História Meu mal, Meu bem - Capítulo 38


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Faculdade, Hot, Lésbica, Romance, Traição
Visualizações 398
Palavras 3.064
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Seus lindo amandos mais um capítulo heim espero que gostem comentem em breve responderei os comentários do capitulo anterior.

Capítulo 38 - Não disse o quanto a amava


***MANUELA***

Assim que deixo a Adriana em casa, pego o ônibus e vou no barzinho beber um pouco, hoje faz dois dias que estou separada da Lana isso estava me matando, eu a amo  demais mas ela terminou comigo tão de repente isso me machucou muito ela é a única pessoa que eu tinha, a única que se preocupava comigo e agora não tenho ninguém.
Entro no bar e infelizmente a Maria Julia estava lá, assim que ela me vê ela sorri, sento sobre a mesa e ela vem e se senta de frente pra mim fazendo eu revira os olhos.

— Você estar, me perseguido Manuela? — Pergunta colocando uma mecha de cabelo atrás da orelha.

— Não persigo piranha! —Digo com ironia e ela sorrir.

— Adoro quando você é agressiva sabia. — Diz Maria Julia e o garçom se aproxima e pergunta o que queríamos beber.

— Boa tarde o que as senhoritas irão beber? —Pergunta com um bloco de notas na mão.

— Cerveja. — Digo e a Maria Julia diz o mesmo,eu estava odiando olha pra cara dela.

— Você estar bem? — Diz tocando em meu rosto e eu tiro as mãos dela de mim.

— Estou ótima. — Digo olhando dentro dos seus olhos.

— Manuela,  eu sei que você morre de raiva de mim por causa do João, mas não foi a minha intenção fazer isso com você, você era minha melhor amiga e agora nem se quer fala comigo. — Diz Maria Julia enquanto o garçom põem a cerveja em nossa mesa.

— Maria você me decepcionou, o que nós tínhamos era tão bom mas você preferiu fuder com tudo quando decidiu trepa com o João, ele era meu namorado e nós duas tínhamos um caso Maria julia. —Digo e ela torna a por a mão sobre meu rosto, e eu não gostava quando ela me tocava.

— Você queria mais né? — Pergunta.

— É... Eu sempre amo a pessoa errada! — Digo virando o copo de cerveja e pedindo pro garçom trazer uma garrafa de vodka.

— Eu também queria mais! Ainda quero. — Diz Maria enquanto eu viro um dose de vodka.

— Eu amo outra pessoa Maria Julia,o que nós tínhamos acabou! — Digo bebendo outra dose e ela toma da minha mão.

—Tá cedo pra fica bebendo. — Diz olhando pra mim e eu torno a beber. — Eu posso fazer você esquece-la. — Diz e eu dou um sorriso irônico.

— Demorei muito tempo pra te esquece Maria! Eu amo a Lana e quero que você fique ciente que nós duas é passado ok? — Digo deixando claro que nada vai acontecer entre a gente.

— Ok. — Diz tocando em minha boca, como dedo indicador. — Amigas? — Pergunta.

— Amiga é uma palavra muito forte. — Digo e ela da uma risada nazal.

— Você anda bem estressadinha ultimamente. — Diz sorrindo. A Maria Julia não era ruim mas ela me magoou muito e quando queria me provoca ela jogava sujo.

— Tenho que ir. — Digo levantando um pouco tonta e a Maria Julia me ajuda.

— Vou te leva pra casa. — Diz.

Caminhamos até o carro dela, entro ponho o cinto e ela estava rindo do meu estado, depois de um tempo chegamos no meu quarto ela abre a porta,entramos me sento na cama e ela para perto da porta rindo.

— Tá rindo de que Maria? — Pergunto.

— Você bêbada é linda, fica tão vulnerável. — Diz se aproximando de mim senta ao meu lado e tenta me beija.

— Maria não! — Digo  e ela se afasta mordendo os lábios sorrindo.

— É difícil se controla perto de você. — Diz olhando pra minha boca, ela põem o dedo polegar na minha boca e me beija eu estava tão carente, que deixei a carência responde por mim! Eu a beijo passo pelo seu pescoço e tiro sua camisa.

— A gente não vai transa Manuela, eu sei que você estar fazendo isso por causa do seu término com a sua namorada. — Diz beijando meu queicho.

— Eu quero muito fazer isso! —Digo e ela sorri.

— Não quero transa com você Manu. — Diz e eu dou um sorriso.

— Tá me rejeitando de novo Maria Julia. — Digo e ela me olha.

— Você estar bêbada e eu não vou me aproveita disso. —Diz olhando pra mim e eu me afasto tirando a minhas mãos de sua nuca.

