História Meu Doce Psicopata. - Taekook!Vkook - Capítulo 17


Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Kooktae, Kookv, Namjin, Psicopatia, Taekook, Vkook, Yoonminseok
Visualizações 685
Palavras 1.914
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Romance e Novela, Slash, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, oi, oi pandinhas ❤🐼

Como vão? Espero que beeem! ❤

Desculpe pelos erros, eu não revisei o capítulo... Boaa leitura ❤📚

Capítulo 17 - Capítulo 17


Fanfic / Fanfiction Meu Doce Psicopata. - Taekook!Vkook - Capítulo 17 - Capítulo 17

Haviam se passado uma semana que Jungkook estava no hospital, hoje ele receberia alta.

- Não se preocupe Yoon hyung, irei ficar com Jungkook apenas por segurança, ok?

- Ok, juízo ok? E ele está melhor? - perguntou preocupado e eu ri anasalado. - Não que eu me importe com ele, mas... Se ele estiver bem pode ter converter e perverter.

- Ele está bem hyung, mas não iremos fazer nada! Não quero que ele se force tanto.

- Uh, ok... Melhoras para ele, amo você!

- Amo você também! - desliguei meu celular.

- Quem você ama? - Jungkook saiu do banheiro secando os cabelos. - Já não gostei disso, ousadia.

- Aigo seu bobo, é apenas meu irmão. - abracei sua cintura e dei um selinho no mais velho. - Terei que voltar a trabalhar! - suspirei.

- Poderia largar o emprego, não?

- Ah Jungkookie-oppa, não posso abandonar meu emprego, eu preciso de dinheiro para sobreviver.

- Aish, mas o Baekhyun estará lá. - revirei meus olhos.

- Vamos embora logo? Não aguento mais esse hospital. - entrelacei nossas mãos e saímos do quarto. - Tchau Senhorita Lee. - acenei para a recepcionista.

- Tchau queridos. - sorriu e correspondemos ao ato.



(...)

- Você não pode fazer esforço Kookie-oppa.

- Ah Tae, não vejo problemas nisso. - continuou a beijar meu pescoço.

- Assim eu não me controlo oppa.

- Não quero que se controle. - ele levou suas mãos até o cós da minha calça. - Eu prometo ser carinhoso.

- Não estou preocupado comigo, e sim com você. - gemi quando ele passou a massagear meu membro por cima da boxer.

- Então não seu se preocupe. - beijou meu membro coberto.

Sua boca voltou ao meu pescoço, onde começou a distribuir beijos, mordidas e chupões pelo mesmo, enquanto me despia por completo.

- Kookie-oppa, você está com muitas roupas. - disse baixo e com a voz rouca.

- Então as tire, amor. - me ajoelhei no sofá ficando de frente a ele, facilitando assim para mim o despir.

Passei a desabotoar sua camisa e tirei a mesma com certa brutalidade. Depois, retirei sua calça e juntamente sua boxer rapidamente, logo me sentando em seu colo.

Selei nossos lábios em um beijo afoito e suas mãos pousaram em minhas coxas apertando as mesmas. O mais velho mordia e chupava meu lábio inferior, e eu rebolava em seu colo fazendo nossas intimidades de tocarem e soltarmos gemidos abafados em meio ao beijo.

Eu preciso de você dentro de mim, oppa.

Sussurrei ao pé de seu ouvido e vi ele sorrir e apertar mais minhas coxas.

O mais velho direcionou seu membro até minha entrada e gemi de dor ao ter seu pênis me rasgando. Deixei uma lágrima escorrer e ele a limpou rapidamente.

- Já vai passar, uh? Daqui a pouco você não sentirá mais dor. - selou nossos lábios em forma de me distrair da dor.

Sua língua explorava cada canto da minha boca e passar um tempo já não sentia mais dores, então passei a me movimentar sob seu membro.

Eu descia e subia, assim cavalgando no mais velho, que apertou minha cintura com força e se separou do beijo jogando sua cabeça para trás.

Nossos gemidos estavam descompassados e Jungkook revirava os olhos por puro prazer.

- Jungkookie-oppa, m-mais fun-fundo...

Suas mãos passaram a apertar minha cintura e ele passou a impulsionar meu corpo para cima e para baixo, com mais força e acertando minha próstata.

- Ãhn Tae... Tão apertadinho...

Apoiei minhas mãos em seus ombros e suas estocadas ficavam cada vez mais agressivas e ele passou a marcar meu corpo.

- ÃHN OPPA... - gemi alto ao ter minha próstata esmagada repetidas vezes.

- Isso Tae, m-mais rápido a-amor...

