História Meu Meio Irmão - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, V
Tags Incesto, Jimin Seme, Jungkook Uke, Meio-irmão, Romance, Sexting
Visualizações 599
Palavras 3.147
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Para fechar com chave de ouro: LEMOOON
Espero q gostem! Boa leitura! ♡

Capítulo 2 - Madrugada de Amor e Prazer


Jungkook tomou um banho e vestiu apenas um moletom. Foi andando pé por pé tentando não fazer barulho para evitar acordar seus pais. O que não adiantou muito já que fora desastrado o bastante pra tropeçar e cair no chão.

— Kook? — ouviu a voz de Lee vindo em sua direção, se levantou andando rápido tentando alcançar a escada antes que começasse o interrogatório. Conseguiu descer e...

— Parado aí, mocinho! — o pai apareceu no topo da escada. — Onde pensa que vai as três da manhã?

— Eu... É que...

— Não precisa dizer nada. — veio até ele. — Eu já sei. 

— S-sabe? — estava ferrado, não só ele mas seu hyung também.

— Eu já tive sua idade. É normal ter uma namoradinha e ir dar umas metidas no calor da madrugada. — o rapaz arregalou os olhos.

— Pai! — exclamou indignado.

— Não seja tímido! Está levando camisinha? Se quiser, eu te...

— Não! De verdade, não precisa. Eu... Er... — olhava pra todo lado menos para seu pai, estava corado e com vergonha. O mais velho riu.

— Desculpa. Pode ir. Não a deixe esperando mais. Já demorou o suficiente no banho, não é? —  Jungkook assentiu rápido. — Espera! Aqui.

— A chave do seu carro? Mas papai, você morre de ciúmes dele.

— É por uma boa causa! Agora vá, garanhão. — ele saiu as pressas tendo a certeza que eu pai era o ser mais constrangedor do mundo. Pelo menos não teria que esperar táxi, logo, não demoraria a chegar na casa de Jimin e se jogar em seus braços. 

Sentia-se feliz e muito ansioso. Estava com medo também. Sempre fora medroso. Agora nesse contexto, por mais que soubesse que o ruivo nunca lhe machucaria, ouvira dizer por aí que fazer sexo pelo bumbum doía muito. Quer dizer, uns diziam que sim, outros que não. A dúvida, a falta de certeza do que iria de fato acontecer naquela madrugada era motivo para lhe deixar amedrontado. Suspirou. Tinha que afastar tudo o que lhe deixava apreensivo e também qualquer indícios de vergonha para fazer as coisas darem certo. Desejava-o só Deus sabe a quanto tempo, agora que estava dando tudo certo não podia estragar tudo fugindo como um virjão. Isso estava fora de cogitação! 

Quando chegou, ligou para o irmão.

— Jimin? Eu já estou aqui. Papai me emprestou o carro, vou colocá-lo na garagem.

— Claro, amor. Ah! Antes que desligue, a porta está aberta, tranque quando passar. Até loguinho, Kookie! — desligou, fazendo o moreno suspirar.

Fez como fora pedido e trancou a porta após passar pela mesma. Observou cada detalhe do cômodo, nada estava diferente desde a última vez que estivera ali, era tudo muito arrumado e aconchegante. Assustou-se ao ser agarrado por trás. 

— Seja bem vindo a nossa noite de prazer, Jungkookie. — ele sussurrou rente ao ouvido alheio. Kook ao sentir a respiração quente, arrepiou-se por inteiro. Ofegou baixinho ao ter a orelha beijada lentamente e no fim, mordida. O ruivo desceu as mãos, acariciando-o. Adentrou-as por dentro da blusa de moletom, apalpando o abdômen definido. Enquanto isso, maltratava o pescoço dele com beijos molhados e chupões. Quando as mãos chegaram nos mamilos, Kook gemeu baixinho deitando a cabeça no ombro do irmão, entregue aquela carícia gostosa e deveras excitante.

