1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Babá é Um Pervertido! - Imagine Jungkook >
  3. Romeu e Julieta.

História Meu Babá é Um Pervertido! - Imagine Jungkook - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Então né, finalmente dei as caras por aqui hehehhehe.
Vou passar um mês sem aulas, oque significa que teremos bem mais capítulos fresquinhos, yayyyy.
Desculpem pela demora, espero que gostem do novo capítulo, fiz com muito amor para vcs!
Obrigada por todos os favoritos, foram quase o DOBRO desde a última vez que postei um.
Boa leitura!!

Capítulo 6 - Romeu e Julieta.


Fanfic / Fanfiction Meu Babá é Um Pervertido! - Imagine Jungkook - Capítulo 6 - Romeu e Julieta.

~Flashback On~

Alguns meses atrás...

P.O.V JUNGKOOK

Meus olhos brilhavam, desacreditados  com o fato de que estava realizando um sonho que mantive por muito tempo.Beliscava o braço repetidamente, com medo de que não fosse real, um sorriso de orelha à orelha se mantinha em meu rosto, sem prazo para findar, acompanhado dele, um semblante alegre.

– O Senhor parece bastante animado, vai encontrar alguém especial? – O taxista indaga me observando pelo retrovisor.Era difícil encobrir minha ansiedade, que transparecia de qualquer forma.

– Vou encontrar uma pessoa que amo. – Apoio o cotovelo na janela, observando as belas paisagens, tento ao máximo disfarçar o rosto corado por pronunciar tais palavras em voz alta pela primeira vez.

Amar...havia muito tempo que não tinha alguém para isso.

– É uma garota, certo?  – O motorista pergunta.

– É sim. – Sorrio de canto, penso como será ver seu lindo rosto pessoalmente.

– Ela deve ser muito amada mesmo, já que o Senhor não conseguiu tirar o sorriso do rosto por um segundo desde que entrou no carro.  – Ele ri da minha situação. – Só não a deixe escapar.

– Não deixarei... 

[ ... ]

Pago o táxi logo me despedindo do mesmo.Fico deslumbrado ao ver o estabelecimento em minha frente, era ainda mais belo pessoalmente, e grande demais para uma pessoa.Não contive a vontade de tirar uma foto para guardar como lembrança.Lembro-me de avisar sobre minha chegada, logo discando um número no telefone

– Alô Tio? Sim! Eu finalmente cheguei! – Não contenho outro sorriso que insistia em escapar de meus lábios. – É lindo, muito obrigado! Sim sim, terei bastante cuidado e prometo ser responsável.Certo, vou desligar. – Guardo o telefone no bolso.

Inalo o ar limpo e fresco, sentindo a brisa leve passar.Não poderia ser um dia melhor.

Oh Busan, eu finalmente cheguei...

~Flashback Off~

P.O.V YON ______

– Aigoo! Você está me irritando! – Grito atraindo a atenção de outros alunos.Esse garoto vai me deixar careca de tanta raiva. – Yoongi, você precisa me ajudar nesse trabalho, senão ficaremos sem nota! De tantas duplas, por que logo você... – Murmuro a última parte, inconformada.

– Eu também não pedi para fazer dupla com você Smurf, então se estiver achando ruim, fale com o Professor para trocar. – O maior cruza os braços empinando o nariz.

Minha vontade era de socar aquela cara pálida até ficar roxa. 

– Não me chame de Smurf! – Reclamo. – E fique sabendo Min Yoongi, que se tivesse como trocar de dupla, você CONCERTEZA não seria mais a minha. – Levanto da carteira espalmando as mãos na mesa com força, tentei intimidá-lo, sem sucesso. 

– Aish, pare de cuspir em mim sua Smurf babona. – Ele recua para trás, limpando-se com uma expressão de nojo.

Que ser desprezível.

Primeiramente gostaria de agradecer ao meu Professor de Arquitetura pela brilhante idéia de formar duplas sorteadas para um trabalho.Segundamente, só gostaria de salientar que a primeira parte foi uma idéia HORRÍVEL e que concerteza me renderá bastante dor de cabeça.Ah! E não posso esquecer de agradecer ao destino por ser tão idiota ao ponto de fazer com que minha dupla fosse Min Yoongi, esse detestável.

