1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Anjo >
  3. Eu sou o seu lugar seguro

História Meu Anjo - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Tá...eu amei escrever esse capítulo

Capítulo 4 - Eu sou o seu lugar seguro


Fanfic / Fanfiction Meu Anjo - Capítulo 4 - Eu sou o seu lugar seguro

Liandre entrou em sua casa tentando passar despercebido por seus pais, sempre foi silencioso, mas naquela hora eles estavam lanchando e viram o garoto entrar na casa antes mesmo dele tentar passar pelos dois.

- Por que chegou tão cedo Liandre? – Ela se levantou de sua cadeira e encarou o garoto em pé, ela percebeu alguns pequenos machucados no rosto do garoto e chamou atenção do pai dele para o mesmo – Você se envolveu em uma briga novamente? Outra briga? A última vez não adiantou de nada? – Ela começou a gritar com Liandre em um tom de voz totalmente sem paciência.

- Ele que começou a briga...sorte a minha que o aluno novo chegou e me salvou...você devia se importar comigo em vez de me bater sem nem sequer ter certeza do que aconteceu – Liandre levantou seu rosto que até aquele momento estava a baixado e encarou sua madrasta.

- Não me diga o que fazer garoto imprestável – A mulher ergueu a mão e deu um tapa forte no rosto do garoto, uma marca vermelha se instalou na região no mesmo momento do choque.

- Assim você espera que eu tenha respeito por você? – Liandre levou a mão até a bochecha no local do machucado, mas nem sequer mudou seu tom de voz.

-Você tem uma semana para sair de casa Liandre! – Seu pai se levantou da cadeira um pouco tonto completamente alcoolizado, como sempre.

- Podem ter certeza que saio daqui antes mesmo de sexta-feira – O garoto correu para seu quarto segurando o choro e trancou a porta, ele pegou o celular mandando uma mensagem para Norman.

[email protected]

Podemos ficar na sua casa de em vez da minha?

@Normanzinho S2

Claro claro :)

@Liandre

Obrigada Norman

Liandre guardou o celular e ignorou as outras mensagens que havia recebido.

Ele colocou seus fones de ouvido e começou a ouvir música enquanto as lágrimas começavam a cair molhando seu rosto, o nó na garganta ia diminuindo enquanto o garoto começava a soluçar baixinho para não ser ouvido por seus pais.

Ele estava sentado encolhido na cada com a cabeça encostada na parede enquanto abraçava os joelhos, ele soltou eles e envolveu seu corpo com as mãos enquanto apertava seus braços com força cravando as unhas em sua pele.

Algumas marcas de arranhões se formaram em uma trilha vermelha por onde ele passava seus dedos pressionando a pele enquanto uma dor consumia seus braços. Ele soluçava enquanto sentia aquele vazio acompanhado de desespero e solidão o consumia de dentro para fora.

Ele sentia aquilo o consumir por completo e olhou para a gaveta do criado mudo ao lado de sua cama, ele tentou ficar três dias sem se machucar, mas acabara de quebrar essa promessa. Ele abriu a gaveta e pegou a lâmina que ficara guardada ali por dois dias consecutivos. O garoto se sentia culpado e simplesmente passou a lâmina com força contra sua pele enquanto segurava as lágrimas que deixavam sua visão turva, ele somente conseguia distinguir a cor vermelha manchar seu tom de pele um pouco mais branco do que o normal.

Ele sentiu a dor e logo pegou a lâmina e fez um corte na diagonal formando um X quase perfeito em seu ante braço, o sangue começou a jorrar e ele se assustou ao ver o ponto de encontro entre os cortes se abrir um pouco demais.

Ele pressionou os cortes com força manchando suas mãos e um pouco de sua roupa de cama com sangue. O garoto foi até o banheiro e lavou o machucado depois de um tempo, ainda sangrava um pouco e a água da pia ficou totalmente vermelha, ele secou o braço manchando um pouco da toalha e simplesmente virou a mesma ao contrário escondendo as manchas.

Ele enfaixou o pulso com as mãos trêmulas e deitou na cama sem se importar com as manchas, não eram as primeiras, mas também não seriam as últimas provavelmente.

Liandre fechou os olhos depois de colocar o celular para carregar e arrumar as suas coisas para passar a noite com Norman. Ele colocou um alarme para dez minutos antes das três da tarde e adormeceu rapidamente no total escuro proporcionado por suas cortinas que cobriam totalmente sua janela.

Seu alarme tocou pouco tempo depois de Liandre acordar e ele se levantou checando se havia alguma mensagem de Norman.

@Normanzinho S2

A princesa já tá pronta?