— Que tal irmos pro meu quarto, uhm? Lá as coisas serão bem mais... — Jeon virou-se de repente, interrompendo-o com seus lábios. Os braços rodearam o pescoço de Jimin, as mãos acariciaram a nuca e puxaram alguns fios ruivos durante aquele beijo apressado. Mesmo surpreso o mais velho correspondeu a altura. Sua língua era ágil e fazia o ósculo ficar cada vez mais prazeroso. Foi empurrando Jungkook pelo corredor, ainda beijando-o afoito. Às vezes trombavam em alguma coisa ou na parede, quando era na última, fazia questão de pressionar seus corpos e sugar os lábios alheios demoradamente. Ou, simplesmente voltava a atacar a pele macia do pescoço enquanto as mãos se satisfaziam apertando as nádegas, fazendo-os roçar as ereções evidentes.

Dessa vez parou perto da porta de seu quarto, arrancando a blusa do moreno, levando os lábios a um dos botõezinhos e lambendo para depois chupar. Kook jogou a cabeça para trás, sem importar ao senti-la chocar-se na parede. Arqueou as costas, gemendo dengoso, ao sentir Park abusar - deliciosamente - de seus mamilos. Logo ele trocou de lado, manteve-se do mesmo jeito, onde não estava com a boca mexia entre os dedos. Brincou ali até deixá-los rijos e umidos, assim como o pênis do mais novo.

Voltou a beijá-lo sensualmente e o pegou no colo, levando-o para dentro do cômodo onde jogou-o em sua cama. Ao tirar a segunda e última parte do conjunto de moletom, sorriu. Ele não estava usando mais nada.

— Nossa... — lambeu os lábios, mordendo-os enquanto admirava-o por inteiro. Os cabelos sedosos estavam bagunçados, o rosto parecia uma obra de arte. Os lindos olhos estavam brilhantes, as bochechas coradas, a boquinha entreaberta estava vermelhinha e pouco inchada. Jungkook é agradável. O corpo era malhado, não em exagero, tinha a pele clara e macia que estava desprovida de marcas - até no momento -. Jungkook é gostoso. Ele estava encarando-o como se lhe admirasse e parecia tão entregue. Jungkook é, sem dúvida alguma, perfeito. 

— Por que me olha tanto? — estava sentindo-se ainda mais quente sob aquele olhar intenso. 

— Você é lindo. Perfeito. E eu te farei se meu. — ele veio até Jimin, engatinhando. Porra! Na visão do ruivo, tudo o que ele fazia era extremamente sensual. Era assim com Jungkook também, pra ele, tudo o que o irmão fazia era sexy para caralho. Suas mãos puxaram a camisa dele, passando a desabotoa-la, beijava cada pedacinho de pele que ia sendo descoberta. Quando terminou, acariciou o peito e o abdômen semelhante ao seu. Os olhos brilhantes encararam Park e os lábios gostosos sorriam.

— Você também é lindo, hyung. — beijou-lhe o queixo. — Lindo demais! — segurou o rosto dele. — E muito perfeito! — selou-o. — Eu quero ser seu. Inteiramente seu. — o ruivo puxou sua nuca, beijando-o de um jeito fogoso. As línguas dançavam juntas eroticamente, os corpos despidos - o do mais velho não totalmente pois ainda lhe restava a cueca — esfregando-se, proporcionava um enorme tesão em ambos. 

— Sabe que eu te amo, não é? — perguntou Jimin, interrompendo o ósculo.

— S-sim. Eu também amo você, Jimin-ah. — voltaram a se agarrar. — Uhm... Espera... — disse entre o beijo. — Eu quero... — desceu da cama, empurrando-o e obrigando-o a sentar na beirada. Logo voltou a se ajoelhar, dessa vez no chão. — Eu quero... 

— O que você quer, bebê? — perguntou sorrindo safado, deslizando os dedos pelo rosto dele.

— Quero tocar e... Quero chupar, hyung. Deixa? — piscou os olhos numa falsa inocência. Podia ser tímido mas nunca inocente. Park praguejou, sentindo seu pau pulsar por conta das palavras proferidas de uma forma tão doce.

— Ele é todo seu, faça o que quiser, gracinha. — viu ele sorrir, aproximando-se mais e segurando-o pela base. Moveu a mão devagar, observando tudo, como se nunca tivesse visto um pênis ereto e como se não soubesse quais as sensações que ele enviava ao corpo. Jimin segurou os fios escuros pra tentar se controlar e não foder aquela boquinha - que no momento estava sendo lambida pelo próprio dono - de uma vez por todas.

