1. Spirit Fanfics >
  2. Meu frágil amor >
  3. No final de tudo eu vi você

História Meu frágil amor - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor



Capítulo 1 - No final de tudo eu vi você


ஜ۩۞۩ஜ 🌈ℕ𝕒𝕣𝕣𝕒𝕕𝕠𝕣🍭 ஜ۩۞۩ஜ


Qual é sua maior alegria? 


Quem é pessoa pela qual só lembrar o nome seu coração já dispara e você não consegue parar de sorrir?


Qual é a pessoa que você se passando todo o seu tempo livre, mesmo sabendo que poderia estar fazendo outra coisa? 


Quem é a pessoa pela qual você morreria? 


Christopher nunca encontrou o amor, ele pensa que seu Aka Ito está tão longe de si, que talvez nem exista


O amor é real? 


Ou é apenas uma palavra


Essas palavras machucam o coração do Bang. Amor... Alegria... Lambança... Morte. Essa palavras acabam mais ainda com o coração já ferido do Australiano loiro. 

A verdade é que todos que entraram na vida do Bang o machucaram tanto que no final de tudo, Chris só decidiu parar de sentir. Na verdade ele finge não sentir. 

Como a vida pode ser tão traiçoeira. Por que ela tira logo as melhores pessoas e deixam as más? Christopher sempre se pergunta. 

Depois de tanto tempo aprendendo com a vida, o Bang abriu mão de seu país natal e foi para Los Angeles. Ele apenas queria um lugar diferente, onde ninguém o conhecia e ele não conhecia ninguém.

Ele apenas decidiu recomeçar longe o suficiente de qualquer tipo de dor e sentimentos.


Mas não é bem assim.


Podemos fugir do passado, mas ele não foge da gente.


E com esse ditado na cabeça ele viu que fugir não iria funcionar. Porque mesmo que estejamos longe de um lugar onde um dia sentimos, amamos e sofremos, Christopher finalmente aceitou seguir em frente. Mesmo que seu coração gritasse para ele desistir de sentir, para ele voltar a ser aquele garoto amargurado que o tempo lhe tornou. 

Com sua Kawasaki verde o Bang andava pelas ruas de Los Angeles. Após um dia cansativo na empresa onde trabalha, ele só deseja ir a seu lugar e relaxar fumando seu cigarro de menta enquanto esclarece as ideias.


A vida podia lhe presentear com alguém que lhe faça feliz?


Que o faça acreditar novamente que o amor é real?


Que é o sentimento mais belo que existe?


Isso só o tempo irá lhe mostrar ou o destino poderá dar uma mãozinha?


Ao som de Beliver Christopher Bang pilotava sua moto em maior velocidade. A adrenalina em seu corpo lhe faz sentir bem. Ele corria pelas pistas de Los Angeles, até chegar ao parque mais afastado da cidade da Califórnia. 

Normalmente não costuma ter ninguém, principalmente naquela hora da noite. Era tarde, já é possível ver as estrelas no céu e a lua brilhar a noite. 

Chris vai andando até o lugar que sempre diz ser seu e vê alguém lá. Sentado na mesma pedra, observando o mesmo Rio. Um menino de cabelos ruivos estava sentado naquela pedra vendo a bela paisagem que o Bang observava toda madrugada. 

Com um suspiro o Australiano pretende se afastar e voltar a sua moto para correr por madrugada a fora. Ao se virar para andar ele sente mãos seu pulso.


- Não precisa ir, eu já estava de saída.


Confusão. Por que o garoto ruivo veio correndo só para dizer para ele ficar? Poderia apenas ter o deixado ir e ficado com a bela paisagem da noite.


- Não tudo bem. Hoje a noite está bonita, aproveite a vista.


- Pode ficar. Eu sempre venho aqui pela manhã, e hoje consegui ver o quão belo é a vista aqui a noite. O que acha de dividirmos a pedra?


Mesmo com confuso, Christopher concorda com a cabeça e eles se sentam no chão e apoiam suas costas na grande pedra. Bang pega sua carteira de cigarros de menta e coloca um dos cigarros na boca logo ligando com o isqueiro.


- Se você vem aqui sempre pela manhã, o que faz aqui nesta hora da madrugada?


- Eu venho aqui para esquecer problemas. Esse lugar é como um refúgio entende? Parece que aqui eu encontro a paz que sempre procurei.


E os olhos de Chris brilharam e seu coração pulou duas batidas. Ele encontrou alguém que lhe entende? Que sabe que este parque quase abandonado tem algo especial. Alguém que com um sorriso gigante falava sobre seu lugar com tanta alegria.


Destino você quer mesmo ajudar o coração do Australiano não é mesmo?


- A paz pode estar além de uma paisagem, mas sim no que ela te remete. Eu venho aqui para esquecer os problemas que a vida me meteu.


- E quais problemas a vida lhe trouxe?


- Me fez parar de acreditar em muita coisa que para outras pessoas é tão fácil crer.