@Liandre

Sim,a princesa tá pronta kkk

Liandre sorriu fraco e pegou sua mochila indo até a parte de fora de casa enquanto ouvia gemidos vindos do quarto de seus pais. Assim que chegou viu Norman trajando uma camisa social preta junto de sapatos e calças um pouco mais sofisticados e totalmente pretos.

Liandre se sentiu um pouco constrangido por não estar com uma roupa diferente, ele somente havia trocado de camiseta e colocado outro casaco.

- A carruagem chegou Vossa Alteza – Norman sorriu de lado e abriu a porta para Liandre entrar.

- Ah muito obrigado...Norman – Liandre se sentiu um pouco envergonhado e se sentou no carro observando o garoto fechar a porta e entrar logo em seguida.

Norman olhou Liandre por um tempo e sorriu ao ver o mesmo corar por estar sendo observado. Norman desviou o olhar e deu partida no carro saindo de perto da casa do garoto. Aquele sentimento ruim que ele tinha foi sumindo enquanto a distância foi aumentando entre ele e sua casa.

Norman ligou o rádio e colocou Lu de Luhan e observou Liandre sorrir maliciosamente enquanto imitava o cantor e cantava animado.

- Eu sempre maliciei os gemidinhos dele na música – Norman disse sorrindo enquanto ouvia Liandre imitar justamente a parte da qual se referia.

- Meu Deus Norman é só uma música – O garoto sorriu um pouco envergonhado e parou de cantar olhando para ele.

- Não é minha culpa se você imita direitinho, a sua versão é até melhor que a dele – Ele sorriu maliciosamente e olhou de relance para Liandre percebendo que suas bochechas estavam coradas.

- Não fala essas coisas! – Falou Liandre ainda mais envergonhado.

- Que foi?É verdade ué... – Norman soltou uma risada fraca enquanto esperava Señorita começar a tocar depois de Lu acabar de tocar.

- Eu amo essa música – Disse Liandre animado – Eu canto a Camila e você o Shaw – Liandre começou a cantar enquanto Norman sorria abertamente.

E assim eles fizeram um dueto enquanto passava pelas ruas da cidade, a música acabou quase na mesma hora que chegaram na casa de Norman. Ele sorriu e desligou rádio, assim saiu do carro e abriu a porta para Liandre sair.

- Abram passagem para o cantor passar – Norman sorriu maliciosamente para Liandre enquanto o garoto saia do carro.

- Como assim? – Liandre observou a garagem de Norman e depois voltou seu olhar para ele.

- Você canta muito bem, quero gravar você cantando Lu pra colocar de despertador – Norman disse soltando uma risada convencida.

- Você é um pervertido...

- Ah qual é! Você canta bem pra caramba – Norman fechou a porta do carro e se voltou para Liandre.

- Você também, então somos um dueto... – Liandre sorriu tímido e olhou para o chão um pouco envergonhado para o chão.

- Você é um anjo mesmo - Norman puxou o garoto para dentro de casa e abriu os braços ao entrar na mesma dando de cara com os primeiros cômodos – Essa é a minha humilde casa...Desde meus 16 anos moro aqui, ou seja, desde ano passado.

- Uau...que linda...você que comprou? – Liandre deu um passo a frente avistando a cozinha e a sala de estar acopladas, mas mesmo assim eram grandes e compunham quase todo o primeiro andar.

- Não, meus pais me emanciparam quando eu completei 16 anos porque eu queria morar sozinho aqui nos Estados Unidos e me deram essa casa de presente, até hoje não sei da onde ela brotou – Norman deu de ombros e foi até o sofá se sentando no mesmo – Pode colocar sua mochila aí em cima de uma das cadeiras...

- Ah obrigado... – Liandre colocou a mochila em uma das cadeiras e foi até o sofá se sentando ao lado de Norman.

- Por que resolveu vir até minha casa? Seus pais não deixaram? – Norman apoiou os braços no encosto do sofá e olhou para Liandre.

- Eu nunca deveria ter cogitado te levar até a minha casa... – Liandre olhou para as mãos de uma forma triste.

- Por quê? – Norman se aproximou do garoto e passou o braço por cima de seu ombro.

- Meus pais são...complicados... – Ele corou de leve com a aproximação, mas não olhou para Norman.

- Mas...complicados como? – Norman continuava olhando o garoto a sua frente, ele era baixinho e quase parecia uma criança perto dele.

- Eles são...diferentes dos outros...é uma história complicada...

- Olha...me conte sua história com seus então... – Norman o puxou mais para perto e acariciou seus cabelos.