— Eu nunca fiz isso mas vou dar o meu melhor! — exclamou animado, lambendo-o para então colocá-lo na boca. Rodeou a língua na glande e sugou, fazendo o ruivo estremecer e morder os lábios. Foi descendo, provando-o por inteiro. 

— Que gostoso, hyung. — sorriu sapeca ao ouvi-lo xingar. Sentiu-o puxar seus cabelos com mais força quando o engoliu, iniciando os movimentos. 

Não demorou a pegar o jeito, num piscar de olhos estava chupando-o com vontade, movendo a língua, e fazendo o mais velho arfar. 

— Jungkookie...! — não aguentou segurar-se por muito tempo, logo movia o quadril, fodendo a boquinha deliciosa com brutalidade. Kook não reclamava - nem quando se engasgava - pois estava amando fazer aquilo. Tanto que gemia em satisfação, o que causava uma vibração gostosa durante a felação e fazia Park gemer mais alto.

— Ahn... Chega! — o afastou, fazendo-o parar e vendo-o lhe encarar com um olhar pidão. — Não faz assim. Não quero gozar agora, amor. — ajudou-o a se levantar e lambeu a saliva que escorria por seu queixo, não demorando a adentrar a língua na boca dele, iniciando um beijo eufórico.

Jimin o fez deitar na cama novamente, beijava-o cheio de tesão, e para provocar seu irmãozinho passou a mover o quadril, roçando suas ereções.

— Aaah... Jiminnie... — gemia baixo e também movia o quadril, gostando daquela sensação. Segurou o irmão pelo quadril quando ele ameaçou a se afastar.

— Quero te chupar também, bebê.

— Depois! Agora eu quero você. Por favor, hyung... — disse manhoso, necessitado.

— Calminha, amor. Precisamos te preparar primeiro. 

— Então anda logo. — exigiu, fazendo-o rir. 

— Seu pedido é uma ordem. — buscou o lubrificante, não demorando a deixá-lo pronto. Todavia, ainda provocava com os dedos ágeis. 

— Ah... Eu não aguento mais! — trouxe o rosto dele para perto. — Por favor... — lhe encarava com desejo. — Quero sentir você me possuindo. — murmurou, esfregando seus lábios. Park beijou-lhe cheio de desejo. Se ajeitou no meio das pernas alheias e mesmo sentindo-se insano, manteve a calma e foi com cuidado.

— D-doí. — mordeu o lábio, apertando o lençol. Sentia lágrimas se acumularem em seus olhos, a sensação de início era como se estivesse sendo rasgado. Para distraí-lo até melhorar, Jimin iniciou uma série de beijos nele, no rosto, no pescoço, no peito. Rapidamente ele relaxou, percebendo isso o mais velho começou a se mover.

Inexplicavelmente, toda aquela dor inicial se transformou em um grande prazer. De repente Kook sentia que precisava de mais, muito mais.

— Hyung... — gemeu, apertando os ombros dele enquanto rebolava contra as investidas. — Mais! 

— Quer mais, bebê? Pois eu vou dar mais, com prazer. — sorriu sexy. Aumentou o ritmo gradativamente até estar enlouquecendo Kook com aquelas estocadas. Porra. O ruivo fodia tão bem! Não conseguia parar de gemer e de mordê-lo, tentando descontar o prazer que sentia de uma forma.

— Ohh... Jiminnie...! — senti-lo se movendo dentro de si daquele jeito era tão gostoso. E estar no lugar de Park também. Inclusive ele estava sentindo sua sanidade dar adeus mais e mais diante daqueles gemidos. O prazer que o mais novo estava sentindo era imenso, seu irmão estava tirando-o de si cada vez mais com aquelas estocadas perfeitas. 

O ruivo não parava os movimentos, metia como um animal, por essa razão, Kook deixara de raciocinar a muito tempo. Unhava, mordia, bagunçava e puxava os fios laranjados, gemendo alto, todo descontrolando.

— Kookie... Você é tão gostoso. Tão quente e... Uhm... adoro te sentir apertando meu pau.

— Jiminnie... Ah... Hyung...

— Você gosta? Gosta de me sentir inteirinho em você? 

— Sim! Sim! Ohh! Amo... — encontrou a próstata dele, fazendo-o sentir uma onde insana de prazer, tanto que revirou os olhos, quase gritando em deleite. 

— Parece que eu encontrei um lugarzinho especial...