E como pedido comecei a "cavalgar" mais rápido e seus gemidos me deixava mais exitado.

Começamos a nos beijar em um beijo sensual, onde suas mãos passeavam pelo meu corpo.

Ambos estávamos suados e ofegantes. Soltei um gemido alto separando nossos lábios e seus dentes prenderam meu lábio inferior com brutalidade, acabei por me desfazer em nossos abdômens e ele em meu interior.

- Ãhn Jungkookie-oppa... - gemi uma última vez ao ter sua língua passado pelo meu pescoço. - Acho que não consigo andar mais. - ri anasalado e ele se retirou de meu interior com delicadeza me colocando sentado no sofá.

- Iti malia... - beijou minha bochecha. - Vem, vamos tomar um banho, uh? Amanhã você tem que acordar cedo, não quero que se atrase e tenha que chegar mais tarde. - me pegou no colo e passei minhas pernas pela sua cintura me prendendo a ele.

- Eu te amo! - sussurrei em teu ouvido e deitei minha cabeça em seu ombro passando meus braços pelo seu pescoço e me aconchegando melhor.

- Eu também te amo, pequeno! - beijei seu pescoço e me deitei novamente.


(...)

Já estava quase no fim de meu turno, faltava apenas algum tempo e hoje eu seria responsável por fechar o mercado, estava repondo algumas mercadorias nas prateleiras quando sinto alguém se aproximar de mim.

- Tae? - me virei.

- Ah... Oi Baek. - sorri fraco.

Vi que ele usava dois curativos, um em cada mão.

- Eu vim me desculpar.

- Você já fez isso. - novamente me virei e terminei de arrumar alguns doces na prateleira.

- Byun? Você pode guardar estas caixas no depósito para mim? Meu turno acabou e Guan Xiaotong está me esperando para jantarmos, não posso me atrasar.

- Claro Luhan! - sorriu.

- Ali estão as caixas. Até amanhã! - sorriu e acenou logo saindo do estabelecimento.

Baekhyun foi até a caixa e a pegou soltando um gemido de dor.

- Você quer ajuda?

- Não precis-

- Baekhyun, são muitas caixas e seus ferimentos podem piorar. - me aproximei e peguei duas das três caixas.

- Obrigado Tae. - sorri.

A essa hora no mercado, apenas nós dois estaríamos no local. As portas já estavam fechadas, não chegaria clientes, mas eu deveria repor todas as mercadorias e depois fechar o estabelecimento. Por algum motivo, Baekhyun decidiu ficar até mais tarde.

- Quem é Guan Xiaotong? - ele perguntou ao que nos direcionavamos a parte atrás do mercado, o depósito.

- A namorada de Luhan. - sorri. - Eles estão juntos a algum tempo.

- Interessante, não sabia que ele era comprometido.

- Ela é chinesa, nem sempre eles podem se ver. Ele evita falar dela, não sei o motivo, talvez pelo motivo de que se falar dela a saudade aumenta. - dei de ombros e guardei uma da caixas. - Pode ligar as luzes?

- Claro! - ele guardou a caixa em suas mãos e ligou a luz.

- Obrigado. - guardei a outra caixa. - Baek voc-

Vi que seus curativos estavam com marcas - recentes - de sangue.

- Você está bem? - me aproximei rapidamente e peguei em suas mãos. - Por qual motivo não me avisou sobre isso? Não podia ter trago aquela caixa pesada, na verdade não deveria estar no trabalho.

- Eu vim por você. - ele sorriu tímido e eu corei.

- Vem, aqui deve ter algo para fazermos curativos. - peguei em uma de suas mãos e o puxei.

Enquanto subíamos as escadas ele entrelaçou nossos dedos e eu corei. Entrei na sala da dona do mercado e o fiz se escorar na mesa.

- Espera aqui, deve ter algo para estancarmos o sangue.

- Não se preocupe Tae.

- Você não deveria ter vindo. - disse enquanto procurava por algo que servisse como curativos.

- Isso não estaria acontecendo se seu namorado não tivesse enfiado adagas em minhas mãos.

Peguei um álcool e ataduras.

- Isso não teria acontecido se não tivesse armado para cima do meu namorado.- dito sério e sem pensar. - Desculpa, eu-

- Não, tudo bem! Então, ele te contou apenas essa história, como sempre faz? - sorriu cínico.

- O quê? Como assim? - terminei de limpar o sangue e comecei a fazer os novos curativos.

- Não, nada de especial. - dei de ombros e continuei a fazer o curativo. - Tae, me perdoa? Eu juro que não sabia que estaria com ele naquele dia, eu juro-

- Se eu não estivesse lá... O que teria acontecido? - perguntei com medo da resposta.

