História Meu Meio Irmão - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, V
Tags Incesto, Jimin Seme, Jungkook Uke, Meio-irmão, Romance, Sexting
Visualizações 651
Palavras 2.989
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


- Essa TwoShot foi postada na minha conta antiga "Naminne_inativo" mas apagada e estou aqui postando novamente
- É putaria por telefone de dois irmãos sim. Por favor, se não gostar, não leia.
- Boa leitura ^-^

Capítulo 1 - Ligação


Jungkook chegou em casa irritado.

— Me diz que isso não é verdade! — disse diante a seus pais. — Tae está mentindo, não é?

— Se estiver falando do que eu estou pensando, é verdade. Seu irmão vai morar com a gente. — disse sua mãe.

O pai de Jungkook havia tido outro filho quando deu um tempo com Rose no início do casamento, Lee nunca escondeu de ninguém, todos conheciam Jimin - que era mais velho 2 anos inclusive -. Mesmo ciente dessas condições, não podia acreditar que sua mãe estava tão bem em ter o filho de uma outra em sua casa.

— Ah, qual é! Só porque ele foi expulso de casa não quer dizer que vocês tem que aceitar aquele imbecil. Ele me dá nos nervos, vocês sabem disso! — quando eram menores e passavam tempos juntos Jimin só sabia lhe implicar e lhe bater sem motivos, acabou pegando uma certa raiva dele.

— Querido. É só questão de tempo para vocês se acostumarem um com o outro. Não podemos deixá-lo na rua ou sofrendo por aí. Somos uma família. — ela disse doce. Jungkook respirou fundo.

— Como quiserem. — não mandava na casa mesmo. — Mas... onde ele vai ficar?

— No seu quarto, você tem uma cama de casal, ele pode dormir com você. É só até fazemos o outro quarto. — Lee informou. Kook forçou um sorriso falso e disse "tudo bem". Todavia, pra si, nada estava bem.

.

.

.

O moreno tinha passado o resto dia fora, reclamando com o primo e melhor amigo, Taehyung. Que lhe aconselhou a não implicar o mais velho, disse que ele devia tar passando uma barra por sua mãe tê-lo expulsado de casa e que era melhor deixá-lo na dele. Jeon se pôs no lugar do outro por um momento e decidiu ficar quieto na sua. 

Entrou em casa normalmente como se não tivesse saído mais cedo igual a um furacão.

— Chegou bem na hora, vamos jantar, querido. — Rose falou, sorrindo. E nesse sorriso o garoto viu uma mensagem oculta de "seja legal". 

Reparou que Jimin estava diferente, parecia mais solto, brincalhão, menos idiota e mais bonito. Mas, definitivamente, não estava nem aí pra isso.

Jantaram e o tempo todo ficou calado, só respondia o que lhe era conveniente. Não pôde deixar de notar, um segundo sequer, que o ruivo não parava de lhe encarar e era de um jeito... diferente. Resolveu ignorar.

Foram pra sala ver o jogo que estava passando, o time deles estavam ganhando. Entretanto, Kook não prestava atenção, estava muito ocupado encarando Jimin, secando-o de cima à baixo. Fazia anos que não o via, não que gostasse da fruta mas tinha que admitir, ele estava muito gato. Seus cabelos tingidos de laranja eram lindos, o corpo definido mais ainda. Se fosse uma garota, iria pra cama com ele na mesma hora. Riu e todos voltaram a atenção pra si.

— Vou subir. Boa noite. — saiu risonho imaginando a merda que havia pensado. 

Pouco tempo depois, Park - sobrenome que pegara da mãe - se despediu e foi atrás de seu meio irmão.

— Então você vai ficar ignorando minha presença? — disse num tom provocante.

— Não estou ignorando, só não converso com quem não conversa comigo. — deu de ombros mexendo em seus livros.

— Você está bem diferente.

— Aish, Jimin, não diga bobagens. Continuo o mesmo moleque de sempre. — revirou os olhos.