Respira _______, você precisa ser a madura da situação...

– Vamos prosseguir.Podemos nos encontrar amanhã na sua casa para começar a maquete? – Yoongi automaticamente arregala os olhos. 

– Não! Está louca? – Exclamou.

– E por que não? – Indaguei indignada.

– Meus pais não gostam de receber visitas, principalmente de garotas irritantes  e reclamonas como você. – Rebateu.

Parece que ele está se descrevendo...

O que eu faço? Não seria problema fazer lá em casa se não fosse Jungkook...Aish, o pior de tudo é que não estamos nos falando, aquele cúmplice de cobra!

Vou dar um jeito.

– Na minha casa então, amanhã às 16:00. – Adiantei sem ouvir resposta do mesmo. – Vou te passar meu endereço. – Arranco um pedaço de folha escrevendo as informações necessárias. – Aqui. – Entrego para o prateado, que nem ao menos pensa em olhar antes de guardar no bolso.

Logo após ouvir o toque de tempo livre para almoço e afins, guardo meus pertences rapidamente, deixando ali o garoto problemático que Min Yoongi é.Ao andar pelos corredores, pensamentos surgem em minha mente.Talvez o destino tenha me reunido com ele por seus motivos, porque sou a única capaz de suportá-lo, e também a única que não se intimida.Pensando pelo lado de Yoongi, deve ser muito ruim ser temido e excluído pelos outros.

[ ... ]

Resolvo ir até o Pátio esquentar um pouco o corpo com o sol caloroso da manhã, que era uma raridade.

Caminho lentamente pelos jardins, fico surpresa ao me deparar com Jimin sentado em um banco de madeira, ele parecia estar um pouco nervoso, mas era tão fofo.Um sorriso surgiu em meu rosto automaticamente, pensei em me aproximar dele e puxar assunto, mas antes que pudesse tomar uma atitude, vi uma garota sentar-se ao lado do mesmo.

Me escondi atrás de uma árvore, intrigada com oque poderia estar acontecendo.A menina estava bem tímida, não consegui ver seu rosto direito, mas seus cabelos eram longos e castanhos, muito bonitos por sinal.Os dois se abraçaram por bastante tempo.Respirei fundo, um abraço não era nada demais, certo?

Meu coração se partiu ao ver a seguinte cena.Falei cedo demais.

Eles estavam se beijando.

Senti vontade de chorar, eu não entendia o por quê daquele sentimento ruim.Fiquei envergonhada por estar ali, então corri o máximo que podia para longe.

[ ... ] 

Não consegui comer muito durante a hora do almoço, Mina tentava repetidamente me convencer a contar o motivo daquela tristeza, mas não  abri a boca nem sequer um segundo.Era capaz de derramar um mar de água se tentasse explicar o ocorrido.Uma coisa que não sabem sobre mim, é que eu detesto chorar na frente dos outros, não quero parecer fraca ou indefesa.Por isso prefiro ficar calada.

Corri até a sala de Teatro, era um dos meus lugares favoritos.Gostava de observar os ensaios das peças enquanto refletia sobre a vida, e o por quê de tais coisas estarem acontecendo.Me aconcheguei em um dos bancos da platéia, e permaneci ali.

Eu e Jimin não tínhamos nenhuma relação, nunca tivemos.Nem podia  ficar triste ou com raiva, porque não somos nada.Era inegável que sentimentos tinham crescido por ele no meu coração, e sem ao menos um motivo concreto.Talvez fosse o seu jeito gentil, seu lindo sorriso que podia tornar um dia triste em feliz, ou como põe sempre os problemas dos outros acima dos seus.Omma uma vez me disse que quando o amor é verdadeiro, você não sabe ao certo o motivo pra querer tanto aquela pessoa, muito menos porque a escolheu.

Tudo começou com uma quedinha de infância, que não era nada demais, já que o meu foco era brincar.Mas havia momentos que o meu coração palpitava com tanta força, apenas pela sua presença.Tentei negar a mim mesma por todo esse tempo, mas só hoje percebi, que aquilo era muito forte, só não tratava com importância.