- Bom...minha mãe foi embora quando eu tinha uns nove anos eu acho...meu pai a amava muito, mas ela não aguentava o fato dele beber tanto, então foi embora e me deixou com ele, na esperança de eu poder ajudar ele – Ele disse mexendo nas mãos – Meu pai era agressivo com ela, mas nunca havia me tocado, até um fia ele chegar do bar bem tarde da noite enquanto eu estava sentado fazendo os deveres do colégio, ele disse que minha mãe era uma covarde idiota e eu disse que ela era mais corajosa que ele e que pelo menos não afogava as mágoas em bebidas ou drogas...eu devia ter ficado calado e... – Liandre sentiu uma lágrima descer por seu rosto e antes mesmo de cogitar fazer alguma coisa, Norman passou a mão por sua bochecha a limpando.

- Pode continuar meu anjo, não tenha medo ok?Não vou te julgar... – Norman sorriu enquanto o garoto olhava para ele.

- Hum...ok – Liandre respirou fundo e voltou a falar com a voz trêmula – Ele ficou bravo comigo e jogou uma garrafa em mim, é óbvio que eu me cortei, ele me socou algumas vezes no rosto e depois de um tempo me encarando ofegante, saiu dali e se trancou no quarto – Ele não conseguia olhar para Norman enquanto falava – Bom...isso se tornou um pouco comum e ainda tenho algumas cicatrizes espalhadas pelo meu corpo, mas aí ele conheceu um moça, Cassandra...ele dizia ter se apaixonado por ela e logo se casou com ela, quando ela se mudou para casa meu pai parou de me bater e ela me tratava razoavelmente bem...até um dia um dos meus primos ir na minha casa enquanto a minha tia saia para viajar e ele...ele abusou de mim e...bem...meu pai não acreditou em mim quando disse que tinha sido forçado a isso, então me bateu tantas vezes que fiquei inconsciente – Ele fez uma pausa para respirar notando que ainda chorava – Ah desculpa...

- Não tem problema...quero te conhecer melhor, por isso quero que me conte essa história até o fim...por mais que nesse momento esteja querendo matar todo mundo da sua família – Norman tentou amenizar a situação sorrindo.

- Eu também – Liandre sorriu agradecido e se apoiou no ombro de Norman enquanto o mesmo fazia cafuné nele – Meus pais me batem, os dois, e toda vez que chego machucado em casa eles me batem de novo e de novo, eles as vezes usam drogas e me ignoram, as vezes lembram que eu existo e me batem por motivos idiotas...hoje meu pai disse que eu tenho uma semana para sair de casa... – Liandre sentia o nó em sua garganta se formar novamente e tentou segurar o choro.

- O meu Deus...sei que quando estamos tristes e alguém nos abraça é impossível segurar o choro, mas quero te dizer que não precisa ter vergonha de chorar aqui comigo... – Norman puxou Liandre para seu colo e abraçou a cintura do garoto enquanto o mesmo soluçava encolhido nos braços do maior.

- D-Desculpa eu...

- Shhh – Norman acariciou seus cabelos enquanto abraçava o garoto com uma das mãos em volta da cintura pequena de Liandre – Você é tão pequeninho e delicado que eu tenho vontade de te trancar num quarto e te proteger do mundo inteiro...

- Você tem noção do quanto isso soou errado? – Liandre levantou o rosto e sorriu enquanto Norman limpava suas lágrimas.

- Tenho e foi propositalmente... – Ele sorriu maliciosamente e voltou abraçar a cintura do garoto.

- Meu Deus...tu é? – Liandre perguntou irônico.

- Sou – Norman deu uma piscadinha e sorriu vendo o rubor nas bochechas de Liandre.

- Você é louco! Você vai me comer vivo – Liandre queria se referir a um psicopata ou algo assim, mas acabou se envergonhando mais ainda percebendo o que havia falado e escondeu o rosto no peitoral do maior.

- Talvez eu te coma...mas não nesse sentido canibal – Norman soltou uma risada rouca.

- Ah você vai me comer... – Liandre ainda escondia o rosto enquanto Norman ria.

- Ah qual é, não seria tão ruim assim eu sou bonito pelo menos – Ele segurou a risada se contendo em um sorriso gigantesco no rosto diante da vergonha do mesmo.

- Convencido! – Liandre se afastou um pouco enquanto Norman soltava seu abraço e segurava a cintura do garoto.

- Eu sou mesmo... – Norman segurou o garoto mais firme para ele não cair e notou que ele havia estremecido e arrepiado – O que foi?

- M-Minha cintura...Ah – Ele abaixou a cabeça constrangido por ter reagido dessa forma e levou uma das mãos a boca contendo um gemido.

- O que tem ela?Eu te machuquei? – Norman o puxou mais para perto pela cintura e notou que o garoto novamente tremeu e caiu sobre seu peitoral.

- E-Ela é sensível...A-Ah Norman... – Liandre se apoiou nos ombros do garoto gemendo de leve em seu ouvido.

