História Meu Colega de Quarto - Imagine Jung Hoseok - Capítulo 41


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Personagens Originais
Tags Aluguel, Apartamento, Bangtan Boys, Bts, J-hope, Romance, Trabalho
Visualizações 1.099
Palavras 1.620
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OI AMORES DA MINHA VIDAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA, TUDO BOM COM VCS? SE ALIMENTARAM DIREITINHO HOJE? ESPERO QUE SIM

Perdão, de novo, de novo e de novo. GENTE EU TENHO COMENTÁRIOS ATÉ DE FEVEREIRO PRA RESPONDER, ME PERDOEM AAAAAAAAAAAAAAAAAASCOROOR

Acho que vocês precisam adquirir um pouco de paciência comigo viu? E assim como antes, me dar uma chance, no caso, a 48234762 chance KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

EU JURO QUE VOU RESPONDER TODO MUNDO, JURO

Vamos parar de falar e deixar vocês lerem

FIQUEM ATENTOS AOS DETALHES AMORES, BOA LEITURA <3

Capítulo 41 - XLI


Fanfic / Fanfiction Meu Colega de Quarto - Imagine Jung Hoseok - Capítulo 41 - XLI

— Você foi realmente muito rápido, não esperava por isso. — quebrei o silêncio enquanto ria baixinho.

Jimin estava perto da porta da cafeteria e no momento em que falei, me virei para a porta com o intuito de trancá-la.

— É o que eu disse para você, é uma ocasião especial. — o sorriso do rapaz era uma coisa extremamente magnifica. Seu dente levemente tortinho não era um defeito, estava mais para um charme único. Suas pálpebras se apertavam e quase não podia seus olhos com clareza. Não esquecendo de falar das bochechas que se inflavam de uma maneira especial, fazendo-o assemelhar-se com uma criança inteiramente fofa.

— Jimin, eu não estou te entendendo. — nego com a cabeça enquanto permanecia sorrindo.

Não estava mentindo, realmente não me vinha nenhuma ideia do motivo do rapaz ficar tão feliz em simplesmente se locomover comigo e ficar um tempo dentro de uma pista de boliche.

— É que você parece ser uma boa companhia... estou feliz em poder te ter do meu lado. — novamente o sorriso se abre em seu rosto e me vejo totalmente encantada.

— Então vamos logo, quanto mais cedo chegarmos, mais poderemos curtir, certo? Não posso chegar muito tarde em casa. — faço um pequeno bico com meus lábios e guardo o bolo de chaves dentro de minha bolsa.

 — Está certíssima, vamos. — uma das mãos, aparentemente minúsculas de Jimin, se coloca sobre a parte de trás de meu ombro, fazendo com que eu me situasse e seguisse para o mesmo caminho que havia começado a traçar.

 

>>> 

 

— Eu. Não. Acredito. Isso foi um Strike?! — completamente chocado, Jimin evidenciava uma expressão de completo choque. A boca entreaberta e os olhos levemente arregalados me fazia rir e dar alguns pulinhos, isso contando também o fato de ter conseguido acertar os dez pinos de uma só vez.

— Então você já pode colocar seu queixo no lugar, porque isso foi sim um Strike, agora eu duvido que consiga superar minha pontuação. — aponto para a tela bem em cima da pista a qual jogávamos, esperando que ele notasse como meus pontos já estavam bem à frente dos dele.

— Não admito, eu ainda sou o melhor no boliche, você vai ver só. — os dedinhos convictos do outro se enfiaram nos três buracos de uma bola azul, e depois de alguns bons segundos de preparação de pose e organização de pensamentos ele finalmente havia lançado sua bola.

Ela deslizava rapidamente pela superfície lisa até consegui acertar sete pinos, deixando três isolados em um certo canto.

— Um Spare Jimin! — um saltinho involuntário foi dado por mim. — Vamos, agora concentração para acertar os últimos, você consegue.

— Por favor, se você botar pressão em mim a bola vai sair de curso, e eu não quero que isso aconteça.

