1. Spirit Fanfics >
  2. Meu duplo amor (Yoonmin, Taekook and Namjin) >
  3. Capitulo 5

História Meu duplo amor (Yoonmin, Taekook and Namjin) - Capítulo 5


Escrita por: Rnthprt

Notas do Autor


olaaaa, aproveitem mais um capítulo dessa fic, desculpe qualquer erro na escrita
GENTE, quem souber fazer capa de fic manda msg pr amim pfv estou precisando mt
e leiam pfv as notas finais, ok?
bjs

Capítulo 5 - Capitulo 5


 

Taehyung On

Despois do expediente que a próposito acaba ás 6 da tarde, resolvi fazer um lanche na cafeteria próxima ao distrito enquanto Jungkook estava na sala 93 resolvendo um assunto pessoal segundo ele. Logo voltei para o prédio do distrito e encontrei minha dupla fechando a sala da equipe e sorrindo ao me ver. 

  – Hey, tae. gostou do café? desculpa não ter ido com você. – Ele disse dando um sorriso sem graça. 

– Não se preocupe, kook, com certeza teremos outra oportunidade pra irmos juntos e sim, eu gostei bastante. E você já resolveu seu assunto?– perguntei. 

–Sim, está tudo certo por aqui. Vamos?– Concordei e fomos ao elevador e ele apertou o botão do andar abaixo. 

– Estaremos sozinhos no setor? – Perguntei. – Olhei para Jungkook e aprovetei para analisa-lo melhor, coisa que eu ainda não tinha feito essa noite. Ele pressionou os lábios e franziu a testa e se virou para mim. 

– Creio que não totalmente, sempre ficam alguns policias ou investigadores e também o pessoal da segurança. Você não ficava até tarde no seu antigo distrito?

Antes de responder a pergunta, eu me lembrei que geralmente os assistente saíam até antes do horário ou ficavam imprimindo documentos e fazendo cafés. – Na verdade não fiquei muito sabe... 

– Eu sei. – A porta do elevador se abriu e saímos do elevador.  Jungkook foi direto para uma sala com a porta de vidro que não se via nada do que estava dentro. 

– Você pode imprimir o relatório da autópsia? – Ele procurou no computador da sala e logo estava com o papel. – Obrigado. 

– E então, o que está pensando em fazer? – Me sentei na pequena mesa do laboratório e Jungkook sentou ao meu lado. 

–  A vítima foi envenenada no restaurante, certo? mas não sabemos como já que nada foi encontrado na cozinha e nem com os funcionários, também não sabemos nada sobre esse veneno. – Procurei o nome do veneno no relatório e mostrei para ele.

– Cianeto? Foi por isso que ele morreu na hora, não é?

– Sim, o cianeto age na hemoglobia do sangue e daí ele não transporta oxigênio para os tecidos, causando a morte rápida. – Pesquisei sobre a substâcia na internet e imprimi tudo para anexar ao relatório do caso. 

– Então alguém colocou o líquido do cianeto a comida do empresário, mas como essa pessoa fez isso sem ninguém perceber e como ela conseguiu? – Jungkook se encostou nas costas de sua cadeira e cruzou os braços. 

– Bom  geralmente com empresas de mineração ou indústrias químicas, mas não sei como ele pode ter colocado assim sem ninguém ver. Os pratos da cozinha não vão direto pras mesas? – Apoiei os cotovelos na pequena mesa e em seguida o queixo nas mãos. 

– Normalmente sim, não é? Mas vamos saber mais do restaurante amanhã com o Yoongi e o Jimin. Vamos indo? – Ele se levantou e guardou o celular na jaqueta. 

–  A  carona ainda está de pé? – Sorri e também me levantei indo até a saída abrindo a porta. 