- Ah eu tô te tocando em um ponto sensível é? Por isso está se tremendo todo? – Norman deslizou as mãos pela cintura do garoto o provocando.

- S-Sim... – Liandre deu um leve sobressalto e tombou a cabeça para trás gemendo baixinho.

- Meu Deus Liandre... – Norman queria esconder a queimação que sentia em sua barriga ao ver o garoto daquele jeito e o apertou com força pela cintura enquanto colocava as mãos por baixo da camisa do mesmo roçando seus dedos por toda a extensão do local.

- P-Para com isso...t-tá me deixado d rum jeito estranho... – Liandre corou fortemente e mordeu os lábios ao sentir o mesmo tocar sua pele quente com seus dedos frios, ele estremeceu sobre o colo do maior e apoiou a cabeça no ombro dele soltando gemidinhos abafados.

- Quer que eu pare? – Norman segurou sua cintura firme e com um pouco de força.

- P-Por favor... – Liandre se encolheu com um certo medo.

- Ok então...eu paro – Norman notou o estado do garoto e se sentiu um pouco culpado – Desculpa, não quis te trazer sentimentos ruins...era só uma brincadeira...

- N-Não tem problema...na real eu senti uma coisa estranha na minha barriga...uma sensação boa... – Liandre olhou para Norman sem entender direito o que estava acontecendo.

- Uma coisa estranha? Meu Deus Liandre você é muito ingênuo... – Norman sorriu maliciosamente e cobriu a boca surpreso.

- O que? O que foi? Você sabe o que é isso? – Liandre olhou para ele confuso e um pouco constrangido.

- Claro que sei...você estava ficando excitado meu anjo... – Ele voltou a segurar a cintura do mesmo sem apertar.

- Excitado...mas isso é... – Liandre olhou para Norman constrangido – Isso é errado...

- Não é não meu bem,é só uma reação do seu corpo ok?É normal não precisa ter vergonha... – Norman o olhou de uma forma simpática tentando passar confiança para o garoto.

- Mas você que me tocou...é errado ficar excitado com isso...ainda mais na sua frente – Liandre se afastou envergonhado e cobriu o rosto.

- Ei...não é errado, primeiro eu estava te provocando, segundo é normal e terceiro...não tem nenhum problema sido comigo – Norman aproximou o garoto de seu corpo e sorriu enquanto tirava as mãos do mesmo de seu rosto.

- Você...você não sente nojo de mim? – Liandre olhou para Norman de uma forma um pouco triste.

- Claro que não meu anjo – Norman soltou uma risada fraca e voltou a apoiar as mãos na cintura do garoto – Tenho que confessar que fiquei do mesmo jeito...

- S-Sério?Eu te deixei excitado? – Liandre olhou para Norman envergonhado e apoiou as mãos no peitoral do garoto.

- Sim, e posso te dizer que foi o primeiro garoto a fazer isso tão rápido – Norman sorriu de lado.

- Fui? Me desculpa... – Liandre baixou sua cabeça desapontado.

- Não tem problema algum meu anjo, como eu já disse e como você mesmo revelou...é um sentimento bom – Norman falou no ouvido do garoto com a voz um pouco rouca.

- A-Ah...que bom... – Liandre arrepiou e ficou corado.

- Você é sensível hum...é tão fácil te controlar...isso é perigoso – Norman observou o corpo do garoto enquanto passava suas mãos pela extensão da cintura fina do garoto – Você também tem um corpo muito bem definido...tão lindo...

- Obrigado...você também é muito bonito e tem um corpo definido... – Liandre sorriu envergonhado e segurou um gemido – Você é grande...

- E você é pequenininho...isso te deixa muito mais atraente...sua cintura fina e sua pele delicada... – Norman acariciou a cintura do garoto enquanto passava deu polegar pela bochecha do garoto.

- O-Obrigado... – Liandre corou fortemente enquanto tremia de leve pelos toques do maior.

- Se eu for invasivo me avise...só quero te tocar...você é tão lindo... – Norman observou cada parte do corpo do garoto a sua frente e quanto descia sua mão do rosto do garoto até a cintura dele.

- Ok...eu aviso... – Liandre disse observando a mão de Norman descer por seu corpo e o puxar contra seu corpo pela cintura, ele gemeu baixinho enquanto apoiava sua testa no peitoral do maior.

- Eu tive uma ideia...muito ruim, mas tive uma ideia – Norman disse abraçando o garoto pela cintura.

- Qual seria a ideia? – Liandre disse olhando para ele.

- Bom...eu percebi que você é bem ingênuo e isso me deixa preocupado por causa do garoto lá da escola, por seu pai e tudo o mais...eu mesmo acho você atraente e gostei de te tocar, mas seu tenho noção do ridículo e sei que é errado tocar os outros sem ter permissão – Norman olhou Liandre nos olhos – Eu pensei que eu, como sou um garoto e sei como essas coisas funcionam, podia te mostrar o que você não deve deixar os outros fazerem com você...

