História Meu irmão - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, D.O, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Lay, Rap Monster, Suga, V, Xiumin
Tags Bts, Exo, Incesto, Jimin, Kpop, Lemon, Romance, Taemin, Vmin, Yaoi
Visualizações 171
Palavras 1.821
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ficção Adolescente, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 17 - Faça você mesmo.


 O poder disse ao mundo: "Você é meu".

O mundo manteve-o prisioneiro em seu trono.

O amor disse ao mundo: "Eu sou teu".

E o mundo deu a ele a liberdade.

-Rabindranath Tagore, Pássaros perdidos

Vroooom! 

Um bonde azul e branco ressuscitou seu motor e passou perto de uma dúzia de bicicletas aguardando a luz vermelha, soprando um pouco de poeira no seu rastro.

Um homem de meia idade que esperava o bonde do outro lado caminhou.

— Olá, jovem camarada. Como faço para chegar à Escola Municipal de Festas a partir daqui?

Taehyung procurou a resposta em sua mente. — Vá nessa rua direto, depois vire à segunda direita.

— Obrigado.

— Por nada.

A luz passou do verde para o amarelo, depois do amarelo para o vermelho.

Taehyung pegou impulso no chão com uma perna e atravessou o cruzamento em sua bicicleta junto com a multidão.

Jimin estava segurando sua cintura firmemente. As pernas do menino eram muito longas, e ele teve que se sentar em uma posição ridícula e enrolada.

Suas pernas ficaram doloridas depois de um tempo, e ele tinha acabado de descer as pernas quando o irmão falou:

— Levante as pernas. Não esfregue os sapatos no chão.

— Ok — Jimin respondeu como um bom menino.

O menino mais novo estava crescendo muito rápido este ano, e Taehyung estava começando a ter dificuldade em trazê-lo na bicicleta. Ele flexionou os dedos e passou a colocar toda sua força em pedalar.

— O que acha de comer panquecas para o café da manhã?

Jimin considerou enquanto brincava com um canto da camisa de seu irmão. — Bom.

Os vendedores de café da manhã começaram os negócios para o dia. Leite de soja, rosquinha frita, sobremesa de tofu e bolos, os cheiros deliciosos atingiram os narizes deles enquanto passavam.

Taehyung parou ao lado e caminhou até a loja.

— Eu poderia pegar uma dúzia de carne de porco e panquecas? — ele disse à dona.

A família de Taehyung eram clientes de longa data desta loja de panquecas, e a dona era uma fã do pai deles. Duas coisas pendiam na parede que era inferior a dez metros quadrados, um retrato do presidente e um cartaz assinado de um dos filmes do pai de Taehyung.

A proprietária ligeiramente gordinha ouviu e saiu de trás da cortina.

— Ah, é você, Taehyung! — ela exclamou alegremente.

— Bom dia, senhora — Taehyung cumprimentou com um sorriso.

— Seu pai pediu que você comprasse café da manhã?

— Meu pai ainda está filmando fora da cidade. É só eu e meu irmão. Estávamos desejando suas panquecas esta manhã.

Uma expressão lamentável apareceu no rosto da mulher. — Ai... Ai. Como ele poderia deixar duas crianças em casa? Um deles está prestes a fazer a prova da universidade também! — então, ela se virou para o marido curto e magro. — Ei, onde estão as panquecas do Tae? Dê um pouco mais a eles.

Taehyung acenou com a mão. — Não, não. Isso é o suficiente.

— Não, não está bom! — a mulher respondeu apaixonadamente antes de gritar com o marido novamente. — Por que você não está pegando os melhores? Esses estão frios! Pegue os frescos no fundo!

No final, havia dezesseis panquecas na bolsa de plástico. A mulher queria colocar duas rosquinhas fritas, mas Taehyung recusou rapidamente.

Taehyung foi tocado por sua generosidade e lembrou Jimin para agradecer também.