- Quer mesmo saber? - assenti. - Um de nós estaria morto.

- O quê? - senti meus olhos marejados.

- Se você não estivesse lá, eu não hesitaria em o matar, e ele também não. - abaixei o olhar e deixei uma lágrima escorrer, apenas por imaginar Jungkook morto. - Não chora Tae, não gosto de você chorando. - levantou meu olhar.

- Jungkook diz a mesma coisa. - segredei.

- Normalmente... Dizemos isso a quem amamos. - ele sorriu e aproximou nossos corpos.

- O que está fazendo? - me assustei e tentei me afastar, mas ele pegou em meu pulso me impedindo.

- Você não pode simplesmente me amar? - passou a ponta gélida do seu nariz pelo meu pescoço.

- Ba-Baek por... favor...

- Qual é Tae, eu e Jungkook não somos tão diferentes, uh?

- Baek... - minhas lágrimas estavam descontroladas. - Ãhn... - gemi ao ter um tapa desferido em minha coxa, mas um gemido de dor.

- Sempre quis que gemesse para mim... - me deu uma mordida no pescoço e se preparou para me dar um chupão.

- Baek... por favor... E-eu estou com Jungkook, ele me mata se ver um chupão...

- Mas, eu te amo! - eu não podia ser submisso a ele.

- Baekhyun! - me afastei brutalmente.

- Qual é? Pensa que não sei o que fez com ontem com Jungkook? - sorriu e acariciou meu rosto. - Poderíamos fazer o mesmo, uh? - se aproximou.

- Não! - desferi um tapa em sua cara e ele me olhou assustado.

- T-Tae?

- Vo-você não é o Baekhyun que eu conheço... - minha voz estava embargada. - Eu... Eu já sofri demais. EU NÃO PRETENDO SER UM BRINQUEDO PARA VOCÊ, E TAMPOUCO ESTRUPADO POR VOCÊ BYUN BAEKHYUN!

- Tae, m-me desculpa... - me abraçou. - Eu jamais faria algo que não quisesse.

- Não é o que parecia... - chorei mais e ele me apertou sussurrando vários pedidos de desculpa enquanto acariciava meus cabelos.

Eu e minha maldita mania de perdoar quem não merece.

Eu estou frágil, perdi minha avó e quase perdi meu namorado, não podem me culpar por perdoar Baekhyun. Não sou apenas eu quem tenho meus demônios, ele também tem os dele.


(...)

- Você me desculpa mesmo? - ele perguntava pela milésima vez.

Agora estávamos numa cafeteria. Eu não havia comido nada o dia inteiro, e estava pensando em passar aqui para comprar algo para mim e Jungkook comermos.

- Se perguntar de novo, eu te mato aqui mesmo. - disse sério e ele riu.

- Ok, ok... Mas, por quê? - perguntou assim que peguei meu pedido.

- Todos nós temos demônios Baek, não posso te julgar pelos seus, até pelo motivo de eu ter os meus e os de meu namorado se assemelhar aos seus.

- Eu amo esse seu jeitinho tão... Aish, não sei explicar! Você consegue ver o lado bom das coisas mais ruins, seja ela qual for.

Apenas dei de ombros e senti meu celular vibrar, era o despertador.

- Tenho que ir, está na hora de Jungkook tomar seu remédio e... Bom, ele não é de acatar ordens.

- Eu o conheço bem... - sorriu fraco. - Um abraço?

- Acho melhor não, eu prefiro que não façamos contatos físicos, apenas... Verbais, uh?

- Tudo bem! - suspirou triste. - Eu gosto mesmo de você Tae, eu não menti nisso... Eu te amo!

- Baek, por favor!

- Ok! Até amanhã... - acenou.

- Até! - sorri e saí da cafeteria carregando o meu pedido.

Peguei um taxi e me direcionei ao apartamento de Jungkook. Espero que ele não me faça falar sobre o motivo do atraso, não quero que ele saiba o que ocorreu hoje. Tomara que ele não ligue para o atraso.


Notas Finais


Desculpem se o hot estiver ruim, eu não sei escrever essas coisas, ainda mais quando minha criatividade está baixa. Desculpem se estiver ficado pequeno, como eu disse estou sem criatividade. E desculpem se não estiver TÃO bom assim, novamente culpa da criatividade, mas enfim...

Gostaram? Espero que siiiim! ❤

Eu amo vocês, obrigado pelos comentários, pelo apoio e principalmente, os favoritos ❤❤

Link do grupo (das minhas fanfic's solo):
https://chat.whatsapp.com/2mZS35wkMxrACPO49HG2oI


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...