— Está mais bonito e... gostoso. — se aproximou e o outro recurou, corando.

— O que? — o ruivo sorria sexy. 

— Nunca desconfiou o porque de eu implicar tanto com você, maninho? —  continuou se aproximando até encurralá-lo na parede. — Talvez seja porque morro de desejo e só queria sua atenção... — colou seus corpos. — Você me atraí tanto. Desde quando tinha apenas 13 aninhos já me fazia ter pensamentos insanos.

— Pervertido! Não diga essas coisas, nós somos irmãos, seu maluco!

— Isso não muda o fato de eu querer você sem roupa, totalmente a minha mercê, em uma cama.

— Jimin! Para de palhaçada, saí. — o empurrou, porém, ele agarrou sua cintura, cheirando seu pescoço e fazendo-o arrepiar.

— Não é brincadeira, estou falando sério.

— Era só o que faltava! Você gay?! Eu não acredito nisso. — exclamou irritado por estar tão envergonhado.

— Sabia que me dá tesão te ver assim, todo bravinho? Eu fico tão excitado! Na verdade, sempre fiquei. Você tem essa reação sobre mim. — não sabia explicar o porque mas suas pernas estavam tremendo. Nervoso com as sensações estranhas que o ruivo trazia, gritou.

— Vai se foder!

— Como você desejar. — atacou os lábios de Jungkook, beijando-o. 

O moreno se debatia mas logo cedera deixando que o outro explorasse sua boca com a língua. Acabou se deixando levar, passando os braços ao redor do pescoço de Park e aproveitando aquele beijo tão sensual, gostoso e quente. 

Em pouco tempo sentiu o pênis, já duro, de seu meio irmão se esfregando no seu, era uma sensação diferente e deliciosa. Eles se beijavam com tanta agressividade que às vezes seus dentes batiam. Estava muito bom, todavia, o moreno apareceu acordar.

— Não! — se afastou ao sentir a mão em seu membro. — Não, Jimin! Isso é loucura e eu ainda te odeio, não vai rolar. — agradeceu aos céus por não ter gaguejado.

— Me odeia? Por que maninho?

— Ainda pergunta? Você só me irritava quando criança, até me batia! Além de ser cínico, chato e viver me provocando!

— Kook... — tentou abraçá-lo.

— Não se aproxima. Eu não quero. Se tentar algo, sinta-se avisado, você dormirá no chão! E se continuar a insistir, eu irei fazer o papai te expulsar de casa assim como sua mãe fez! — a expressão do mais velho logo se tornou séria e então Jeon percebeu a burrada que fez, deve ter trazido lembranças péssimas a ele. — Desculpa t-tocar no assunto...

— Tudo bem. Não se preocupe. Eu não vou mais chegar perto de você. —  foi pro banheiro batendo a porta. Jungkook se xingou, não era pra ter jogado isso na cara dele mas ficou assustado com aquela aproximação e por ter gostado tanto daquilo. Jimin o deixou confuso. Não gostava de garotos, também não podia sentir atração por seu irmão, só que foi tão bom! A prova era a ereção no meio de suas pernas.

***

Depois daquele dia tentou se redimir, porém, Park não lhe dava papo. Ficou ignorando-o por uns dias. Entretanto, o ruivo era coração fraco e ao ver que Kook estava triste, passou a lhe dar toda atenção. E digamos que eles ficaram próximos do dia pra noite. 

Em poucos meses já era melhores amigos. Jimin até contou o porque teve que sair de casa. Sua mãe descobriu que era gay e não aceitou o fato, disse coisas pesadas ao filho e o expulsou. Jeon pediu desculpa mais uma vez por aquele dia ter ameaçado mandar o pai deles o por pra fora e o mais velho apenas pediu para ele esquecer aquilo. Afinal, também foi um idiota se jogando pra cima do moreno daquela forma. 