- Acho que entendi... – Disse Liandre desviando o olhar.

- Você me parece muito puro...queria te tirar isso pra não precisar se preocupar com os outros...mas não sei se você quer...

- Eu aceito...mas o que seria tirar isso? – Liandre olhou confuso para Norman.

- Você é virgem? – Norman parecia um pouco hesitante, então Liandre tentou parecer confiante.

- Sou...você quer dizer... – Liandre olhou para baixo e depois para Norman.

- É...isso que eu quero dizer, não precisamos fazer isso...só não quero te ver triste e quero que você ignore tudo o que seu primo fé com você ok?Se ele tiver te beijado, ignore isso você ainda é BV,entende o que quero dizer? Não diga que já beijou alguém sendo que você não queria ser beijado...

- Eu entendi... – Liandre olhou para Norman sorrindo de lado – Obrigada por isso...eu acho uma boa ideia...por mais que pareça errada...

- Não é errado meu anjo, é para a sua segurança,eu não quero que alguém tire esse prazer de você sem ter tido a sua permissão – Norman segurou o rosto do garoto e sorriu – Eu sei como primeiras vezes parecem assustadoras e nos deixam nervosos, então queria poder te mostrar como tudo acontece pra você poder...aproveitar outras vezes sem se preocupar com ser sua primeira vez...não sei se isso faz sentido – Norman deu uma risada fraca o que aliviou Liandre.

- Ah isso é tão bom...parece tipo um milagre...obrigada por isso Norman... – Liandre abraçou o pescoço do mesmo sorrindo.

- De nada meu anjo – Norman abraçou a cintura do garoto – Quer aproveitar que temos privacidade e tentar algumas coisas?

- Pode ser...se não for incomodo – Liandre voltou a se sentar no colo do Norman e o olhou.

- Vai por mim,vai ser prazeroso pra mim também – Norman sorriu maliciosamente e Liandre revirou os olhos.

- Você é um pervertido mesmo – Ele riu fraco junto de Norman.

- Eu sou um pervertido com certeza...mas agora, quer ir lá para a cama? Talvez seja mais confortável... – Norman realmente se preocupava com o fato de Liandre ser ingênuo, com certeza muita gente já deve ter feito coisas com ele sem que ele sequer percebesse que era errado.

- O que for melhor para você... – Liandre percebeu o olhar de reprovação de Norman e reformulou a frase – Pode ser aqui mesmo...

- Melhor – Norman sorriu – Então, partir de agora, tudo o que eu fizer as outras pessoas, sejam elas quem forem, sejam seu namorado ou familiares, só podem fazer com sua permissão...assim como eu, então se quiser que eu pare me avise – Norman soltou a cintura do garoto e somente apoiou suas mãos ali.

- Sim senhor – Liandre sorriu um pouco animado e segurou nos ombros de Norman.

- Se alguém já tiver feito isso com você, me diga o nome que eu mato ela ok? – Ele sorriu brincalhão.

- Tá tá... – Liandre retribuiu o sorriso.

Norman puxou ele mais para perto de se aproximou do pescoço do garoto dando alguns beijinhos na região. Liandre soltou gemidos manhosos no ouvido de Norman enquanto ele dava chupões em seu pescoço e algumas mordidinhas, algumas marcas se formaram na pele clara do garoto e ele sorriu de leve ao ouvir os gemidos que o garoto soltava.

Norman puxou o rosto de Liandre para perto do seu e posicionou uma de suas mãos na cintura do garoto e a outro em seu queixo. Ele puxou o garoto para mais perto e deu um selinho demorado nele, seus lábios eram quentes e macios, Liandre abriu de leve a boca quando Norman apertou sua cintura soltando um gemido e o garoto aproveitou para introduzir sua língua dentro da boca do mesmo.

Suas línguas se enrolavam em sincronia, mesmo que Liandre não soubesse direito o que fazer, beijar Norman era muito bom, e assim Norman apoiou as duas mãos na cintura do garoto as apertando de leve. Ele soltava gemidinhos entre o beijo até que Norman passou as mãos por dentro da camisa do garoto e ele estremeceu parando no meio do beijo para soltar um gemido manhoso.

Norman aproveitou a deixa e mordeu o lábio inferior de Liandre que gemeu novamente e abaixou a cabeça tremendo um pouco por conta dos toques. Norman sorriu e massageou a cintura de Liandre com delicadeza causando mais impacto ainda no corpo do garoto que estremecia.

Ele apoiou a cabeça no peitoral do maior segurando em sua camisa com força enquanto gemia de uma forma abafada. Norman parou um pouco enquanto olhava para Liandre que estava ofegante.

