1. Spirit Fanfics >
  2. Meu (Des)Agradável Colega de Quarto ( Lee Hyun Woo ) >
  3. Compras

História Meu (Des)Agradável Colega de Quarto ( Lee Hyun Woo ) - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


O capítulo ficou um pouquinho extenso hehe, mas espero que gostem. Caso eu esteja demorando muito, lembrem-se que estou ocupada com as aulas on-line.
Boa leitura♡♡

Capítulo 12 - Compras


Fanfic / Fanfiction Meu (Des)Agradável Colega de Quarto ( Lee Hyun Woo ) - Capítulo 12 - Compras

-Céus, que dor de cabeça! - Gemi ao espreguiçar, notando que eu estava deitada no chão coberta por um edredom enquanto o travesseiro apoiava a minha cabeça. 

 Tento me recordar do que tivera feito noite passada, mas poucas lembranças vieram em minha mente. Mas uma coisa eu estava certa, eu bebi e muito tentando consolar minhas mágoas. 

 -Aish, por que você bebeu de novo? - Bati na minha cabeça furiosa e limpo o canto da boca notando que estava suja de molho. 

 Aos poucos, eu fui me despertando e com isso caminhei até a cozinha beber um pouco de água.

 -Olha só, a bela adormecida acordou. - Falou Hyun Woo olhando para o relógio da parede, marcando onze e meia da manhã. 

 -Aish fala baixo... - Adverti em um baixo sussurro, massageando os meus dedos nas têmporas.

 Me encosto na pia exausta. 

 -Aqui, eu preparei esse café preto para você. - Hyun Woo se levantou trazendo uma caneca quente para mim. - Ele vai reduzir o inchaço dos vasos sanguíneos e parar com a dor de cabeça. 

 -Obrigada. - Agradeço um tanto envergonhada e bebo. Era amargo, mas ao menos esperava que o seu efeito dê certo. - Eu fiz muita bagunça ontem? 

 -Você bebeu tanto que não se lembra de nada? - Perguntou atento ao seu notebook na mesa. Dei de ombros. - Sabe, deveria parar de beber pensando que vai resolver todos os seus problemas. 

 -Eu acho que você já disse isso para mim ontem. 

 -Eu pensei que não se lembrava de nada.

 -Está querendo me provocar logo de manhã? - Ele deu um estalo com a língua impaciente. - Eu consigo me lembrar de algumas coisas. 

 -Ótimo, se arrume pois sairemos em quinze minutos. 

 Sairemos? 

 -E aonde? - Indaguei.

 -Se você não se lembra, eu disse para você que iríamos fazer compras. Já chega de você não ter amor próprio! Eu vou ajudá-la a se sentir uma mulher digna, e você não irá baixar guarda para ninguém entendeu? 

 E mais uma vez ele está gritando. Eu sinto uma forte dor de cabeça e esse homem não tem um pingo de consideração.

 -Vamos lá, isso fará bem para você. - As suas mãos vão ao encontro das minhas. O seu toque tão singelo era tão confortável, que me faz ficar de mãos dadas com ele o resto da minha vida. - O que acha?

 -Você acha que eu vou encontrar meu amor próprio? 

 -Você deve se amar, sabia? - Sorrio debochado e sou pega de surpresa com ele se aproximando. Os seus braços envolveram-se em meu corpo, e eu fico de olhos arregalados com o abraço. Era a segunda vez que Hyun Woo me abraçava.

 -Por que isso? - Digo com a voz um tanto embargada, a minha boca estava bem no seu peitoral. Ele era mais alto que eu, e me apertava veementemente não querendo soltar-me de seus braços em hipótese alguma. 

 -Achei que precisasse de um abraço. - Ele se soltou e coçou a nuca envergonhado. - A minha mãe sempre disse que um abraço pode deixar as pessoas mais felizes. 

 -A minha mãe dizia o mesmo. - Abaixo a cabeça me relembrando dela. Que saudades os meus pais me causam. - Bom, eu vou me arrumar. 