— D-de novo. De novo, Ji... — pediu manhoso. Ele sorriu e passou a investir ali, agora com mais calma. 

O moreno sentia-se em êxtase, estava rouco de tanto gemer mas ainda continuava. Não iria aguentar muito tempo, aquela sensação entorpercia seu corpo, dominava seu ser e fazia-o pulsar veemente. Park vendo que não dava pra prolongar mais, pois eram tanto desejo e excitação entre eles, acelerou novamente. Estava tão intenso que fazia a cama bater na parede mas, definitivamente, ninguém se importava com isso.

Jungkook sentiu o corpo vibrar e as sensações do orgasmo se fazerem presentes. Os dois vieram quase juntos, gozaram deliciosamente.

Ofegante, Kook beijou seu amor.

— Me desculpa ter fugido dos meus sentimentos, eu estava confuso e também com uma crise de medo por você ser meu meio irmão. Acabei só nós fazendo perder tempo, não é? 

— Não precisa se preocupar, eu sei muito bem o que você passou.

— O que importa é que estamos bem agora, certo?

— Certíssimo.

— Jiminnie... Você ainda está dentro... — disse corado, mordendo o lábio.

— E vou continuar, quer dizer, daqui a pouquinho. — piscou safado.

— O que quer dizer com isso? — ele respondeu virando seu corpo e puxando o quadril, deixando-o de quatro. Jeon estava surpreso e envergonhado por estar de quatro. Afundou a cara no travesseiro. Teriam um segundo round? Só de pensar ficava profundamente animado. 

Park observava aquele buraquinho maltratado, seu esperma escorria dali sujando as pernas de Jungkook. Achava um tesão vê-lo dessa forma! Lhe deu um tapa ouvindo um gemido resmungado em resposta, logo foi outro, outro e outro, deixando o bumbum dele vermelhinho.

— Eu vou te dar o prazer que nenhum homem te deu e que se depender de mim, nunca mais terá a chance de dar.

— Jiminnie... — gemeu abafado. Ele lhe deu beijinhos atrás das coxas, lambeu o sêmen que escorreu e focou nas nádegas, enchendo-as de mordidas. Seprarou as bandas e lambeu, logo rodeando com a língua fazendo o irmão gemer alto e apertar o travesseiro enquanto começava a sentir as pernas formigarem. Que sensação era aquela? Só sabia dizer que era ótima e se tornava melhor a medida que Jimin se empenhava em mover aquele músculo úmido e quente de uma forma bem ágil.

— Awnn... — estava cheio daquele prazer diferente mas não menos intenso. Segurava a cabeça de Park, forçando-o a penetrar mais a língua. Rebolava gemendo alto e manhoso demais. 

— Minnie... Eu... Aaah...

— Não vai. — se afastou. — Bem que eu queria te fazer gozar só com um beijo grego mas eu preciso que você cuide de mim também. — esfregou-se ali no meio, sem penetrá-lo, mostrando o quanto estava excitado.

— E-eu quero cuidar de você, hyung. Vem. — balançou o quadril de um lado pro outro se insinuando. O ruivo sorriu malicioso e segurou a cintura dele, entrando de uma vez. Kook jogou a cabeça pra trás e gemeu sôfrego mas o prazer, dessa vez, dominou seu corpo rapidamente.

— Caralho... Jiminnie... Uhm... Assim...— com o tempo, estava passando a gemer como uma puta mas não estava ligando pra isso. O ruivo também gemia em deleite, porém, baixo. 

— Eu quero... Quero mais!

— Mais o que, conta pro hyung. — mordeu sua nuca ouvindo um choramingar. 

— Awn... Mais forte, mais rápido. — ele o fez. — Aaah... a-assim... gostoso, Ji. — apertava o lençol e jogava o quadril.

Dali a pouco tempo estava doido para gozar pois estava, novamente, em seu limite. Revirava os olhos e até mordia o travesseiro. 

— Pede pra eu te deixar gozar, delícia!

— Yah... Hyung! — ele o fez se ajoelhar e segurar na cabeceira da cama, colando seus corpos, passando a estocar calmo, porém, com força.

— Ahhn... — deitou a cabeça no ombro dele apertando a cabeceira.

— Vamos. Pede! — continuou com sua tortura de ir lentamente.

