1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Guarda-costas - Park Jimin. >
  3. Capítulo 1

História Meu Guarda-costas - Park Jimin. - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Mesmo pela audiência do Spirit ter caído muito, ainda acredito que existem pessoas que gostam de ler histórias com o ídolo favorito como eu.

Eu realmente quero seguir essa fanfic adiante e espero de coração que vocês gostem dela!!!

Me desculpa por qualquer erro e boa leitura ❤️

Capítulo 1 - Capítulo 1


   S/N On: 

 Acredito que desde pequena, vivo no verdadeiro inferno. Me chamo S/N Evans, a menina que desde criança fica trancada em sua torre de cristal, por ordens de quem? Sim, do meu amável pai. Quando você cresce aparecem verdades, e eu descobri uma das piores verdades, a da qual tenho mais nojo, a verdade do monstro que passei a vida toda chamando de pai. 

Antes de ter noção dos atos dele, eu o amava imensamente e aos meus olhos ele era o homem mais gentil, bondoso, do qual não seria capaz de machucar nem uma mosca. Hum, ingenuidade de  uma criança! Acabei que descobri que as coisas não são bem assim, e não estão nem perto de ser. 

- Srta. Evans? - Ouço batidas na porta, era a senhora Rosa, uma das empregadas da casa. Por sorte eu ainda tinha ela, a senhora mais generosa que eu já conheci. - Seu pai está aguardando sua presença na sala dele. - Disse gentilmente.

- E o que eu farei lá? Ele me dará um pedido de desculpa ou alguma roupa cara? - O tom da minha frase era de desdém pura, mais um fato sobre meu pai: ele me comprava, ou melhor, tentava me comprar depois de fazer merda. 

- Tem alguém esperando por você na sala dele. - Olhei para Rosa no mesmo momento em que completou a fala. Meu pai não me deixar nem pisar no gramado de casa quem dirá conhecer alguém! 

Me levantei e caminhei até a sala dele, sem ânimo algum e muito menos com um sorriso no rosto. Entrei no cômodo sem bater na porta e lá estava ele, todo cheio de si sentado em sua mesa, com as mãos entrelaçadas me olhando seriamente.

- Não tem educação suficiente pra saber que tem que bater na porta? - Falou ríspido.

- O cara que deveria ter me dado educação faz mais merda que eu. Por que me chamou? 

- Querendo ou não ainda sou seu pai e exijo respeito S/N! Fui claro? - Engrossou a voz pra falar me fazendo engolir em seco. Eu tinha medo dele, mas as vezes minha raiva falava mais alto. - Este é Park Jimin. 

Olhei para o lado e vi um homem loiro, alto e sério. Ele não retribuiu o olhar, ficou parado onde estava com o olhar fixo ao meu pai.  

- Ele é seu novo guarda-costas. - O olho com indignação. - Um dos melhores que você poderia ter.

- Eu posso me cuidar sozinha pai! - Qualquer um podia ver a raiva em minhas palavras. - Não preciso de ninguém tomando conta de mim, o senhor me mostrou isso! 

- Não comece S/N...

- Não comece? Você foi o culpado de fazer da minha vida um inferno e quer se redimir colocando uma babá pra tomar conta de mim?! - Me exaltei, e pelo visto não fui a única.  Ele se levantou socando a mesa, vermelho de raiva. 

- Pouco me interessa se fiz da sua vida um inferno ou não, você mora na minha casa! Eu te sustento então cale a sua boca, senão... - Ele não terminou. 

- Senão vou acabar como a minha mãe né. - Ele sabia que mais uma vez, tinha me perdido por completo e só aumentado o ódio que eu tinha por ele. 

- Não, acabará pior! - Estremeci com a resposta dele. A capacidade que ele tinha de ser frio me assustava, jamais o perdoaria pelas palavras que passei a vida escutando, jamais o perdoaria pelo o que aconteceu com a minha mãe. 

Saí da sala sem responder, não tinha palavra que expressasse minha angústia naquele momento. Acabei que esbarrei em Rosa, mas estava tão estressada que não parei de andar por um segundo,e acabei batendo com força a porta do meu quarto. Eu sei que parece comportamento de uma adolescente na puberdade, mas era muito mais que isso, eu tentei por diversas vezes controlar a minha respiração e aguentar firme, eu precisava aguentar até conseguir sair dessa casa. Eu tinha que manter a minha cabeça no lugar, tinha que ser forte. 

Passei o resto da noite no meu quarto, não sai de lá e também não consegui dormir. Fiquei pensando no Park Jimin e na expressão que ele tinha no rosto quando entrei naquela sala, o que será que ele pensou quando o chamei de babá? Na verdade eu nem deveria ter dito isso, ele não tinha nada a ver com a briga minha e do meu pai e acabei desmerecendo o trabalho dele. Ele deve achar que sou um criança mimada, ótimo! Acabei dormindo depois de um tempo. 

09:10 AM. 

Por algum motivo no qual eu desconheço acabei acordando cedo, o que não era muito comum. Tomei um banho e enquanto secava meu cabelo, assistia um vídeo de dança. Eu gostava de dançar, me acalmava e melhorava o meu dia, eu tinha o costume de criar as minhas próprias coreografias mas a única pessoa que sabia disso era a Rosa, ela amava os shows que eu fazia pra ela. Queria me desculpar por não ter pedido desculpas quando esbarrei nela ontem e retribuir ajudando a fazer o almoço hoje, então terminei bem rápido de secar meu cabelo descendo pra cozinha logo depois.

 Eu não esperava ver ele, não alí.

- Bom dia S/N! - Rosa abriu um grande sorriso enquanto servia Park Jimin. - Sente-se, preparei seu café também. - Fiz o que ela pediu mas em silêncio, eu estava surpresa por ver ele ali, não imaginava isso, acabei que fiquei com vergonha por me lembrar de ontem. 