 Saí vagarosamente para o meu o banheiro, mas saí após uns minutos depois do banho e enrolada com uma toalha e seguir pelo meu quarto para trocar-me.

 Eu pauso no meio do caminho quando vejo Hyun Woo entrando no corredor mexendo em seu celular. 

 -Ei, mas uma coisa....Oh, eu... - Ele começa a gaguejar após retirar a atenção do seu celular e ir para mim. Seu rosto fica vermelho feito um tomate, e eu não estava diferente visto que nunca fiquei nesta situação na frente de um homem.

 -Com licença! - Profiro correndo mas no meio do caminho, eu escorrego no tapete e tropeço até o chão. 

 Por sorte eu segurava a minha toalha e ela não caiu com o tombo.

 -Yah, por que está olhando? - Me exalto e os cabelos molhados caem na frente dos meus olhos. - Vira o rosto e deixa que eu vá para o meu quarto! 

 -Ah, perdão. 

 Levanto-me receosa e apresso para passar por ele, correndo até a direção do meu quarto. 

 Bati a porta nervosa. Era esse um dos motivos de eu não querer compartilhar a casa com um homem!

[...]

 Tirando o desastre de cedo, eu fui até o shopping com o Lee Hyun Woo. Passávamos por vitrines, e todas as roupas que eu apontava o mesmo balançava a cabeça em reprovação.

 -Venha comigo. - O mesmo segura a minha mão e entramos em uma butique.

 Não havia como não ficar impressionada com o estabelecimento. Apenas roupas chiques, bolsas e sapatos de marcas e uma área reservada para espera com pequenos quitutes e cafés. 

 -Olha só quem está aqui. - Apareceu um homem desfilando em nossa direção e para cruzando os braços. - Se não é o meu cliente favorito. 

 Ele então aperta veementemente o Hyun woo e distribui beijinhos na bochecha do garoto. 

 -Também estava com saudades Peter... - Respondeu um tanto desconfortável com a maneira que Peter o apertava. Ele se recompôs em seguida e o amigo coloca a mão na cintura. 

 -Então querido, como vai a Yang Mi?

 -Ah, ela está bem. - Ele coça a nuca nervoso.

 -Veio até a minha butique griférrima para comprar um presente para ela? - Ele girou fazendo menção para a loja. - Ou para a minha flor Yoo-Jung? Como está ela?

 -A minha mãe está bem. Eu saí de casa recentemente, mas as duas ainda continuam vivendo na mansão. 

 -Really? - Ele fica boquiaberto e se abana com as mãos. - Enfim está vivendo fora do muro daquele palácio. Por acaso conheceu alguém? 

 Eu acho que eles esqueceram de mim.

 Ambos estavam colocando o papo em dia em altas gargalhadas, enquanto eu estava sentada no sofá preto de verniz olhando para as minhas unhas. Aish, nunca pensei que fazer compras era tão entediante. 

 -Bom Peter, eu sei que temos ainda muito para conversar mas preciso da sua ajuda. - Hyun woo estendeu a sua mão e me levanta. - Queria ajudar a minha amiga a levantar a auto-estima.

 Peter coloca a mão na boca e grita histérico ao ver a minha imagem. 

 - Oh my God, abriram o esgoto e você caiu lá querida? 

 Eu sorri, não sabia se deveria levar aquilo como uma piada ou ofensa. Peter por sua vez, começa a me observar minuciosamente girando em torno de mim.

 -Hum, pois é meu bem, vamos ter muito o que fazer. - Ele bateu as mãos e no mesmo instante apareceu quatro garotas na área. - Meninas, temos trabalho para fazer.

 Ele estala os dedos e dá de costas com elas seguindo até as araras de roupas.

 -Aqui meu pequeno lírio murcho, experimente este vestido. - Ele após um tempo aparece trazendo a vestimenta e me guia até o vestiário.

 -Palhaçada isso... - Despi por completo e feito isso, saio do vestiário.