— Jiminnie... Uhmm... — tremeu nos braços dele após sentir uma estocada forte em seu ponto. — Oh! P-por favor! Me faz gozar, hyung. Por fa... Aaah...  — gemeu alto, afinal, ele havia aumentado bem o ritmo. Empinou mais a bunda, sentindo as sensações intensas tomarem conta de si. O mais velho mantinha estocadas firmes e certeiras, fazendo-o arquear e gemer descontrolado, apertando a cabeceira com força demasiada. Sorriu diante disso e da bela gozada que Jungkook dera. 

Deixou-o se sentar e envolveu os dedos nos fios escuros. Bombeou sua ereção próxima a boca do irmão, que sorriu meio lerdo por sentir os resquícios de seu orgasmo. Ele passou a língua nos testículos alheios pra depois dar atenção a glande. Passou os lábios ali junto da língua em um beijo molhado tanto pela saliva quanto pelo pré gozo, fazendo seu hyung finalmente jogar a cabeça pra trás e gozar acabando por lhe lambusar todinho. Kook se não tivesse acabado de fazer isso, também teria vindo ao ver aquela cena tão erótica. A expressão que Park fazia na hora H era sensacional, sentiu-se privilegiado por ter assistido de perto. 

Jimin lhe beijou lento e com paixão, acabando por sentir seu próprio gosto agridoce, pra depois se deitar com o mais novo em seu peito.

— Vamos tomar banho? — perguntou após alguns minutos acariciando os fios escuros, agora suados.

— Nãooo. — resmungou manhoso. — Não quero agora. Me sinto relaxado e com soninho... Obrigado por fazer gostoso, hyung. — o ruivo riu.

— De nada. 

— Posso dormir? — perguntou encarando-o com os olhos semiabertos.

— Só depois de tomar banho. Tem porra até no seu nariz. — disse risonho. 

— Yah! De quem será a culpa, safado?

— Com certeza não é toda minha. — pegou-o no colo, indo para o banheiro.

— Eu te amo, hyung.

— Eu também, Kookie, eu também. — lhe deu um beijo na testa. 

Ajudou-o com o banho e depois dormiram tranquilos juntos.

.

.

.

Jungkook acordou na hora do almoço, se levantou e fez uma careta sentindo seu quadril doer mas sorriu ao lembrar do motivo. Seguiu para o banheiro pra fazer suas higienes e tomar um banho pra despertar o corpo.

Enquanto sentia a água morna gostosa tocar sua pele, começou a pensar em Jimin, em como a raiva que sentia por ele no início era um desejo encubado, em todos os anos de amizade, em como ele se tornou especial e em como veio parar aqui. Sorriu. Demorou muito tempo pra admitir e tomar coragem de ficar com ele por ser seu meio irmão, agora que conseguiu tê-lo pra si, não jogaria essa chance fora. Iria lutar pelo mesmo e amá-lo por toda eternidade.

Sentiu braços lhe envolverem a cintura e lábios selarem em seu pescoço.

— Você acordou cedo. — disse deitando a cabeça nas costas dele.

— Já são quase uma da tarde!

— Verdade? Nem percebi. O tempo para quando estou ao seu lado.

— Que romântico. — riu. — Nem parece o cara safado e sem limites de ontem.

— Eu sei ser os dois.

— Sorte a minha. — virou-se  abraçando-o com um sorriso no rosto. — Eu realmente te amo, Jimin-ah. — disse com os olhos brilhando.

— Eu realmente te amo, Jungkookie. Quero e vou sempre lutar para te ter pra mim. Espero. Espero que queira isso também, se não concordar eu te sequestro e te faço de meu refém, meu escravo sexual. — sorriu divertido.

— Seu refém estou sendo desde que me apaixonei por você e eu viraria seu escravo sexual por livre e espontânea vontade. Mas sim, eu quero e também vou lutar pelo nosso amor. — beijou-lhe o nariz, o queixo, na verdade o rosto inteiro enquanto repetia que o amava. Park gargalhava gostosamente. — Sinto que nunca me cansarei de dizer isso.

— E eu nunca vou me cansar de ouvir. — deu seu lindo sorriso.

O que estavam tendo era melhor que tudo porque não era sonho ou imaginação. Era real. Era amor.


Notas Finais


Ignorem erros, estou postando com pressa e eles sempre ficam de intrometidos :')
Obrigada e até a próxima! :3♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...