1. Spirit Fanfics >
  2. Meu doce pecado (Chaelisa) >
  3. Piquenique

História Meu doce pecado (Chaelisa) - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura, ignore os erros ortográficos

Capítulo 14 - Piquenique


Fanfic / Fanfiction Meu doce pecado (Chaelisa) - Capítulo 14 - Piquenique

Lalalisa tinha me convidado para um pequenique e eu estava radiante. Eu estava realmente muito feliz, porque finalmente eu estava com a garota que eu gosto. Desdo dia do incidente com Patrick, nós nunca mais nos vimos e para  mim isso é um grande alívio

Eu nunca estive em um pequenique nasci na Austrália e vivi na Coreia, não tínhamos o costume de fazer essas coisas. Mas apesar do Canadá ser realmente muito, muito frio as pessoas costumam fazer nos dias mais quentes, reunir a família e essas coisas 

- Para  onde você vai ? Minha irmã pergunta  enquanto me vê arrumando uma cesta cheia de comida 

- Eu vou fazer um pequeninque. Falo ainda de costas para  ela

Alice caminha até a bancada, onde eu estava preparando sanduíches e me olha desconfiada, eu desvio o olhar do meu sanduíche e a olho sem entender o que ela que 

- Com quem você vai ? Seu tom de voz era bem ameaçador

- Com ninguém. 

- Ata, ninguém sai para fazer um piquenique sozinha, abre o jogo Rosé, quem é a pessoa? Ela cruza os braços e espera uma resposta 

- Não é ninguém

- Desde que você terminou o seu namoro com o Patrick você anda muito feliz, isso não é normal 

Quando contei para minha família que tinha terminado meu namoro eles ficaram super preocupados comigo e mostraram ficar super chateados, mas era só eu sair da sua vista que eles comemoravam, meu pai ficou falando que ele não era a pessoa certa para mim e minha mãe inventou de conversar, ela é psicóloga então conversar é com ela mesma 

Jisso nem disfarçou, quando contei ela pulou de alegria e que saber eu também

- Tá dizendo que eu não posso ficar feliz? 

- Tô dizendo que o motivo dos seus sorrisos bobos tem um nome e eu quero saber quem é. 

- Eu não tô namorando se é isso que está  pensando 

- Sou sua irmã, você tem que falar 

Eu termino de arrumar a cesta e coloco em cima da mesa, lavo as mãos sujas de pasta de amendoim e depois seco. Olho para minha irmã e depois olho para o chão 

- É complicado. Falo 

- Complicado como ? Eu quero saber quem ele é

- Não é tão simples. Falo rápido e qualse gritando 

- Só me fala o nome dele. Ela fala de volta 

- Eu não posso porque....

- Por que não pode? 

Eu faço uma pausa e depois olho para ela

- Não é ele... é ela

Ela me olha sem entender 

- Não é por um garoto que eu tô apaixonada é por uma garota 

Ela me olha mais uma vez com uma cara de desentendida e depois da uma risada  sem jeito

- Meu Deus o que? Nossa. Ela faz uma cara  de espanto e logo sorri para mim 

Alice que da um sorriso e mostrar solidariedade a mim mas ela está realmente em choque, eu entendo ela

- Você... você não me contou nada. Ela fica seria 

- Bom, eu estou te contando agora

- Sim, mas foi porque eu te presionei se não fosse por isso ainda estaria guardando isso de mim, eu que sou sua irmã 

- Alice me desculpa, eu não pensei que você se importase tanto com isso, eu sinto muito 

- Acha que não me importo? Acha que não me importo com você? 

- Você sempre anda ocupada demais pra mim, sempre com seus amigos da faculdade ou com seu namorado. Você se afastou... 

Ela interrompe minha frase com um abraço, envolvo meus braços em volta de sua cintura e ela me aperta forte 

- Eu não queria te abandonar, não deveria fazer isso com você, me desculpa. Você é minha irmã mais nova é a pessoa que eu mais amo na vida. E não se preocupe porque não importa sua sexualidade ou com quem você estava eu sempre vou te apoiar.

Sinto uma lágrima escorrer dos meus olhos mas eu a seco rápido com a manga do meu casaco jeans, nos afastamos do abraço e ela me olha com um sorriso 

- Quem é? 

Jogo a cabeça para trás e dou uma suspiro alto 

- É a... Lisa

Ela toma outro espanto 

- A Lisa? Nossa, foi por isso que ela te olhava daquele jeito 

- Que jeito?

- Quando ela veio almoçar aqui, ela costumava te olhar com um sorriso nos lábios e um brilho no olhar, toda vez que Patrick se aproximava de você ela ficava  com ciúmes, Lisa não sabe disfarçar muito bem o que sente 

- É verdade ela nunca  soube disfarçar. 