A mulher olhou o menino mais novo de cima a baixo. — Uau, você cresceu bastante, não é? Veja isso, quase maior que o seu irmão. Você está parecendo cada vez mais com seu pai. Vai ser um homem bonito em alguns anos!

Jimin manteve a cabeça baixa e ficou quieto.

— Ele não gosta de falar com as pessoas — explicou Taehyung enquanto esfregava as costas de seu irmão. — Não se importe com ele.

A mulher sabia sobre a condição do menino e agora se sentia ainda mais triste por esses dois irmãos. Ela conseguiu enfiar as rosquinhas na bolsa de plástico depois de tudo.

Taehyung reconheceu a emoção em seu rosto e aceitou o presente com um sorriso. Ele puxou seu irmão enquanto se despedia.

Taehyung destrancou a porta da frente e colocou a bolsa de panquecas na mesa de jantar.

— Lave suas mãos antes de comer — ele disse a seu irmão enquanto pegava a chaleira do fogão para ferver a água. 

É quase a hora de mudar o gás, ele pensou para si mesmo quando tentou uma vez acender o fogão.

Ele levantou o pequeno pano azul dividindo a cozinha e a sala de estar para ver seu irmão já sentado bem na mesa.

Taehyung colocou na mesa o molho de soja e o vinagre que ele havia preparado. — Mostre suas mãos.

Jimin colocou as palmas das mãos na frente dele. Taehyung virou-as e até inspecionou-se suas unhas. — Ok. Você pode comer.

Jimin sempre estava com muita fome depois de se exercitar, e logo metade da bolsa foi devorada. Taehyung só tinha comido dois antes de perder o apetite.

Ele empurrou a bolsa para o garoto mais novo. — Todo seu. Coma.

Ele limpou a gordura de seus dedos e abriu as cortinas da sala de estar. A sala imediatamente foi iluminada com uma luz deslumbrante.

— Vá tomar banho após o café da manhã. Você vai aprender a se lavar sozinho. Não vou ajudá-lo mais a partir de hoje.

Jimin tirou uma mordida da panqueca na mão e começou a mastigar, as bochechas cheias. Ele fez o possível para engolir, mas não conseguiu terminar a metade.

— Não mais, irmão.

Taehyung olhou para a bolsa de papel. — Tem certeza de que está cheio?

Jimin colocou a metade restante no prato.

Taehyung colocou a mão na cabeça de seu irmão, com os lábios franzidos em pensamentos.

— Tudo certo. Vá tomar banho, então, garoto bonito.

Ele agarrou a panqueca meia comida e tirou uma mordida.

— Você sabe como? O shampoo está no recipiente azul. A barra marrom é o sabão. O botão esquerdo é água quente e o direito é frio. Eu vou ajudá-lo a colocar temperatura certa. Lave o cabelo e depois o resto do seu corpo. A toalha está na prateleira. E não se esqueça de fechar as cortinas.

Jimin manteve a cabeça baixa e não respondeu.

No momento em que Taehyung terminou de comer a panqueca, a água foi fervida. O vapor brotou da boca e fez um nítido barulho afiado ao passar pelo pequeno orifício na tampa.

Taehyung fechou a válvula de gás e derramou a água quente no termostatos verde no balcão.

Taehyung estava sentado à mesa fazendo um simulado de matemática quando ouviu que a água começou a salpicar na banheira.

Ele tinha a caneta na mão há algum tempo. As perguntas na página pareciam familiares, mas sua mente estava vazia.

Ele contou cada linha que o punhado de minutos passava. Jimin ainda não havia saído depois de quinze minutos.

Ele jogou a caneta na mesa e levantou-se de repente que a cadeira deslizou para trás.

Ele correu para o banheiro e abriu a porta. A tranca estava quebrada desde esta manhã, e a porta bateu na parede.

— Jimin!

Jimin estava sentado na borda da banheira com a cabeça baixa. A água quente atrás dele estava emitindo ondas de vapor de água. O menino olhou de forma idiota e chamou: — Irmão.

Os nervos de Taehyung se estabeleceram, mas sua raiva foi inflamada.