- Quer que eu pare? ;- Norman levantou o rosto do garoto para olha-lo nos olhos.

- N-Não...tá tão bom... – Liandre olhou para Norman corado por dizer aquilo e se arrependeu.

- Você está gostando é?Safado – Norman sorriu maliciosamente.

- Aff – Liandre revirou os olhos e olhou para a camisa social que o mesmo usava.

- O que foi? – Norman perguntou e logo percebeu que Liandre passava as mãos pelos botões os abrindo um por um – O que está fazendo?

- Shiu – Liandre observou a camisa aberta e sorriu um pouco corado – Você também é muito bonito Norman...

- Mas olha que ousadia – Ele sorriu e observou o garoto sentado sobre o seu colo – Posso tirar a sua?

- P-Pode mas...eu estou machucado nos braços... – Ele tentou contornar a situação.

- Não tem problema, não vou te machucar – Ele tirou o casaco do garoto sorrindo e observou as faixas – Quer me contar o que aconteceu?

- Depois eu falo...não vamos atrapalhar o momento... – Liandre deu um sorriso um pouco malicioso o que provocou uma risada breve de Norman.

- Ok ok...falando desse jeito eu não posso recusar – Norman passou as mãos pela cintura de Liandre propositalmente enquanto tirava sua blusa e o observou – Meu deus...

- O-O que foi? – Liandre cobriu o corpo com seus braços envergonhado.

- Você...tá todo machucado...quantas cicatrizes... – Norman estava com os olhos levemente arregalados incrédulo.

- E-Eu...eu sei que não é bonito... – Liandre se encolheu envergonhado e um pouco triste.

- Não...claro que não,eu só fiquei surpreso – Norman tirou os braços do menor da frente seu corpo e o observou novamente – Você continua lindo...lindo e delicado...eu vou te levar para a cama com certeza.

- Essa frase teve um duplo sentido... – Liandre corou.

- Eu sei, e eu falo literalmente – Ele sorriu e pegou o garoto no colo após se levantar do sofá – Você é levinho...por acaso você come alguma coisa?

- Claro que sim... – Liandre fala revirando os olhos enquanto abraçava o pescoço de Norman e entrelaçada suas pernas ao redor da cintura do mesmo.

- Acho bom... – Norman subiu as escadas sem nenhuma dificuldade e parou na frente da aporta para abri-la – Não comente nada sobre o meu quarto maravilhoso ok?

- Ok – Liandre soltou uma risada fraca.

- Muito bom... – Ele abriu a porta e entrou no quarto enquanto ia até a cama.

- Ah... – Liandre abriu a boca para falar mas ficou calado enquanto Norman o deitava sobre os lençóis.

- Agora...quer mesmo fazer isso? – Norman se sentou entre as pernas de Liandre, tudo bem que até aquele momento já estava com seu membro duro e não tinha nenhuma escolha muito confortável para resolver a situação.

- Tenho...eu preciso...você precisa... – Liandre empurrou seu corpo contra o membro de Norman e mexeu um pouco para o provocar.

- P-Porra... – Norman soltou um gemido baixo e segurou as pernas de Liandre com um pouco de força.

- D-Desculpa... – Liandre desviou o olhar arrependido.

- Não se desculpe...eu só não consigo me controlar se você ficar me provocando... – Liandre ouviu isso e corou – O que foi? Você é muito gos...muito bonito e atraente...

- Você ia dizer gostoso né? – Liandre sorriu ainda corado.

- É...mas não quero ser rude... – Norman ficou um pouco constrangido e desviou o olhar.

- Não precisa, eu confio em você...pode fazer o que quiser comigo que eu não vou recusar – Liandre sorriu de uma forma meiga enquanto o rubor de suas bochechas diminuía.

- Não fale algo assim...eu geralmente não sou muito delicado... – Norman olhou para Liandre um pouco triste pois não queria machucar o garoto.

- E daí? Não vai me machucar, eu sei disso... – Liandre ainda sorria e cutucou o ombro do mair com o pé, ele havia tirado os sapatos enquanto era deitado na cama.

- Você não me conhece... – Ele olhava para Liandre de uma forma apreensiva.

Liandre de levantou e ficou de frente para Norman, assim deu um selinho no maior e sorriu.

- Isso basta pra você entender que eu realmente não me importo? – Liandre abraçou o pescoço dele e sorriu.

- Mas...eu quero que você aproveite também... – Norman cruzou as pernas e o garoto se sentou rapidamente no colo dele.

- E eu vou aproveitar e sei que vou visitar bastante – Liandre deu uma rebolada no colo do garoto que soltou um gemido apertando a cintura do menor.