Depois de alguns segundo em silêncio meu telefone toca com uma mensagem da Lisa  

- Eu... eu preciso ir agora, tchal Alice. Pego a cesta de comida e saio andando até a  porta 

- Tchal. Ela fala e depois anda até o seu quarto 



Chego no parque e logo vejo Lisa de costas para mim sentada em no chão sobre um lençol. O parque é realmente lindo nessa época do ano

- Oi, desculpa a demora. Falo dando um selinho nela e me sentando 

Coloco a cesta ao meu lado e tiro a comida de dentro colocando sobre o lençol 

- Por que demorou tanto ? Ela pergunta guardando o celular no bolso da calça 

- Eu contei para minha irmã .... da gente 

Ela comia um uma mine torta de morango mas para de mastigar na hora 

- Que coisa boa, e qual foi a reação dela? 

- Ela ficou um pouco brava por eu não ter tido a iniciativa de contar já que ela que teve que me perguntar, mas ela me apoiou disse que me amava... então deu tudo certo 

Pego um pedaço de bolo e um copo de suco 

- Você tem muita sorte de ter sua família para te  apoiar

- Por que diz isso ? 

Ela mastiga o sanduíche que eu havia feito e depois fala 

- Eu só tô dizendo que ... eu não tive a mesma sorte que você, quando disse para meus pais que eu era lésbica eles não agiram muito bem 

- Sério? Você nunca me contou essa história

- Não é uma história muito feliz e nem um pouco curta 

- Pode começar, eu não tô com presa. Rio e depois como mais um salgadinho 

- Bom, quando eu tinha 17 anos percebi que não gostava de garotos, toda garoto que eu ficava nunca dava certo, eu já namorei um menino o nome dele era Leo, ele era muito legal, bonito e todas as garotas o amavam mas a gente não tinha nenhuma química, éramos o completo oposto. Terminamos depois de 2 meses, até que eu fiquei com uma garota numa festa e foi incrível eu nunca mais a vi. Ela fala em em tom nostálgico e com um sorriso 

- Eu quis contar para minha mãe e meu pai, eu tinha certeza que minha mãe não entenderia muito bem já que ela é bem cristã, mas eu nunca pensei que seria tão ruim. Uma lágrima brota do seu rosto. Eles ficaram muito bravos comigo, minha mãe disse " Eu não criei uma filha para gostar de garotas, não acredito que depois de todo o meu esforço você não vai para o céu." Meu pai disse " O que as pessoa vão pensar de mim quando souberem que você é lésbica, eu vou ficar muito mal visto"

- Eu sinto muito. Falo tocando seu ombro 

- Eles me expulsaram de casa, falaram que eu não eu era um desgosto para eles, então eu fiquei na casa da jennie uma amiga de infância. Eu.. eu fiquei com ela até completar 18 anos então resolvi ir embora, meus pais são muito ricos, eles são donos de uma rede enorme de hotéis, quando a imprensa soube que a filha deles foi expulsa de casa por gostar de garotas... eles não me deixaram em paz, todo dia um jornalista  na casa da Jennie para saber mais da história. Então eu resolvi ir embora  da Tailândia, meus pais depositavam dinheiro para mim todo mês, apesar de não querem mais me ver eles não queriam que eu morresse de fome. Então eu vim para o Canadá e conheci a garota mais incrível de todas 

- Alguma coisa me diz que o nome dessa garota é Parck Chaeyoong e que ela é muito bonita e inteligente. Eu digo e ela solta uma risada 

- Você acertou. Lisa coloca toma mais um gole do refri e depois pega um saco de salgadinho 

- Sabe, eu acho que a gente deveria voltar para a Tailândia

- O que? 

- Acho que seria bom você você rever sua amiga e falar com seus pais

-  Não, não daria certo 

- Por que ? Podíamos ir nas férias..

- Rosé não vamos pafa lugar nenhum, esquece essa história. Eu tô muito feliz aonde estou. Ela corta minha fala 

- Ok, então. Limpo a boca com um guardanapo 

- Nossa eu esqueci completamente. Ela fala derrepente e tira da bolsa uma caixinha preta 

Por um segundo pensei que ela iria me pedir em casamento mas isso não faria sentido 

- Eu não te pedi em namoro como eu devia, então comprei isso para a gente. Ela abre e dentro da caixa havia dois anéis rosa bem fininhos 

- Meu Deus que lindo. Pego um dos anéis e coloco na mão, ela faz o mesmo 

- Eu te amo Rosé. Ela fala me olhando 

Dou um beijo calmo e devagar nela

- também te amo. Digo 











Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...