História Meu Doce Psicopata - (Vkook - Taekook - Kookv - KookTae) - Capítulo 20


Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Kooktae, Kookv, Namjin, Psicopatia, Taekook, Vkook, Yoonminseok
Visualizações 254
Palavras 1.613
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Romance e Novela, Slash, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiii amores, como estão? Espero que bem! ❤

Estava com saudade de escrever um capítulo para essa fanfic, mas finalmente minha criatividade voltou ksks

Desculpe pelos erros e boaa leitura ❤📚

Capítulo 20 - A verdade entre Baek e Kookie oppa - Parte I


Fanfic / Fanfiction Meu Doce Psicopata - (Vkook - Taekook - Kookv - KookTae) - Capítulo 20 - A verdade entre Baek e Kookie oppa - Parte I


- JUNGKOOK? Jungkook, por favor... Jungkook fica comigo! – minha visão estava embaçada pelas lágrimas. – Por favor, por favor...

- T-Taehyung?

- Não se aproxima de mim! – me exaltei ao que o outro se aproximou, e me afastei do corpo de Jungkook. – Você! Eu sabia que você era estranho quando pôs os pés dentro do meu trabalho em busca de emprego.

- Eu não... Eu não sabia que vocês estariam juntos aqui!

- Vai embora! Vai! – apontei para a porta. – Vai embora antes que eu mesmo te mate! – vi ele abrir a boca para dizer algo, mas desistiu e saiu da casa rapidamente.

- Jungkook, por favor, fica comigo, uh? – me aproximei de seu corpo caído no chão e peguei meu celular. – Alô, eu preciso de uma ambulância o mais urgente possível...

 

(...)

Já haviam se passado meia hora desde que a ambulância nos trouxe para o hospital e desde então não tive notícias de Jungkook, o que me deixa ainda mais preocupado.

- Kim Taehyung? – levantei meu rosto e vi uma senhora com o jaleco manchado de sangue, fazendo-me acreditar que era a médica responsável por Jungkook.

- E-ele está b-bem? – perguntei com a voz embargada e me levantei.

- Ele está estável, mas precisamos de um doador de sangue.

- E-eu posso doar.

- O sangue dele é tipo A, precisamos de doador tipo A ou O.

- Eu sou tipo AB, mas meu irmão é tipo O. Eu posso ligar para ele?

- Senhor Kim, precisamos de um doador urgentemente ou ele pode não sobreviver.

- O quê?

- Eu posso doar. – ouvi uma voz atrás de nós e tive a visão do causador de tanta desgraça.

- Baekhyun? Eu mandei você ir embora! Veio fazer mais merda nas nossas vidas?

- Taehyung, eu já disse que não sabia que você estaria lá. – se aproximou. – Eu irei doar.

- Seu sangue é tipo...

- Tipo O.

- Precisamos da sua permissão Senhor Kim, o mais rápido possível. – meus olhos lacrimejaram e contra minha vontade eu assenti. – Ótimo, nos acompanhe, por favor!

Baekhyun acompanhou a médica e eu me sentei novamente me sentindo ainda mais tenso.

É muito querer apenas um pouco de paz? Eu e Jungkook não pudemos aproveitar nada de nossos momentos juntos sem que algo acabasse por nos atrapalhar.

Lembranças de nós dois juntos se passaram diante mim e as lágrimas voltaram. Escorei meus cotovelos nos joelhos e escondi o rosto nas mãos.

- Aqui, toma um pouco de água. - uma garota que ficava na recepção se aproximou. - Não se preocupe, uh? A Doutora Kang já salvou vários de seus pacientes, ela é o mais competente dentro deste hospital. Vai ficar tudo bem! - sorri em agradecimento e peguei o copo de água, ela se curvou e saiu.

Quinze minutos se passaram e nada... Nenhum sinal de Jungkook ou Baekhyun. Não que me preocupe com Baekhyun, mas se ele aparecer quer dizer que seu sangue era mesmo compatível, e meu namorado poderia sobreviver.

- Senhor Kim? - uma enfermeira se aproximou e eu me levantei imediatamente.

- S-sim? - ela sorriu.

- Seu namorado teve sorte, conseguimos fazer a transfusão de sangue e a cirurgia foi um sucesso. Ele está descansando, usamos uma anestesia durante a cirurgia que o fez dormir e por isso não sentiu dores, mas logo acordará, no máximo duas horas. O Senhor deseja esperar ele acordar no quarto?

- Sim, sim! Por favor!

- Ótimo me acompanhe. - me guiou até os elevadores e entramos em um deles, sendo levados ao terceiro andar.

- E onde está Baekhyun? O doador de sangue.

- Ele doou muito sangue, por isso iremos deixar ele ficará aqui por alguns minutos, assim não terá perigo de sofrer algum acidente por fraqueza ao voltar para casa. - paramos em frente um dos quartos. - É aqui, qualquer coisa pode usar o controle que estará ao lado da cama do paciente para chamar a mim ou outro membro da enfermagem. - sorriu e se retirou.

Entrei no quarto cautelosamente e fechei a porta atrás de mim.

Jungkook dormia sereno, e se não fosse pelas máquinas ligadas ao seu corpo, poderia dizer que ele dormia tranquilo.

Arrastei uma das poltronas até o lado da cama e me sentei, peguei em sua mão e fiquei observando seu rosto.

- Aigoo... Onde você foi se meter? - ri anasalado e tirei uma mecha de cabelo caída em seu rosto. - Você não poderia levar uma vida normal apenas por um dia?

Acariciei seu rosto e vi que haviam feito vários curativos em seu peito. Não aguentei e deixei mais de minhas lágrimas caírem, seja lá quantas vezes já chorei hoje, mas sei que ainda não é o suficiente.