– Claro. – disse sorrindo e juntos fomos até o térreo logo seguindo até o estacionamento. Jungkook parou de andar quando chegamos a uma pickup preta bem bonita. Ele pegou minhas duas mala e colocou na caçamba do carro

– Gostei do seu carro, é bem bonito. – eu disse mas ele estava ocupado demais abrindo a porta do carro para mim, nossa senhora ele é um homem perfeito. 

– Que bom que gostou. – Ele disse sorrindo e logo dando meia volta pra entrar também. Porque eu gostar do carro dele é uma coisa boa? E porque ele diz uma coisa assim com um sorriso tão largo? Se ele soubesse como fica bonito, não faria isso toda hora. 

Jungkook me convidou para jantar é um restaurante tradicional de kimchi e eu aceitei, foi uma noite tranquila e agradável. Ele era uma ótima pessoa, me fez rir a noite inteira e ainda me deixou em casa, fez questão de levar minha bagagem a porta pois segundo ele eu não conhecia o território e não deveria ir só (mesmo sendo um policial armado). Minha dupla foi embora e eu pude explorar meu apartamento, era simples mas muito aconchegante,  o lugar já é imobiliado e decorado. Decido ir tomar um banho e ir pra cama, amanhâ será um novo dia. 

 

 

Yoongi On

 

Fiquei esperando Jimin na recepção por um bom tempo, mas usei esse tempo para ligar para uma pessoa. 

" Alô, Perito Min?"

– kwon Jiyong? Ainda está no distrito? Queria te pedir um favor... – Eu disse olhando para o elevador pra ver se Jimin não aparecia. 

"Sim estou, pode dizer o que precisa."– Jiyong era do setor de dados e informações, ele pode ter acesso a tudo do distrito e de muitas pessoas . 

– Veja nos dados do perito Park Jimin se há algum endereço anexado por favor.– ele me respondeu com um ok e logo apareceu dizendo que não havia nada anexado além de seu antigo endereço, número de telefone e currículo. Achei estranho pois normalmente, há muitas informações de todos no banco de dados. 

–Obrigado, Jiyong. Eu acho que ele pediu pra ficar com um dos colegas dele. 

" Não foi nada, policial, qualquer coisa pode me ligar. boa noite." 

Desliguei a chamada e suspirei pensando em por qual motivo Jimin não tinha recebido seu apartamento, não é normal um novato que veio de outro lugar não ter nem onde ficar... – Desculpe a demora, vamos?

Jimin me tirou dos pensamentos e eu me virei para vê-lo, ele estava lindo com aquelas roupas sociais. Tomei a mala de suas mãos e fomos em direção ao estacionamento, paramos no meu carro uma SUV preta, ele me olhava enquanto eu colocava sua mala na carro. 

– Aonde vamos? – Ele perguntou. 

– Preciso passar em casa e me arrumar. Me surpreendeu você não querer ir pra sua, é longe daqui? eu poderia te levar lá. 

Ele abaixou a cabeça e ele encostou na lateral do carro, não queria perguntar agora o porque ele estar mentindo assim e provalvemente não contou a situação para os amigos então não tem para onde ir. 

– Acho que você achou melhor ver depois, não é? Vamos entrar... – Fechei o porta mala e logo entrei no veículo seguido por ele, fomos para meu apartamento que não ficava muito longe do distrito e o disse para ficar avontade enquanto ia tomar banho e me vestir. Jimin estava calado demais mas pode ser apenas o jeito dele, eu o deixei na sala enquanto tomava meu banho. Não demorou muito e eu já tinua terminado, ao abrir a porta dei de cara com uma pessoa loira de boca aberta. 

– Precisa de alguma coisa, policial? – Andei fazendo o mesmo recuar para trás e fechei a porta atrás de mim. Acho que ele estava procurando alguma coisa na casa. 

– N-não policial, eu ia perguntar onde fica o lavabo... S-só isso. – Ele abaixou a cabeça e vi que a palma de sua mão estava machucada. Naquela momento eu quis saber tudo sobre Jimin, o porque dele esconder os problemas, o porque dele ter esse jeito tão acuado, eu diria. 