Vi Taehyung entrar na Sala de Teatro, ignorei completamente sua presença, permaneci quieta.Ele veio em minha direção, sentando na cadeira do lado.Permanecemos ali, alguns minutos em silêncio, sei que seria difícil pra ele puxar assunto.

– Mina disse que estava triste na hora do almoço. – Taehyung resolve quebrar o silêncio.Não queria respondê-lo, então continuei calada. – Quer me contar o que aconteceu? – Brinquei com os dedos um pouco nervosa, não queria dizer para Tae que gostava de Jimin, muito menos que o motivo da minha tristeza foi vê-lo beijando uma garota.

– Tae? – Atrai sua atenção. – Oque você faria se descobrisse que a pessoa que ama há tanto tempo na verdade ama outra pessoa? – Perguntei um pouco tímida.

O Kim parecia pensar em uma boa resposta, até suspirar fundo e resolver se pronunciar.

– Eu a deixaria ir. – Respondeu simplista observando o ensaio à nossa frente.

– Por que? – Indaguei confusa.

– Porque é a melhor forma de demonstrar o meu amor, se ela está feliz, então eu também estou. 

– Tae... – Não conseguia encontrar palavras para responder.

– Amar não significa estar junto, significa saber deixar ir, mesmo que doa. – Ele sorriu daquela forma doce de sempre.

Era tudo que eu precisa escutar.

[ ... ]

Cheguei em casa devastada, estava sozinha, já que Jungkook tinha treino de Taekwondo e só voltaria mais tarde.Aproveitei para tomar um bom banho e descansar o máximo.

Queria ficar ali para sempre, só eu, o silêncio, e a minha cama.O dia foi muito conturbado, agradeço a Taehyung pelas palavras, ajudaram bastante, e me conformaram.

Após bastante tempo dormindo, resolvo ir até o banheiro.Ao voltar, mexo um pouco no telefone tentando me distrair de pensamentos ruins.

Escuto um toque na porta, logo sendo aberta pela figura de Jungkook, que parecia um tanto envergonhado.

– Olha, eu sei que não estamos nos falando muito, mas preciso da sua ajuda com Literatura... – Ele continha um semblante esperançoso.Pensei em rejeitar, mas lembrei da minha promessa.

[ ... ]

– Então ela quer que você leia Romeu e Julieta? – O maio apenas assentiu com a cabeça. – Okay então, vamos ler, por onde começo?

– Eu parei nessa cena aqui. – Apontou para um parágrafo do livro.

– Ah sim, você começa então. – Passei o livro para o mesmo que estava sentado ao meu lado.

– Oh, poderei chamar clarão a esta hora? Ó meu amor, querida esposa, a morte que sugou todo o mel de teu doce hálito poder não teve em tua formosura. Não, conquistada ainda não foste, a insígnia da beleza em teus lábios e nas faces ainda está carmesim, não tendo feito progresso o pálido pendão da morte. – Jungkook faz uma pequena pausa, procurando a continuação.

– Aqui. – Aponto com o dedo.

– Ah sim, obrigado. – Tosse fraco. – Tebaldo, jazes num lençol de sangue? Oh! que maior favor fazer-te posso do que com esta mesma mão que a tua mocidade cortou, destruir, agora, também, a do que foi teu inimigo? Primo, perdoa-me.Ah, querida esposa, por que ainda és tão formosa? Pensar devo que a morte insubstancial se apaixonasse de ti e que esse monstro magro e horrível para amante nas trevas te conserve... – Seus olhos desviaram para minha direção, quase se perdendo novamente no texto. – Com medo disso, – Continuou. – ficarei contigo, sem nunca mais deixar os aposentos da tenebrosa noite, aqui desejo permanecer, com os vermes, teus serventes. Aqui, sim, aqui mesmo fixar quero meu eterno repouso, e desta carne lassa do mundo sacudir o jugo das estrelas funestas. – Jungkook estava estranho, mordia os lábios com força.Ele havia se distanciado completamente do texto, concentrado apenas no meu rosto, oque era bastante constrangedor para mim.Empurrei fraco o seu ombro, para que ele voltasse ao foco.