Com o tempo os dois passaram a ficar grudados um no outro, claro que depois de se conhecerem de verdade. A intimidade deles era bem grande, assim como o carinho um pelo outro. No final, uma paixãozinha nasceu ali no meio.

Park admitiu gostar de Jungkook um ano depois, quando teve certeza absoluta de seus sentimentos. Disse que não sentia apenas uma atração, que além do desejo, tinha uma paixão ali e que ela era muito forte. Bem, mais novo afirmou gostar dele como apenas como irmão. Foi triste? Sim, mas Jimin não desistiu. Passou a dar cantadas e investir de todas formas. Foi fofo, carinhoso, safado, romântico, porém, nada dava certo. Kook sempre lhe encarava todo corado e dizia que não iria rolar. Então no fim decidiu ficar na friendzone - só que lá no fundo nunca desistiria de tentar, mesmo o moreno lhe xingasse e batesse por ficar envergonhado demais pelas coisas que falava ou fazia.

***

Três anos se passaram. O ruivo estava com 23 anos e sentia que precisava procurar seu rumo então foi morar sozinho em um apartamento perto de seu trabalho. 

Jeon continuava do mesmo jeito, a mesma personalidade tímida, simpática e alegre. Os dois não mudaram quase nada nesse tempo, talvez tenham apenas amadurecido. Eles se viam sempre que podiam e na época que a saudade batia demais, ligavam um para o outro.

Dessa vez - o que era raro - Kook quem ligou. A verdade é que estava apaixonado demais e estava louco para, pelo menos, ouvir aquela voz. De toda forma, tinha medo. Medo porque nunca amou ninguém assim, medo por Jimin ser homem e medo por ele ser seu meio irmão. Sempre pensava em contar pra ele mas... e se ficassem, depois o mais velho não quisesse levar isso a diante? Era um de seus maiores medos. Pra falar a verdade, temia a tanta coisa que fazia sentido em todos esses anos nunca ter dito nada. No começo ignorava por ser muito novo e não entender essas coisas de sentimentos, agora, sentia que estava próprio se travando. Toda vez que tentava abrir a boca, voltava atrás por se lembrar de tantos problemas que apareceriam se fosse sincero e os dois chegarem a ter algo. 

Todavia, depois de desabafar com Taehyung percebeu o quanto estava sendo burro. Sabia que era recíproco, por que não aproveitar logo? Como seu amigo disse, o que estava esperando? Outra pessoa o roubar? Pegar a atenção que é sua, o coração que lhe pertence? Foi temendo a isso mais que tudo e pensando em seus sentimentos intensos que decidiu deixar os receios idiotas pra trás e ligar pro Park. E ligou decidido a se declarar!

O ruivo não estava em uma situação favorável. Encontrava-se excitado às duas da manhã por conta de um filme e tudo piorou quando seu irmãozinho ligou conversando consigo da forma mais manhosa possível.

— Jimin-ah...

— Está tudo bem? São duas da manhã. — fechou os olhos. — Por que diabos está me ligando a essas horas? — suspirou.

— Eu estava pensando, Jiminnie... — sentiu uma fisgada no membro ao perceber o quão manhoso ele estava.

— Em que você estava pensando? — suspirou de novo, se ajeitando na cama tentando esquecer a ereção ali presente - e era difícil.

— Estava pensando na saudade que estou sentindo. Na falta que você faz...

— Ah. Você está sentindo minha falta? — sorriu com isso.

— Sim. Eu sinto... e sabe... muito. — murmurou tímido.

— Eu também sinto tanta falta. Falta de ver seu rosto lindo, dos seus lábios tão macios que eu poderia beijar o dia todo, seu corpo gostoso que poderia fazer loucuras com ele...  — Kook fechou os olhos extremamente corado enquanto pensava em tudo que ele disse.

— Jiminnie...

— Se você aceitasse ser meu... — parou porque se começasse sabia que não iria parar.

— O que tem? O q-que você faria se eu aceitasse, hyung? — o ruivo arfou.