- T-Tem certeza?Se continuar me provocando desse jeito eu vou usar muita força na hora de... -Norman tentou se controlar ao ouvir o gemido que o menor soltou ao ter sua cintura apertada.

- T-Tenho... – Liandre deu uma quicada sobre o membro do garoto e gemeu baixinho enquanto o maior gemia.

- Se quiser que eu pare...me avise...por favor me avise, não se sinta obrigado a nada... – Liandre olhou para ele de uma forma compreensiva.

- Sim senhor – Ele sorriu enquanto dava um selinho nele.

Norman sorriu de lado e retribuiu o selinho que logo se tornou um beijo mais quente enquanto Norman ficava cada vez mais excitado com os barulhinhos que eram provocados pelo beijo dos dois.

Norman segurou as coxas do garoto e sorriu entre o beijo enquanto ele segurava firme em sue pescoço e começava a deita-lo na cama. Norman tirara os sapatos a bastante tempo e agora estava abrindo a calça do menor devagarinho.

Liandre se afastou do beijo ofegante ainda de olhos fechados e sorriu de canto, mas ele sentiu suas bochechas queimarem quando o maior retirou sua calça por completo e se afastou para observar o corpo do garoto.

- Caralho Liandre... – Norman olhou para o corpo do garoto outra vez.

- O-O que foi? – Ele gaguejou tanto por estar ofegante e tanto por estar envergonhado.

- Você é muito bonito...tipo muito mesmo...te ver assim me deixa de um jeito que você nem imagina... – Norman balançou a cabeça em negação e sorriu – Você é um anjo mesmo.

- Ah pare com isso – Liandre corou fortemente e tampou o rosto envergonhado.

- Não tampe seu rosto, ele é lindo demais para afixar escondido – Norman puxou os dois braços do garoto para cima e os segurou com somente uma de suas mãos,era tão pequeno que conseguia fazer isso sem dificuldade alguma.

- -Ah Norman...tá me deixando envergonhado – Liandre ainda corado fechou os olhos com vergonha.

- Você fica tão fofo envergonhado...vou te deixar mais vezes assim... – Liandre se deitou sobre Liandre soltando os braços do garoto que rapidamente cobriu o rosto – Eu vou amarrar seus braços se você fizer isso de novo...tira os braços daí

- Eu não consigo – Liandre falou ainda tampando o rosto.

- Ok então – Norman tirou seu cinto e puxou as duas mãos do garoto as amarrando sem muita força acima de cabeça do menor.

- Isso é injusto... – Liandre fez um biquinho e abriu os olhos.

- Injusto é ei não poder olhar pro seu rostinho lindo – Norman sorriu e se aproximou do rosto do mesmo dando um selinho demorado no garoto.

Liandre sorria fraco enquanto beijava o mesmo e ele começou a puxar sua peça íntima para baixo enquanto beijava Liandre. O garoto corou fortemente interrompendo o beijo.

- Não olha...

- Olhar para onde? – Norman parou de tirar a box do garoto e olhou para ele.

- Pra baixo...não quero que me veja assim...eu sou feio... – Liandre disse desviando o olhar.

- Como assim feio? Você é lindo de todas as formas que alguém pode ser Lian, seu corpo é extremamente perfeito e proporcional, nunca me importei muito com esses padrões mas você...eu ia falar um palavrão mas deixa – Ele sorriu e segurou o queixo de Liandre dando um selinho no mesmo – Você é lindo em cada parte do seu corpo, não há nada nojento ou feio em você ok?Não precisa ter vergonha – Norman se afastou do garoto ainda sorrindo.

- Mas eu...

- Olhe aqui meu anjo...não precisa ter vergonha, é algo natural – Norman se levantou passando a mão pelas matérias do corpo do menor e sorriu – Eu prometo ter cuidado.

- Ok então...eu confio em você – Liandre deu um sorriso tímido e se remexeu na cama.

- Você não tem noção do quanto essas palavras me deixam feliz – Isso era verdade, saber que Liandre confiava nele o deixava animado e feliz.

Liandre sorriu enquanto olhava o peitoral e o abdômen exposto do maior agora que parou para pensar, geralmente os tamanhos dos nossos corpos são simétricos ou pelo menos um pouco proporcionais, o que significava que se Norman era grande e forte, logo...

O garoto cortou mais ainda e olhou para as calças de Norman com um certo medo.

- Está tudo bem?

- É que...deve ser grande...

- Grande? – Norman acompanhou o olha do menor e deu uma leve risada – Não vai te machucar eu prometo.

- Uhum... – Liandre engoliu em seco e tentou ficar calmo.

- Vem, vamos acabar logo com isso... – Norman colocou as mãos na box do garoto e olhou para seu rosto enquanto tirava a mesma.