— Já aproveitou desde do momento que me beijou. — Digo  perto de sua face e ela sorri.

— Se cuida. — Diz dando um beijo na porta do meu nariz, coloca a camisa e sai em seguida.

Eu preciso da Lana, ela nem se quer me ligou eu não sei se ela sente algo por mim de fato.ligo pra ela mas ela não atende, ligo mais umas quatros vezes porém  ela continua me ignorando.

Deixo meu celular encima da cama, e ela retorna a minha ligação.


                 LIGAÇÃO ON

Lana: Oi Manuela, tá precisando de algo?

Eu: Tô sentindo sua falta.

Lana: Manuela eu estou um pouquinho oculpada.

Eu: Você não pode conversa comigo é isso?

Lana:Você estar bêbada?

Eu:Não!

Lana: Me diz aonde você mora, vou passar aí! Tá precisando de que?

Eu: Eu não preciso de nada, que sabe me arrependi de ti ligar.

Lana: Manuela...

Eu: Tchau Lana.


                  LIGAÇÃO OF

Finalizo a ligação me sentindo uma idiota, eu ligo pra Lana pra dizer que eu sinto falta dela, e ela diz que estar oculpada, me senti um lixo odeio ser rejeitada.


                DIA SEGUINTE...



                  ***LANA***


Mal conseguir dormir por causa do trabalho faço minha higiene matinal me arrumo, acordo a Adriana pra ir pro colégio e desço as escadas, me sento sobre a mesa e tomo café.

Depois de um tempo a Adriana desce da um beijo no meu rosto e senta de frente pra mim.

— Mãe, eu posso jantar com a Manuela hoje? — Pergunta Adriana colocando suco no copo.

— Pode! Mas ve se ela estar bem pra mim eu preciso  sabe como ela estar! Ela me ligou ontem mas desligou na minha cara. — Digo e a minha filha me olha revirando os olhos.

— Você foi grossa com ela? —Pergunta.

— Não, mas ela estava bêbada! —Digo bebendo um gole café.

— Ela mora nesse endereço aqui. — Diz me amostrando a localidade no seu celular. — Eu só estou te falando porque estou na esperança de vocês voltarem. — Diz e eu continuo olhando pro seu celular.

Devolvo o celular da Adriana, levanto pego minhas coisas, e caminhamos até o carro deixo a Adriana no colégio e vou para a universidade.
Assim que chego na universidade entro na sala de aula, e a Manuela não estava.

         (...)

Assim que a aula termina, vou na casa da Manuela ve-la, quando eu chego na localidade, passo na recepção pergunto o número do  quarto e subo em seguida, aperto a companhia e logo sou atendida por ela.

— Lana... —Diz Manuela supressa.

— Vai me convida pra entra? —Digo e ela da passagem, o lugar era horrível exatamente da maneira que minha filha descreveu, olho em volta e ela cruza os braços.

— Se for pra fala mal do lugar era melhor nem ter entrado. —  Diz irritada fechando a porta.

— Esse lugar é horrível! — Digo e ela abre a porta pra mim sair. — Eu só vim ver como você estar. — Digo colocando a bolsa encima da cama.

— Já viu agora pode ir embora. —Diz olhando dentro dos meus olhos.

—Volta pro apartamento que eu te dei, é melhor que isso aqui. — Digo e ela torna a fecha a porta e se aproxima de mim.

— Eu não quero o seu apartamento! — Diz me fazendo da uma risada irônica.

— Vai mora aqui nesse lugar horrível? — Pergunto e ela se altera um pouco.

— Eu não tenho  dinheiro que você tem, e eu me viro como posso então para de joga na minha cara sua fortuna. — Diz me deixando um pouco mal eu nunca jogaria nada na cara da Manuela.

— Aqui estar a chave do apartamento, espero que você volte. — Digo colocando as chaves em suas mãos.

— Lana sai, eu preciso trabalhar. — Diz e eu caminho até a porta e saio em seguida a deixando sozinha.

Saio do quarto da Manuela, mas continuo perto da porta. Eu também sinto muita falta dela, mas ela própria destruiu o nosso relacionamento, eu confiava nela e ela não confiava em mim escondeu de mim coisas que eu podia ajuda- lá.

— Você ainda estar aqui. — Diz abrindo a porta e trancando-a por fora.

— Ei...Manuela eu estou preocupada com você! — Digo tocando em seu braço e ela me olha.

—Lana eu te liguei ontem dizendo que sentia a sua falta e você me ignorou dizendo que estava oculpada! Você nem imagina como eu me senti ontem. — Diz olhando em meu olhos e eu toco em seu rosto mas ela vira e minha mão deixa de toca-la.