Ri baixo com a atitude de garoto e apenas revirei os olhos, esperando que a próxima bola que ele havia pegado, agora uma roxa bem escura, um tanto perolada escorregasse pelo piso de madeira até encontrar os três pinos.

Novamente Jimin tomou um banho de paciência e concentração, tentando absorver o máximo de destreza e coisas positivas que o ambiente podia lhe proporcionar.

E então a bola rolou. Rolou, rolou e rolou até bater em exatos dois pinos e deixar um completamente de pé e intacto.

— Merda! — Jimin exclamou batendo com ambas as mãos sobre a lateral das coxas em completa frustração. — Um pino! Um pino! — o dedo indicador do rapaz se esticou em fúria, parecendo que queria ter uma longa e séria conversa com o destino por ter-lhe proporcionado uma desastrosa experiência.

— Bom, você não vai ganhar de mim, mas temos a última rodada, quem sabe você não derrube tudo dessa vez, certo? — inclino minha cabeça compreensiva e abro um sorrisinho, que parecia tê-lo deixado, pelo menos um pouco reconfortado. — Minha vez, vamos lá.

Caminhei até o local onde ficavam as bolas um tanto grandes e pesadas de boliche e encaixei meus três dedos nos devidos buracos. A bola que havia pego era laranja, uma cor bem viva e extremamente gritante. Dei alguns passos para trás, sentindo-me um pouco nervosa por perceber que Jimin olhava para algum lugar de meu corpo fixamente. Minha cabeça se desconcentrou completamente da pista para virar minha atenção ao rapaz, tentando decifrar para onde ele olhava, foi quando fiquei mais tranquila: ele olhava apenas para minha mão que segurava a bola.

— Tudo bem? — perguntei antes que pudesse fazer minha jogada.

— Tudo sim... é um anel bem bonito... — seu dedinho aponta para minha mão que era o alvo de seu olhar por tanto tempo, fazendo agora receber o meu também.

— Lindo não é? Foi meu namorado que me deu. — Sorri e fiquei tanto tempo analisando a joia, que nem ao menos havia percebido um certo silêncio por parte do outro.

— N-namorado? — sua voz falhada chama minha atenção, e faz com que eu note um olhar surpreso. — Não sabia que... você namorava. — um sorriso imenso foi aberto por seus lábios de uma maneira espontânea que chegou a me deixar um tempo atônita, pensando se não era algo forçado.

— É, o nome dele é Hoseok. — falei completamente entusiasmada, e Jimin queria tentar passa a imagem de que também estava, mas algo me dizia que alguma coisa estava errada naquela situação por inteira.

Ele tornou a ficar calado, olhando para o chão por um tempo e seu cenho se franziu, parecendo um pouco confuso, ato que desperta uma total curiosidade em mim.

— Hoseok? Sinto que esse nome não me é estranho...

— Jung Hoseok, ele é um dançarino... não tão famoso... bom, não por enquanto, mas continua sendo um dançarino.

E novamente o silêncio se instalou entre nós dois. Seu cenho se franziu mais ainda e ele parecia ainda mais pensativo do que no momento anterior, porém no momento que sua feição se tornou completamente normal, estranhei um pouco.

— Acho que não conheço, talvez algum parente, ou amigo distante tenha um nome parecido e eu confundi. — ele parecia ter dado de ombros toda aquela situação, até que seu dedo apontara novamente para a joia em meu dedo.

— Posso ver? — meu ser não havia conseguido resistir aos olhinhos pidões do garoto, então apenas passei a bola que segurava para a outra mão e estendi a com o anel para que ele pudesse analisá-la. — Não. Digo... vê-la... fora de seu dedo. Posso? — uma de suas mãos segura a minha, enquanto a outra se preparava para retirar o anel de meu dedo com um simples puxão.

 Apenas ergui os ombros por poucos segundos, indicando que não ligaria se ele pudesse ver o objeto de perto. Seus dedos puxaram o artefato com uma delicadeza extrema, o que me deixou um pouco sentida pelo carinho e educação que Jimin aparentava ter a todo o momento.

