Ah... Claro pai- forço um sorriso- Vou sim. Vai ser legal.- tudo bem, é só um jantar, e eu seria babaca de negar algo simples assim e chatear meu pai.

- Que ótimo! Obrigado, sei que posso contar com você.- ele me dá outros três tapinhas no ombro em aprovação e se levanta da mesa.

Ele retorna e cozinha e anuncia:

- Ah, os Tomlinson também vão. Vamos dividir a mesa.

Dessa vez sorri, mas não precisei fingir a felicidade. Lou estaria lá, afinal.

O frio na barriga voltou.

 

...

 

Cá estamos nós, no salão da empresa que meu pai e o de Lou trabalham. O lugar é tão grande quanto lindo. Há seguranças na entrada e inúmeros garçons oferecendo aperitivos e bebidas. Um botão da minha camisa está me incomodando, ele coça. Lou e a família ainda não chegaram, seus lugares estofados em dourado estão vazios. A cadeira de Lou é ao meu lado, comemoro esse fato mentalmente.

Após alguns minutos eles chegam. É claro que todos no salão estão muito elegantes e bem trajados pra um evento como esse, mas naquele momento meu olhos se concentraram apenas em Lou e em como ele sorriu ao me ver.

Eu tusso quando ele se aproxima pra tentar disfarçar o deslumbre. É, eu não sou muito convincente.

- Anne! Você está divina!- Tia Joh, mãe de Lou diz contente e sincera.

- Você que está! E Lou, você é sempre bonito mas agora, em especial está um galã!- minha mãe diz parecendo estar tão impressionada quanto eu, parecíamos estar pensando o mesmo- Com certeza vai fazer sucesso com algumas gatinhas aqui!- Okay, não estávamos pensando o mesmo. Reviro os olhos sem que percebam.

Lou se senta ao meu lado e se aproxima.

- Boa noite, princesa.- seu hálito em minha orelha me faz eriçar os pelinhos do braço e pescoço.

Sorrio bebendo o champanhe da taça pra novamente tentar disfarçar minhas emoções que pareciam querer saltar pra fora de mim.

O tempo fora passando e até que enfim iam servir o jantar. Nossos pais já estavam alegrinhos o suficiente com a bebida pra começarem a rir mais alto e nossas mãe tirarem os saltos.

Ótimos, eles vão ficar bêbados.

O jantar estava maravilhoso, sendo sincero. Eu adorei a comida e Lou parecia pensar o mesmo, analisando pelo canto de seu lábio sujo de creme.

- Você sujou a boca- digo achando a situação engraçada.

- Ah é?- ele pergunta ainda comendo- Onde?- ele passa a mão no lado errado.

- Do outro lado.

Eu então passo o polegar sobre seu lábio, o limpando. Infelizmente meu corpo traidor não correspondeu ao plano inicial e fiquei com o dedo posicionado ali mais tempo que o desejado. Seus lábios eram tão... Fofos? Tinham um tom rosa avermelhado que eu gostava. 

Retiro logo minha mão antes que a situação ficasse mais estranha. Se é que isso era possível.

A essa altura nossos pais nem nos notavam mais, estavam rindo e empolgados falando sobre planos pra uma viagem. Sinto algo sobre minha perna, olho discretamente sob a toalha da mesa e vejo que é a perna de Lou. Não a retiro, na verdade até prefiro sentir seu calor. Coloquei então a minha mão sobre sua perna e passeei com meu indicador entre seu joelho e panturrilha. Eu e Lou agora sorríamos feitos bobos.

Minutos depois, Lou se aproxima novamente ao meu ouvido.

- To entediado, vamos dar uma volta lá fora?

De imediato aceito o seu convite. Também estava entediado.

...

Já estávamos do lado de fora do saguão quando percebi que Lou carregava algo.

- Isso são... Doces?

- Sim, tinham um monte desses na mesa do lado.- ele diz orgulhoso do próprio pequeno furto.

- Lou, isso não era nosso!- eu então pego um- mas agora é, muito obrigado.

E assim fomos caminhando pelo local enquanto comíamos camafeus.

- Ai.

- O que foi?- Lou pergunta.

- Tem um botão. Esse- indico- estão me incomodando.

- Ah, calma aí.