– Olhos, vede mais uma vez, é a última. – Fiquei surpresa ao perceber que Jeon estava ditando cada palavra sem ao menos ler no livro, com total seriedade. – Um abraço permiti-vos também, ó braços! Lábios, que sois a porta do hálito, com um beijo legítimo selai este contrato sempiterno com a morte exorbitante. – Por que pedir a minha ajuda se ele sabia de cór? Poderia muito bem fazer um resumo detalhado sobre o livro.Estava intrigada, mas logo todas aquelas dúvidas se desfizeram de minha mente, apenas pelo seu olhar intenso.Parecia tentar me perfurar. – Vem, condutor amargo! Vem, meu guia de gosto repugnante! Ó tu, piloto desesperado, lança de um só golpe contra a rocha escarpada teu barquinho tão cansado da viagem trabalhosa. Eis para meu amor.Ó boticário veraz e honesto, tua droga é rápida. Deste modo, com um beijo, deixo a vida. – Engoli em seco.

Não parecia ser Jeon Jungkook.

Peguei o livro bruscamente de suas mãos, numa tentativa falha de fazê-lo voltar ao normal.Procurei rapidamente minha parte no texto, o maior permanecia imóvel, distante, em outro universo.Só queria correr dali.Já  até podia sentir um rubor se formar em meu rosto.

– Que vejo aqui? Um copo bem fechado na mão de meu amor? – Gaguejo um pouco. – Certo: veneno foi seu fim prematuro. Oh, que sovina!Bebeste tudo, sem que me deixasses uma só gota amiga, para alivio.Vou beijar esses lábios, é possível que algum veneno ainda se ache neles, para me dar alento e dar a morte... – Antes que pudesse terminar a leitura, Jungkook praticamente arranca o livro de minhas mãos, lançando o mesmo para trás.Seu rosto rapidamente veio de encontro ao meu, chegando cada vez mais perto.Meu coração palpitava com tanta força, sentia meu corpo quente, indefeso.

Estranhamente desejoso...

Yon ______, não é hora para temer, você já foi encurralada.Mais uma vez, desfez sua postura de durona por causa de um garoto dentuço.

Jungkook arfa, fazendo com que meu corpo estremecesse.Nossos rostos estão muito próximos.Fecho os olhos lentamente, sentindo seus lábios tocarem nos meus levemente.Eram macios, úmidos, nunca havia sentido uma sensação tão gostosa.

Eu queria mais.

Seus olhos foram de encontro com os meus, brilhavam como nunca havia visto, parecia tão desesperado por apenas uma oportunidade...

– Teus lábios estão quentes. – Sussurrei as últimas palavras do livro pausadamente.

Sem ao menos esperar, Jeon novamente atacou meus lábios, de um jeito delicado.Nada mais, nada menos.Os sons dos pequenos estalos me deixavam cada vez mais inebriada.Eu não queria parar nunca, era bom, muito bom, uma sensação que seria marcante.

Porém...

Recordei-me de sua cumplicidade com Momo, de como havia sentido raiva de suas mentiras.E pensei...

O que estou fazendo?

– Saia daqui. – Falei ao separar rapidamente nossos lábios, levantando do chão.Não conseguia fitar seu rosto, estava envergonhada.Respirei fundo tentando me acalmar um pouco.

– _______, por que? – Jungkook levantou intrigado, sem entender a razão para minha atitude.

– Eu não posso... – Falei quase em um sussuro, triste. – Com você não, não sou idiota! – Exclamei com os olhos ameaçando derramar lágrimas.

– Eu posso explicar! Você entendeu errado! Eu e Momo não...– Ele estava nervoso, não conseguia se expressar direito.

– Mentira! – Cortei suas palavras.

– Eu amo você, sempre amei! – Gritou me impedindo de continuar.

Senti um aperto em meu coração, mas...eu não podia cair no papo dele.

– Saia logo daqui! – Ordenei pela última vez, apontando para a porta.E ele assim fez, saiu bufando, fechando a mesma em um estrondo.

Me joguei na cama, sem conseguir parar de chorar.

O que está havendo comigo? E por que você, Jeon Jungkook?


Notas Finais


Comi o cú de vcs com esse final né? Eu sei, eu sei.
Já dei pistas de quão pode ser o segredo do Jungkook hehe.
Não sejam leitores fantasmas.
É isto, não sejam leitores fantasmas, deixem seu feedback pra tia aqui ficar feliz.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...