— Desculpa Manuela, eu realmente estava no meio de uma reunião... — Digo e ela me interrompe.

— E se eu estivesse precisando de você? Você é a única pessoa que eu tenho Lana e nem sei se posso conta com você. — Diz se virando e eu a puxo pra mim e a beijo,mas logo ela se afasta de mim.

— Não faz isso. — Diz.

— Eu te amo Manuela, e nunca vou deixa você sozinha eu sei o que você sente por mim e... — Digo e novamente sou interrompida por ela.

— E você não se importa nenhum pouco com isso! Você terminou comigo caralho acho que eu tenho dedo podre pra escolher quem eu amo, primeiro foi a Maria Julia agora você. — Diz irritada colocando o dedo na minha cara em um tom baixo.

— Você já teve algo com essa Maria Julia? — Pergunto e ela sorri.

— Sim! A gente tinha uma amizade colorida, E...A gente se beijamos ontem. — Diz me deixando com raiva.

— Você beijou ela? —Pergunto irritada segurando o seu braço forte.

— Beijei! Quase transamos mas ela me rejeitou porque eu só queria transar com ela pra esquece você. — Diz e eu  a puxo mais firme a segurando com mais força. — Me solta você estar me machucando Lana. —Diz e eu a solto indignada com que eu ouço.

— Beijou outra, quase transou aquela nifitazinha e teve a audácia de me fala? o que você estava pensando caralho? —Digo e ela abre a porta do quarto  entra e eu entro em seguida ela fecha a porta  me preciona contra parede.

— Você terminou comigo, nem se que me ligou pra sabe se eu estava bem, e a única que estava preocupada comigo era ela! E sim eu deixei a carência toma conta de mim. — Diz olhando em meus olhos e eu seguro em sua cintura.

— Logo com ela?

— É... Tinha que ser ela, além de ser bonita sempre fui louca pra transar com ela, e sei  que ela te intimida. — Diz me fazendo bufa e andar de um lado pra outro.

— Então fica com ela. — Digo olhando  em face saindo em seguida, caminho até o meu carro entro e dou partida nele.
Ligo pra minha irmã Carla.

          LIGAÇÃO ON

Carla: Oi Lana.

Lana: Quero que você puxe a ficha de uma pessoa pra mim.

Carla: De quem?

Lana: Maria Julia eu não sei o nome dela completo mas posso te fala as características dela.

Carla: Ok.

Lana: Ela é loira com cabelos curtos, olhos azuis,um pouco alta por favor tente puxa a ficha dessa garota pra mim.

Carla: Porque tanto interesse assim na menina Lana?

Lana: Eu estou preocupada com a Manuela.

Carla: Estar preocupada com a sua namorada ou estar se sentindo ameaçada?

Lana:Carla não começa!

Carla: Ok parei, assim que eu descobrir alguma coisa eu te falo.

Lana: Obrigada.

              LIGAÇÃO OF

Finalizo a ligação, e automaticamente as lágrimas descem sobre meu rosto meu celular toca novamente e era minha filha.


               LIGAÇÃO ON

Baby: Mãe, eu posso ir na casa de uma amiga do colégio ?

Eu: Não! E você também não vai jantar com a Manuela.

Baby: Mas mãe...

Eu: Adriana eu disse que não!

Baby: Então eu posso ir pra casa do papai?

Eu: Filha não!

Baby: Mas mãe o que custa deixa eu fica com o papai? A senhora vai fica trabalhando pra esquecer a Manuela e eu pago o pato?

Eu: Filha eu estou um pouco estressada vou finalizar a ligação! Você não vai pra lugar algum hoje.

Baby: Que saco mãe... Vai me prende no seu castelo de novo eu te odeio mãe.

            LIGAÇÃO OF

Minha filha finaliza a ligação, e volto pra universidade pra  resolve  alguns problemas e acabo descontando nos meus funcionários meus problemas pessoais, a Manuela me deixou muito estressada e eu acabo sendo agressiva agindo sem pensar!Mas logo pesso desculpa pro meus funcionários demito alguns por causa da incompetência e o irmão da Manuela entra na minha sala chorando me deixando preocupada.

— Aconteceu algo com a Manuela? — Pergunto pro Marcos.

— Professora você precisa me ajuda! Eu sei que você é minha irmã tem um caso, e eu preciso dar uma notícia pra ela, mas não sei aonde ela estar morando, ela não atende minhas ligações não sei o que fazer. — Diz chorando me deixando mas aflita ainda.

