1. Spirit Fanfics >
  2. Meu lutador. - Imagine Lee Taeyong. >
  3. VIII (8).

História Meu lutador. - Imagine Lee Taeyong. - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Quem é vivo sempre aparece, né?

~>Sorry gente, a autora não tava bem nem fisicamente, quem dirá psicologicamente. Então o bloqueio veio com tudo. Mas espero que o capítulo esteja pelo menos aceitável.

Boa leitura e desculpa os erros ortográficos.

Capítulo 8 - VIII (8).


Fanfic / Fanfiction Meu lutador. - Imagine Lee Taeyong. - Capítulo 8 - VIII (8).

S/N.


1 semana depois.



-Vamos apostar? - Pergunto sentada no ringue enquanto olho para Taeyong socar o seu precioso saquinho de pancadas.


-Apostar o quê? - Ele fala, continuando sua série de socos.


-Se você ganhar a luta de amanhã, poderá pedir qualquer coisa de mim que eu irei fazer. O mesmo vale para você. - Digo e finalmente tenho a sua atenção.


-Por que acha que eu vou apostar isso?


-Por que eu sei que é do seu interesse. - Sorrio certeira para ele. Eu sei que, no fundo, Taeyong sente pelo menos uma atraçãozinha por mim e qualquer coisa séria válido.


Hoje ele lutaria pela última vez. Sim, última vez porque vai ser sua última luta clandestina. Fiquei em choque quando descobri que ela participava de lutas clandestinas, descobri o pouco tempo porque Ten não soube segurar a língua. Primeiro fiquei apavorada, e até mesmo dei uma bronca em Tae quando o vi, mas relaxei quando ele disse que esse seria a última em participaria. Então, como uma ótima amiga que me tornei dele, resolvi apoiá-lo e iria ver a luta com os meninos. Estavamos mais abertos um com o outro, nossa relação tem melhorado bastante e isso nós aproximou mais e mais, mas ainda era confusa. Sempre lançavamos olhares tão intensos na direção um do outro, quando ficavamos sozinhos por instantes pareciam que meu corpo pegaria fogo a qualquer momento, e mesmo assim, ninguém tinha uma atitude. Eu queria mudar isso, não sei como, mas estava disposta a fazer, seja lá o que temos, dá certo.


-Não vai se arrepender. - Tae diz sorrindo ladino e volta ao seu treino. Convencido? Nem um pouco.


-Nunca volta atrás com minha palavra. É melhor você ganhar, Tae. Não 'tô afim de perder trinta dolares.


-Você apostou?


-Digamos que eu e os meninos fizemos uma aposta valendo dinheiro sobre quem ganhará a luta. - Sorrio dando de ombros.


-Não acredito nisso. Não era você que quase me bateu quando descobriu sobre a luta?


-Ah... mas claro! Isso é errado, mocinho! Mas como você prometeu que seria a última, então eu não vi problema em apostar, né? - Abraço sua cintura que estava escorregadia pelo suor. Sim, nosso nível de intimidade já me permitia tal ato sem ambos ficarem incomodados com a situação, posso dizer que eu tiro um bom proveito disso, afinal, quem em sã consciência não tiraria?


-Como quer que eu ganhe se fica me distraindo? - Ele me olha por cima do ombro.


-Doce como um limão! - Desfaço meu aperto em sua cintura e sorrio saindo do ringue.


-Meu casal é tão lindo, gente. - Nathally fingi um choro de felicidade assim que me ver indo para o balcão. Nós nos tornamos amigas em poucos dias, diferente da imagem que ele passa, Nathally é alguém divertida e educada, mas não deixa de ser meio louquinha.


-Aish! Eu apoiava ela com o Lucas. - Jae fala fazendo um biquinho fofo em seus lábios.


-'Tá doido, menino? Vira essa boca para lá! - Nathally dá um tapa estralado no ombro do maior e isso me fez rir alto. Os dois eram uma figura! Minha vida se tornou mais alegre desde que eu os conhecera e não trocaria isso por nada.


-Cadê o Ten? - Pergunto assim que não noto o moreno sorridente. Geralmente sempre o via agarrado a Nathally ou com algum dos meninos.


-Ele saiu para comprar algumas coisas. - Nathally diz.

[...] 



Terminava de dar os últimos retoques em minha maquiagem, o relógio marcava 19:30 e daqui a pouco Lucas chega para me buscar e levar ao local da luta. Eu estava com uma calça preta rasgada que tinha correntes ao lado, uma camisa branca sem estampa e uma jaqueta jeans, e para finalizar, com um coturno preto nos pés. Eu estava uma gata. Não sou uma pessoa que tem a autoestima elevada, mas também não me achava feia. Ao meu vê, eu era apenas uma garota com uma beleza normal.


Ouço a notificação de mensagem no meu celular e o pego vendo que Lucas já estava me esperando. Me olho no espelho e sorrio.


-É, até que você é bonitinha, S/n. - Pego minha bolsa e verifico se tudo o que preciso, ou acho que preciso, está dentro.


-Aish, que demora. - Vejo Lucas em cima de sua moto encostado no guidão com o celular na mão. Ele me joga seu segundo capacete e eu o pego no ar.