Lou me para frente a uma fonte com várias luzes brancas e douradas e coloca sua mão em meu colarinho.

Me arrepio.

Ele desabotoa três botões de minha camisa branca. Lou não disfarça e nem retinha seu olhar de minha pele agora descoberta. Gosto desse jeito livre dele. Ele então se afasta e levanta os olhos aos meus.

- Prontinho.

- O-obrigado.

Ele olha em um ponto fixo.

- Olha, tem uma escada ali.-  Ele então me puxa pela ponta do dedo e subimos os degraus. Era bem alta.

Ao chegarmos, estávamos agora no terraço. Aquele foi com certeza um dos espaços mais bonitos que já vi. Era grande, aberto. O chão era de madeira que refletia nossas sombras a haviam pequenas árvores espalhadas. A noite se fazia perfeita. A Lua parecia estar se exibindo para nós, estava agradavelmente brilhante. Algumas nuvens cobriam parte das estrelas, mas davam um tom roxo rosado e outras se destacavam. Lou também parecia estar adorando aquilo, já que exibia um sorriso ao céu, que parecia sorrir de volta. Meu coração se acelera toda vez que o vejo assim.

Ele se deita com os braços cruzados de apoio à sua cabeça. Faço o mesmo. Nossos cabelos se misturas e o brilho de lua passeia sobre nós.

- Eu queria poder morar nesse momento. Sem faculdade, sem distância. Só nós, e o céu- Lou diz, com sua voz baixinho e olhos fechados. 

Eu sabia exatamente como ele estava se sentindo. aproximo minha mão da dele e coloco meus dedos de leve sobre os seus.

- Eu também. 

Ele levanta nossas mão pra que possamos ver e comparamos ambos o tamanho da dele com a minha. A minha era pouco maior e a dele que era quente e macia. Gostosa de se segurar. Seus dedos brincando com os meus e então deslizam, entrelaçando-os.

- " Assim como a Lua e a Terra, nós dois estamos destinados a nos sentirmos atraídos..."- Lou diz de repente. Para. Respira, me olhando. Então retoma.

- " e apaixonados um pelo outro, ligados pela mesma órbita."

Eu então me recordo e o acompanho, nossas voz igualmente baixas em conjunto.

- " E com você eu sinto isso pelo simples fato de quando estou na sua presença, eu sinto como se estivesse flutuando no infinito com apenas o seu sorriso iluminando o meu universo, como se nada mais importasse."

Nossas mão ainda aproveitando do toque uma da outra.

Não há outro lugar que eu preferiria estar que não fosse esse nesse exato momento. Nos viramos ao mesmo tempo ficando um de frente para o outro.

Aproximo-me mais, encostando nossas testas. Lou corresponde e encosta seu nariz ao meu. Nossos olhos se fecham e então sinto algo gelado na têmpora. Uma gota.

- Acho que vai chover.- digo me virando novamente.

- Sim- Lou concorda- vamos ir embora? Não tô nada a fim de voltar com meus pais bêbados rindo e gritando no carro.

Imaginar a cena me diverte.

- Nem eu, vamos.

Assim que descemos a escada achamos um guarda-chuva próximo à portaria. Discretamente eu o pego e saio correndo com Lou logo atrás.

- Somos um perigo pra sociedade. Eu furto doces e você guarda-chuvas.- Lou ri enquanto me acompanha.

- Ei, eu não roubei, eu achei. E é melhor um guarda-chuva desaparecido do que você doente de novo.

Nós saímos do local e começa a chover forte. Eu seguro o guarda-chuva e abrigo Lou com o outro braço enquanto corremos voltando pra casa.

Somente a chuva, a Lua e todas as luzes puderam testemunhar o momento e sentir nossa energia.

 

 

 


Notas Finais


Espero que tenha gostado!
Eu ilustrei 2 momentos da fic (dos capítulos 2 e 7), não ficou nada bem-feito, aviso kk, mas se alguém tiver interesse em ver, eu postei no twitter, minha conta vai estar na descrição.
O poema que eu citei é de um autor maravilhoso chamado Gabriel Kondo, foi publicado na página do Instagram Poeta das Galaxias, do autor.
É isso, obrigada por estar acompanhando ainda, beijinhos! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...