Depois de um breve momento olhando em seus olhos, lembrei que ainda tinhamos um jantar programado. – Fica próximo a entrada, espero que não tenha sido estranho ver sua dupla apenas de toalha no primeiro dia de trabalho.

Saí deixando ele ali e antes de entrar em meu quarto pude escutar um "ah meu deus", ri e finalmente fui atrás da minha roupa, Optei por uma calça social preta e uma camisa azul escura lisa, um blazer por cima para dar um ar mais chique ao conjunto e por fim os sapatos. Fui até a sala a Jimin estava sentadinho no sofá mexendo em seu celular, ao me ver ele logo levantou. Peguei as identidades falsas e as chaves do carro e olhei para ele. 

– Vamos senhor Park?–  Ele deu um breve sorriso e confirmou com a cabeça, deve ser vergonha. 

Descemos até o térrio do prédio e fomos até o carro, dessa vez Jimin estava sorridente. Dei partida e liguei o rádio numa estação em que estivesse tocando música, o restaurante ficava em um bairro afastado e levaria algum tempo para chegarmos. 

– Você ganhou esse apartamento do distrito, Perito Min? – Ele perguntou sendo a primeira coisa dita desde que saímos da minha casa. 

– Não, senhor Park. Eu não vim de fora então não foi solicitado moradia para mim, antes disso eu morava com o Jungkook num bairro próximo. 

– Ah... – Deu um sorriso de canto que me pareceu desanimado. 

– Não quer me contar como era sua vida em Busan? – Ele ficou nervoso e apertou o cinto de segurança que estava sobre seu tronco. 

– E-era normal, sabe? Não tinha nada e especial e nem luxuoso, era só um policial. – Ele fechou os olhos e parecia dizer a si mesmo para se acalmar, eu olhava tudo de canto de olho pra não deixa-lo mais constragido. 

– Entendo. Olha ali o Garden 8, nossa... é chique mesmo hein. – Ele estreitou os olhos para analisar o lugar e pareceu esquecer do que estava fazedo segundos atrás. 

– Muito chique mesmo, nem parece que uma pessoa morreu aí há algumas semanas. 

– É verdade, é um pouco estranho. Vamos ver como anda o movimento. – Pouco tempo depois estavamos na entrada, em uma fila esperando para confimar nossa mesa. Jimin admirava o local de forma discreta, mas nitidamente encantado, a decoração cheia de quadros, esculturas e detalhes era realmente magnifica. 

– Boa noite, senhorita. – Disse para a recepcionista que sorriu para mim. – Temos uma reserva no nome de Choi Nam Min e Choi Jae beom. 

"Claro, senhores. Só um estante" 

Ela não demorou nada para nos dizer e nos acompanhar até nossa mesa que ficava próxima a cozinha. Puxei a cadeira para Jimin sentar e logo fiz o mesmo, a recepcionista nos perguntou se somos um casal, pois teríamos direito a uma sobremesa especial por conta da casa. 

– Não, nós... 

– Amor, não seja assim, eu sei que está de dieta mas há tempo não jantamos juntos. Pode incluir, senhorita, nós ficamos muitos gratos com essa cortesia. – Ela se curvou e saiu, olhei para Jimin que me olhava com dúvida e estranhesa.

– Amor? Porque fez isso, Senhor Choi? – Deu ênfase no último nome. 

– Por que eu quero a sobremesa grátis ora. – Sorri e pude ver um sorriso surgindo nos rosto de Jimin também. – Olha, aí vem o garçom. 

" Já olharam o menu, senhores? Ou preferem a susgestão do chef?"

– Queremos um Blanquette De Veau de cordeiro e vinho pode ser um Château Bellegrave Pomerol, sim? – Eu estava de boca aberta com o conhecimento de Jimin sobre vinhos e culinária francesa, ele nem ao menos olhou o menu. 

