História Meu desejo, meu irmão. (incesto) - Imagine DK SEVENTEEN - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Boo Seungkwan, Lee Seokmin "DK", Soonyoung "Hoshi"
Tags Dk Leeseokmin, Dokyeom, Seventeen
Visualizações 67
Palavras 1.812
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Resolvi postar mais um capitulo hoje por ansiedade mesmo.
Espero que gostem e espero conseguir postar pelo menos mais uma vez por semana, se a faculdade me permitir! Enjoy the fic! <3

Capítulo 2 - O "eu" egoísta avalia o terreno.


Fanfic / Fanfiction Meu desejo, meu irmão. (incesto) - Imagine DK SEVENTEEN - Capítulo 2 - O "eu" egoísta avalia o terreno.

Ficarei na casa dos meus pais cerca de dois meses. É um tempo bem considerável, eu sei, mas as “férias” de final de ano são sempre mais longas do que as de Julho. Graças, não é mesmo? Não dá pra aguentar tanto tempo dentro do campus. Até mesmo eu que me considero uma apaixonada pelo lugar!

    Vocês vão perceber que eu gosto de explicar as coisas. Nem que isso demande muitas linhas - no meu caso, segundos de pensamentos. Isso porque não dá pra simplificar os sentimentos. Não tem como resumir tão curtamente uma história que ESTÁ acontecendo. Simplesmente vai indo. O tempo e o espaço vão se formando e a gente vai preenchendo um vazio com nossas ações e pensamentos sem perceber. É simplesmente  natural que eu explique tudo, já que não pretendo causar maus entendidos para vocês.

Mas voltando novamente ao fio da meada… Dois meses na casa dos meus pais. Isso significa que tenho o equivalente a oito semana para tentar seduzir(?), convencer(?), fazer rolar(?) alguma coisa com o meu irmão.

Se nós retornamos os ocorridos e a conversa que tivemos no outro dia, vão se lembrar que eu havia deixado a cargo do destino - se é que ele existe - decidir se eu me entregaria ao desejo carnal de “ter algo a mais” com DK, meu irmão. E ouso dizer que o destino foi muito generoso comigo! Ou melhor dizendo: meus sentimentos, meu corpo e não o destino, reagiram da maneira mais previsível e me fizeram optar por seguir essa decisão. Então vamos lá, vamos construir o meu dia!

    *toc toc toc*

- Pode entrar! - grito sentada em frente a minha mesa do quarto e viro para saber quem entra.

- Bom dia, minha filha. O que está fazendo? - pergunta minha mãe, colocando suas mãos em meus ombros. O que me fez levar a cabeça para trás para então ela pousar um beijo cálido em minha testa.

- Bom dia, mãe. Estou baixando uns livros para ler nessas férias. - respondo dando um pouco de ombros. - A senhora precisa de ajuda em alguma coisa?

Me viro de frente para ela a vendo se sentar na minha cama.

Em seguida ela junta os joelhos e coloca as mãos sobre eles:

- Nada em especial. Só gostaria de ficar um pouco contigo. Passamos muito tempo longe uma da outra. - diz timidamente.

- Ah! Imagina mãe. Pegue uma cadeira, sente aqui comigo! A senhora quer que eu leia algum romance para a senhora?!

PAUSA AÍ PARA EU EXPLICAR:

    Desde criança… olha o feedback… Gostei de ler. Mas o meu maior prazer estava em ler em voz alta para alguém. Nisso, lia com meu pai os livros de aventura, ação e fantasia, e com minha mãe livros de romance e história/autobiografias. Com meu irmão, era um pouco diferente. Ele nunca foi muito adepto a alguém ler em voz alta para ele. E eu entendo totalmente, mas em vez disso liamos o mesmo livro em silêncio, um do lado do outro. Sempre esperando o mais lento acabar para então virar a página. Normalmente fazíamos isso com HQ’s ou mangá.

