História Meu Final Feliz Favorito - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Kuroko no Basuke
Personagens Hyuga Junpei, Kiyoshi Teppei, Riko Aida
Tags Hyuko, Junpei Loves Riko, Teppei
Visualizações 20
Palavras 813
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Não sou fluente em inglês, espero que o título esteja certo kkkk -_-'

Capítulo 2 - Sufocante


Fanfic / Fanfiction Meu Final Feliz Favorito - Capítulo 2 - Sufocante

A chuva cercou os dois no caminho, mas quem disse que eles correram ou tentaram se abrigar. Era um claro convite para aproveitar as gotas, assim como faziam vez ou outra quando pequenos.

- Ahhh que frio! - Riko gritou dando pulinhos debaixo da chuva, mas o sorriso mostrava o quanto aquilo lhe agradava.

Hyuga Junpei a observava, com um sorriso também, discreto, até que os dois logo estavam correndo um atrás do outro num pique pega ou brincando nas poças de água. 

Ficaram bons minutos como duas crianças na chuva, até a mesma se intensificar e fazer eles correrem para a casa de Riko.

- Filhinhaaaa!!!! - O pai de Riko veio receber a filha na porta todo animado, mas murchou ao ver quem acompanhava a menina. - Quem é esse?

- É o Junpei, pai. - Riko disse revirando os olhos. Claramente, o pai só não queria que o Hyuga se sentisse confortável. 

- Aquele tampinha do ensino médio que ficava no seu pé?

- O capitão da seirin, agora dá licença que a gente tá tudo encharcado e com frio? - Riko disse empurrando o pai pro lado e conseguindo entrar em casa. 

- Seu pai não mudou muita coisa. - Junpei disse rindo mas parou abruptamente ao quase tropeçar na amiga que também parou de andar. - O que foi?

Riko estava com uma expressão assombrada enquanto segurava a maçaneta da porta de seu quarto.

- Vamos pro quarto do meu pai. - Ela disse de repente e sem prestar muita atenção no que fez, saiu arrastando o garoto com ela, de mãos dadas.

- Ei! RIKO! AI, NÃO! - O senhor Aida ainda tentou impedir a filha, mas teve a porta fechada na própria cara.

- Por que, aqui? - Junpei perguntou olhando para a porta sendo esmurrada. - ... seu pai já não gosta de mim e...

- Você nunca se importou, porque ligaria agora?

- Porque ele tem uma arma? - Junpei respondeu com tom de humor, mas estava preocupado.

- Ele não anda armado dentro de casa. - Riko disse e só então o moreno percebeu que ela estava procurando alguma coisa na gaveta. - Toma, pode usar isso. É velha, mas tá impecavelmente limpa.

Riko jogou algo na direção de Junpei e o mesmo pegou no ar, abriu e percebeu ser uma muda de roupas.

- Pode usar o banheiro para tomar um banho quente. - Ela voltou para perto e lhe entregou duas toalhas fofinhas. - Vou esperar aqui por precaução. 

- Por favor. - O Hyuga reforçou e olhou mais uma vez para a porta do quarto. Ele foi para o banheiro tomar banho e trancou a porta, porém não se demorou lá e já saiu completamente vestido e com o cabelo quase totalmente seco. Tinha que admitir que já estava na hora de cortar as pontas do cabelo, que já cresciam demasiadamente.

- Eu saí por uns instantes, meu pai já está mais calmo, mas vamos permanecer por aqui. - Riko disse indo em direção ao banheiro do quarto por onde Junpei acabara de sair.

- Como assim?

- Está chovendo muito. - Riko falou e fechou a porta, só restando ao moreno, aguardar ali.

Dando de ombros, Junpei se sentou na cama e puxou a toalha dos ombros, para terminar de secar o cabelo, enquanto isso, sua única distração se tornara olhar para um porta retratos ao lado da cama, que tinha a foto do senhor e da senhora Aida com uma bebezinha no colo.

O Hyuga já havia visto aquela foto uma vez, mas olhar por mais tempo trazia uma sensação inquietante e ele não sabia o que era.

Quando Riko saiu do banheiro, o cabelo estava totalmente encharcado, pingava até na roupa recém colocada. Ela tentava secar de algum jeito, mas sem sucesso, apenas parou de frente pro Hyuga e lhe estendeu a toalha.

- Pode secar pra mim, capitão? - Ela disse pidona e sem se importar muito, Junpei se levantou da cama e pegou o pano, começando um ótimo trabalho. - Como esperado do filho de um...

- Shhh. Fica quietinha. - Junpei falou sem desviar os olhos da cabeleira castanha. Ele parecia desinteressado ou talvez só estivesse com os pensamentos longe e isso chamou a atenção da garota.

- Você está diferente... - Riko falou olhando a expressão do mais alto enquanto ele a ajudava. Eles estavam tão próximos que misturar respirações era extremamente fácil. 

- Diferente como? - Ele não a olhou.

- Eu não sei... mas é... sufocante... - Riko pronunciou baixo, mas roubou uma encarada surpresa de Junpei.

- Sufocante...

- Não é ruim! Só... - Ela ia completar a fala, mas seu celular tocou e ela se afastou com um sorriso fraco. - Obrigada.

Riko foi atender o telefone fora do quarto e deixou Juntei um tanto confuso. "Sufocante" era bom ou ruim para os seus planos?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...