- As vezes é só preciso de outra pessoa para lhe fazer crer em algo tão distante a você.


- É pode ser...


O Bang parou aquele momento para pensar. Será mesmo que só é preciso de uma pessoa para fazer Christopher voltar a acreditar em tanta coisa que a vida lhe tirou. 

Chris solta a fumaça por seu nariz e depois suspira. Aquele menino ruivo só podia ter vindo do céu. 

Suas sardas se comparavam as estrelas do céu e seus olhos a imensidão da noite. Como nunca havia visto esse menino em todo esse tempo que está em Los Angeles.


- Aliás me chamo Felix, Lee Felix.


- Christopher Bang.


E então a noite desses dois meninos foi moldada de curiosidade, eles precisavam conhecer um ao outro.


Felix naquela noite fria, fez Christopher acender uma chama em seu peito, uma chama que a tanto tempo achou estar morta.


A vida é bem mais que momentos tristes, é bem mais que palavras vazias. E na madrugada de Bang e Lee, o ruivo lhe fez perceber isso.


Lhe fez perceber o quão bom é ter alguém para falar coisas banais. E aquilo eles não queriam perder, não mesmo.


ஜ۩۞۩ஜ 🌈👑🍭 ஜ۩۞۩ஜ


Já se passava três meses que eles se encontravam nas madrugadas e trocavam mensagens por celular. 

A cada momento o Bang se vê sorrindo só quando pensava no Australiano loiro e no seu sorriso que lhe é semelhante a paz. 

Seus finais de semana eram reservados a Felix e sua alegria contagiante que fazia o Australiano loiro se pegar sorrindo bobo para o nada em alguns momentos. Suas horas vagas da manhã eram exclusiva a ir no café que o Lee trabalha só para lhe dar bom dia, antes de um dia cansativo. 

Chris está se apaixonando por Felix aos poucos, e pode estar apavorando seu coração já machucado. Mas lhe faz ter esperança de que aquele ruivo consiga ultrapassar todas as barreiras um dias impostas a tanto tempo.


Ainda tinha tanto do que conhecer em Felix, mas já sentia como se o conhecesse a vida toda. Já decorou suas manias. Já sabe seus pontos fracos. Sabe de sua família e amigos. Como em tão pouco tempo o Bang se permitiu conhecer alguém como conhece Lix?


Nem mesmo ele sabe responder. Ele só quer sentir mais disso.


E em mais uma de suas madrugadas eles estão encostados na grande pedra. O silêncio no lugar é confortável e aos poucos o Australiano ruivo foi se aproximando do loiro até encostar sua cabeça no ombro do Bang.


- Chris posso fazer uma pergunta?


- Claro Lix, não precisa nem perguntar.


- O que somos? Eu sei que é cedo para perguntar mas... Eu sinto que não somos apenas amigos. Amigos não sentem o que eu sinto aqui.


Ele aponta para seu peito e depois para o de Christopher que só pode fechar os olhos e sentir o contato das mãos de Felix em seu peito.

 

- Eu não sei. Eu também queria ter uma resposta para isso. Mas o que temos é especial e não quero apressar nada.


- Que bom que sente o mesmo que eu Chris. Não queria ser o único a sentir isso.


- Digo o mesmo Lix, ainda mais em saber que não precisamos de um título para isso.


Bang falava com os olhos fechados. Eles sentia a respiração do Lee em seu pescoço e ela ir subindo para seu rosto. O coração do Australiano pulava batidas só em imaginar o que estava prestes a acontecer.

E foi aí que ele sentiu pela primeira vez os lábios de Felix. Eles eram macios e pareciam encaixar tão bem com os seus. O beijo era guiado pelos dois em um ósculo apaixonado e profundo. Como se a muito tempo eles quisessem isso. E na verdade queriam mesmo.

Ao se separaram Chris sentiu de novo, só que mais forte. A chama dentro de seu peito estava ali, gritando a todos os cantos que Lee Felix era perfeito para si.

Felix tinha seus olhos brilhando, e o Bang poderia passar a noite inteira olhando para eles com todo amor que seu peito está sentindo.


- Eu sei que é cedo para dizer isso, mas eu gosto de você Christopher Bang.


Felix conseguiu mostrar ao Bang.


O amor existe, ele está ali, em forma de pessoa, sentimento e alma.


Chris só queria o Lee consigo. Ele queria poder passar a cada momento de seu dia ouvindo a sua risada contagiante, seu abraço acolhedor, seu beijo viciante e sua presença marcante. Christopher só quer poder a cada dia descobrir o que o Australiano pode lhe fazer conhecer.


Felix é uma caixinha de surpresas e Bang quer descobrir uma nova surpresa a cada dia que passa, e sorrir junto a Lix a cada momento oportuno.


Porque Felix é sua alegria.


Felix é o motivo de seu coração agitado.


Felix é seu passatempo predileto.


E principalmente


Lee Felix se tornou seu motivo para sorrir a vida. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...