— Kook-ah! Você me chamou de hyung?

— Sim... Hyung, o que você faria?

— Quer mesmo saber? — mordeu o lábio.

— Quero saber de tudo, Jiminnie.

— Bem... Eu te faria subir pelas paredes, Kook.

— É? — mantinha os olhos fechados. — E como seria? Me conta!

— Kookie...

— Eu quero saber, hyung.

— Ah! Pra começar eu puxaria sua nuca, tomaria sua boca linda em um beijo selvagem, bem gostoso, porque eu sei que você gosta disso, bebê. Exploraria toda sua boca, nossas línguas se encontrariam se acariciando, brigando por controle. Eu tomaria a ousadia de chupar a sua línguinha e morder seu lábio, talvez sangraria por eu estar sedento por você... — sua respiração estava pesada e a de Jungkook estava ficando no mesmo estado.

— Uhmm...

— Eu te dominaria e depois me roçaria em você só pra te provocar. Pensa, nossas ereções totalmente duras se esfregando aquela fricção gostosa, a calça apertada precisando ser tirada logo e você gemendo pra mim...

— E-eu gemo, sim... — estava com vergonha por ouvir aquelas coisas mas estava bom, não queria que seu irmão parasse.

— Eu colocaria as mãos na sua bunda, apertaria e te puxaria, trazendo pra mais perto do meu p...

Aaah, Jiminnie... para. — na verdade queria dizer "não para" mas o "não" sumiu. Apertou o volume por cima da roupa, sentia-se excitado e era tudo por culpa de Park! Ele já havia tentado fazer isso outras vezes mas sempre o impedia, agora, foda-se! Ligou pra dizer que o queria mesmo. O único problema era sua timidez. Tudo bem, a deixaria de lado porque queria aquilo muito!

— Uhm... — dava pra ouvir Jimin tirando a roupa e começando a se tocar. — O que mais, h-hyung? — tirou sua blusa e chutou a bermuda pra lá.

— Eu tiraria sua roupa com rapidez, chuparia seu pescoço, minha língua ágil brincaria com seus mamilos rosadinhos...

— Aahh... Eu gosto. Eu gosto que brinque com eles, hyung. — os acariciou.

— Eu lamberia seu abdômen, seguraria sua ereção bem firme, minha língua passaria por todo seu pau, brincaria com a sua glande para então poder te chupar com vontade. Depois, deixaria você foder a minha boca, bebê.

— Jimin-ah... — desceu a mão pelo abdômen, até chegar lá em baixo, acariciando seu membro por baixo da cueca e gemendo o nome dele.

— É... Eu faria isso. — sorriu. Sua voz estava bem rouca, estava morrendo de tesão. Passava a mão por seu pênis lentamente, queria sentir o máximo de prazer. — Sabe o que eu faria depois?

— O-o que?

— O viraria de costas pra mim, morderia sua bunda e apertaria as bandas pra então adentrar minha língua em seu cuzinho. — Jeon gemeu alto ao imaginar. Tirou a cueca, logo tratando de se acariciar lá atrás da forma que nunca havia feito na vida. — Ah, amor! Eu daria linguadas, rodearia e penetraria, beijaria seu cuzinho lindo de uma forma que o faria delirar e gemer bem alto meu nome.

— Uhmm... g-gostoso, hyung. — acariciava sua entrada, prestando atenção em Jimin que estava o deixando cada vez mais excitado.

— Eu colocaria um dos meus dedos em você, te preparando pra mim. — o moreno enfiou um de seus digitos gemendo manhoso, fazendo o outro pulsar. — Eu não iria esperar você acostumar, sei que não gosta de enrolação e que gosta da minha brutalidade, por isso, depois de te preparar um pouco, te jogaria na cama e meteria em você. Sem dó, amor. — Kook trincou os dentes sentindo seus dedos irem cada vez mais fundo com movimentos rápidos, doloridos e também prazerosos. Park aumentou o ritmo de sua masturbação imaginando a cena e que tesão da porra estava sentindo!