— Minha mãe, morreu Lana por causa da maldita dívida do meu irmão, e eu preciso dar essa notícia pra Manuela. — Diz me deixando em choque. — Ele quer machuca a Manuela agora, só não a machucou ainda por causa da Maria Julia. — Diz e eu me pergunto o que essa garota tem haver com  o garoto que matou a mãe da Manuela.

— O Eugênio sabe desse acontecimento? — Pergunto e ele afirma que não, pesso pra ele senta e ligo pro Eugênio.

                   LIGAÇÃO ON

Eu: Eugênio, a Manuela já chegou aí na empresa?

Eugênio: Ainda não!

Eu: O irmão dela estar aqui na minha sala querendo falar com ela, sobre o imprevisto que aconteceu com a mãe dela.

Eugênio:Que imprevisto?

Eu: A mãe dela morreu, e eu não quero que ela saiba por celular! Tem como você traze-la aqui?

Eugênio: Tem como sim! Assim que ela chega eu a levo aí.

                   LIGAÇÃO OF

Finalizo a ligação, preocupada com a reação da Manuela.O irmão dela estava inquieto.
                   (...)

Depois de um bom tempo o Eugênio entra na minha sala junto com a Manuela que da uma risada irônica quando vê o irmão dela.

— Marcos...viu que eu não atendi suas ligações e veio pedir a Lana pra conversar comigo? — Diz a Manuela ironicamente.

— Manuela o que o seu irmão tem pra dizer é sério! — Digo e ela revira os olhos.

— Manuela eu estou tentando te ligar a um bom tempo, a mamãe estava morrendo de preocupação com você. — Diz Marcos e a  Manuela cruza os braços sorrindo balançando a cabeça com negação.

— A Mamãe nunca se preocupou comigo. —Diz e o marcos a interrompe dando a notícia.

— A mamãe morreu! Ela levou um tiro. — Diz Marcos e a Manuela fica paralisada, enquanto as lágrimas percorria no seu rosto. — O Henrique atirou na mamãe enquanto ela dormia só descobrimos que foi ele pois ele confessou em uma ameaça que o Mateus recebeu! Quando eu cheguei em casa eu vi a mamãe baleada e me desesperei. — Diz marcos e a Manuela olha pro Eugênio abaixa a cabeça e começa a se culpa.

— A culpa é minha, logo a mamãe Marcos? Eu vou atrás desse filho da puta e mata-lo. — Diz em meio os choros e o Eugênio a puxa pelo braço e ela o abraça e fica ali, durante muito tempo chorando. — Eugênio... Eu nem me despedir dela, eu não a perdooe direito e agora ela tá morta, eu quero minha mãe,eu quero abraça -lá dizer que eu a amo. — Diz Manuela soluçando e o Eugênio passava a mão sobre seu rosto.

— Manuela ela nos amava mesmo sendo uma pessoa cheia de defeito ela nos amava. — Diz Marcos olhando pra Manuela. — Manuela promete pra mim que você vai se cuida? Eu já perdi a mamãe não quero perder você. — Diz Marcos e a Manuela fecha os olhos e torna a olha pra ele.

— Eu vou cuida dela. — Diz Eugênio, Eu me aproximo da Manuela  dou um beijo em sua testa e quando e tento abraça-la ela pede pra mim se afasta dela.

— Não toca em mim. — Diz e o Eugênio me olha sem entender. — Não preciso da sua piedade. — Diz grosseira e eu recolho a mão e me afasto aos pouco super sem graça.

— Manuela? Vou te leva pra casa! pra minha casa, eu sei que talvez você não queria fica lá mas esse bandido estar querendo te mata, e eu não quero que ele te machuque deixa eu cuida de você pelo menos agora. — Diz Eugênio mas  Manuela estava tão mal com a notícia da morte da mãe que ela não respondia nada só sabia chora e se culpa por tudo que aconteceu.

Acompanho o Eugênio até o carro dele, ele ajuda a Manuela a entrar, e em seguida entra também dando partida no carro. E eu levo o irmão da Manuela pra casa, vejo se eles vão precisa de ajuda com o velório, interror mas eles não precisa.


             ***MANUELA***


Eu estava em choque com a notícia da morte da minha mãe, eu não a perdoei de verdade eu não atendi as ligações dela quando ela me ligava querendo apenas sabe como eu estava e agora ela se foi.
Eu a amava tanto mesmo com seus defeitos, imperfeições e mesmo sendo uma mãe horrível em algumas ocasiões.
Não queira perde - lá agora! e a culpa era toda minha, se eu tivesse arrumando algum dinheiro pra pagar a dívida do Mateus ele não a mataria agora eu não tenho mas minha mãe, agora ela se foi e eu nem disse pra ela o quanto eu a amo.





Notas Finais


Obrigado por lêem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...