 Lee Hyun woo estava de pernas cruzadas lendo uma revista, e ao levantar sua cabeça começa a me observar com uma expressão inexpressiva. Negou com a cabeça, e voltou a ler.

 Peter estalou o dedo e uma das suas ajudantes me leva de volta ao vestiário. 

 Isso durou horas. Eu sempre saía do vestiário e em algumas vezes Hyun woo assentia positivo para a roupa que usava. Para a minha sorte, todas eram confortáveis.

 -Agora para os pés. - Peter estalou os dedos e foi a vez de eu experimentar os calçados. - O que acha desse salto my flower?

 -Eu acho que preciso de um tamanho maior... - Respondo não sentindo mais os meus dedos. 

 -Eu mesmo vou providenciá-los para você. Querida Yuna, eu preciso mais de dois pares daquele vermelho! - Peter saiu da área e as suas ajudantes o seguem. 

 -Aqui, deixe-me te ajudar. - Hyun woo se agachou no chão e começa desafivelar o salto. Eu o observo e as suas mãos começam a massagear os meus pés totalmente doloridos. - Está melhor? 

 -Sim... - Eu sorrio sem graça. De alguma forma, eu me vi perdida naquele sorriso seu. 

 Lee Hyun woo retirou a caixa de sapato do banco e sentou ao meu lado em seguida. 

 -Vamos ao salão depois disso.

 -Você acha que tem algo de errado no meu cabelo? 

 -Além de estar oleoso? - Estalo a língua revirando os olhos e ele ri. - O salão não serve só para cabelos, você vai tratar da pele e dessas unhas também. Olha só essas cutículas horrorosas. 

 Ele segura as minhas mãos contudo eu logo as solto. 

 -Você sabe bastante sobre essas coisas Lee Hyun woo.

 -Eu convivi com duas mulheres durante a minha vida inteira, é claro que eu saberia. 

 -Você e sua irmã? 

 Ele olha distante por uns segundos. 

 -Mais ou menos isso.

 -Aqui está meu lírio. - Peter voltou trazendo consigo algumas caixas de sapatos. Eu os experimentei, e novamente eram todos confortáveis. 

 -Ai querido, faz ela dar uma voltinha com esse vestido e os sapatos para eu ver.

 Peter se dirige ao Lee Hyun woo que não sabia onde enfiar a cara de tão nervoso.

 -Certo. - Ele se levantou e feito um cavalheiro estendeu a sua mão. No momento em que segurei, os seus intensos olhos encontram os meus e lentamente me gira.

 Por que o meu coração acelerou tão repentinamente?

 -Oh my God, estou vendo que a Cinderela saiu das borralheiras e com a ajuda da fada madrinha, que no caso sou eu... - Ele aponta para si mesmo sorrindo. - Está quase se tornando uma princesa. Hyun woo, o que você acha?

 -Acho que tem muito para melhorar. - Ele solta as nossas mãos.

 Arrogante como sempre, era de se esperar.

 -Bye bye Lee, lembre-se de falar para a sua mãe que eu estou louco para vê-la aqui na loja algum dia desses.

 Falou Peter. Nós já estávamos de saída, e felizmente Hyun woo me ajudava a segurar todas as sacolas da loja. 

 -Agora é a hora do salão. - Disse ele enquanto caminhávamos pelos corredores do shopping. 

 Eu concordei e continuei caminhando em silêncio ao seu lado. Em um momento, eu viro a cabeça para o lado e vejo um vestido de estampa xadrez exposto na vitrine. 

 -Hyun, olha só. - Me afasto dele correndo até a direção do vestido. Não demorou muito tempo que ele viesse até mim um tanto atrapalhado ao segurar todas as sacolas. - Ela é linda, não acha?

 -É sim, vamos.

 -Aigoo, para de ser chato. - Dou um tapa fraco em seu ombro o deixando sobressaltado. - Ela me lembra muito um vestido que a minha mãe usava quando andávamos com o meu pai nos parques. 

