1. Spirit Fanfics >
  2. Meu coração bate por você... >
  3. ... e sua mão bate em mim.

História Meu coração bate por você... - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


olá amores, perdão por estar postando tarde

eu gostaria de falar não apoio relacionamentos abusivos okay? tudo aqui eh fictício!!!!!!!! se você estiver em um, tente entender que você está em um e depois aceitar que você está em um. peça ajuda. ajuda de amigos, família... por favor, não viva assim!! você é forte e eu acredito em você.

boa leitura <3

Capítulo 1 - ... e sua mão bate em mim.


― Mark hyung, perdão pela demora. ― disse o mais novo, dando um susto nele. O canadense virou para si e o encarou seriamente, podendo ver um roxo em sua bochecha coberto com uma camada de maquiagem. Desceu o olhar e parou em seu braços, mas não conseguiu ver nada, já que Donghyuck usava um casaco que cobria até suas mãozinhas.

― Bom dia, flor do dia. Por que está tão atrasado? ― perguntou e pode ve-lo arregalar os olhos. Já sabia o que tinha acontecido, mas queria ver se ele ia falar.

― Tive que ajudar minha mãe num negócio... ― mentira. Mais uma vez ele mentiu. Mentiu como se não fosse nada. Mentiu como se não sofresse. ― Dá tempo de entrarmos na primeira aula?

― Não, já são oito horas. Vamos esperar até o próximo horário. ― disse e Haechan concordou, indo na direção da cantina, comprando um suco qualquer. Ao finalizar a compra, voltou até onde Mark estava, divindo a bebida com ele. ― Até que a cantina está tendo coisas melhores, não? ― riu e fez o outro Lee rir também.

― Pena que não posso comer as coisas deliciosas. ― sussurrou, mas Minhyung pode ouvir.

― Como assim? ― encarou o outro, esperando uma resposta.

― Nada. ― forçou um sorriso e quando foi colocar o suco na mesa, deixou o copo cair, molhando toda sua roupa. ― Merda, porra, caralho, piroca, buceta, cu, inferno, puta que pariu.

Amado? Pra que isso tudo? Foi só um suco. ― o canadense se assustou com a quantidade de palavrões que ele havia dito. ― Eu tenho uma roupa extra, vou pegar. Vá indo pro vestiário. ― se levantou e foi até seu armário, pegando a roupinha, e em seguida, foi para o mesmo local que o mais novo.

Andou rapidamante e quando chegou, bateu na porta e entrou com medo de Hyuck estar pelado. Não seria algo novo, visto que eram amigos desde a infância e já haviam tomado milhões de banhos juntos. ― Estou entrando, Fullsun. ― o apelido carinhoso fez o coreano sorrir lá dentro, esquecendo que estava sem roupas. Ele entrou e se assustou com a imagem que teve. Donghyuck estava acabado. Tinha roxos que pareciam recentes em seu braço, alguns outros roxos que estavam esverdeados em suas coxas, alguns arranhões em sua barriga e costas. Falando em barriga, ele estava magro. Tão magro que assustou o canadense. ― Sunnie, o que houve com você...?

Mark foi chegando perto de Donghyuck, que cada vez ia para trás. Seus olhos estavam ficando marejados e ele não sabia o que responder. Ele pensava que ainda havia muito espaço atrás de si, mas, sentiu a primeira lágrima cair ao encostar na parede gelada.

― Não foi nada, Markie. Não precisa se preocupar, certo? Vai passar. ― na velocidade da luz, ele se esticou e pegou as roupas, colocando-as o mais rápido possível.

― Haechannie, você poderia lavar seu rostinho? Eu gostaria de ver... ― viu o mais novo virar o pescoço pro lado, mas concordar. ― Passa no pescoço também, eu sei que tem algo aí.

Donghyuck foi até a pia e retirou toda a maquiagem de seu rosto e pescoço. Ele estava limpo. Nu. Mark se encostou na porta e esperou o menino tomar coragem, não ia o apressar. Não era nem louco. Seu coração se partiu quando ele se virou em sua direção. Em seus rosto estava presente aquele roxo que conseguiu ver mais cedo e um arranhão ao lado do lábio. Em seu pescoço, marcas de dedo eram vistas. Alguém havia apertado aquele local. ― Vidinha, quem fez isso com você? Foi o Hyunjin? ― perguntou, fazendo um leve carinho na bochecha que tinha o roxo. ― Você não precisa ter medo de me contar...

― Ele estava com raiva, hyung. Tá tudo bem, ele não fez por mal. Ele disse que me amava e me deu flores no dia seguinte. ― sentiu seus olhos ficarem cheios de lágrimas novamente.

― Hyuck, esse garoto não te ama. Me perdoe por falar assim, eu não quero magoar você, mas é a verdade. Ele não te ama. Quem ama não faz isso. ― olhou no fundo dos olhos alheios.