- Park Jimin não é? - Aproveitei que Rosa não estava na sala de jantar então perguntei. 

- Sim.

- A comida da Rosa é muito boa, aproveite! - Sorri de lado e ele apenas concordou com a cabeça. Ele era mais sério do que eu pensava, se ele for realmente meu guarda-costas terá que se abrir mais. 

- Aqui está S/N, bom apetite. - Ela me serviu mas antes de ir embora, segurei em seu braço tendo a sua atenção. 

- Me perdoa por ontem, estava com a cabeça cheia que acabei nem lembrando de pedir desculpas. - Ela passou a mão na minha cabeça. 

- Não se preocupe, está tudo bem! - Sorri em resposta.

- Hoje eu vou fazer o almoço com você tudo bem? 

- Claro, vou ficar muito feliz! - Rosa cuida de mim desde quando nasci, além de ser a pessoa que minha mãe depositava mais confiança ela é também minha melhor amiga. Pelos menos isso meu pai não tirou de mim. 

Ela saiu me deixando sozinha de novo com Jimin, e o clima começou a ficar estranho. Ele não falava nada e nem me olhava, apenas comia em silêncio como se estivesse só ele ali. Eu também não ficava olhando muito pra ele mas as vezes era inevitável, percebi que ele era um homem bonito, forte e parecia saber lutar, o que provavelmente deveria saber já que foi escolhido por meu pai. 

- Se você tiver se sentindo desconfortável, eu posso ir comer em outro lugar. - Acabou me assustando um pouco, a voz dele era mais grossa que o normal. 

- Não se preocupe, não estou me sentindo desconfortável. - Sorri de lado e voltei a comer. 

- Então por que me olha tanto? - Não veio uma resposta de imediato como de costume, e pela primeira vez Park Jimin me olhou sem desviar o olhar.

- Me diz o porquê do meu pai ter te escolhido. 

- Sou bom no que faço. 

- Já foi guarda-costas antes? 

- Não. - Eu não conhecia ninguém mais exigente que o meu pai, por que será que ele colocou tenta confiança em Park Jimin? - Mesmo você sendo a primeira pessoa que protejo, sou bem mais do que você imagina. - Me lembrei do que falei ontem sobre ele. 

- Me desculpe por ter te chamado de babá ontem. - Desviei meu olhar. 

- Diferente da Rosa, não estou aqui pra cuidar de você S/N e sim pra te proteger! - Fiquei calada. - Agora você terá liberdade e eu vou precisar estar do seu lado. 

- Já disse e volto a repetir. - O olhei. - Sei tomar conta de mim mesma sozinha. 

- Até convencer seu pai do contrário nada mudará. - Ele voltou a comer. Respirei fundo e terminei de comer também, me retirando logo em seguida. 

Não vi mais Park Jimin ao longo da tarde, mas ajudei a Rosa fazer o almoço que inclusive ficou esplêndido. As horas passaram bem rápido na cozinha, ajudei ela a limpar tudo e deixar tudo no lugar. 

- Não entendi o porquê de ainda estar dentro de casa, vai sair e se divertir um pouco! - Disse Rosa enquanto limpava a mesa. 

- Não quero sair com aquele mala no meu pé. 

- Para de ser pulso firme S/N, agora seu pai finalmente deixou você sair, aproveite! 

Se bem que não era uma má ideia, fazia um bom tempo que não saia.

- Só estou indo porque você está pedindo ok?! - Ela sorriu empurrando meu ombro. 

Subi para o meu quarto e comecei a me arrumar, o céu estava bem limpo então coloquei uma roupa confortável de calor. Uma coisa que eu achava desperdício de tempo era demorar pra de arrumar, eu sempre ficava pronta bem rápido ainda mais hoje que queria aproveitar bastante antes de voltar pra casa. Desci as escadas e vi Jimin conversando com Rosa, a mesma me olhou e sorriu. 

- Esta linda! Se você não cuidar dela te dou comida estragada! - Estranhei o jeito informal que ela falou com Jimin, ele apenas concordou com um sorriso neutro. 

- Vamos logo, tchau Rosa. - Beijei o topo da sua cabeça e saímos de casa. Jimin estava indo em direção a outro carro, e não ao carro do motorista que tínhamos. - Jimin eu acho que... 

- Eu dirijo. - Disse ligando o carro e indo abrir a porta pra mim. Era só o que faltava, além de ficar no meu pé vai ser meu motorista também. 

O caminho todo até a cidade foi silencioso, mas não tão constrangedor por causa da música suave que tocava no rádio. 

- Pra onde você quer ir? - Perguntou não tirando seus olhos da estranha e do retrovisor. 

- Me diz você, qual lugar é legal pra irmos? 

- Não sou seu guia turístico S/N, fale onde que ir que irei te deixar lá. - Me irritei com o modo que falou comigo.

- Pare de ser grosso comigo, não é porquê nos filmes são assim que você também tem que ser. 

- A diferença é que isso é vida real e não é brincadeira, muito diferente de um filme e você não conhece nada dessa vida. 

- Como você tem tanta certeza Park Jimin?! - Me virei pra olhar diretamente pra ele. 

- A última vez que você saiu da sua casa você foi sequestrada, e olha que você nem andou tanto assim. Quer mais motivos? - Não retruquei, apenas voltei pra posição anterior e ali fiquei, olhando pra janela. É claro que ele sabia do sequestro, como pude duvidar disso?  Jimin é insensível demais, mas eu já estava acostumada com esse tipo de gente. 




Notas Finais


Obrigada por lerem até o final, beijinhos e até o próximo!! ❤️✨


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...