DANDO O PLAY:

- Hmm, seria uma boa idéia! Faz bastante tempo que não lemos nada juntas. - ela diz empolgada. - Mas sabe, pensando bem… Não sei se essa semana poderemos começar, seu pai quer aproveitar o final de semana para viajar sozinho comigo. Tipo férias nas férias. Faz muito tempo que não fazemos nada APENAS nós dois. - ela finaliza cuidadosa e entrelaçando os próprios dedos.

- Não se preocupe com isso, mãe. Teremos tempo! Enquanto isso, vou pesquisar algumas histórias interessantes para quando vocês retornarem. - tento parece o mais indiferente possível para que não se sinta culpada. - Na verdade, acho muito justa a ideia do papai. Mais do que qualquer um de nós, vocês têm todo o direito de se divertirem! Eu e o SeokMin somos bem crescidos. - termino rindo e colocando as mãos sobre as dela, numa tentativa de cumplicidade.

- Aaah, filha! Que bom ouvir isso, estava preocupada que se sentisse abandonada logo na primeira semana que retorna. Mas não se preocupe que nós não ficaremos muito tempo, no máximo terça estaremos de volta! - me diz logo se levantando e sorrindo aliviada.

- Imagina! Podem prolongar isso se assim desejarem, só voltem vivos e chega de filhos, heim! - falo alto enquanto ela se despede indo em direção a porta logo a fechando atrás de si.

Nesse momento me sinto um tanto quanto egoísta por estar feliz com essa notícia. Essa saída de meus pais significa que eu e o DK estaremos sozinhos em casa por alguns dias. MEU MOMENTO!

No fundo, bem no fundo, sinto um pouco de culpa por tramar pelas costas dos meus pais, ainda mais em sua casa. Mas não posso evitar! Uma vez decidida a seguir em frente com esse desejo, cumprirei ele.

Amo meus pais de todo o coração, mas infelizmente não sou pura o suficiente para não gostar de seu filho, tão perfeito em sua essência.

    Aaah, creio que falta-me explicar uma coisa a vocês: o tempo todo venho falando sobre como eu vejo meu irmão, e o quão sedenta venho estado ao longo desses anos. Mas nunca comentei sobre como ELE enxerga essa situação. Se me corresponde, se manda indiretas, se é pegajoso ou ciumento e etc. Então aqui vai a resposta: nadica de nada. Nem ciumento, nem pegajoso, nem indiretas, nem corresponde. Ele é tão irmão quanto qualquer outro irmão normal desse mundo.

    Por isso tenho salientado tanto a importância da minha decisão de tentar “fazer acontecer” algo com meu irmão. Será algo totalmente inesperado! Pode ser que eu acabe expulsa da família mas também pode ser que eu seja correspondida. Vai quê, né?!

    Nesse meio todo, só desejo que vocês torçam por mim, e que no final, ou no meio, ou daqui a pouco, eu possa pelo menos sentir os lábios levemente acentuados e tão bem desenhados do meu querido Lee Seok Min.

[..]

    Já se passaram algumas horas e nisso desço até a cozinha.

    Lá encontro DK, este está comendo no balcão enquanto usa o celular.

- Não perde esse costume? - respondo sorridente e dando um leve empurrão na cintura dele fazendo-o se desequilibrar a postura que estava.

- Qual costume? - me responde ainda olhando para o celular e com a boca cheia.

- De não olhar o que come, sempre submergido no celular. - dou de ombros abrindo a geladeira. Pego uma latinha de café gelado e me viro encostando na porta da mesma.

- Aah… Isso. - responde dando uma pausa para terminar algo no aparelho e se vira para mim, me encarando. - Nunca se eu puder evitar! hahahah.

Reviro os outros e vou até a bancada.

- Ei, agora falando sério: a mamãe ou o papai falaram contigo sobre eles saírem? - questiono.