Liandre corou o máximo que alguém conseguia ficando igual um pimentão e virou o rosto para o lado envergonhado. Norman sorriu vendo a reação do mesmo e jogou a box do garoto em cima de uma poltrona com outras roupas em cima.

- Vou soltar as suas mão pra você poder se apoiar ok?Se quiser que eu pare me avise... – Norman desamarrou o cinto das mãos de Liandre e o jogou na mesma poltrona.

- Vai doer? – Perguntou Liandre com um pouco de medo enquanto Norman abria sua colça.

- Vai...de início vai doer um pouco, mas não muito... – Disse Norman tirando sua calça e voltando a ficar entre as pernas de Liandre.

- Obrigado... – Liandre sentiu seu corpo estremecer quando Norman segurou em sua cintura após tirar sua box e se deitar sobre ele.

Liandre segurou nos ombros do maior enquanto olhava nos olhos dele tentando se acalmar. Norman abraçou a cintura de Liandre o penetrando devagar,o garoto gemeu alto e cravou suas unhas nos ombros do maior sentindo sua entrada pulsar enquanto se abria em volta do membro do mesmo.

- Já vai passar – Norman segurou Liandre com firmeza e repetiu o movimento com um pouco mais de velocidade.

Liandre gemeu novamente e fechou os olhos, mesmo que doesse um pouco era prazeroso de uma forma que ele não conseguia entender. Percebeu que ambos começaram a suar enquanto Norman repetia os movimentos.

Liandre arranhavam os ombros de Norman gemendo alto em seu ouvido enquanto ele se mexia dentro do mesmo. Norman preferia machucar ele um pouco agora do que isso acontecer mais tarde com alguém estranho e nada cuidadoso.

Mesmo que se sentisse um pouco mau por causar essa dor em Liandre sentia que era necessário, assim aumentou a velocidade das estocadas enquanto soltava gemidos abafados.

- N-Norman... – Liandre gemeu o nome do garoto de uma forma um pouco manhosa o que deixou o garoto ainda mais excitado e o fez ir um pouco mais rápido arrancando mais gemidos do menor.

Liandre sentiu algo estranho subir por seu corpo enquanto o maior aumentava a velocidade. Sentiu seu membro pulsar e segurou nos ombros de Norman com mais força sobre os arranhões que já havia feito na pele do mesmo.

Depois de mais algumas estocados ambos acabam se desfazendo ofegantes. Estavam suados e Liandre ainda gemia baixinho agarrado a Norman. Obmaior abraçou a cintura do garoto recuperando o fôlego e saiu de dentro dele arrancando um gemido manhoso e longo dele.

- Pode me soltar... – Disse Norman olhando para Liandre controlando a respiração ofegante.

- D-Desculpa... – Liandre soltou o maior e colocou os braços sobre seu peitoral.

- Não precisa se desculpar meu anjo – Norman soltou o garoto e acariciou sua bochecha.

- Ah...i-isso foi...bom... – Liandre ainda estava corado enquanto soltava leves gemidos cansado.

- Foi mesmo...muito bom... – Norman fala sorrindo.

- Você...gostou? – Liandre olhou o maior nos olhos com um certo medo da resposta.

- Sim, gostei...e você? Doeu muito? – Norman não queria ter machucado ele,mas as vezes não tinha noção de sua força e tamanho.

- Eu...gostei...e não doeu...não muito - Liandre desviou o olhar envergonhado por ter dito que havia gostado.

- Sinto muito por ter te machucado...

- Não fala besteira Norman, eu gostei disso não me arrependo de nada...não se preocupe – Liandre sorriu tímido e abraçou ele.

- Ah...que bom então...vem, vamos tomar um banho – Norman se levantou e sorriu puxando o garoto pelas pernas até a ponta da cama.

- Ah meu Deus.... – Liandre se assustou um pouco e olhou para cima vendo Norman rir – Seu chato!

- Chato é? Vou te mostrar quem é chato... – Norman agarrou a cintura de Liandre e apertou a mesma.

- N-Norman! – O garotos exclamou soltando um gemido abafado

- Viu? Eu sei ser bem pior...agora vem tomar banho que a gente tá suado – Norman levantou Liandre que caiu em cima dele.

- Eu não sinto minhas pernas... – O garoto abraçou Norman quase caindo.

- Meu Deus...esqueci que você era pitiquinho...

- Vá a merda! – Norman riu e pegou o garoto no colo e o levando até o banheiro.

Cada um tomou seu banho separadamente e depois ambos saíram do quarto, Liandre agarrado nas costas de Norman enquanto desciam as escadas e iam até a cozinha comerem alguma coisa


Notas Finais


Eu amo Liandrezinho pitico kkk
Espero que tenham gostado.
Beijinhos da autora Penny.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...