Os olhos curiosos praticamente secavam o objeto e eu apenas ri baixinho por ser tão sortuda de ter ganho algo tão especial e valioso, tanto o sentido material quanto no sentimental.

Deixei que ele olhasse para cada cantinho que quisesse e me distanciei um pouco para retornar minha atenção até a pista, tentando focar em uma tentativa de fazer mais um strike.

Meu braço balançava para frente e para trás como um pêndulo, enquanto minha coluna se mantinha em uma pose que poderia ser meramente comparada com a do corcunda de Notre Dame.

Poucos segundos depois de ter lançado a bola, e perceber que ela não estava seguindo o trajeto pelo qual queria que fosse, escutei uma voz familiar soar no ambiente e minha cabeça se virou quase que automaticamente: Era Namjoon.

— Namjoon-ah! Você por aqui? — um sorriso estava claro em meu rosto e um pouco de surpresa estava estampada no dele.

— Digo o mesmo... não esperava vê-la aqui. — no momento que seus olhos focam em Jimin um tanto tímido se aproximando aos poucos de nós dois, seu cenho se franze em segundos. — Eu conheço você... não?

— Jimin, imagino que me conheça de vista, eu normalmente vou muito na cafeteria onde trabalham. — um pequeno sorriso se forma no rosto de Jimin e logo depois ele se vira completamente para mim. — Eu vou comprar algo para bebermos e deixar vocês um pouco a sós.

Apenas confirmei com a cabeça e o vi se distanciar até uma pequena lanchonete que havia dentro do estabelecimento com as duas mãos enterradas nos bolsos do casaco.

— Explica. — Namjoon ainda com seu cenho franzido, permaneceu olhando para mim até tomar a iniciativa de cruzar seus braços.

— Explicar o que? Eu apenas vim aqui com um amigo.

— Um amigo que você mal conhece e já chama de amigo? Você não me convida nem para comer um odeng na esquina!

Não resisti e ri do que ele havia dito. Aquilo era ciúmes da nossa amizade? Não estava crendo.

— Joonie-ah! Primeiro de tudo, foi Jimin quem me chamou pra vir aqui, e segundo, em minha defesa, você também não me chama para ir comer um “odeng na esquina.” — neguei com a cabeça enquanto permanecia rindo simplesmente por estar realmente tendo aquele tipo de conversa. — Além do mais, você está aqui hoje e não me chamou, veio com alguém?

— Eu estou esperando um amigo antigo da faculdade, e também foi ele que me chamou, então acho que estamos quites. — os lábios do maior se crispam e eu acabo rindo baixinho.

— Da faculdade? Isso é legal.

— Sim, é sim. Não nos vemos a um bom tempo.

O silêncio dominou nossa conversa e Namjoon nem se afastou, apenas ficou perto de mim e nossos olhares partiram a procura de algo em movimento que pudesse distrair nossas cabeças enquanto não conseguíamos um assunto rapidamente.

Por uma mera coincidência, nós dois passamos a observar Jimin, sem falar uma palavra sequer, apenas ficamos olhando-o ser atendido por uma moça que trabalhava na lanchonete, provavelmente ambos sem nenhum pensamento concreto rondando a cabeça.

 


Notas Finais


Terminei o capítulo sem bombas, MAS COMO EU NÃO SOU DE PERDER OPORTUNIDADES, ESPERO QUE TODOS TENHAM PERCEBIDO UM CERTO DETALHE NO CAPÍTULO.

Comente aqui em baixo algum ponto que você notou e acha que pode ser esse DETALHE que eu estou falando mdslvffvn

Estou pedindo pra comentarem apenas pra eu ter uma ideia se por acaso eu deixei muito explícito ou se ninguém notou e provavelmente todo mundo vai cair da cadeira em choque futuramenteKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

BEIJÃO PRA VOCÊS MEUS AMORES, BOA SEMANA PRA TODO MUNDO E ATÉ O PRÓXIMO DOMINGO <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...