Ele olha um pouco para cima parecendo buscar na memória algo parecido com a informação que dei. Num sobressalto ele responde:

- Sim, claro! Eles vão num tipo de lua de mel atrasada. Até brinquei para que não retornei com mais irmãozinhos para nós. Ha-ha-ha

- SIIIM! Eu também disse isso, já imaginou?! ECA - falo curvando as costas e rindo junto com ele.

Bebo mais um pouco do meu café enquanto tento me aproximar dele passando a mão direita sobre suas costas levemente definidas.

Ele retribui em um abraço o que isso me deixa um pouco arrepiada. Embora sei que, como todas a suas ações, ele faz isso por proximidade e por sermos irmãos.

- Mas então, porque a pergunta SoHeun, está com medo que eu traga muitos amigos nesse meio tempo para cá? - pergunta me provocando e cutucando minha costela.

- Bem capaz mesmo, como se você fosse TÃO popular assim… - chego mais perto dele, ele me olha torto abrindo a boca para responder e pousando minha cabeça levemente em seu peito me adianto:

- Okay, eu sei que carismático como você é, deve ter muitos amigos. E amigas… - nesse momento levando a cabeça e olho para ele com uma expressão de birra.

    Ele ri acariciando meu cabelo e responde:

- Não posso discordar dessa afirmação, mesmo com toda a humildade que zelosos pais nos ensinaram. - ri graciosamente, fazendo com que seus olhos fiquem bem pequenininhos, seu sorriso se alargue e eu arfo em frente a ele.

Ele me afasta um pouco reparando na minha reação, mas não entendendo muito bem. Então continua:

- Sexta dois amigos meus virão para cá - fala sério - você provavelmente gostará deles. - faço uma expressão de curiosidade erguendo uma das sobrancelhas, e ele se justifica:

- São animados! Isso é super a sua cara! Vamos jogar um pouco e pedir comida. Provavelmente vão embora apenas no domingo. - ele pausa analisando minha reação e termina - Não quer se juntar a gente?

Ele realmente parece querer que eu participe, e eu de certa forma quero, mas gente, como que eu vou ficar “íntima” dele com dois guris aleatórios em nosso meio?

- Adoraria. Será divertido como nos velhos tempos! - olho para ele e dou um sorriso exagerado, tentando parecer animada.

Ele puxa meu nariz com os dedos delicadamente e me dá um beijos na testa.

- Fico feliz, sinto falta de quando tínhamos mais tempo para ficarmos juntos fazendo futilidades… - eu o interrompo:

- DK, não começa você também a dizer que eu deveria estudar na cidade como você!

- Calma, me deixe terminar… Não é uma reclamação, apenas um comentário. Você sabe que sempre fomos muito amigos e eu super entendo suas escolhas, sua rotina! Não esqueça que eu já passei por isso. E... HELLO, eu faço mestrado, sei como a vida é corrida. - ri tentando amenizar o clima.

- Hum. Okay, eu também sinto sua falta. Demais! É muito solitário ficar sozinha. Com certeza estamos muito longe da vida colorida e animada de quando estávamos no ensino médio. - digo pegando em sua mão. - Mas é temporário, quem sabe o que a vida nos aguarda?! - digo dando uma piscadela para ele e um pouco maliciosa.

Ele ri e me abraça novamente. Dessa vez eu sinto seu peitoral firme e rígido. Isso me faz abraçar ele forte e cheirar sua camiseta. Ficamos assim alguns segundos até que ele me solta muito rapidamente, dá um tapinha em meu ombro e finaliza nossa conversa:

- Bem, vou terminar minhas coisas lá em cima. Qualquer coisa me chame, SoHeun. - acena já subindo as escadas.

Eu fico aqui, refletindo e refletindo. Será que eu interpretei errado ou ele retribuiu a minha “fungada”? Será que estou forjando respostas por desejar isso tanto assim?

Só saberemos depois e enquanto isso, preciso bolar uma forma de tornar a estadia dos dois colegas do DK um não-empecilho.

 


Notas Finais


Estão gostando?! Espero que siim.

Um beijão e logo tem mais! <3 :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...