Ele desligou a torneira e bateu o irmão na parte de trás da cabeça. — Eu te disse para tomar banho, não apenas sentar lá! Você poderia ter pedido minha ajuda se não entendesse algo! Você acha que a água é gratuita? Você deixou correr por quinze minutos inteiros!

Jimin pareceu feliz por seu irmão ter batido nele. Ele disse “tudo bem” e começou a tirar suas roupas.

Taehyung ficou ali observando seu irmão desajeitado tirar a camisa, calça e cueca. Ele viu os ombros largos e sólidos de seu irmão, braços fortes, cintura fina, quadris cheios, pernas longas e musculosas e o membro considerável que estava mole nos arbustos.

Ele se virou para sai.

Ele ouviu seu irmão chamá-lo por trás e estava determinado a não se virar de novo.

— Tome seu banho direito, a menos que você queira um tapa!

Assim que ele estava prestes a sair do banheiro, ele ouviu a água começar e um pequeno barulho de seu irmão.

Seu cérebro lhe disse: “Não seja estúpido. Jimin ficará bem.” Mas ele ainda se virou para olhar.

Seu irmão abriu a água quente. A água escaldante estava espirrando em sua pele que se tornara vermelha.

Já era tarde demais quando ele afastou o irmão mais novo. Jimin olhou para o braço dele de forma boba como se não entendesse o que as bolinhas inchadas na pele dele eram. Ele alcançou a mão direita para tocá-lo.

Com raiva e dor, Taehyung agarrou a mão direita de Jimin. — Quem te disse para abrir a água quente primeiro?! Quantas vezes eu tenho que lhe dizer?! O lado frio primeiro! Lado frio! Por que diabos você não consegue se lembrar disso?!

Ele torceu o lado quente e o lado frio se abriu antes de agarrar o braço do irmão debaixo do chuveiro.

Jimin estremeceu e segurou a mão de seu irmão firmemente.

— Seu idiota! Idiota! — Taehyung não podia suportar sua frustração. — Você é tão estúpido! Você não consegue nem tomar um banho! — enquanto isso, ele se culpou por dentro. Foi culpa sua.

Ele arrastou seu irmão para fora do banheiro e para o quarto do pai. Ele encontrou a pomada verde e colocou nas queimaduras dele, mas mesmo assim ele se sentiu inquieto como um gato em tijolos quentes.

Com a cabeça inclinada, Jimin olhou para o irmão examinando o braço de uma maneira quase psicótica.

— Irmão.

— O quê ?! — Taehyung gritou.

— Não dói nada.

Taehyung olhou para o irmão. Os olhos brilhavam com umidade.

— Seu bobo — ele disse com um sorriso forçado. — Você nem sabe o que é a dor.

Jimin não se importava com a lesão. Ele estava feliz pelo seu irmão mais velho estar cuidando dele.

Ele esperou na frente da pia da cozinha para o irmão lavar seu cabelo como ele fazia quando era mais novo. Só que agora, ele era muito alto para ficar no banquinho e teve que dobrar a cabeça para baixo.

Os dedos do irmão mais velho eram longos e frios. Ele sentia como flocos de neve derretendo na sua nuca quando massageava seu couro cabeludo.

As janelas da pia estavam abertas. O sol estava alto no céu. Taehyung podia ver os potes de cebolas verdes e girassóis na varanda da casa no próximo prédio. Ele ouviu o vizinho cantar junto à ópera tocando no rádio.

Ele lentamente derramou um balde de água quente sobre a cabeça do irmão.

A luz do sol cortou o balcão em uma inclinação, lançando a sombra da janela no chão.

Taehyung mergulhou a toalha na água várias vezes e jogou a água extra no rosto do irmão.

Jimin mostrou um sorriso largo.

Taehyung sentiu seu rosto ficar vermelho e desviou o olhar.

Jimin só vestia uma peça de cueca boxer quadrada. Ele estava sentado no banquinho, esperando que seu irmão o secasse.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...