História Meu anjo - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 52
Palavras 1.196
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Mutilação, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 8 - Me deixe sosinha


Fanfic / Fanfiction Meu anjo - Capítulo 8 - Me deixe sosinha

Felipe on .

Nossa aquela garota ia ser difícil de ajudar mas eu não podia deixar ela com fome 

-eu não faria isso nunca agora vê se come um pouco 

- não quero você não ouviu 

Ela sai andando em direção a sala de aula 

Gabie on 

Aquele garoto que eu nem conhecia foi se fazer de amiguinho aposto que foi a enfermeira que mandou eu não estava afim de fazer amizades forçadas aliais não estava afim de fazer amizades alguma.

Depois de eu ter entrado na sala já na penúltima aula fiquei ouvindo os professores falarem de assuntos chatos que não me interessavam nada logo o sinal tocou corri até meu armário para pegar meu skate e minha mochila mas novamente aquelas três meninas apareceram 

- olha só a pobrezinha està machucada 

- me deixa 

-pobre órfã quer ir morar com a mamãe lá no céu é ou sera no inferno 

-você lava essa sua boca de cú pra falar da minha mãe

- olha ela querendo se a achar a valentona pois saiba que sua mãe devia ser uma prostituta que dava pra todo mundo é vai saber se seu pai é seu pai verdadeiro sua mãe era uma vadia e você não é diferente dela 

Na quele momento me subiu uma raiva tão grande de dentro de mim quando vi já tinha dado um tapa na cara da quela garota 

- olha aqui garota você vai se arrepender muito disso 

-eu não tenho medo de você nem das suas putas 

- è melhor ter por que hoje você não saí dessa escola com vida tô te esperando lá fora 

Sai da escola para encontrar aquela garota mimada ela achava que ia conseguir me derrubar mas com a raiva que eu estava derrubava ela  e as amigas dela em um segundo 

Quando cheguei lá não era ela que estava me esperando mas sim 3 meninos do terceiro ano  e 4 meninas também do terceiro ano 

- você acha mesmo que a gente ia sujar nossas mãos com você -disse a 3 menina 

-pera ISSo é covardia

- há há você acha mesmo que eu vou deixar você me bater 

Eu tirei minha mochila das costas e já estava pronta pra Correr já que estava com meu skate mas quando vi uma das meninas começou a segurar meus braços e os outros começaram a bater em meu rosto barriga e me dar chutes já n estáva mas aguentando de dor quando ouço uma voz famíliar 

- ei solta ela agora isso é muita covardia com a garota 

- e se a gente não quiser -disse a líder do grupo

-eu vou falar tudo pro seu pai Luiza ele não vai gostar de saber que a filha dele anda mandando as pessoas baterem na novata 

- ei  deixem esse bicho do mato ir com o Felipe 

Felipe on 

Eu estáva saindo da escola quando vi um grupo de 4 meninas e 3 meninos batendo na novata eu não podia  ver Aquilo e passar batido sabia que era coisa da Luiza a filha do direitor fui correndo até onde táva rolando a briga 

- ei solta ela agora isso é muita covardia com a garota 

- e se a gente não quiser -disse a Luiza

-eu vou falar tudo pro seu pai Luiza ele não vai gostar de saber que a filha dele anda mandando as pessoas baterem na novata 

- ei  deixem esse bicho do mato ir com o Felipe -disse a Luiza com uma cara de poucos amigos 

Ajudei a novata a se levantar e levei ela até minha casa ela não queria muito ir mas ignorarei ela estava muito machucada.

Quando chegamos em casa minha mãe não tinham chegado do trabalho mandei ela sentar no sofá  enquanto eu pegava algodão gase e um remédio para aliviar as dores no corpo mas quando voltei ela tinha ido embora

- porra meu que menina teimosa 

Como eu tinha visto ela com um skate na mão sabia que ela devia estar na pista lá perto de casa.

Gabie on 

Depois que o Felipe me ajudou a sair da briga  ele me levou a casa dele pra me ajudar mas eu não queria ajuda dele eu só queria ficar sosinha então quando chegamos a casa dele esperei ele subir e abri a porta e sai  peguei meu skate e minha mochila e fui para a pista de skate sentei na rampa abaixei minha cabeça e comecei a chorar ao lembrar das palavras da quelas garotas ate que sinto uma mão em meu ombro era ele de novo o Felipe 

- você está chorando 

- garoto só me deixa tá vai pra sua casa e me esquece 

-não eu não vou te deixar aqui sosinha 

- eu quero ficar sosinha será que você não entendeu 

-mas eu não aguento ver ninguém sofrer não vou te deixar chorando sosinha 

Ele me faz olhar pra ele enchugando minhas lágrimas 

- alemdo mas você tá machucada  

-não importa 

-pra mim importa

-você do tá aqui porque a enfermeira pediu

-aprende uma coisa eu não me aproximo de uma pessoa se eu não quero eu tô aqui porque quero te ajudar

-ajudar em que

-a ver você bem você parece ser alguém legal 

Não respondi só sabia chorar 

- me conta sua história 

-minha história ?

- è porque você é assim triste 

-não é da sua conta 

- vamos fazer assim eu conto a minha primeiro depois você conta a sua 

Só dei de ombros 

- bom a minha história é a seguinte eu nasci prematuro tive que passar meu primeiro mês de vida no hospital quando eu tinha 6 anos meu pai e minha mãe se separaram hoje em dia eu tenho um meio irmão por parte de pai o Gustavo faz um ano que ele tá lutando contra leosemia fica 24 horas por dia em uma cama de hospital e sempre que dá vou visitar ele pra saber como ele ta

- boa história 

- agora você 

-você não vai calar a boca se eu não contar né

-não 

- quando eu nasci minha mãe tinha apenas 16 anos e meu pai 21 minha vò regeitou a própria neta e meu avô jurou que eu nunca seria neta dele meus avós por parte de pai fingem até hoje que não existo minha mãe sofreu depressão pois parto quando eu tinha nove meses meu avô por parte de mãe morreu minha mãe novamente entrou em uma depressão depois de algumas semanas ela entrou no banheiro  deitou na banheira e fez quatro cortes fundos no seu pulso depois de uma hora meu pai me encontrou chorando no carinho e minha mãe morta na água eu cresci vendo meu pai beber e quebrar a casa inteira minha vò veio morar na casa atrás da minha para garantir minha segurança se não fosse ela eu não teria oque comer -meus olhos encheram-se de lágrimas - agora com 16 anos perdi meu melhor amigo por causa de 2 filhos da puta -novamente comecei a chorar 

- ei calma

-calma é fácil falar não é você que lida com tudo isso sosinha 

-você não tá sosinha eu tô com você 

Ele diz me dando um abraço que por impulso acabo não recusando...

    

Continua...




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...