- Por qual motivo não podemos levar uma vida normal e comum? - perguntei tentando secar minhas lágrimas. - Por quê?

O normal é muito chato. - sua voz saiu como sussurro e eu arregalei meus olhos.

- J-Jeon? - sorriu.

Não vai se livrar de mim tão fácil assim, meu anjo suicida.

- E nem quero. - agora eu chorava novamente e desta vez de alegria. - Eu fiquei muito preocupado com você.

Dei um selar demorado em seus lábios.

Não chora, eu não gosto de te ver chorando. - acariciou minha bochecha e eu peguei em sua mão acariciando também.

- Não se force tanto, uh? Eu vou chamar a médica, está  bem? - lhe dei mais um selinho e peguei o controle ao lado da cama.

Apertei o botão do qual acreditava que chamaria a equipe responsável pela cirurgia e minutos depois a mesma enfermeira apareceu ao lado do cirurgião responsável por Jungkook.

- Vejamos só, temos mesmo um guerreiro entre nós. - a médica brincou e Jungkook soltou um riso fraco. - Sente alguma dor?

Não senhora. - sua voz continuava fraca.

- Hmm, isso é bom! - pegou seu estetoscópio e pôs sobre o peito de Jungkook. - Pelo que vejo você está saudável, não cem por cento claro, isso não seria possível. Mas, em comparação do modo que chegou ao hospital, diríamos que você está bem, muito bem.

- E o que mais? - perguntei afoito.

- Vejo que seu namorado é alguém bastante prestativo. - sorri tímido. - Bom, felizmente não acertou o coração ou a coluna, por isso não sofreu nenhum dano grave. Você ficará por observação alguns dias, mas se continuar assim e seu namorado lhe cuidar bem, sairá antes do esperado. - entregou a pasta que estava em sua mão para a enfermeira. - Temos uma pergunta, se importam?

- Não, não senhora. - sorri.

- Como isso aconteceu? - perguntou séria e eu gelei. - Pelo que parece isso foi tentativa de homicídio, podemos alertar a polícia e-

- Não, não, não! Sem polícia! - me desesperei.

- O quê? Mas, seu namorado foi vítima de um atentado. Vocês ao menos sabem que foi o agressor?

- Bom-

- Não, tudo ocorreu muito rápido, não deu tempo ao menos de ver quem foi o agressor ou algo do tipo. - interrompi Jungkook que me olhou estranho. - Eu peço, sem polícia... Quando sairmos daqui iremos atrás de nossos direitos, mas por enquanto quero apenas que façam seu trabalho com médica e cuide do meu namorado.

- Se assim é sua escolha, não iremos contra suas regras. Perdão pelo incômodo, voltarei para examinar o Senhor Jeon mais tarde. - se curvaram e saíram. Suspirei aliviado.

- O que foi isso? - Jungkook perguntou com sua voz mais rouca, porém mais forte que antes.

- Isso o quê?

- Impressão minha ou quer proteger ele?

- Não, não é isso. - suspirei e me sentei novamente. - Mas, como iremos contar está história? Ah, senhores policiais meu namorado é um psicopata e tem inimigos, um deles o encontrou nada demais. Você seria preso antes de eu terminar de contar a história.

- Tem razão.

- E não, eu não quero proteger Byun Baekhyun, quero proteger a você. - lhe dei um selinho e ele me olhou sério. - O que foi?

- Eu nunca citei o nome dele. Como sabe o nome dele?

- Hã... - suspirei. - Lembra que lhe falei sobre um novo colega de trabalho?

- Não me diga que-

- Sim, é o Baekhyun.

- E... Você disse que ele era estranho algo assim, certo?

- Sim. Ele tentava se aproximar de toda forma, chegava a ser invasivo.

- O QUÊ? COMASSIM? ELE ERA INVASIVO COM MEU HOMEM?

- Jungkook, não grita. Estamos em um hospital.

- Desculpa. Mas, como assim "invasivo"?

- Sempre me chamando de 'amor', me convidando para sair e tentando roubar beijos. - disse sem pensar e acabei esquecendo que Jungkook é um ciumento e além disso, psicopata.

- O QUÊ? Agora sim eu mato aquele resto de aborto! - tentou se levantar.

- Ei, nada disso! - adverti e fiz ele se deitar novamente. - Olha... Ele está no hospital também.

- Por quê? - perguntou seco.

- Ele doou sangue... Para você. - digo acanhado.

- O QUÊ?

- EU JURO QUE SE VOCÊ GRITAR DE NOVO, EU TE CASTRO.

- Você não seria capaz.

- Você tem dúvida?

- Não, já parei de gritar.

- Ótimo.

- E então... Acho que mereço um beijo por sobreviver e ficar com você, não?

- Sim, mas antes quero saber uma coisa.

- Tudo que quiser. - sorriu e entrelaçou nossos dedos, beijando a costa de minha mão.

- O que realmente aconteceu entre você e Baekhyun?

Vi ele ficar sério e eu percebi que isso deveria ser um assunto delicado. Muito delicado, aliás.

- Quer saber? - me deitei ao seu lado. - Me conta amanhã, ok? Vamos dormir, mas amanhã conversamos sobre isso.

- Ok, amanhã você saberá a verdade.

Sorri e o beijei. Seus braços passaram envolta minha cintura e quando a falta de ar se fez presente, deitei minha cabeça em seu ombro.

- Independente de tudo... Eu ainda te amo! - sussurrei.

- Eu espero que sim, pois eu sempre te amarei! - me respondeu no mesmo tom.

E assim adormecemos, mas... Amanhã, sem dúvidas irei saber a real história entre os dois.


Notas Finais


Desculpe se estiver pequeno, espero que tenham gostado e até o próximo ❤

Passem lá:
-> @TaegugForever
-> @taetaevsneide


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...