História Meu Amigo Sadomasoquista - Capítulo 51


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Taehyung (V), Park Jimin (Jimin)
Tags Bangtan Boys, Bangtanboys, Bissexualidade, Bts, Chim Chim, Drama, Ecchi, Hentai, Horror, Imagine, Imagine J-hope, Imagine Jimin, Imagine Jungkook, Incesto, Jeon Jungkook, Jeongguk, Jimin, Jungkook, Kim Taehyung, Kook, Masoquismo, Park Jimin, Suspense, Taehyung, Taehyung Kim, Terror
Visualizações 153
Palavras 951
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Harem, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa Leitura 📖❣

Capítulo 51 - Ele é Tão Amável..


Fanfic / Fanfiction Meu Amigo Sadomasoquista - Capítulo 51 - Ele é Tão Amável..

Capítulo Anterior: Não levantei a cabeça, esperava que ele virasse as costas para que eu pudesse sair correndo, porém, não foi isso o que aquele homem tão grande e com voz grave fez.

Era certamente o meu fim..

             Capítulo 51 ❣

O homem aproximou-se devagar analisando a situação. Ele parecia estarrecido com tudo que estava acontecendo. A cada passada que ele dava para ficar mais próximo de mim, meu coração ficava acelerado, alertado e consequentemente com medo.

Ele parou em minha frente com uma proximidade favoráveu a ele, e começou a afastar meus cabelos que cobriam-me o rosto. Suas mãos delicadamente os colocaram para trás deixando apenas com que restasse alguns resquícios sobre minha testa.

- Quem é você? - Perguntou ele curioso.

Já não havia mais jeito há não ser me mostrar para ele.. Seja lá quem fosse, seria impossível escapar de sua presença, pois o ponto ao qual ele já tinha chegado, deixava o máximo de vantagem para que ele anulasse todas as chances que eu pensava que tivesse para sair dali.

Levantei meu rosto devagar com os olhos tristes e chorosos em sua direção. Nossos olhares encontraram-se e ele subitamente começou a encarar-me com uma certa curiosidade e surpresa.

- S/n.. Esse é o seu nome certo?

Como ele sabe meu nome?

Fiquei surpresa ao vê-lo falar tão formalmente. Eu realmente não sabia o que falar pra ele, sua presença me pegou tão desprevenida que quase fiquei muda de surpresa com sua pergunta tão repentina, e por mais que eu forçasse minha memória a lembrar de seu rosto, mais eu ficava confusa sobre sua pessoa.

- Por quê está chorando? Aconteceu alguma coisa com voc...

Antes que o homem pudesse completar sua frase, joguei-me em seus braços agarrando-o por completo. Sua boca abriu-se e transmitiu um pequeno som, surpreso com minha atitude.

- Oh!

O abracei tão forte e de um modo obviamente carente que ele automaticamente ao sentir-me, me puxou para mais perto de seu corpo fazendo com que ficássemos inteiramente colados um ao outro. Suas mãos começaram a acariciar minha cabeça, como se fosse um pai acalmando sua filha após ter caído e adquirido ferimento em sua pele. Certamente ele estava sentindo pena de minha atual situação.

- Meu Deus, o que houve com você..

Por alguma razão sua presença fazia-me ficar protegida, seu reconfortante corpo passava para o meu ser total segurança. Entretanto acho que no final das contas, tudo isso que eu estava sentindo não passava de completas ilusões.. Todo aquele tempo horrível que passei com pessoas maníacas ao meu redor, resultou em um grande colapso mental, fazendo-me sentir amada apenas com um simples abraço de uma pessoa desconhecida, pois amor foi algo que nenhum deles passou para mim, há não ser Maira que tentou até o final me trazer a verdadeira realidade do mundo. Me sentia como uma criança no meio de uma guerra que parecia não ter fim.

- Por favor.. Não me culpe.

O abracei mais forte deixando-o claramente sem reação. Minha respiração começou a ficar ofegante a medida que lembrava o que tinha feito, ou melhor o que estava na cozinha que ele não poderia ver de jeito nenhum.

- Não culpar você?..

O homem abruptamente afastou-me de seus braços, dessa vez olhando fixamente para meu rosto empalidecido.

- Estou ficando preocupado com você.. Se não me disser o que está acontecendo, não poderei ajuda-la.

O dorso de sua mão repousou em meu pescoço. Sua expressão facial começou a ficar repentinamente preocupada. Ele não falou nada, apenas colocou a mão dentro do bolso de sua calça retirando seu celular, enquanto sua outra mão verificava atentamente meu rosto e novamente o pescoço.

- Você está queimando em febre. Fique aqui, ligarei para Jimin vir pega-la já que ele parece seriamente gostar de você. Não irei me arriscar em leva-la, pois ele teria claramente um ataque de ciúmes.

Ele levantou-se com o celular já sobre seu ouvido.

- Não! Por favor, fique comigo..

Estava seriamente preocupada comigo mesma.. Tantas situações horríveis me rodeiam.. O que ele fará comigo quando descobrir que Jimin está morto?

- Você está delirando..

Ele delicadamente tirou-me do chão com suas mãos entrelaçando minha cintura até eu ficar em pé na sua frente, porém, não por conta própria, pois ele segurava-me. Ele era tão alto.. Estava tão pequena perto dele, seria ele capaz de me fazer algum mal? Medo e alívio me consumiam..

- Vamos, a levarei para minha casa.. Cuidarei de você.

Ele levantou-me até eu ficar completamente indefesa em seus fortes e musculosos braços masculinos. Estava obviamente preocupado comigo, raramente alguém se preocupa comigo.. Será que minha febre estava tão alta assim?

Ele saiu para fora da casa e abriu a porta de seu carro colocando-me cuidadosamente sobre a macia poltrona de seu mais fino automóvel. Em seguida, ele entrou fechando as portas. Já era noite, meu corpo estava enfraquecido por passar por tantas coisas terríveis, mal podia ouvir o som dos outros carros e motos na rua, pois estava começando a ficar levemente sonolenta, porém, antes que meus olhos pudessem se fechar por completo, ouvir o homem falar comigo. Prestava atenção apenas em suas mãos que permaneciam fixas no volante do carro.. Ainda conseguia ficar sentada, porém, sentia que estava caindo a medida que o carro movimentava-se.

- Aliás, me chamo Taehyung. Kim Taehyung. Trabalho para Jimin, você não lembra de mim? Faz tempo que lhe vi, mas lembrei de você de cara porque meu chefe simplesmente não parava de falar sobre você. Acho que ele deve tá viajando e deixou você em sua casa, estou certo?

Meus olhos fecharam-se, e eu caí com a cabeça em cima de suas pernas, e então dormi. Estava exausta..

Continua...


Notas Finais


Até o próximo capítulo ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...