― Não, Markkie, ele me ama. Ele só... estava num dia ruim. Só precisava tirar a raiva dele. Tá tudo bem, hyung, eu juro.

― Ele precisava tirar a raiva dele? E por isso ele te deixou assim? ― apontou para Donghyuck e mordeu o interior da bochecha, prendendo a vontade de chorar. ― Channie, eu tô falando pro seu bem... Ele não te ama.

― Hyung! Eu já disse que ele me ama. Está tudo bem, nada dói. Eu estou bem. ― ao terminar de falar, soltou um leve gemido de dor. Mark havia pressionado o roxo que tinha em seu braço.

― Não dói, é? Hyuck, eu estou muito preocupado, sério... Eu já venho notado há dias. Você sempre anda de manga comprida e calça para esconder os machucados. Parou de usar as roupas que você tanto gostava por causa das marcas que você tem no corpo. Você perdeu peso por causa desse relacionamos. Ganhou cicatrizes por causa desse relacionamento. Sun, você não come o que quer porque tem medo dele. Você tem medo de comer e ele te bater falando que está gordo, não é? Eu sou seu melhor amigo, te conheço. Sei quando você está triste e quando você está feliz. Então, por favor, não fale que está tudo bem, porque eu sei que não está. ― puxou o menino para um abraço apertado, sentindo as lágrimas dele molharem toda a sua camisa.

― Ele me ama, hyung. Obrigada pela sua preocupação, mas eu sei que ele me ama. ― poder ouvir o canadense bufar, mas ele não disse nenhuma palavra. Eles se sentaram no chão do vestiário e ali ficaram. Mataram todas as aulas juntos. Como nos velhos tempos. Estava tudo perfeito, eles conversavam, riam e brincavam. Até que o sinal tocou, indicando o fim das aulas. Eles se levantaram e Mark pode sentir o corpo de Donghyuck ficar tenso.

― Está tudo bem, eu estou aqui. Vamos? ― perguntou e ele assentiu. Se levantaram e saíram juntos do banheiro.

Quando chegaram na porta de saída, viram Hyunjin. O namorado de Donghyuck.

― Oi, Donghyuck. Vamos pra casa, tenho que conversar seriamente com você. ― disse, com a voz severa.

― Tudo bem... ― virou pro canadense e o abraçou, sussurrando em seu ouvido. ― Por favor... eu não quero ir pra casa. Eu não quero ficar com ele. Eu não quero, hyung. Não quero, me ajuda, por favor, eu imploro.

Mark ficou chocado e sem saber o que fazer, mas depois de sentir o olhar de Hyunjin em si, teve uma ideia. ― Hyuck, o que acha de ir lá pra casa? Minha mãe me ligou hoje e disse que vai fazer sua comida favorita. Ela não aceita não como resposta, você sabe né?

― Oh, meu Deus, que saudades da sua mãe! Eu vou sim. Hyunjin, perdão por ter feito você vir até aqui... ― se virou pro namorado que soltava fogo pelas narinas.

― Eu não ligo, pode ir. ― puxou o corpo do menor pr'um abraço e disse baixinho: Em casa nós conversamos, Donghyuck. Você está ferrado. Depois disso, o soltou e foi embora.

― Mark, muito obrigado. ― se virou, já chorando e sorriu forçado.

― Por que você está chorando? O que ele disse?

― Não foi nada. Vamos, vamos.

― Ele te ameaçou?

― Claro que não, Min... Ele me ama. ― deu uma risada forçada e cruzou seu braço com o de Mark.

E assim eles foram para casa. Minhyung durante o caminho, pensou em milhões de formas de mostrar para o mais novo que estava em um relacionamento abusivo. Ele não queria que Donghyuck voltasse pra casa. Nem hoje, nem amanhã e nem depois. Mas ele já tinha um plano para que isso acontecesse.

Já Donghyuck, se sentia feliz. Feliz como nunca havia se sentido antes. Estava com seu melhor amigo, andando de braços dados e indo para casa dele. Isso não acontecia há anos. Mas sua felicidade logo acabou ao lembrar do que iria acontecer ao chegar em casa.

― Fica tranquilo, eu não vou deixar ele te machucar mais... ― depois disso, eles sorriam juntos e entraram na residência do canadense, sendo recebidos pela voz doce da mãe dele. Fazendo assim, Haechan esquecer de todos os seus problemas e aproveitar seu dia. Nunca se sabe quando terá outro assim.

Mas se depender de Mark, todos os outros dias de sua vida, serão assim, só basta Donghyuck acordar pra vida e entender que seu coração bate por Hyunjin e a mão de Hyunjin bate em si. Mas não de um jeito bom.


Notas Finais


....bye
talvez tenha um bônus sla
só se vcs quiserem


amo vcs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...