— Ah, bebê. Você gemeria de incomodo mas também de prazer, a dor sumiria aos poucos, meus movimentos graves te enlouqueceriam, você gemeria manhoso... Uhm... Eu indo bem fundo, com força fazendo você pular e gritar meu nome, delirando de puro êxtase. Ohh...! — sua mão subia e descia com habilidade. Estava enlouquecido de tanta excitação, assim como o moreno.

— Aahn... Ji... N-não faz assim comigo...

— Amor, sei que você não quer que eu pare. — se masturbava bem rápido.

O moreno colocou o telefone no viva-voz para ouvi-lo enquanto usava uma mão pra se dedar e a outra para se bombear. Era um prazer fodidamente intenso, mal conseguia imaginar se fosse Jimin ali de verdade.

— Eu puxaria sua cintura mais pra perto, deixaria suas pernas envolverem minha cintura. Você unharia minhas costas com força deixando marcas, eu beijaria sua boca desajeitado porque, bebê, eu estaria te fodendo como um animal. Você ficaria tão rouco de tanto gritar de prazer. Ah, como me aproveitaria a sensação maravilhosa do seu interior quente. Jungkookie... — sentiu seu corpo vibrar por conta de sua mente criar toda aquela cena.

— Jimin... Jiminnie... Aaawn...! — rebolava em seus próprios dedos os enfiando com força, sem parar de se tocar.

— Eu te fodo tão bem, acharia seu ponto rapidinho e faria ver você ver as estrelas. Você gritaria, bebê, se contorcendo em baixo de mim, se contraindo. Gozariamos juntos, soltando arfares altos, revirando os olhos de tanto êxtase. Oh...! Vem. Vem Kookie. Vem pra mim.

— Aaah, Ji... min... — sentiu seu corpo o corresponder a ele, sentia o interior se contrair e os espasmos tomarem conta. — Hyung!

O ruivo gemeu uma última vez sentindo seu corpo se contorcer. Ambos gozaram de forma abundante, sujando seus abdômens. Ficaram em silêncio só ouvindo a respiração descompassada um do outro. Após recuperarem o fôlego, Kook se pronunciou.

— Isso foi uma boa loucura, Jiminnie. — deu uma risadinha.

— Foi muito bom. — suspirou.

— Foi ótimo! Você é maluco sabia? — sorriu bobo.

— E vamos fingir que você não gosta.

— Você me paga. Vai ver quando nos encontramos... — disse tentando ser sensual, tentando ameaçá-lo. Ele gargalhou.

— É? Esperarei ansiosamente por isso, bebê. Ei, por que me ligou mesmo?

— Eu disse, estava com saudades... E... eu liguei pra dizer que não vou mais fugir. Não sei onde estava com a cabeça pra te negar e fazê-lo esperar por tanto tempo, eu te amo, sempre te amei, hyung. Estava com medo mas eu não quero te perder pra outra pessoa. Eu te quero mais que tudo, mesmo que isso seja errado, uma insanidade, pecado, ou o que for. Nós amamos e isso que importa, quer dizer. Eu te amo. Você ainda me ama, Jimin-ah? — disse nervoso, sentindo seu coração bater mais rápido que o normal.

— Amém! — gritou e riu em seguida. — Vem pra cá agora, Jeon Jungkook. Vem dizer que me quer, que me ama, olhando meus olhos. — mandou.

— Yah! Está falando sério?

— Estou mandando um táxi pra você.

— Seu louco! São quase três da manhã!

— E eu preciso de você mais que qualquer coisa nesse mundo. Tem que ser agora, Kookie!

— Chego em meia hora.

Jimin sorriu e mordeu o lábio. Estava extremamente feliz agora que, finalmente, era correspondido pelo seu irmãozinho da forma que sempre sonhou. E se depender de si, a partir de agora, Jungkook seria seu, para sempre.


Notas Finais


Continuo? :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...