 -Bom, já que gostou então compre. 

 -Sério? - Ele assentiu e por impulso eu o aperto fortemente, dando-lhe um breve selar em sua bochecha. - Vamos logo entrar. 

 O deixei para trás já entrando na loja. Não demorei para chamar uma funcionária e pedisse o vestido da vitrine. 

Lee Hyun-woo p.o.v.'s

 Enquanto a garota pedia para a funcionária pegar o vestido, eu aproveitava revirar algumas roupas da araras. Não tinha muitos estilos de roupas que ela gostava ou combinava com seu corpo. 

 -Oppa?

 Eu ouço uma voz familiar atrás de mim. Não poderia ser ela.

 -Oppa! - Eu me viro e vejo Yang Mi parada no corredor segurando uma peça de roupa. No mesmo instante ela corre até os meus braços e me aperta com veemência. - Oppa, que saudades de você.

 -Nós nos vimos ontem Yang... - Respondo sentindo falta de ar onde ela desfaz o nosso aperto. 

 -Mesmo assim, eu sinto falta de vê-lo todos os dias. - Yang aperta minhas bochechas e direciona seu olhar para as sacolas que eu deixei no chão enquanto olhava as outras roupas. - Você está sozinho? De quem são essas roupas? Aigoo, são para mim?

 A mesma se agacha para alcança-los mas eu a intervi segurando seus braços. 

 -Não Yang, elas não são suas.

 -Não são? - Yang Mi não consegue disfarçar seu olhar surpreso para mim. - E para quem são?

 -Lee Hyun woo, a moça está pedindo o seu cartão de crédito para pagarmos o vestido. - No mesmo instante S/n aparece no meu lado. 

 Yang Mi fica boquiaberta. 

 -Oppa, essa é a garota que você falou ontem?

 -Como? - A mesma ao meu lado permaneceu desentendida. Yang Mi direciona seu olhar para ela de cima a baixo transmitindo desdém. - Você é a amiga do Lee Hyun woo?

 -Sou muito mais do que isso querida. - Ela fica ainda mais desentendida. - Bom, ainda bem que vocês estão aqui juntos. Oppa, a sua mãe ficou muito chateada por você ter saído ontem à noite depois daquela discussão. Foi então que ela decidiu lhe dar uma chance de jantarmos neste fim de semana, e ela convidou a sua namorada.

 -Que namor... - Antes que S/n dissesse alguma coisa, eu solto um grito histérico e empurro as suas costas até um lugar afastado. - Aigoo, pra quê isso?

 -Não fala nada, apenas concorda. 

 -Concordar? Concordar com o q...

 -Shiu, ela está voltando. - Yang Mi deu passos largos até nós dois confusa. 

 -Oppa, está tudo bem? 

 -Claro Yang, mas infelizmente eu não vou poder comparecer neste jantar já que tenho outros assuntos pendentes. - Eu havia colocado o meu braço ao redor do ombro de S/n, que me encarava estática. 

 -Mas ela está arrependida de tê-lo feito sair da casa aborrecido. Vocês dois são bem-vindos lá.

 -Jantar? - Pronuncia S/n. - Por que você não quer ir Hyun woo? Seria divertido. 

 -Eu não sei...

 -Escuta ela oppa, a sua mãe quer conhecer a sua namorada e saber o que o fez recusar-se de casar comigo.

 -Vamos pensar Yang.

 -Tudo bem, você sabe o meu número... - Disse um tanto entristecida e olhou para a sua "rival" uma última vez antes de ir ao caixa.

 -Tudo bem, agora eu quero explicações! - Me viro assustado ao ouvir a sua pronúncia. Pela voz ela estava brava. - Eu não entendi muito bem, mas tenho certeza que aquela garota pensa que eu sou sua namorada. 

 -Aquela garota tem nome.

 -Eu não me importo! - Dou de ombros mas a mesma segura veementemente meu braço. - Por que falou isso?


Notas Finais


Se fudeu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...