-Nem vem! Nem demorei tanto assim, traste. - Subo e agarro sua cintura.


-Vamos logo. Todos já estão lá, só falta a gente. - Apenas confirmo e Lucas arranca a moto não se importanto com a alta velocidade. Barbeiro de uma figa.


Lucas parou em um beco um pouco escuro o que me fez estranhar.


-É aqui? - Ele confirma saindo da moto e pegando a minha mão me guiando até o fim do beco que tem uma porta vermelho de ferro descascada e enferrujada. Entremos e eu já conseguia ouvir o barulho doa gritos e das músicas. Descemos uma escada e foi quando eu me deparei com uma espécie de ringue subterrâneo. Já tinha várias pessoas esperando eufóricas pela luta. Eu via algumas mulheres quase seminuas passando com bandejas na mão, também tinha um bar um pouco mais para os fundos. Lucas voltou a me puxar e vi que a gente ia em direção ao pessoal que estava nas primeiras fileiras para assisti a luta.


-Finalmente chegaram! Ele já, já vai entrar. - Ten fala assim que chegamos, eu abraço Nathally que me faz sentar entre ela e Jeno.


-Vou comprar uma pipoca, S/n, vai querer algo? - Lucas pergunta.


-Um refrigerante.


-Me traz uma pipoca também. - Ten diz.


-Certo.


Eu estava um pouco - talvez muito - nervosa. E torcia para Tae ganhar e não se machucar tanto. Nunca tinha vindo em uma luta clandestina, o pessoal aqui me parecia um pouco... bruto? Digamos assim. Apertava o pano da minha calça e esfregava minhas mãos para tirar o excesso de suor, aqui era quente. Nathally passa suas mãos em meus ombros.


-Ei, vai ficar tudo bem. Taeyong é bom nisso.


-Só não quero que ele se machuque.


-Eu não posso te garantir nada em relação a isso, mas ele vai ficar bem, afinal, estamos falando do cabeça ruim do Taeyong. Vaso ruim não quebra. - Nathally consegue me fazer rir e eu relaxo um pouco.


-Gente, ele já entrou no ringue. -Jeno anuncia e eu rapidamente olho vendo ele e seu adversário alí, fazendo as devidas preparações. Eu o observo bem enquanto ouvíamos os gritos estridentes dos telespectadores da luta. O pessoal vibra ao meu lado gritando o nome de Tae e ele nós olha, parando seu olhar em mim. Eu sorrio, silibando um "boa sorte" que é retribuído com um sorriso de sua parte. Logo é anunciado o primeiro round da luta. Taeyong começa bem, o seu adversário era muito bom, eu admitia. Ele era ágio e sabia muito bem desferir um soco, mas Taeyong não ficava para trás. Eras socos e mais socos sendo desferidos. Taeyong desviava bem dos golpes, mas infelizmente não se livrava de todos. Quando dei fé, o primeiro e segundo round se finalizou, Taeyong assim como seu adversário ainda continuavam de pé. Uma das sombrancelas de Lee estava cortada, assim como seu lábio e um lado da bochecha e eu via o sangue descendo me deixando um pouco apreensiva.


-Vamos lá, Tae. Acaba com ele. - Sussuro vendo mais um round se iniciar. Via que Lee já se encontrava cansado, mas ainda se mantia firme. Em um golpe rápido, ele é derrubado e agarrado em um mata leão  eu levanto junto do banco com uma vontade enorme de correr até o ringue, mas Lucas segura meu pulso.


-TAE, LEVANTA! VOCÊ CONSEGUE! EU ACREDITO EM VOCÊ! - Nossos olhares se encontram por segundos que pareceram horas em um ato rápido, ele se livra do braço do homem o prensando em uma chave de braço, o deixando imobilizado. - ISSO! - Abraço Jeno pulando, quase caindo quando vi seu adversário bater no chão anunciando a vitória do Lee. Sem nem me importar, eu corro como uma doida até o ringue pulando em Taeyong nós levando ao chão. - CARALHO, EU SABIA QUE VOCÊ IA GANHAR! - O abraço apertado sentido suas mãos passaram por minha cintura me levantando do chão junto a si e me girando. Eu conseguia ouvir o grito da multidão ao redor comemorando e sem me importar com mais nada, enquadro o rosto do Lee em minhas mãos e choco meus lábios no seu, não me importando com o gosto de sangue que invade meu paladar por seu ferimento. Os gritos ficam mais fortes e eu sorrio em pura felicidade.


-Eu acho que já sei o que vou pedir como recompensa. - Lee sussura assim que nosso lábios são separados. E eu olho em seus olhos, apreciando a imensidão negra que eles são. - Mas agora, eu só preciso senti seus lábios de novo. - Nós beijamos sem ligar para nada ao nosso redor.


Sim, eu amo Lee Taeyong, o lutador estressadinho que roubou meu coração, e não há nada que possa mudar esse fato. 


Notas Finais


É, foi isso. 😀

~> Falta só mais dois capítulos para o final do fic, pessoas 🙃 Não sei quando vou trazer o penúltimo, talvez demore igual esse, como eu disse, não tô muito bem de saúde.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...