"Claro, senhor. Aproveite sua noite." 

– Ah, só um segundo, como se chama o chef? Gostaria de conhece-lo para reecomendar em nossas reuniões da empresa, não é amor?  – Jimin perguntou olhando para mim e eu apenas confirmei. 

– É uma ótima, meu bem.

" O chef Yan Jin Chang logo virá para comprimentar vocês, com licença" – Ele saiu ficando apenas eu e Jimin novamente.

– você pesquisou isso na internet antes de vir?– Perguntei. 

– Sou apenas um conhecedor.– Sorriu.  – Você já notou algo de diferente?

 – A comida passa por um balcão antes de vir para mesa, o que facilita não é?  – Ele concordou e deu uma breve olhada em quem estava do nosso olhada parecia analisar cada um discretamente. 

Tempos depois nossa comida chegou e Jimin tinha mesmo um dom de conhecedor da culinária pois estava tudo divino. Antes de terminarmos o chef veio nos cumprimentar, ele era um senhor que aparentava estar n casa dos 50 e altura mediana, olhava de forma estranha pra Jimin. Demos parabéns ao chef que agradeceu e se retirou. 

A noite romântica acabou após a sobremesa que por ser de graça parecia ter um sabor mais gostoso, eu e jimin conversavamos sobre assuntos aleatórios e ele soltava boas risadas. Perto de irmos embora ele ficou nervoso começou a pressionar os lábios e apertar as mãos, acho que ele tem essa mania de machucar as próprias mãos. Paguei a conta e fomos para o carro, a cada segundo que passava ele parecia ficar mais preocupado. 

 – Jimin está tudo bem ? 

 – S-sim, yoon, quer dizer, perito Min.  – Ele entrou no carro e colocou o cinto segurando o mesmo como se fosse cair, ele parecia precisar de ajuda e eu nunca quis ajudar tanto alguém na minha vida. Talvez seja pena ele é novato e deve ter problemas pessoais,a pressão é grande. 

 Entrei no carro e antes de dar partida olhei para minha dupla, lembrei que ele não tinha pra onde ir e meu coração se apertou

 – Jimin, olha pra mim.  – Ao se encontrar com os meus, seus olhos marejados ameaçavam derrumar lágrimas que o menor parecia ter segurado o dia todo.  – Eu sei que você não me conhece e e nem eu te conheço também, mas eu sei que você não ta nada bem. Normalmente eu não me preocupo com níguem, mas eu não conseguir não sentir um pouco da sua dor, você se machucou até sangrar, seu lábios estão maltratados e já já vai ficar com o rosto enxarcado. 

 Ele parou de apertar as próprias mãos e a primeira lágrima rolou sobre seu rosto que já estava rubro. Sem tirar os olhos dos meus, ele relaxou no banco logo formando um bico nos lábios completando a cara de choro. Naqule momento ele estava bastante fofo, mas infelizmente muito triste e isso partia meu coração. 

 – Posso ser sua dupla na equipe, mas eu sei que a pressão é grande pra um policial... E então? Quer me contar porque você não tem pra onde ir? –  Ele não disse nada, não gritou e nem chorou desesperadamente, apenas lágrimas silênciosas caíam. Ainda sem dizer nada, Jimin tirou o cinto de segurança e por um momento achei que ele iria descer do carro, mas ele fez o contrário. Se aproximou de mim e me abraçou, fiquei sem reação por um instante, é estranho abraçar alguém que você acabou de conhecer mas ele estava precisando e talvez eu fosse a única pessoa que ele podia se refugiar nesse momento. 

 

 

 

Continua?

 


Notas Finais


genteee, obrigada a todos que estão acompanhando a fic. Dêem muito amor a ela, eu estou me dedicando bastante para ficar tudo perfeito
se puderem me ajudem a chegar 200 views, please
amo tds vcs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...